i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Boas e más ideias em busca dos empregos perdidos

  • Por Guido Orgis
  • 13/11/2019 12:58
Boas e más ideias em busca dos empregos perdidos
| Foto: Ana Volpe/Agência Senado

O pacote para aumentar o emprego lançado pela equipe econômica é uma espécie de colcha que junta retalhos liberais e intervencionistas. É uma minirreforma trabalhista que diminui a burocracia e o custo do trabalho, ao mesmo tempo em que cria uma distorção no mercado.

O lado liberal junta uma série de ideias que fazem da medida provisória uma reforma relativamente profunda. Entre os pontos mais importantes estão a liberação do trabalho aos domingos, a possibilidade de encerramento de contratos por acordo e o fim do registro de diversas profissões.

O mais importante, porém, é o fim da multa extra de 10% sobre o saldo do FGTS nas demissões sem justa causa. Estamos falando aqui de um imposto a menos - essa multa foi criada para fechar um buraco contábil e foi ficando. Seu fim veio com um empurrão dado pelo teto de gastos, que fez o governo abrir mão dessa receita para gastar mais em outras frentes.

No conjunto, a minirreforma acentua a adoção do conceito de que as relações entre trabalhadores e empresas podem ser mediadas sem a força da CLT. Outro exemplo disso é a possibilidade de haver planos de distribuição de lucros sem a participação de sindicatos, inclusive com metas individuais. Pela amplitude das mudanças, seria melhor uma condução via projeto de lei e não medida provisória para um debate maior e correção de pontos estranhos, como a multa para quem não votar nas eleições sindicais.

O lado intervencionista é formado pelo novo modelo de contrato de trabalho para jovens de 18 a 29 anos. Ela combina uma desoneração da folha e benefícios menores para empregos de baixa remuneração. Esse tipo de estímulo tem custo fiscal alto, neste caso de R$ 10 bilhões até 2022, e efeitos práticos muito limitados, como mostram experiências anteriores.

Os sinais para o mercado de trabalho são trocados. Há um prêmio para a criação de vagas de baixa remuneração que pode fazer com que as empresas prefiram aproveitar o benefício em vez de contratar outras pessoas - até mesmo jovens - por um salário melhor. Como o benefício em si não cria empregos, há uma assimetria que beneficia um perfil de mão de obra em detrimento de outro. Além disso, o programa tem regras rígidas para as contratações, o que exigiria uma fiscalização por parte do Estado. É o contrário do que preconiza uma visão liberal sobre o mercado de trabalho.

A baixa empregabilidade de jovens é um fato que ocorre em praticamente todas as economias. A falta de educação e experiência prática são barreiras de entrada altas. Em momentos de mercado de trabalho desaquecido, as empresas preferem pessoas com mais experiência, já que não há uma diferença expressiva no custo da contratação.

Criar formas de diminuir as barreiras de entrada é uma meta louvável e isso pode ser feito de várias formas. Subsídios diretos seriam um caminho mais simples, mas com problemas parecidos com a desoneração. Outras alternativas seriam um modelo diferente de contrato de trabalho para o primeiro emprego (por exemplo, com a extensão do período de experiência) e a criação de programas de treinamento dentro das empresas (modelo adotado na Alemanha com sucesso).

O importante em um programa para jovens é ter em mente que o objetivo não é criar empregos, mas dar a oportunidade de aprendizado. A experiência profissional é a primeira informação que as empresas usam em uma contratação. Jovens que passaram por estágios, treinamentos em empresas, e vagas de aprendizado conseguem a prova de que podem se adequar às exigências do ambiente de trabalho. Acredito que a proposta que está na MP pode ser melhorada.

O último ponto estranho é a compensação do custo tributário da desoneração com a contribuição previdenciária sobre o seguro-desemprego. Contar esses meses para a aposentadoria pode ser positivo para o trabalhador, mas esse não é um ponto que deveria ser visto como uma compensação tributária. Esse recolhimento é vinculado a um gasto futuro e poderia ser opcional. O governo deveria tratar a isenção como um subsídio direto do Tesouro, o que obviamente traz dificuldades por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • V

    Vincenzo

    ± 0 minutos

    Gostei da análise, que foi séria, objetiva, muito distante de qualquer ideologia, afinal ideologia tem sido um porre no Brasil, qualquer uma. Discordei do ponto que acredita que o mercado, sozinho, possa regular as relações entre empregador e empregado. É uma dis**** entre forças díspares, então não se pode esperar resultados equilibrados. Por outro lado, CLT, TRT e sindicatos, já provaram que também não resolvem a questão. O tema está sem uma boa solução.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Semira Adler Vainsencher

    ± 50 minutos

    Bom dia, Guido, gostei bastante de sua crônica. Todas as empresas preferem pessoas com experiências e se esquecem que os brasileiros, de um modo geral, são "analfabetos funcionais", advindos de uma Educação de nível ZERO. Tais empresas deveriam, então, oferecer mais oportunidade para a criação de programas de aprendizado e de treinamento. Podemos utilizar exemplos de países desenvolvidos como modelos. Contudo, precisamos, sim, criar, um modelo brasileiro de educação e de trabalho bem sucedido. Com mais urgência, provavelmente, no Nordeste e no Norte do Brasil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rômulo Viel

    ± 2 horas

    Uma crítica razoável...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Solange Machado

    ± 3 horas

    O que é melhor? Ter emprego ou receber seguro-desemprego. Quando diz que as políticas de desoneração da folha não cria empregos, compara com o que? Será que essas desonerações não evitam um desemprego maior?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LIVIO MOZARTH MENDES MARCAL

    ± 15 horas

    O brasileiro vai levar séculos pra entender certos pontos. Eu por exemplo nem perco meu tempo mais explicando que vai gerar emprego.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Juliano

    ± 18 horas

    Não vejo a hora dos trabalhadores que são "apoiadores" das medidas do governo começarem a sentir os efeitos dessas medidas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Anderson

    ± 19 horas

    O desempregado é que irá pagar essa conta através do desconto de 7,5 %, governo ruim com o povo, por que não compensam Comba redução dos salários dos políticos, redução de de****dos e cargos comissionados? O povo que se lasque mais uma vez, até quando o povão Brasileiro vai apoiar esse governo maldoso com quem mantém esse estado caríssimo funcionando? Até agora, só pacotes pra prejudicar os que mais necessitam do Estado

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      Rômulo Viel

      ± 2 horas

      Que burrice! Não é o Executivo que decide o salário dos políticos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alex Fox

    ± 19 horas

    Um dos pontos abordados pelo colunista é crítico na minha opinião: Como criar empregos sem precarizar os já existentes ? As empresas poderão simplesmente trocar empregados mais velhos por mais novos com esses benefícios ? Enfim, sou contra qualquer regulamentação, quanto menos Estado interferindo nas relações privadas (inclusive de trabalho) melhor, mas se precisam fazer alguma coisa que façam certo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro Silva

    ± 22 horas

    Muito boa matéria. Bem explicado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 22 horas

    Bom artigo. Acho que o destino do Brasil é ser, na melhor das hipóteses, essa mistura curiosa entre liberalismo e intervencionismo que estamos vendo atualmente... Bom, ainda é bem melhor do que ser 100% intervencionista, como foi na era do desastre petista.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • J

      João Carlos Carvalho

      ± 12 horas

      Vitor ,como sempre onde os esquerdistas preponderam a economia desanda e quem sofre é o povo ! Não há saída fora do capitalismo esclarecido !

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.