i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Felipe Koller

Foto de perfil de Felipe Koller
Ver perfil

Intersecções entre religião e espaço público

Passo a passo

Como funciona o Sínodo dos Bispos

  • Por Felipe Koller
  • 29/08/2019 18:07
A Sala do Sínodo, no Vaticano, onde acontecem as assembleias sinodais.
A Sala do Sínodo, no Vaticano, onde acontecem as assembleias sinodais.| Foto: Thomas Dowd

O Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, convocado pelo papa Francisco em setembro de 2017 e programado para acontecer no Vaticano no próximo mês de outubro, tem gerado muito interesse – ainda mais depois de a região amazônica ter voltado a suscitar atenção mundial nas últimas semanas.

O Sínodo dos Bispos, compreendido em todas as suas fases, é, essencialmente, um espaço de ampla escuta e de discernimento comum. No meu último texto, procurei desfazer alguns mal-entendidos sobre o Sínodo da Amazônia. Agora, a proposta é compreender, passo a passo, como um sínodo se realiza.

O caminho de um sínodo

Fase preparatória
Convocação

O caminho de uma assembleia sinodal começa quando o papa torna pública a sua convocação, anunciando o seu tema e a data. Geralmente o papa faz esse tipo de anúncio durante a oração do ângelus – aquele momento tradicional em que ele aparece na janela do Palácio Apostólico, todo domingo ao meio-dia. O tema é escolhido pelo papa com base nas sugestões recebidas e avaliadas pela Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos.

O papa no ângelus do último domingo (25), a tradicional oração de meio-dia que ele preside da janela do Palácio Apostólico.
O papa no ângelus do último domingo (25), a tradicional oração de meio-dia que ele preside da janela do Palácio Apostólico.| Vincenzo Pinto/AFP
Fase preparatória
Conselho pré-sinodal

A Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos é uma repartição permanente da Cúria Romana responsável pela coordenação dos processos sinodais. Anunciado o tema de um sínodo, o secretário geral pode constituir uma comissão preparatória formada por especialistas, que colabora na redação do documento preparatório e do instrumentum laboris. O conselho pré-sinodal da assembleia sobre a Amazônia, por exemplo, é formado por 18 pessoas nomeadas pelo papa, 12 das quais atuam na região amazônica.

Alguns dos membros do conselho pré-sinodal da assembleia de 2019, junto com o papa.
Alguns dos membros do conselho pré-sinodal da assembleia de 2019, junto com o papa.| REPAM
Fase preparatória
Documento preparatório

O primeiro texto que a Secretaria Geral publica são os lineamenta, ou documento preparatório. É um texto que aponta alguns caminhos de reflexão sobre o tema. Dele faz parte um questionário que tem por objetivo recolher as contribuições das comunidades locais, universidades e institutos, ordens e congregações religiosas, conferências episcopais e outras instâncias.

O secretário geral do Sínodo dos Bispos, Lorenzo Baldisseri (o terceiro a partir da esquerda), e o subsecretário, Fabio Fabene (o segundo), na apresentação do documento preparatório do sínodo de 2018, na Sala de Imprensa da Santa Sé.
O secretário geral do Sínodo dos Bispos, Lorenzo Baldisseri (o terceiro a partir da esquerda), e o subsecretário, Fabio Fabene (o segundo), na apresentação do documento preparatório do sínodo de 2018, na Sala de Imprensa da Santa Sé.| Vatican Media
Fase preparatória
Consulta do Povo de Deus

Ao redor do documento preparatório acontece o processo de consulta sinodal nas Igrejas locais, que pode se dar por meio de questionários, assembleias e reuniões pré-sinodais. Para o sínodo de 2019, por exemplo, foram realizados 274 espaços de escuta sobre o tema, a maior parte deles (179) no formato de rodas de conversa com comunidades da Amazônia. Assim, cerca de 22 mil pessoas participaram dessa fase do sínodo, incluindo representantes de 172 dos cerca de 280 povos indígenas da Amazônia que não vivem em isolamento voluntário.

A Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos recebe uma síntese dessas contribuições. As universidades também podem elaborar estudos sobre o tema do sínodo e remetê-los à Secretaria Geral. Para além desses caminhos organizados, qualquer fiel, sozinho ou em grupo, tem o direito de enviar suas contribuições diretamente à Secretaria Geral.

Em março de 2018, foi realizada em Roma uma Reunião Pré-Sinodal com jovens do mundo todo, cujas contribuições foram encaminhadas à assembleia sinodal daquele ano.
Em março de 2018, foi realizada em Roma uma Reunião Pré-Sinodal com jovens do mundo todo, cujas contribuições foram encaminhadas à assembleia sinodal daquele ano.| Vatican News
Fase preparatória
Nomeação do relator geral

Meses antes do sínodo, o papa nomeia um relator geral, que geralmente é um cardeal. Durante a assembleia, ele coordena a discussão sobre o tema e a elaboração do documento final do sínodo. O papa nomeia ainda secretários especiais, geralmente dois, que assistem o relator geral em suas funções.

O cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, é o relator geral do Sínodo da Amazônia.
O cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, é o relator geral do Sínodo da Amazônia.| Vatican News
Fase preparatória
Instrumentum laboris

A partir da sistematização das contribuições recebidas durante a consulta sinodal, prepara-se o instrumentum laboris, ou documento de trabalho. Esse texto está longe de ser um documento final: ele é, na verdade, um ponto de partida. É a pauta da assembleia sinodal em si. Em suma, é um texto que serve justamente para ser discutido – claro, com o respeito que vem da consciência de que existe a contribuição de muitas pessoas por trás daquelas linhas.

O instrumentum laboris do sínodo de 2019.
O instrumentum laboris do sínodo de 2019.| LEV
Fase preparatória
Nomeação dos presidentes delegados

Quem preside a assembleia sinodal é o papa. Francisco, porém, prefere ficar em silêncio durante todo o sínodo e só falar na abertura e no encerramento. Quem exerce a presidência em seu nome são os presidentes delegados que ele nomeia alguns meses ou semanas antes do sínodo. São geralmente quatro, todos cardeais.

Os presidentes delegados presidem a assembleia em nome do papa. Na foto, durante momento de oração no sínodo de 2018, os três primeiros cardeais a partir da esquerda, de costas, desempenharam essa função: John Ribat, da Papua-Nova Guiné, Charles Maung Bo, do Mianmar, e Raphaël I Sako, do Iraque. Désiré Tsarahazana, de Madagascar, completou o time de quatro presidentes delegados. À esquerda do papa está o relator geral daquele sínodo, Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília.
Os presidentes delegados presidem a assembleia em nome do papa. Na foto, durante momento de oração no sínodo de 2018, os três primeiros cardeais a partir da esquerda, de costas, desempenharam essa função: John Ribat, da Papua-Nova Guiné, Charles Maung Bo, do Mianmar, e Raphaël I Sako, do Iraque. Désiré Tsarahazana, de Madagascar, completou o time de quatro presidentes delegados. À esquerda do papa está o relator geral daquele sínodo, Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília.| CNS
Fase preparatória
Nomeação dos participantes do sínodo

Mais perto do sínodo, a Santa Sé apresenta a relação geral de participantes da assembleia. Participam do sínodo como membros de pleno direito bispos eleitos por suas conferências episcopais ou nomeados diretamente pelo papa. Eles são chamados de padres sinodais.

Padres sinodais durante a assembleia de 2015.
Padres sinodais durante a assembleia de 2015.| L'Osservatore Romano

Além dos padres sinodais, são convidados ao sínodo peritos, isto é, acadêmicos especialistas no tema; auditores, que são pessoas ligadas ao tema do sínodo (no sínodo sobre as famílias, a maioria dos auditores eram casais de esposos, por exemplo – entrevistei o casal brasileiro de auditores dois anos atrás); delegados fraternos, ou seja, representantes de outras Igrejas cristãs; e convidados especiais. Essas categorias não têm direito a votar os parágrafos que farão parte do documento final: apenas os padres sinodais fazem isso.

Na última assembleia sinodal, em 2018, participaram 267 padres sinodais. Desses, apenas 20 não eram bispos, mas padres: dez deles eleitos pela União dos Superiores Gerais e dez nomeados pelo papa. Dos outros 247, cinquenta eram cardeais. Fora os padres sinodais, participaram 23 peritos, 36 auditores (nessa ocasião, jovens entre 18 e 29 anos, já que o sínodo era sobre os jovens), cinco delegados fraternos e um convidado especial.

No sínodo de 2018, a reverenda Martina Viktorie Kopecká, da Igreja Hussita Tchecoslovaca, participou como delegada fraterna, representando o Conselho Mundial de Igrejas.
No sínodo de 2018, a reverenda Martina Viktorie Kopecká, da Igreja Hussita Tchecoslovaca, participou como delegada fraterna, representando o Conselho Mundial de Igrejas.| Instagram

Sendo uma assembleia especial, isto é, que aborda uma região específica, o Sínodo da Amazônia deve ter um número menor de participantes. Já é certo que participarão todos os bispos da região amazônica, os presidentes das sete conferências episcopais que têm relação com o território e os membros do conselho pré-sinodal. A União dos Superiores Gerais elegerá 15 religiosos que atuam na Amazônia. O papa pode nomear outros padres sinodais, desde que não passem de 15% do total. Como auditores, devem participar leigos e leigas da região amazônica.

