i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Razzo

Foto de perfil de Francisco Razzo
Ver perfil

Como um cristão deve lidar com a ONU

  • Francisco RazzoPor Francisco Razzo
  • 23/09/2020 00:01
Sede da ONU, em Nova York.
Sede da ONU, em Nova York.| Foto: Anfaenger/Pixabay

Três meses atrás, recebi uma série de perguntas a respeito da relação dos cristãos com alguns temas contemporâneos sensíveis defendidos pela ONU. Como essas respostas não foram publicadas na íntegra, eu gostaria de compartilhá-las aqui com vocês. Registro que escrevo numa perspectiva cristã.

Aborto e ideologia de gêneros são temas polêmicos, mas como avaliar o posicionamento da ONU em colocá-los como direitos fundamentais?

Nesses dois tópicos em particular, a ONU está equivocada. Porém, o problema mais grave aqui não é exatamente do equívoco em si – colocar ou reconhecer aborto e ideologia de gênero como direitos fundamentais. Vale dar um passo atrás e perguntar, primeiro, se a ONU tem poder para determinar, ao incluir e reconhecer, o que é ou não merecedor de um direito fundamental. Esse é o ponto. Pois direito fundamental não tem fundamento numa decisão política, seja lá dada por quem ou qual entidade for, inclusive de um organismo intergovernamental como a ONU. A questão que se revela, portanto, o pano de fundo mais problemático, é da subversão da ordem das coisas, o que está sujeito à arbitrariedade implícita no poder que a ONU parece evocar para si mesma. Se hoje se pode decretar que interromper a gestação é um direito fundamental, segue que a ONU pode determinar que a vida de um embrião não merece esse mesmo direito? Essa me parece a pergunta mais importante acerca do alcance de como um órgão intergovernamental constrói suas diretrizes humanitárias.

Direito não é um penduricalho que você põe ou tira conforme a banda toca. No caso de um direito fundamental, trata-se de uma realidade dada pela própria natureza humana, racional e livre, que para os cristãos é imagem e semelhança de Deus, e está intrinsecamente presente desde o momento da concepção e nem a morte terrena consegue apagar; afinal, não só de memória vivem os mortos, eles são velados para proteção de sua dignidade. Um embrião, pessoa ainda não nascida, deve ser reconhecido membro da comunidade moral simplesmente por ser pessoa, em ato, e não uma mera coisa; alguém, não algo. Um embrião já tem um rosto, pode receber um nome, ser chamado de filho, sobrinho, irmão, primo, neto...

Direito fundamental não tem fundamento numa decisão política, seja lá dada por quem ou qual entidade for, inclusive de um organismo intergovernamental como a ONU

Agora, o caso da ideologia de gênero é um pouco mais complicado, pois a pessoa em conflito a respeito de sua identidade é uma pessoa e os cristãos devem tomar cuidado para não confundir o combate a uma ideologia com o desprezo à pessoa que sofre. A ideologia de gênero precisa ser compreendida dentro de um panorama histórico mais abrangente, envolvendo as revoluções culturais e sexuais rastreadas pelo menos a partir da década de 60. Essa deve ser uma batalha que, antes de tudo, precisa ser enfrentada no campo das ideias e não da promoção de uma agenda de engenheira social.

Por ser contra esse tipo de agenda, as igrejas podem se ver ainda mais perseguidas?

Essa pergunta depende de uma série de pressupostos teológicos, históricos e políticos para ser contemplada da forma mais precisa possível. Destacarei apenas alguns pontos teológicos para nossa reflexão. Por teológico, aqui, me refiro ao compromisso das igrejas em ser anúncio da Palavra de Deus no mundo. Anúncio tem sentido forte de cumprir sua missão evangelizadora. Não acredito que a igreja deve se preocupar exatamente em se ver ainda mais ou menos perseguida. Obviamente, não estou dizendo que concordo com qualquer tipo de perseguição religiosa. Cristãos sofreram e sofrem perseguição no mundo, com a agenda progressista da ONU ou não. Vamos lembrar que o próprio Cristo padeceu com morte de Cruz. O sentido cristão do sofrimento precisa ser vivido à luz do escândalo da paixão e crucificação sem perder a esperança da ressurreição.

Por isso, o que eu quero dizer é que independentemente do contexto histórico, social ou político em que a igreja vive, a resiliência da fé e da caridade dos cristãos, portanto, do ciente reconhecimento da possibilidade de vir a sofrer perseguição, deve sempre girar em torno de sua missão: enunciar o evangelho de Cristo. Entre Império Romano, Revolução Francesa e ONU, ou seja, em todo o arco da história da cristandade, não haverá nada que mude ou minimize a vocação salvífica das igrejas.

