i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guilherme de Carvalho

Foto de perfil de Guilherme de Carvalho
Ver perfil

A crise do bolsonarismo e a encruzilhada política dos evangélicos

  • Guilherme de CarvalhoPor Guilherme de Carvalho
  • 24/04/2020 18:47
Detalhe de “John Knox pregando aos Lordes da Congregação”, de David Wilkie (1832).
Detalhe de “John Knox pregando aos Lordes da Congregação”, de David Wilkie (1832).| Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

As últimas semanas viram uma degradação bastante acelerada do governo Bolsonaro. Esse processo de degradação fragmentou o suporte dado a ele pela comunidade evangélica, e criou uma espécie de limbo político temporário, uma situação de encruzilhada na qual há um conjunto de mundos possíveis. Nesse momento, líderes evangélicos precisam refletir de modo crítico, mantendo a presença de espírito e seu sentido de missão.

Blocos em fragmentação

Embora eu mesmo não tenha votado em Bolsonaro, torci pelos seus eleitores, como expliquei num artigo em meu blog pessoal, e aceitei um convite para trabalhar como diretor no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, sob a ministra Damares Alves.

À época fiz uma aposta: embora não pudesse acreditar em Jair Messias Bolsonaro, tendo denunciado sua inépcia já em 2018, e muito menos comprasse a grande narrativa de Olavo de Carvalho, que o empoderou, compreendi que a ascensão do homem teria sido impossível sem o suporte de uma conjugação de forças políticas e ideológicas, e que a sinergia dessas forças poderia alimentar um conservadorismo moderado. Era um mundo possível, ainda que improvável.

Do ponto de vista das agendas, tenho meu próprio mapa imperfeito: liberais, libertários e gestores pragmáticos, principalmente no Ministério da Economia, Secretaria de Governo e Infraestrutura; militares, separados em dois ou três grupos, em lugares estratégicos, como lastro de poder; católicos e evangélicos conservadores com graus variados de compromisso com a doutrina social cristã, principalmente no Ministério da Mulher, da Cidadania e na AGU; e os olavistas de várias confissões, concentrados em alguns lugares como Casa Civil, Ministério da Educação, Relações Exteriores e Meio Ambiente, e também pulverizados em todos os blocos. O lavajatismo fez-se representar, principalmente, por Sergio Moro e o ministério da Justiça e Segurança Pública. E, finalmente, temos a representação no Executivo da base parlamentar, muito menos técnica que os outros componentes. Naturalmente alguns indivíduos pertencem a apenas um desses grupos, e outros pertencem a dois ou três simultaneamente, o que torna a coisa bem complexa.

A ascensão de Bolsonaro teria sido impossível sem o suporte de uma conjugação de forças políticas e ideológicas, e a sinergia dessas forças poderia alimentar um conservadorismo moderado

O que era perceptível, e recentemente tem se tornado cada vez mais claro, era que a “cola” do governo não era forte. Diferentemente do lulopetismo, quando subiu ao poder, não existe uma liga mais forte entre esses diversos campos de aglutinação exceto um pathos antipetista com elementos conservadores dispersos, e os agentes bolsonaristas, também dispersos.

É claro que isso poderia ser administrado, ao longo do governo; pessoas e grupos mudam. O petismo mudou com a ascensão ao poder, muito embora seja difícil mudar para melhor. Mas uma decisão política de união nacional poderia gerar um processo de trocas e integração interna, de modo que tais forças pudessem reforçar seus laços, e, eventualmente, seus elementos mais extremos poderiam ser moderados por necessidade política.

O que se viu, no entanto – e essa é uma observação bastante trivial –, foi um processo de endurecimento e entrincheiramento do núcleo ideológico, progressivamente alienando a composição de forças que ascendeu com Bolsonaro. Como o tempo tem mostrado – e a Covid-19 ajudou a acelerar o relógio do processo político, nesse sentido –, os blocos de poder do governo não foram bem fundidos. Isso se deve, em grande parte, à práxis política doentia, revolucionária e conflituosa da Presidência, a principal geradora de crises institucionais e midiáticas da atual dispensação.

Em outro artigo, descrevi esse processo como uma deslegitimação sistemática de todas as autoridades e instituições. Bolsonaro, animado pelo olavismo, é o grande “desautorizador geral da República” e, nesse sentido, a ferrugem da democracia brasileira.

Assim, a despeito da incredulidade de muitos apoiadores e opositores políticos, tem se confirmado que há, sim, uma distinção entre o núcleo ideológico, ligado à Presidência, e o restante do governo, que orbita a presidência a distâncias heterogêneas. As tensões com o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e, agora, o choque frontal com o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, escancararam a falta de convergência no governo. É importante que os diferentes setores da oposição a Bolsonaro compreendam isso, do contrário não saberão construir a relação política com essas forças importantes, à medida que se afastarem do bolsonarismo.

Bolsonaro, animado pelo olavismo, é o grande “desautorizador geral da República” e, nesse sentido, a ferrugem da democracia brasileira

Seja como for, é evidente que a sinergia que eu e muitos esperavam não se realizou, e o tempo de cozimento foi ultrapassado. Talvez outro presidente à direita, e até mesmo um oriundo do baixo clero, tivesse a presença de espírito e a coragem para alimentar semelhante processo, a despeito de suas fragilidades; mas não Bolsonaro e sua família. O “bem comum” está além de sua capacidade e vontade política.

Confidenciei a amigos que deixaria o governo, no máximo, até o fim do ano. Mas, como ilustrei a coisa aos amigos, a pandemia acelerou tudo. É como se alguém chegasse do trabalho à noite e descobrisse que a geladeira quebrou pela manhã. A carne descongelou, e teria de ser preparada imediatamente, sem temperos ou complementos.

