i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Flavio Gordon

Foto de perfil de Flavio Gordon
Ver perfil

Sua arma contra a corrupção da inteligência. Coluna atualizada às quartas-feiras

O Tratamento Ludovico no Futebol Brasileiro: como o politicamente correto está matando o esporte (parte 2)

  • Por Flavio Gordon
  • 27/02/2020 15:22
Briga entre torcedores de Athletico Paranaense e Vasco da Gama, na Arena Joinville, em 2013.
Briga entre torcedores de Athletico Paranaense e Vasco da Gama, na Arena Joinville, em 2013.| Foto: Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo

“Estabelece-se um ritmo que faz suceder, sem risco, estados de espírito contrários. A contenção da vida cotidiana busca vingança, e o faz mediante a indecência e a grosseria” (Marcel Mauss, As Relações Jocosas de Parentesco).

Terminamos o artigo da semana passada sugerindo que, com o seu ataque à jocosidade e à espontaneidade no futebol, os moralistas politicamente corretos vêm criando um ambiente sufocante, sem válvula de escape, propício para o aumento da violência física entre torcedores de times rivais. Isso porque uma das funções sociais da jocosidade, no esporte e alhures, é a de ritualizar e diluir a violência potencial entre indivíduos e grupos humanos. Quanto a isso, aliás, uma breve consulta à literatura especializada basta para constatar a universalidade cultural do fenômeno.

No domínio da antropologia e da sociologia, modalidades de interação social batizadas de “relações jocosas” foram tomadas como objeto de estudo já na década de 1920. Na França, por exemplo, ninguém menos que Marcel Mauss – sobrinho de Émile Durkheim e, junto a ele, pai fundador da escola sociológica francesa – dedicou ao tema um artigo que viria a se tornar um clássico das ciências sociais.

Uma das funções sociais da jocosidade, no esporte e alhures, é a de ritualizar e diluir a violência potencial entre indivíduos e grupos humanos

Intitulado Parentés à plaisanteries (1926) – e traduzido no Brasil, mais de 50 anos depois, com o título “As relações jocosas de parentesco” –, o artigo consagrava a tradição de tratar as “relações jocosas” como subtema de um campo consagrado na antropologia desde o século 19: o dos estudos de parentesco. Recorrendo a casos etnográficos de sociedades tribais ou “primitivas”, o antropólogo francês aludia a um tipo de licenciosidade e zombaria característico da relação entre parentes de determinadas categorias (como, por exemplo, “tios maternos” e “sobrinhos” ou “cunhados”). Desde então, falar em “relações jocosas” passou a significar, quase sempre e necessariamente, falar em parentesco.

Nessa linhagem, por exemplo, o antropólogo britânico Alfred Radcliffe-Brown (1881-1955) publicou On Joking Relationships (1940), célebre artigo no qual definia a relação jocosa como “uma relação entre duas pessoas na qual o costume permite – e, em certos casos, até exige – que uma delas provoque ou caçoe da outra, a qual, por sua vez, não deve se ofender”. Para Radcliffe-Brown, “a relação jocosa consiste numa combinação peculiar entre amizade e antagonismo. O comportamento é tal que, em qualquer outro contexto social, expressaria e suscitaria hostilidade... Em outras palavras, trata-se de uma relação de desrespeito consentido”, cuja função consistia em “estabelecer e regular o equilíbrio social num tipo de situação estrutural que, em grande parte das sociedades tribais, resulta do casamento”.

Mas, muito embora as “relações jocosas” estivessem, no início, estreitamente vinculadas aos estudos de parentesco, já se entrevia nos escritos dos estudiosos que primeiro as abordaram a possibilidade de uma aplicação mais ampla do conceito.

Em seu clássico Primitive Society (1920), por exemplo, o antropólogo americano Robert H. Lowie – pioneiro em batizar o fenômeno como “joking relationships” (expressão que ele às vezes substituía por “joking alliances”, “joking partnership” ou “privileged familiarity”) – já enfatizava mais a especificidade da relação que o fato de, nas sociedades tribais, ela ocorrer habitualmente entre parentes de um certo tipo. E, no artigo acima referido, o próprio Radcliffe-Brown registrava a presença de relações jocosas entre clãs de determinada tribo e até mesmo entre tribos vizinhas – o que, segundo ele, exigia do estudioso uma teoria mais ampla, que ultrapassasse as fronteiras do parentesco.

