i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Razzo

Foto de perfil de Francisco Razzo
Ver perfil

O Deus da submissão e o Deus do amor

  • Francisco RazzoPor Francisco Razzo
  • 15/01/2020 15:42
O Deus da submissão e o Deus do amor
| Foto: Wikimedia Commons

Antes de se converter ao cristianismo, Santo Agostinho era adepto da religião maniqueísta e acreditava que Deus não passava de uma massa luminosa estendida por todo o espaço, um Deus sujeito a ataques, corrupção e violação por outro poder divino rival responsável pelos tormentos e toda desgraça do mundo.

Por um bom tempo, o maniqueísmo fora concorrente do cristianismo. É uma religião salvífica e, como toda religião de salvação, busca oferecer respostas ao problema do sofrimento e do mal. Do ponto de vista intelectual, o maniqueísmo é bastante engenhoso, mas suspende a possibilidade de que o mal seja fruto da liberdade e da vontade humana.

O maniqueísmo está fundamentado em um dualismo que compreende o mundo visível e corpóreo como reino das trevas. Nesse caso, a conclusão para a vida ética é que não faz mais sentido falar em liberdade e responsabilidade. Mani, seu profeta e fundador, nasceu em Ctesifonte, capital do império sassânida, o último dos impérios persas até a chegada do islamismo, no século 7.º. Hoje, Ctesifonte pertence ao Iraque e a religião concorrente do cristianismo já não é mais o maniqueísmo.

O problema do sofrimento não está em um poder divino concorrente ao poder de Deus, mas no Pecado Original

Após sua conversão, Santo Agostinho passou a compreender que o verdadeiro Deus é incorpóreo, infinito, imutável, incorruptível e fonte de todas as coisas que existem. Não há poder rival concorrente. Deus é um e soberano e livre. O homem, por ser criado à sua imagem e semelhança, é dotado de intelecto e vontade livre. No caso do cristianismo, o problema do mal foi resolvido com a ideia de que não há “mal”, mas privação de ser e livre arbítrio. O problema do sofrimento não está em um poder divino concorrente ao poder de Deus, mas no Pecado Original.

Agostinho relatou essa mudança de concepção no livro 7 das Confissões: “com o coração pesado, sem consciência clara de mim mesmo, considerava como um perfeito nada tudo o que não tivesse extensão por determinado espaço, ou não se difundisse ou pudesse assumir um desses estados. As formas percorridas por meus olhos eram os moldes das imagens pelas quais andava meu espírito”.

Porém, continua Agostinho, “assim conjeturava eu, por não poder imaginar-te de outra forma; mas minha conjectura era falsa”. Ou seja, Deus não pode ser uma “massa luminosa estendida por todo espaço” e sujeito a ataques de um outro poder divino fonte do mal.

Como diz Etienne Gilson num importante livro dedicado a Santo Agostinho (Introdução ao estudo de Santo Agostinho): “O primeiro passo na via que conduz a Deus é a aceitação da revelação pela fé”. Mas o cristianismo não é a única religião baseada na fé e na revelação de Deus. Como sabemos, judaísmo e islamismo também o são. Por enquanto, gostaria de esboçar alguns pontos de distinção entre cristianismo e islamismo.

Tanto no cristianismo como no islamismo, que nasceria também como uma religião da lei e do livro, Deus é criador de todas as coisas e de cada indivíduo. Ele está para além dessas coisas criadas e não se sujeita a nada. Deus é onipotência e o homem não é capaz de compreender. No caso do Islã, essa característica é fundamental. No caso da fé cristã, o poder soberano de Deus é Amor.

No coração dessas duas religiões está a noção de Revelação, que significa que toda iniciativa de conhecimento de Deus não parte do homem, mas do próprio Deus, cuja vontade era ser conhecido e adorado. No coração das duas grandes religiões, a vontade de Deus está inscrita em um livro: a Bíblia para os cristãos, o Alcorão para os mulçumanos. Eles anunciam salvação e vida eterna para os que creem.

Deus é onipotência e o homem não é capaz de compreender. No caso do Islã, essa característica é fundamental. No caso da fé cristã, o poder soberano de Deus é Amor

E o que significa a fé, a não ser a aceitação de que nossa natureza, devido ao pecado original, contém a possibilidade do mal? Por isso, no cristianismo, a redenção não depende exclusivamente da iniciativa humana, mas partiu do próprio Deus, que, na pessoa de Cristo, encarnou na história e morreu pregado na cruz para expiação dos nossos pecados.

Portanto, para o cristão, a fé significa aceitar a redenção por intermédio de Jesus Cristo. A crucificação e a ressurreição são momentos históricos decisivos. Não há esse momento para o Islã. Para um muçulmano, como explica Christine Schirrmacher em Entenda o Islã, “Jesus não foi crucificado e não ressuscitou. A crucificação teria sido uma derrota humilhante para Jesus. Mesmo que ele tivesse morrido na cruz, não poderia ter trazido redenção à humanidade”.

No caso do cristianismo, o pecado sempre está dirigido contra Deus e é Deus que toma a iniciativa da salvação por meio da graça. No Islã, o homem peca, primeiro, contra a si mesmo. No cristianismo, pelo contrário, a morte da cruz era a realização crucial da própria vontade de Deus para remissão dos pecados.

Para os cristãos, a Sagrada Escritura não é bem um livro, mas uma biblioteca escrita por inúmeras personalidades ao longo da história do povo de Deus. O livro é a narrativa da história desse povo, com todos os seus altos e baixos. Por isso, cada livro no interior das Escrituras é marcado pela personalidade histórica de cada autor. Ler Jó é diferente de ler as Cartas de Paulo; ler o Êxodo não é como ler Ato dos Apóstolos. Ler Levítico não é como ler os Evangelhos.

