i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Filipe Figueiredo

Foto de perfil de Filipe Figueiredo
Ver perfil

Explicações para os principais acontecimentos da política internacional

Quem é quem na guerra fria do Oriente Médio? Parte 1 – Os sauditas

  • Por Filipe Figueiredo
  • 05/07/2019 17:57
Riade, capital da Arábia Saudita
Riade, capital da Arábia Saudita| Foto: Simon Dawson / Bloomberg

O emaranhado de relações no Oriente Médio é muitas vezes mencionado, porém, poucas vezes explicado. Neste e em alguns textos próximos essa coluna vai buscar fazer um “guia rápido” para compreensão dos atores envolvidos na atual guerra fria entre Arábia Saudita e Irã na região. Um choque geopolítico, ideológico e religioso que está ligado à diversos conflitos locais, com interesses de grandes potências e no centro das atenções mundiais.

Não só pelo potencial destrutivo e mortal do conflito, mas pela relação com o petróleo, uma das principais fontes energéticas do mundo. Flutuações de preço e o próprio uso do óleo como uma ferramenta geopolítica podem fazer com que um espirro no Golfo Pérsico cause uma gripe do outro lado do globo. Os choques do petróleo da década de 1970 são a lembrança mais fácil dessa questão.

Então, quem é quem nesse grande tabuleiro médio-oriental? Quais os atores, quais seus interesses? E esse é um ponto importantíssimo de se lembrar: na geopolítica e na política internacional existem interesses. Claro, tais interesses podem ser contraditórios com os discursos que um governo adota, ou entrarem em conflito com os escrúpulos da consciência, já diria Jarbas Passarinho, mas ainda são interesses.

A potência regional Arábia Saudita

O país que é propriedade privada da família Saud é o segundo maior país árabe, atrás da Argélia, e o maior país do Oriente Médio. É uma das maiores economias do mundo, com a maior produção de petróleo e fica em segundo lugar no ranking de países por reservas comprovadas de óleo. Além disso, os sauditas são um dos maiores compradores de armas do mundo, com o terceiro maior orçamento militar atualmente.

Ou seja, é muito claro que a Arábia Saudita é uma potência regional, com alcance em diversas áreas. Uma delas, entretanto, é pouco tangível e, ao mesmo tempo, é essencial para os Saud e para a compreensão do conflito com o Irã. A busca pela liderança do mundo muçulmano. A família Saud se proclama como a guardiã das cidades sagradas do Islã, Meca e Medina, e usa isso desde a formação do reino para propósitos políticos.

A Arábia Saudita é resultado da união de uma liderança tribal árabe, os Saud, com um teólogo muçulmano, Muhammad ibn Abd al-Wahhab. A filosofia do teólogo é o Wahabismo, exportado oficialmente pelo governo saudita, uma ideologia religiosa radical. Mais de mil e quinhentas mesquitas foram fundadas pelo mundo financiadas direta e indiretamente pelo governo saudita; o wahabismo é um “primo” do salafismo, outra vertente sunita do Islã.

Ou seja, os Saud colocam-se como líderes do mundo muçulmano a partir das cidades sagradas e das interpretações sunitas do Islã; cerca de 90% dos muçulmanos do mundo inteiro são sunitas, mais de um bilhão e meio de pessoas. Ao mesmo tempo, diversos grupos extremistas e terroristas podem traçar sua linhagem aos sauditas. Uma das facetas mais conhecidas do Talibã e do Daesh, o auto-intitulado Estado Islâmico, é wahabita.

Trata-se do ato de destruir patrimônio histórico tido como “herético” ou de idolatria, como os budas afegãos, monumentos assírios no Iraque ou túmulos de profetas muçulmanos no Mali. Sim, mesmo monumentos islâmicos são considerados “idolatria” nessas vertentes, e a própria cidade de Meca foi parcialmente destruída por wahabitas, no que pareceria um contrassenso num primeiro olhar.

O que os sauditas desejam?

Quais são então os interesses sauditas? Primeiro, evitar que essa posição de liderança do mundo muçulmano seja contestada pelo Irã, a maior potência xiita. Claro que podemos extrapolar e colocar a rivalidade entre árabes e persas pelo predomínio do mundo muçulmano como algo que ocorre desde a dinastia safávida persa no século XVII, mas a atual configuração da disputa começa em 1979, com a Revolução Iraniana.

Subordinado ao primeiro interesse está o objetivo de evitar que as populações xiitas da península arábica se levantem contra o domínio dos reinos sunitas; no caso saudita, esse receio é ainda mais perturbador. A maioria dos xiitas do país está na costa leste, na província de Qatif, uma das mais ricas regiões em petróleo do mundo. Ou seja, um levante dessa população privaria o reino saudita de boa parte de sua riqueza.