Referindo-se ao caso etnográfico de certos clãs e tribos africanas, escreveu o antropólogo britânico: “Decerto, isso apresenta um problema algo distinto. Mas é óbvio que qualquer teoria geral das relações jocosas deve levar em conta essas relações entre grupos”. E, mais adiante, insistiu: “Portanto, a relação jocosa é apenas espécie de um gênero mais amplo; pois se trata de uma relação de proximidade na qual há uma aparência de antagonismo, controlado por regras convencionais”.

Curiosa e significativamente, Radcliffe citava expressamente o futebol como exemplo daquela relação de proximidade com antagonismo: “Um componente da relação entre grupos é, muito comumente, um certo grau e modo de oposição, no sentido de um antagonismo regulado e controlado socialmente. Os dois grupos podem se engajar regularmente em jogos competitivos tais como o futebol”.

No esporte como na vida, antagonismo sem proximidade é a receita certa para a guerra

Esse aspecto é de suma importância. Todos os estudiosos das “relações jocosas” enfatizaram a sua dupla natureza, de antagonismo e proximidade. As partes numa relação jocosa só podem provocar-se mutuamente graças à sua relativa proximidade social – ou, no mínimo, pelo fato de partilharem certa cultura da provocação, cujas regras e códigos tácitos são comumente conhecidos.

No futebol, a jocosidade acontece entre torcedores que, embora rivais, tendem a partilhar uma mesma cultura futebolística e uma longa história de provocações. Trata-se, aí também, de uma relação que, conquanto nem sempre em doses proporcionais, mistura hostilidade e proximidade de modo que o resultado se mantenha equilibrado. A pitada de proximidade permite, justamente, resolver tensões que, na ausência dela, poderiam descambar para a violência generalizada.

A relação jocosa futebolística tem, portanto, a importante função social de equilibrar familiaridade e hostilidade no ambiente das torcidas. Ao judicializar, tutelar, policiar e constranger essa relação, os totalitários politicamente corretos introduzem uma perigosa distância – e uma não menos perigosa impessoalidade – entre torcedores rivais. Como um estranho inconveniente que decidisse meter o bedelho numa brincadeira entre amigos, corrompem a relação horizontal e anárquica entre partes equivalentes, enxertando aí um elemento vertical, hierárquico e autoritário. Investindo contra a jocosidade, e incapazes de compreender as nuances de tão complexa relação, retiram a proximidade da mistura, deixando somente o antagonismo. E, no esporte como na vida, antagonismo sem proximidade é a receita certa para a guerra.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • H

    Havner Muniz Soares da Silva

    ± 6 dias

    Parabéns pelo artigo, Flavio. Expor essa indecência que acontece hoje nos estádios, por causa do politicamente correto, é digno de louvor. Poucos o fazem. Que o seu exemplo seja seguido por outros formadores de opinião.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos Dória Santos

    ± 7 dias

    Flavio, de longe, é meu articulista favorito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando Cavalcante

    ± 8 dias

    Futebol, só no Flamengo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Dias

    ± 8 dias

    O fato é que o futebol brasileiro de 2020 agoniza lentamente, imerso em elefantes brancos, os quais as contas nos restarão para até depois que o futebol perceber que se extingue. Acompanhar futebol é coisa de velho; por isso mesmo Viva o Capão Raso!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 8 dias

    Eu sempre chamo meus amigos de viados..."daeee *****""" e tudo mundo se xinga e dá risada no final...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 8 dias

    Eu só chamo meus amigos de "viados"...(daee seu *****) e não tem nenhum mimimi

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Divini Redemptoris

    ± 8 dias

    Na boa.. futebol acabou faz muito tempo... Hoje em dia é só dinheiro e acerto de empresário.. acabou os olheiros.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando

    ± 8 dias

    Um doutor em Antropologia citando brilhantes autores, porém o fazendo como os fundamentalistas interpretam a Bíblia: sem dialogar com o tempo presente. Eu até compreendo um conservador dissertar sobre a manutenção de costumes da família e vida privada, agora defender estigmas e preconceito contra grupos sociais é bizarro. É usar a história da Antropologia para continuar o serviço colonizador. Neo fascistas disfarçados de intelectuais são patéticos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    guilherme palma

    ± 8 dias

    Se estivesse matando somente o esporte a gente podia tentar contornar um pouco a situação, o problema é que esta matando tudo e a todos

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 8 dias

    É isso Flávio, matou a cobra e mostrou o pau. Só não entende a jocosidade -necessária, no caso o futebol -quem é estúpido e adepto do politicamente correto. Seus colegas de mídia - principalmente a cambada que cobre o futebol - devem ler o teu texto, levar pras redações e espalha-lo para se propagar como o coronavírus nas mentes desses progressistas, cheios de mimis, eheheh

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Fernando Fortes de Camargo

    ± 8 dias

    Mundo chato....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.