i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Razzo

Foto de perfil de Francisco Razzo
Ver perfil

Republicanismo sem República e República sem republicanos

  • Por Francisco Razzo
  • 27/11/2019 00:01
Republicanismo sem República e República sem republicanos
| Foto: Reprodução

Uma das principais confusões do nosso tempo é a confusão entre republicanismo e liberalismo. Embora tenha gente que ainda não desenvolveu um pingo de vergonha de sair por aí tuitando que “o neoliberalismo é um autoritarismo”. De qualquer maneira, vivemos na era de ouro do liberalismo? Chegamos ao fim da história? Sinceramente não sei; tenho cá minhas dúvidas.

O fato é que vivemos em uma república federativa – nome pomposo inscrito na certidão de nascimento do Brasil para descrever a forma política do nosso Estado: “República Federativa do Brasil”. Quem vê pensa...

Agora, só entre nós aqui, caro leitor, independentemente do time de futebol cuja camisa você veste, ou da religião para a qual você paga o santo dízimo: podemos afirmar que somos republicanos? Bem, aí já são outros quinhentos. E por que não é tão simples assim “viver numa república e, ao mesmo tempo, não ser republicano”? Eu suspeito que as ordens liberal e republicana possam ser incompatíveis. Ainda não sei. Lanço a hipótese.

Dom Pedro II amava mais a liberdade que os generais positivistas que o sucederam

Ter instituições republicanas não significa absolutamente nada se não desenvolvermos as tais das virtudes que sustentam uma... república. Sendo assim, por exemplo, não há contradições em ser um monarca com comportamento republicano. Dom Pedro II muitas vezes é lembrado como um imperador republicano. Enquanto – vejam vocês a ironia – o marechal Deodoro da Fonseca tendia mais para a monarquia. Mas não quero polemizar fatos históricos tão caros à formação do nosso imaginário nacional.

Justiça seja feita ao nosso imperador – e ninguém precisa morrer de amores pela monarquia para saber disso –, dom Pedro II amava mais a liberdade que os generais positivistas que o sucederam. Difícil mesmo é chamar Josef Stalin de defensor das liberdades republicanas. Governar a “União das Repúblicas Socialistas Sov­­­­­­­­­­­­­­­iéticas” definitivamente não quer dizer nada. Sim, tem todo tipo de gente insana que acredita ser possível combater a “ordem liberal” com o exemplo soviético. Os reacionários, por sua vez, querem instaurar uma nova cruzada ao som de Da pacem domine, o antigo e belíssimo canto dos Templários.

As palavras aqui enganam. No caso do Brasil império, não vivíamos em uma república. De fato, digo, como forma de governo não era mesmo uma República. Entretanto, alguns monarcas podem muito bem ter cultivado um genuíno apreço ao espírito dos repúblicos. Deixo aqui uma provocação. Nós, por outro lado, vivemos numa república com raros espíritos republicanos.

Em política, os termos arrastam muitas ambiguidades. “República” é um bom exemplo. Nada de querer precisão matemática em ciência política. Ciência política, como dirá Aristóteles, consiste na “ciência das coisas humanas”. Ou seja: permeada por ambiguidades e pela impossibilidade de estabelecer classificações unilaterais. Quem diz que a política pode ser medida com compasso, régua e representada em gráficos e tabelas do Excel não entende nada de política.

Com relação ao conceito de “República”, ele pode ser definido ou como uma forma de administração da coisa pública ou pode ser uma virtude.

Se for uma forma de governo, refere-se não só à boa gestão, como também à forma de constituir os poderes. Sobretudo para dar mais participação ao cidadão, que deve governar direta ou indiretamente segundo os princípios da soberania, da liberdade e da isonomia. Instituições republicanas levam em consideração leis criadas pelos próprios cidadãos. Em uma república, a liberdade deve ser caracterizada como não dominação contra toda forma de sujeição. Nada como estabelecer freios contra o capricho dos poderosos.

As bases antropológicas para a tradição republicana, que depois darão fundamento para a política, são aquelas que pensam o homem como cidadão

Por outro lado, se a república for concebida como virtude, então refere-se à disposição espiritual de se reconhecer como membro de uma comunidade que sabe – tem sabedoria prática para isso – direcionar seus interesses ao “bem comum”.

Historicamente, o republicanismo é anterior ao liberalismo político. Entre gregos, romanos e renascentistas, você encontra, cada um ao seu modo, Aristóteles, Cícero e Maquiavel. Há quem fale até na possibilidade de uma tradição republicana que pode ser sustentada pela filosofia política de Tomás de Aquino. Não sou especialista em Tomas de Aquino, mas sim, a expressão “tomismo republicano” não é contraditória. Não deve ser estranha a filósofos contemporâneos como Jacques Maritain, para dar um exemplo.

Para diferenciar o republicanismo do liberalismo é preciso fazer algumas distinções importantes. Todos sabem que o liberalismo concebe o indivíduo como a categoria privilegiada da experiência política. No liberalismo, o indivíduo é soberano. O antagonismo da ordem liberal diz respeito ao grupo que defende que soberano é o coletivo. Republicanismo não tem nada a ver com essa “polarização” – para usar o termo da moda. A tradição republicana não pensa à luz dos termos “indivíduo” ou “coletivo”. E essa não é a maior batalha civilizacional.

As bases antropológicas para a tradição republicana, que depois darão fundamento para a política, são aquelas que pensam o homem como cidadão. Vale lembrar aqui do Aristóteles: o homem, por natureza, é um ser político. Isto é, que realiza sua vida na polis.

Os republicanos fazem referência ao Bem comum como elemento primordial do fim político em detrimento da satisfação dos desejos individuais. É possível satisfazer os desejos individuais, mas em casa. Nos limites da comunidade doméstica. Por isso, uma das mais importantes fronteiras preservadas pelos republicanos é aquela que separa a vida privada da vida pública, o bem individual do bem comum. Entre a intimidade da casa e a experiência política há uma barreira intransponível que só os tiranos não têm pudor em ultrapassar.

Para lembrar de Platão, monstruosamente difícil é o exercício que harmoniza a ordem da alma com a ordem da cidade. O que deve ser assunto para próximos textos.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    Joviana Cavaliere Lorentz

    ± 4 horas

    Parabéns! Outro nível de reflexão bem além do mimimi que nos afoga, asfixia e emburrece.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 7 horas

    O Brasil esta culturalmente tao infectado pelo coletivismo marxista que as pessoas ja' nao percebem mais quando o Estado avanca sobre suas liberdades civis. Inconscientemente acreditam em um Estado paternalista e batem palma para repressao das suas liberdades. Vale lembrar Lucas 4:5 sobre o poder totalitario do Estado sobre o cidadao: "E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe, num momento de tempo, todos os reinos do mundo. E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero. Portanto, se tu me adorares, tudo será teu."

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Elza Janzen

    ± 8 horas

    Filosoficamente falando, eu acho difícil a defesa da liberdade do indivíduo acima de todas as coisas - o que não significa que o indivíduo não deva ser visto como soberano - mas tomar isso como virtude máxima de um sistema me parece estar fora de equilíbrio. A mesma coisa vale para a igualdade na esquerda.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]