Fase de celebração
Assembleia sinodal

A celebração da assembleia sinodal é o ponto alto do caminho de um sínodo. A assembleia costuma durar de duas a três semanas e reúne os bispos nomeados e eleitos para participar do sínodo, além de peritos, auditores, delegados fraternos e outros convidados.

A fala no plenário acontece do próprio lugar de cada pessoa. O braço das poltronas tem um microfone embutido, além dos comandos para a votação.
A fala no plenário acontece do próprio lugar de cada pessoa. O braço das poltronas tem um microfone embutido, além dos comandos para a votação.| Thomas Dowd

Todos eles têm direito a uma fala no plenário (no sínodo de 2016, o limite era de 3 minutos por pessoa; no de 2018, de 4) e todos participam dos círculos menores – grupos de trabalho geralmente organizados por idiomas. São esses dois espaços, o da sessão plenária e o dos círculos menores, que estruturam a dinâmica do sínodo.

Os últimos dias da assembleia são dedicados à votação do documento final. Apenas os padres sinodais (os bispos e alguns poucos presbíteros) têm direito a voto.

Os padres sinodais votam parágrafo por parágrafo a ser incluído no documento final através desse equipamento conectado ao assento de cada um, que apresenta controles em latim: placet (aprovo), non placet (não aprovo), abstineo (abstenção) e placet iuxta modum (aprovo com ressalvas).
Os padres sinodais votam parágrafo por parágrafo a ser incluído no documento final através desse equipamento conectado ao assento de cada um, que apresenta controles em latim: placet (aprovo), non placet (não aprovo), abstineo (abstenção) e placet iuxta modum (aprovo com ressalvas).| Thomas Dowd
Fase de celebração
Documento final

O documento final do sínodo é elaborado por uma comissão presidida pelo relator geral da assembleia. O texto recolhe os tópicos resultantes das contribuições realizadas durante as sessões plenárias e os círculos menores e aprovados pelos padres sinodais. Se o papa, recebendo o documento, decidir publicá-lo com sua expressa aprovação, o texto é tido como parte do magistério pontifício. O papa pode ainda conceder à assembleia poder deliberativo, caso em que a sua assinatura constará do documento junto com a dos demais padres sinodais. Na maioria das vezes, porém, o sínodo é um órgão consultivo.

Uma auditora do sínodo de 2018 com o documento final daquela assembleia.
Uma auditora do sínodo de 2018 com o documento final daquela assembleia.| Vatican News
Fase de aplicação
Comissão para a implementação

A Secretaria Geral tem a tarefa de colaborar na implementação das orientações resultantes do sínodo. Para isso, ela pode publicar documentos de aplicação e formar uma comissão para a implementação, constituída por especialistas no tema.

O cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário geral do Sínodo dos Bispos, ao lado de Francisco.
O cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário geral do Sínodo dos Bispos, ao lado de Francisco.| CNS
Fase de aplicação
Exortação apostólica pós-sinodal

Alguns meses depois da assembleia sinodal, o papa costuma publicar uma exortação apostólica pós-sinodal. Esse documento pontifício será o ponto de referência para os católicos a respeito do assunto tratado no sínodo. Os últimos documentos desse tipo são as exortações Christus vivit (2019), sobre a juventude, e Amoris laetitia (2016), sobre o casamento e a família. Em relação às assembleias especiais do Sínodo dos Bispos, que são aquelas que se detêm sobre um território específico, as últimas exortações são Ecclesia in Medio Oriente (2012), sobre a Igreja no Oriente Médio, e Africae munus (2011), sobre a Igreja na África, ambas de Bento XVI.

Em visita ao Líbano em 2012, Bento XVI assina a exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in Medio Oriente, fruto do sínodo de 2010.
Em visita ao Líbano em 2012, Bento XVI assina a exortação apostólica pós-sinodal Ecclesia in Medio Oriente, fruto do sínodo de 2010.| L'Osservatore Romano

*Agradeço a Thomas Dowd, bispo auxiliar de Montreal, que permitiu nesse texto o uso de fotos que ele tirou durante o sínodo de 2018, do qual participou como padre sinodal. Ele registrou a sua participação no sínodo em forma de diário em um blog.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    José Oscar da Silva Lopes

    ± 41 dias

    Reunião irrelevante, apenas blá, blá, blá. A igreja não muda, não vê os seus graves erros, não combate a sua hipocrisia e arrogância. Reconheço que contribuiu positivamente em inúmeras atividades, muitos de seus membros foram dignos e até heróis, mas precisa urgentemente de mudanças, principalmente em sua suntuosidade! E pior, hoje está agindo politicamente e do lado errado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 41 dias

    Agora faça uma reportagem honesta contra esse absurdo desses padres comunistas. https://www.youtube.com/watch?v=_LF_DyiKF9o

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.