i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Ataque ao petróleo saudita é uma minicrise. Mas com consequências imprevisíveis

  • Por Guido Orgis
  • 16/09/2019 18:23
Ataque contra instalações de petróleo na Arábia Saudita
Instalação atacada por drones na Arábia Saudita.| Foto: HO/AFP

O ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita no último fim de semana é um evento que pode provocar danos colaterais. Do ponto de vista econômico, seria uma crise pequena diante do que o mundo atravessou na década de 70. Mas com desdobramentos geopolíticos imprevisíveis que são, eles sim, uma preocupação de primeira grandeza.

O corte na produção de petróleo saudita corresponde a cerca de 5% do total global. É um volume que voltará ao mercado em um prazo ainda a ser confirmado, mas que pode ser compensado por outras fontes. A geografia da produção global de óleo mudou muito dos anos 70 para cá. Fontes novas de energia fóssil nos Estados Unidos e Canadá, por exemplo, dão mais segurança ao mercado. Ao mesmo tempo, a economia ficou mais eficiente no consumo de energia, o que diminui o impacto de uma alta de preço do barril.

A reação de curto prazo do mercado de petróleo foi uma alta de quase 20%, amenizada para pouco mais de 10% ao longo desta segunda-feira (16). É uma correção forte, mas insuficiente até mesmo para fazer o barril chegar ao maior preço dos últimos 12 meses - a cotação do óleo tipo brent fechou o dia perto de US$ 68, longe ainda do pico de US$ 87 no último ano. Se olharmos para um prazo mais longo, estamos ainda muito distantes do cenário vivido em 2008, quando o preço chegou perto dos US$ 150.

Se o evento do fim de semana tivesse somente esta reação isolada do mercado, seria rapidamente contornado. Seu efeito sobre o crescimento econômico global seria muito pequeno e não seria suficiente para mudar o rumo de afrouxamento das políticas monetárias. No Brasil, o maior receio maior seria um aumento agudo no preço dos transportes, o que poderia pressionar a inflação e fazer o Banco Central não ir muito longo no atual ciclo de redução dos juros.

Como nada no Oriente Médio é simples, o ataque contra as instalações sauditas eleva o grau de incerteza sobre as relações entre Estados Unidos e Irã. Muitos especialistas na região têm colocado que não interessa a nenhum dos três atores (americanos, sauditas e iranianos) um conflito aberto. Na interpretação mais benigna, o ataque do fim de semana faria os Estados Unidos aceitarem uma conversa mais profunda para avaliar a retirada de sanções contra o Irã.

A escalada recente no tom entre esses atores traz muita incerteza para essa interpretação. Ao mesmo tempo, o ataque concretizou um fato novo: tecnologias relativamente baratas e com operação simples como drones são capazes de tirar do ar uma fatia enorme da produção mundial de petróleo. Isso é muito diferente do ataque a navios-tanques, como os registrados recentemente na região. Novos ataques podem transformar rapidamente uma minicrise em uma crise longa e dolorosa.

Para o Brasil, a preocupação de curto prazo é com o ciclo de corte de juros. O Copom se reúne nesta semana e é esperado um corte de mais 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, com a Selic chegando a 5,5% ao ano. Muita gente no mercado já espera que ela feche o ano um pouco abaixo de 5%, movimento necessário para a sustentação da perspectiva de crescimento em 2020. Uma pausa antecipada poderia dificultar ainda mais a percepção de retomada.

No médio prazo, essa incerteza tem o aspecto positivo de valorizar as reservas do pré-sal que o governo pretende leiloar entre o fim deste ano e o início do ano que vem. O impacto final de um preço maior do petróleo pode ser uma redução, mesmo que pontual, no déficit primário de 2019 ou 2020. Estar longe do Oriente Médio é uma vantagem para o investimento nos campos brasileiros de petróleo.

Esse fator, no entanto, provavelmente não compensaria a combinação de inflação e juros maiores que cortaria a perspectiva de crescimento no longo prazo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.