Um terceiro interesse saudita está em consolidar sua posição como potência dominante do Golfo Pérsico, uma das principais vias marítimas do mundo, garantindo ao reino um papel essencial não apenas na exploração de petróleo mas também em infraestrutura portuária e comercial. Não é coincidência que o Iêmen, controlando a passagem do golfo de Aden, seja um dos focos do conflito entre as duas potências regionais.

Finalmente, os sauditas usam o conflito com o Irã como uma maneira de expandir a própria influência, em uma espécie de retroalimentação. Ao alegar que o Irã é uma ameaça à estabilidade regional, os sauditas também se colocam como os únicos que podem detê-los e, por isso, os demais países devem ser seus aliados. Cada novo aliado significa uma reação iraniana, que retorna ao primeiro ponto.

Quando tensões escalam por iniciativa iraniana, os sauditas usam esses atos para reafirmar o quanto sua liderança seria necessária, que o Irã alimenta o terrorismo e que governos firmes são necessários para deter o terrorismo, autojustificando a ditadura saudita. A estratégia de manter boas relações visando o Irã é tamanha que, nos últimos anos, sauditas e israelenses iniciaram uma silenciosa aproximação.

Os aliados sauditas

A potência mundial aliada da casa de Saud é os EUA, em uma aliança que remonta a 1945, logo após a Segunda Guerra Mundial, quando o então presidente Franklin Roosevelt se encontrou com o patriarca do reino. Dessa relação os sauditas obtém um enorme cliente de petróleo, um fornecedor de equipamento militar e uma carta na manga nas relações internacionais, com apoio de uma potência de imensa influência.

Isso contribui para legitimar um governo violador de uma série de direitos humanos, até dos mais básicos. Curiosamente, a opinião pública em ambos os países é negativa um sobre o outro. Em troca, os EUA conseguem um fornecedor constante de óleo e um parceiro regional em políticas de segurança. De forma quase paradoxal, essa parceria favoreceu o crescimento do wahabismo.

Durante a Guerra Fria, o mundo árabe era dividido entre os republicanos seculares desenvolvimentistas e as monarquias religiosas baseadas na exploração de petróleo e gás natural. O primeiro grupo, formado pelo Egito de Nasser e pelos países governados pelos partidos Ba’ath, era muitas vezes classificado, de forma errônea, de “socialismo árabe”, e essas nações eram aliadas soviéticas.

Para evitar essa suposta expansão socialista ou maiores relações com os soviéticos, os EUA toleravam e incentivaram a expansão de ideologias centradas no Islã como alternativa, especialmente o wahabismo. O exemplo mais famoso disso, até o ponto da caricatura, é o fato de que os EUA apoiaram os grupos mujahideen afegãos contra o governo secular apoiado pela URSS; tais grupos eram o embrião do futuro Talibã.

Essa aliança continua forte. A primeira visita de Estado de Donald Trump como presidente, apesar de toda a retórica, não foi à Israel ou algum país de maioria cristã, mas aos sauditas, onde foram assinados polpudos contratos de vendas de armas. Tais contratos foram recentemente alvos de ataques por congressistas em Washington, com o governo garantindo que eles irão à frente, mesmo com oposição legislativa.

Outros aliados estratégicos dos sauditas são os vizinhos da península arábica, reunidos no Conselho de Cooperação do Golfo: Bahrein, Kuwait, Emirados Árabes Unidos e Omã. O Qatar foi suspenso do conselho por ser supostamente um país pró-Irã. O CCG possui um braço armado, uma aliança militar chamada de Força Escudo da Península. O grupo certamente se alinharia aos sauditas em um conflito pela região.

Embora a contextualização dos conflitos ainda seja um tema futuro, talvez seja importante adiantar que o Bahrein é um dos principais focos dessa guerra fria médio oriental, palco de batalha de influência entre sauditas e iranianos. A maior parte da população do país é xiita, entretanto, ele é governado pela família Al Khalifa, sunita. Foi com apoio de tropas sauditas que os protestos da chamada Primavera Árabe foram reprimidos em 2011 no país.

Outro aliado estratégico saudita, como já visto aqui nesse espaço, é o Paquistão. Nesse contexto, importantíssimo, já que vizinho do Irã. Os sauditas são o segundo principal parceiro econômico do Paquistão, com cerca de um milhão e meio de paquistaneses trabalhando no reino de Saud. A violência sectária entre a maioria sunita paquistanesa e a minoria xiita também é foco desse conflito.

Ainda mais, o programa nuclear paquistanês foi financiado pelos sauditas, que possivelmente poderiam usar “em empréstimo” as ogivas nucleares paquistanesas. Em combinação com os mísseis balísticos de origem chinesa que os sauditas possuem, temos um perigoso combo em caso de conflito, com grande poder destrutivo e de escalada em um cenário de crise.

