Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O papel da tecnologia para a revolução no setor industrial
O papel da tecnologia para a revolução no setor industrial| Foto: Pexels, Anamul Rezwan/Reprodução

A rotina de operações voltadas para o segmento industrial costuma ser extremamente desafiadora, isso é fato. Para empresas que fazem parte do setor, cujo potencial econômico é imprescindível para o país, bem como seu valor de geração de empregos, a busca por alternativas capazes de fomentar um ambiente estável de competitividade se mostra incessante. Hoje, manter-se atualizado é uma necessidade praticamente obrigatória, especialmente no que diz respeito à eficiência dos processos empregados.

Nesse sentido, o conceito de Indústria 4.0 passou a concentrar o que há de mais vantajoso na integração de novas tecnologias, com o objetivo de reformular a realidade operacional de organizações da área industrial. Entretanto, para que o componente tecnológico provoque os efeitos desejados, é preciso entender, na prática, como a inovação se relacionará com as principais demandas identificadas. Não há nenhuma fórmula exata, afinal, cada companhia possui suas próprias particularidades, fato que confirma a importância de se contar com soluções personalizadas.

Sob a ótica de pequenas e médias indústrias, a automatização não pode ser visualizada como algo impossível de ser alcançado, resumindo-se a gastos exorbitantes ou exclusivos a grandes conglomerados. Atualmente, a presença de ferramentas digitais habita um espaço positivo de escalabilidade, condição que democratiza o acesso a práticas inovadoras. Dessa forma, é natural que cada vez mais empresas se enquadrem na era 4.0, seguindo de acordo com suas maiores exigências.

Uma nova concepção de gestão industrial

Entre os departamentos que formalizam a gestão industrial, geralmente, existem problemas a serem superados. Vale destacar que reconhecer pontos de aprimoramento não é um demérito, mas um pressuposto fundamental para quem procura aderir à inovação. Com isso, a etapa de implantação tecnológica fluirá melhor, acompanhando as expectativas depositadas em sua chegada. E indo ao encontro dessa linha de raciocínio, surge a possibilidade do ERP, ou Sistema de Gestão Empresarial, como uma opção viável de se automatizar procedimentos e estruturar um ambiente orientado à eficiência operacional.

Falta de controle sobre o estoque, planejamentos fragilizados, atividades morosas e que pouco estimulam a produtividade dos colaboradores são alguns exemplos de situações comuns que podem ser contornadas com a participação de uma plataforma robusta. Indo além do aspecto processual, a inovação deve trazer clareza e estabilidade para o gestor, assumindo etapas que não precisam, necessariamente, reivindicar tempo hábil dos profissionais.

Ao otimizar processos de forma significativa, o ERP traz uma abordagem de segurança e agilidade para o fluxo de dados, mitigando riscos e atribuindo confiabilidade ao manuseio dessas informações. Em uma base unificada e atualizada, esses materiais servirão de insumos para que a tomada de decisão seja consciente, segura e principalmente assertiva. Olhando para o presente e também o futuro, sem dúvidas, preservar a integridade dos dados é uma medida cujo caráter de imediatismo pode ser evidenciado.

Ninguém está sozinho na jornada rumo à inovação

A princípio, para organizações com pouca expertise no universo tecnológico, dar o primeiro passo com o intuito de atingir esse nível elevado de maturidade digital pode parecer inviável em determinados aspectos. Isso nos leva à importância de se compreender que ninguém está sozinho na jornada rumo à inovação. Junto à adoção de uma ferramenta inovadora, há a possibilidade de se firmar vínculos com parceiros especializados, preparados para maximizar a presença da tecnologia sem que ocorram gargalos durante o processo de transição.

Inclusive, segundo a 4ª edição da pesquisa Ace Innovation Survey, inovar é uma prioridade para empresas, sendo que 85% das companhias que participaram do levantamento sinalizaram este tópico como fundamental na formulação de estratégias de negócios. Por outro lado, 36% destacaram que possuem uma estrutura apta à fomentação de novas ideias, fato que mostra a importância de estimular cada vez mais o assunto no meio corporativo.

Encerrando o artigo, destaco que a revolução provocada no setor industrial é diária e constante, na medida em que a inovação tem avançado de forma acelerada sobre a área. Tendências alinhadas com iniciativas digitais continuarão a surgir, contribuindo para que a Indústria 4.0 seja normalizada entre empresas de todos os portes e segmentos. O resultado é um cenário corporativo de alta performance e competitividade, no qual colaboradores, líderes e consumidores sairão como os principais beneficiados.

*Thiago Leão é Diretor Comercial da Nomus, empresa especializada no desenvolvimento de sistemas para excelência na gestão de indústrias. Engenheiro Mecânico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]