Na pergunta “as igrejas podem se ver ainda mais perseguidas?” eu destacaria duas coisas: a possibilidade efetiva de as igrejas serem perseguidas e a autocompreensão histórica de que a mensagem cristã provoca perseguição. E resumiria da seguinte maneira: sim, as igrejas poderão continuar a serem perseguidas sem jamais deixarem de ser o que sempre foram, sem jamais se privarem da força moral e espiritual de sua comunhão em Cristo. A agenda temporal progressista da ONU – ou de qualquer outra entidade histórica – é, como tudo neste mundo, passageira; o Amor misericordioso de Deus é eterno.

Como um cristão deveria lidar com essas questões?

Confiar na Palavra de Deus e no exemplo missionário de seus fiéis. Depois, não esquecer que todos, inclusive os membros da ONU, são pessoas que devem ser chamadas a sentar à mesa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Agora, do ponto de vista político, creio que o cristão precisa, sempre, buscar esclarecimento de como atuar no mundo público. Não se trata de assumir formas de apatia e inanição individualista. Política é, antes de tudo, vida em comunidade e decisão coletiva. E as igrejas devem reconhecer e se comprometer com a forma ativa de atuação política.

O cristão não pode nunca esquecer que o Reino de Deus não é deste mundo, mas não pode aceitar apático o imperativo liberal de que a fé é um problema de foro íntimo e que, por isso, só pode ser cultivada na esfera privada. É preciso reconhecer o postulado da dimensão pública, portanto cultivar todas as virtudes exigidas por esse compromisso de fé.

O importante, nesse sentido, é que as lideranças cristãs sejam protagonistas nesse processo de formação das virtudes cristãs, do chamado ao engajamento genuíno da fé. Em outras palavras, dar testemunho e responder, para lembrar de Pedro (1Pd 3,15-18): “estai sempre prontos a dar razão da vossa esperança a todo aquele que lhe pedir. Fazei-o, porém, com mansidão e respeito e com boa consciência.”

No ambiente público do conflito ideológico todo pensamento se pretende total. O cristão deve tomar cuidado para não transformar sua fé em ideologia

As atitudes da ONU se baseiam preponderantemente pelo viés ideológico, não se preocupando com as reais necessidades humanas. Qual o seu pensamento sobre isso?

Ideologia se combate no campo das ideias e jamais atacando pessoas. Se isso serve mais para o cristão do que para membros da ONU, que o nosso modelo seja sempre Cristo. Segundo a filósofa Hannah Arendt, ideologia é um pensamento total que dá conta de explicar tudo previamente e sem deixar nada em vão. O termo ideologia significa a lógica de uma ideia cujo fundamento ético é o de ter sempre razão e ser contra tudo o que não cabe nessa “lógica”. Ela escreve: “As ideologias pressupõem sempre que uma ideia é suficiente para explicar tudo no desenvolvimento da premissa, e que nenhuma experiência ensina coisa alguma porque tudo está compreendido nesse coerente processo de dedução lógica”. Assim, o problema das ideologias é o “de trocar a liberdade inerente da capacidade humana de pensar pela camisa de força da lógica [de uma ideia pressuposta], que pode subjugar o homem quase tão violentamente quanto uma força externa”.

O que eu penso a respeito, resumindo, é que no ambiente público do conflito ideológico todo pensamento se pretende total. O cristão deve tomar cuidado para não transformar sua fé em ideologia. O resultado desse embate é eterno conflito. Exceto para a caridade cristã, que tem a força de quebrar esse ciclo. O que faz do cristianismo uma religião, acima de tudo, teológica-histórica e não uma ideologia política ou uma religião mítica é um fato que nunca podemos perder de vista: como homem, Jesus nasceu, brincou, amou, chorou, sorriu, pregou, comoveu, ensinou e apanhou. Além disso, foi traído, julgado, humilhado, açoitado e crucificado. Como Salvador do mundo, ressuscitou. É o próprio Deus encarnado na história, o modelo moral absoluto de bondade, misericórdia e amor.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • G

    Geraldo José Correia de Melo

    ± 0 minutos

    Artigo muito raso...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Veraluz Cravo

    ± 1 dias

    1) não esquecer que a Igreja Católica também perseguiu outras religiões. 2) Deus não é propriedade da igreja e de seu uso exclusivo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]