É também importante citar os países que possuem interesses contra o Irã em comum com os sauditas, embora seja um exagero classificar como aliados próximos ou com uma total congruência de objetivos. São o Sudão, o Egito e a Jordânia; nesse sentido, os sauditas buscam um comportamento homogêneo na Liga Árabe, dividida com países com postura pró-Irã, como o atual governo iraquiano.

Os agentes sauditas

É difícil uma tradução clara do termo em inglês proxy; uma guerra “proxy” é uma guerra por procuração, ou seja, quando os atores envolvidos representam outros Estados e potências. Habitualmente, um choque de interesses local ou uma forma de duas potências se enfrentarem indiretamente. Exatamente como os conflitos da Guerra Fria, como a Guerra da Coreia e a guerra civil angolana.

Os proxies de um país, então, seriam seus “agentes”, grupos cujos interesses, comportamento e manutenção são diretamente congruentes aos da potência maior; ao menos em relação ao conflito. E o conflito entre Irã e Arábia Saudita é repleto de proxies, agindo para projetar os interesses das duas potências regionais em diferentes teatros de operação. Os sauditas, inclusive, possuem diversos proxies que operam dentro do Irã.

Um desses proxies é o Mojahedin-e Khalq, abreviado em inglês como MEK, embora um agente sem afinidade ideológica com sauditas, uma relação que gira em torno do ditado de “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”. O MEK é uma organização socialista e republicana que também lutou contra a monarquia do Xá no Irã; em 1981, após a revolução, o grupo foi colocado na ilegalidade. Desde então, recebe financiamento saudita.

Outros dois grupos são proxies no sentido mais estrito da palavra, sendo dependentes dos sauditas e com filiação ideológica. Um é o Jaish ul-Adl, grupo sunita atuante no Baluchistão, na fronteira com o Paquistão. Classificado por Teerã como um grupo terrorista, já executou diversos atentados contra policiais e militares iranianos. Os balúchis não possuem um Estado próprio e a maioria deles vive no lado paquistanês da fronteira.

Finalmente, a Resistência Nacional Ahvaz, um fronte que reúne diversos grupos de árabes que vivem no Irã, um país persa. Mais ainda, tais árabes residem em boa parte na região do Cuzistão, no sudoeste iraniano. Em situação similar ao que ocorre no reino saudita, as regiões mais ricas em petróleo do Irã possuem uma razoável população árabe; parte dela com desejos separatistas ou anti-Teerã.

Nos conflitos regionais é importante lembrar que, por anos, a chamada oposição síria foi financiada e armada pelos países do golfo, como o Exército da Síria Livre; além disso, grupos radicais também receberam apoio saudita, como o Exército de Conquista. Contra eles estavam o regime sírio e o Hezbollah, ambos aliados iranianos. Hoje a presença saudita na Síria é diminuta, após reveses militares.

Hoje, o principal proxy saudita é o governo iemenita, formado por sunitas, que luta contra rebeldes houthis xiitas que são apoiados pelo Irã. Já são quatro anos de guerra no Iêmen, com o governo de Abdrabbuh Mansur Hadi apoiado pelo CCG, incluindo uma série de denúncias de atrocidades e bombardeios contra população civil. Já são cerca de duzentos mil mortos e mais de três milhões de refugiados na queda de braço entre sauditas e Irã.

Para evitar excessos, um texto muito extenso (como já feito pelo autor em outras ocasiões) ou algo que termine por ficar confuso, a coluna de hoje ficará restrita aos sauditas e seus aliados. O lado iraniano, os demais interessados e os conflitos ficarão para ocasiões futuras. A questão aqui é desenhar como o bloco saudita é estabelecido e como Riade busca cada vez mais, inclusive geograficamente, isolar os rivais do Irã. 

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • G

    Guilherme Fernandes

    ± 176 dias

    Parabéns pela matéria.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Juliana Saad de Carvalho

    ± 179 dias

    Obrigada, aprendi muito!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre

    ± 182 dias

    Legal. Nunca vi falar de certas regiões (sujeitas a trocadilho rsrs) do Irã. Parabéns pelo artigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 182 dias

    Muito bom!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 182 dias

    Informações claras e didáticas para entendermos um pouco mais do Oriente Médio, o grande centro da grande maioria das religiões mundiais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ary Moro

    ± 182 dias

    Realmente uma aula magna, parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Skrepka Ovçar

    ± 182 dias

    Caro Filipe, Como sempre faco em comentarios aos conteudos por ti gerados; novamente os meus parabens pela qualidade do artigo. Seja aqui na Gazeta, nas aulas para o CACD ou no Xadrez; voce sempre consegue condensar com qualidade e praticidade tematicas de imensa complexidade. Artigos como esse, em que pese ainda nao finalizado, fazem-me lembrar as aulas correlatas durante a graduacao em Relacoes Internacionais. Obrigado pelo conteudo. A Gazeta parabens pelo colunista tecnico e inspirador.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.