No caso do Alcorão não é assim. Todo o livro foi revelado diretamente a Maomé pelo anjo Gabriel. Pouco importa a personalidade e o momento histórico em que viveu Maomé, pois no Alcorão temos a palavra inalterada de Alá, a palavra que, segundo a crença dos muçulmanos, corrige o Antigo e o Novo Testamento.

Outro detalhe decisivo e irreconciliável para muçulmanos e cristãos é a ideia de Trindade. Para os primeiros, Alá é tão absoluto, uno e soberano, que a ideia de “ter filhos” não faz o menor sentido. Nesse caso, Deus como Trindade só pode ser concebido e condenado como politeísmo, o pior de todos os pecados no Islã, tão grave que nem sequer pode ser perdoado.

No cristianismo, pelo contrário, a Trindade é um dos mistérios centrais da fé. Com a noção de Trindade, a revelação cristã é entendida não como um ato de obediência e submissão, mas um ato de amor em um Deus pessoal cujo rosto não se esconde do homem.

Voltarei a esse assunto em próximos textos.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Admar Luiz

    ± 18 horas

    Eu cá na minha ignorância, gostaria que algum filósofo/teólogo me disse, racionalmente, o que é esse “pecado original “ que na opinião do Razzo, é a causa do mal. Então eu nasci com o tal pecado original? Como assim? Seria a culpada desse pecado - por ter mordido a maçã - a Eva lá no paraíso? Como diz a gênese bíblica, que, aliás, é quase toda ela alegórica. Pecado é ausência do bem. Livre arbítrio é o que dita nossas escolhas. Boas ou más. Se escolher o mal responderá perante o tribunal de sua consciência. Simples assim.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • C

      Carlos Eduardo

      ± 9 horas

      Não sou teólogo nem filósofo. Não teve maçã, foi o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, que Deus disse que não era para ser comida. E, se somos originados por seres mortais e corruptíveis, então herdamos essa mortabilidade e a corruptibilidade. E não temos livre-arbítrio puro, porque a semente do pecado já está em nós. Escravos do pecado como nós não tem livre-arbítrio. Se não é a graça de Deus, estamos perdidos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Leandro Castro

    ± 20 horas

    Bravo!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 21 horas

    O bom senso, a lógica, e o Novo Testamento é que consagram o princípio de Unicidade de Deus refuta a ideia da Trindade. Espírito Santo? Nas traduções francesas, mas é um contra senso. Na Vulgata, tradução latina do grego, está escrito Spiritum bonum, palavra por palavra, Espírito bom. a Vulgata não fala absolutamente do Espírito Santo. As traduções desnaturam o sentido primitivo da palavra e a tornaram ininteligíveis.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 21 horas

    Santo Agostinho usou a filosofia a serviço da teologia, adotando as idéias platônicas e neo-platônicas , moldando-as de acordo com sua visão de mundo. Ele reinterpretou o platonismo para concilia-lo ao dogmas do cristianismo. Mais tarde ele despertaria para outra realidade. A da vida espiritual. Mas, o que importa mesmo na minha humilde opinião - cristão que sou - prezado Razzo, é o Novo Testamento. Ali estão contidas as máximas morais do Cristo e suas aplicações às diversas posições da vida. Se as outras partes da Bíblia e dos evangelhos foram objetos de controvérsias, o ENSINO MORAL, de Jesus, permaneceu intocável. Trindade é dogma católico criado pelo Imperador Constantino em 325.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Eduardo Francisco Nunes

    ± 22 horas

    Muito prazeroso ler um artigo como esse!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Semira Adler Vainsencher

    ± 24 horas

    É incrível mesmo, Francisco, como você pôde escrever essa crônica sem citar sequer uma só vez o Judaísmo, o berço de todas essas religiões. E nem se lembrar que Jesus era judeu. O Islã partiu de uma imitação grosseira de pouquíssimas partes do Antigo Testamento, que o guerreiro Maomé adicionou conteúdos belicistas e retrógrados da Idade da Pedra, muitos dos quais, seguidos ao pé da letra pela grande maioria dos árabes, persas e terroristas. lhe conferiu.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jonathan

    ± 1 dias

    Razzo, terminei de ler Entenda o Islã da Schirrmacher há poucos dias, é excelente mesmo. Amplia muito nosso entendimento do Islã em vários sentidos. Depois da leitura percebi como meu nível de informação sobre o islamismo era muito pequeno. Obrigado por divulgar a obra para o grande público!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo de Mello Araujo

    ± 1 dias

    Excelente texto. Obrigado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André Borsatto Baldissera

    ± 1 dias

    Bom dia. Considero seus textos muito instrutivos. As informações que obtenho os lendo me fazem pensar bastante. 1) Na minha opinião, a mensagem de Jesus é superior a de Maomé. 2) Sendo superior e sendo Jesus filho de Deus, não precisaria que o anjo Gabriel viesse instruir Maomé, posteriormente. 3) Por que Deus abandonou Jesus na cruz e nada fez com Maomé? Portanto, Jesus não é filho desse Deus criador considerado nas escrituras. Gabriel é e segue ordens sem raciocinar. Ou seja, Jesus e o criador são divindades. E por algum motivo, Jesus trouxe outra tônica ao nosso mundo, diferente da praticada que era de temor ao "Deus". Agora, o por quê disso tudo não sou capaz de entender.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      Raquel Wski

      ± 1 dias

      Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: um homem, Cristo Jesus, que se entregou como resgate correspondente por todos. Sobre isso se dará testemunho no tempo devido. 1ª Timóteo 2:5,6. O próprio Jesus sempre se identificou como filho de Deus, assim o entendimento do aspecto jurídico da morte de Jesus pode ajudar a perceber a outa tônica ensinada por ele.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.