Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A importância dos hubs de inovação para o desenvolvimento de novos negócios
A importância dos hubs de inovação para o desenvolvimento de novos negócios| Foto: Unsplash, Annie Spratt/Reprodução

Não é novidade que o mercado de inovação está bem aquecido nos últimos anos. Segundo uma pesquisa divulgada pela 100 Open Startups, o número de corporações que fizeram contratos com startups saltou de 1.968 em 2020, para 3.334 em 2021. Já a quantidade de startups que colaboraram com grandes empresas foi de 13.092 para 18.355 na comparação ano a ano. O valor médio dos contratos quase dobrou: era de R$ 140 mil no ano passado e ficou em R$ 270 mil esse ano.

Um dos players que vem crescendo nos últimos anos é o Sidia Instituto de Ciência e Tecnologia. Considerado o maior centro de pesquisa, desenvolvimento e inovação do Brasil, com sede em Manaus (AM) e São Paulo, o Instituto é responsável por implementar soluções digitais inovadoras para o mercado local e global. Na América Latina, é referência no desenvolvimento de software embarcado para dispositivos mobile e smart TVs, com competências em projetos de automação para a indústria 4.0, saúde e varejo, utilizando plataformas e aplicações em realidade aumentada e inteligência artificial.

De olho na regionalização, o Manaus Tech Hub, iniciativa do Sidia, é um espaço com o objetivo de promover o desenvolvimento e o crescimento de startups na Amazônia, com inovação aberta e oportunidades em novos negócios, conectando empresas do Polo Industrial de Manaus, governos e empreendedores.

De acordo com Daniel Goettenauer, especialista em Inovação do Manaus Tech Hub, os hubs de inovação são extremamente importantes para impulsionar novos negócios, independente da localização. “Com o crescimento da inovação no país, se fez necessário criarmos alternativas para que grandes empresas pudessem se conectar com as startups e promover novos projetos. Hoje existem diversas iniciativas que corroboram para a evolução da inovação aberta no Brasil”, explica.

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), Manaus concentra atualmente 84 startups, sendo os principais segmentos Educação, Saúde e Eventos. Além disso, 38,8% delas atuam com foco em B2B, 14,3% em B2C e 36,7% em B2B2C. 48,6% dessas startups manauaras já estão em fase de tração e apenas 8,6% já alcançaram a fase de escala.

Outra iniciativa que tem contribuído para fomentar o ecossistema de inovação é a Liga Ventures, plataforma de inovação aberta que conecta empresas e startups a fim de potencializar interações e gerar novos negócios. De acordo com a empresa, embora o último ano tenha sido marcado por um cenário de incertezas provocadas pela pandemia, está também serviu como grande catalisador para tendências que já vinham ganhando força nos últimos anos, mas que foram potencializadas nos últimos meses e que resultaram na geração de negócios entre companhias, que passaram a buscar soluções inovadoras para seus negócios com startups.

Um exemplo disso é que somente no último ano a empresa realizou diversos programas de aceleração com diferentes parceiros corporativos, como Hospital Moinhos de Vento, Suvinil, AES Brasil, Mercedes-Benz, BASF, entre outros. Além disso, entre os meses de março de 2020 e março de 2021 participou do desenvolvimento de mais de 50 projetos com foco na expansão de oportunidades, envolvendo as soluções apresentadas por startups e os desafios e espaços abertos no mercado. Criada em 2015, a Liga Ventures soma em seu portfólio mais de 250 startups aceleradas e mais de 450 projetos realizados entre essas e grandes corporações.

As políticas públicas não ficam de fora da tendência de inovação. O InovAtiva, hub de aceleração, conexão e capacitação de startups brasileiras, foi criado em 2013 e, desde então, já contribuiu para o desenvolvimento de milhares de negócios inovadores de todo o país.

Realizado pela Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com execução da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI), o hub oferece uma série de produtos e programas para apoiar a criação de uma nova geração de soluções e otimizar o potencial das startups nacionais.

Dentre estes produtos, está o InovAtiva Brasil, maior programa de aceleração de startups da América Latina. Em 2021, o programa deu um salto e passou a selecionar o dobro de empresas: até 400 por ciclo semestral. Os empreendedores selecionados têm acesso a conteúdos exclusivos, mentorias, treinamentos de pitch e a conexão e apresentação de suas ideias para investidores no InovAtiva Experience, evento de fechamento de ciclo. Já o InovAtiva de Impacto, uma vertente diferenciada do InovAtiva Brasil, é um programa de aceleração focado em negócios de impacto socioambiental, inaugurado no hub em 2016.

O StartOut Brasil é outra política pública extremamente relevante no aquecimento do ecossistema de inovação brasileiro – realizada pela Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME) e pelo Sebrae, mas também com a participação do  Ministério das Relações Exteriores (MRE), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Este programa é focado na internacionalização de startups brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo. Os empreendedores selecionados recebem mentorias especializadas no quesito de inserção em mercados internacionais e apoio de matchmaker para encontrar parceiros comerciais nas cidades de destino, entre outras atividades. O StartOut já passou por Nova York, Bogotá, Buenos Aires, Paris, Berlim, Miami, Lisboa, Santiago, Toronto, Boston e Xangai e iniciará mais um ciclo em Santiago no começo de 2022.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]