O governo Bolsonaro teve uma janela para construir a união nacional, e não a empregou. Ele continuará de pé por um tempo, mas seu futuro político foi dramaticamente encurtado.

O erro político dos evangélicos

Não repetirei aqui as críticas que já foram apresentadas, tanto por vozes evangélicas de esquerda quanto de analistas politicamente mais neutros, sobre a inadequação do suporte evangélico ao governo. Tendo a manter uma visão mais “caridosa” da coisa, e não recrimino nem eleitores de Bolsonaro, nem evangélicos que seguem trabalhando no governo – ao menos em áreas nas quais não houve intervenção do núcleo ideológico.

É claro que os evangélicos “bolsonaristas”, que insistem em tratar a política como objeto de fé e esperança, e os líderes evangélicos “conservadores” que lutam para manter de pé o circo de ilusões do bolsonarismo são dignos de pública reprovação. Essa ala doente do evangelicismo, combinando servilismo e ingenuidade ideológica, oportunismo político e pura e simples ignorância sobre a tarefa histórica da igreja cristã presta um péssimo serviço à missão e evangelização do Brasil. Mas a grande maioria dos líderes e fiéis evangélicos apoiou Bolsonaro como antes apoiou Lula: de boa fé, e sem dogmatismo. Não faltam evidências, nesse momento, de que o suporte evangélico a Bolsonaro está desvanecendo.

O momento de crise e frustração torna-se, no entanto, o momento de oportunidade, tempo de reorientação, porque permite ver, com máxima clareza, o erro genético, primordial e radical da prática política cristã no Brasil. E esse erro consiste em cair na tentação, sempre presente, de andar a reboque de projetos políticos seculares, subcristãos, pseudocristãos e até anticristãos.

O governo Bolsonaro teve uma janela para construir a união nacional, e não a empregou

É importante deixar claro o seguinte: não me oponho à participação cristã em governos de diversas matizes. Eu não seria contra a participação de cristãos num governo de esquerda, de centro ou de direita, por exemplo. A questão é outra: quais são os termos dessa participação? Regularmente vemos composições políticas adotarem a prática de ignorar completamente os cristãos, em geral, e suas crenças e valores fundamentais – embora frequentemente estabelecendo conchavos com lideranças denominacionais, muito distantes da base popular – usando fragmentos da linguagem moral cristã para mobilizar votos. Nesse arranjo, os cristãos são ou ignorados, ou usados como massa de manobra, e não são nunca convidados a participar, como coproponentes, de um projeto nacional.

De modo que, em meu julgamento, é necessária uma grande “revolta” cristã. Não uma revolta cristã “revolucionária”, muito menos “contrarrevolucionária”. Quero, aqui, apaziguar os amigos leitores que não compartilham da fé cristã, ou de nenhuma fé: não tenho em mente uma revolução integrista para tomar conta do país. Tenho em mente, antes, uma participação real, e não virtual, propositiva, e não passiva, em nosso sistema de pluralismo democrático. Não proponho que a fé cristã seja a única voz, mas que ela tenha uma voz, que tem sido negada pela política tradicional, com a conivência da academia e a imprensa dominante.

Nesse sentido, quero destacar que o Cristianismo não é apenas uma sensibilidade religiosa que possa estar a serviço de ideologias políticas seculares, como o conservadorismo, o socialismo, o liberalismo e o libertarianismo, por exemplo. Certamente cristãos podem apoiar aspectos de todas essas bandeiras; a bola da vez foi o conservadorismo. Muitos se apaixonaram por nomes como Russell Kirk e Roger Scruton, entre outros. Mas, sem negar nem por um segundo a contribuição desses homens, preciso dizer que eles não podem ser a fonte e a regra da presença cristã pública. Pois o Cristianismo tem a sua própria doutrina social, sua visão sobre valores e sobre a terra, e sobre os limites da autoridade política, sua compreensão da natureza e da personalidade humana, e da esperança no futuro.

Não proponho que a fé cristã seja a única voz, mas que ela tenha uma voz, que tem sido negada pela política tradicional, com a conivência da academia e a imprensa dominante

Os cristãos precisam interpelar os políticos que querem seu apoio e enquadrá-los nesse sentido. Devem formar e recomendar representantes políticos de sua visão de mundo, e devem fazer suas opiniões pesarem na arena política. A força gravitacional do Cristianismo deve alterar positivamente o espaço político. E devemos dar um fora em políticos que querem apenas nos usar.

Penso que, nesse momento, os católicos romanos que não foram engolidos pelo pseudoconservadorismo de Olavo de Carvalho precisam recuperar os fundamentos da Doutrina Social da Igreja, e alimentar ainda mais a presença política que já tiveram no passado, e que está em processo de reflorescimento. E os evangélicos deveriam fazer o mesmo: ler os documentos constituintes da Doutrina Social da Igreja Católica, desde a Rerum Novarum, de 1891, passando pela Quadragesimo Anno e pela Centesimus Annus, e por outros documentos mais recentes dos irmãos romanistas. E também recorrer aos grandes pensadores sociais protestantes, como o teólogo e estadista Abraham Kuyper, um dos fundadores da tradição democrata-cristã europeia, que também em 1891 escreveu sobre A Questão Social. A tradição cristã-social anglicana e metodista precisa ser recuperada, o pacto de Lausanne precisa ser revisitado, e as contribuições recentes de filósofos, eticistas e teólogos políticos como Herman Dooyeweerd, Oliver O’Donovan e John Milbank precisam receber a atenção que merecem. Devemos abandonar as migalhas de Olavo de Carvalho, da Teologia da Libertação e das teologias pós-modernas, e de outros ideólogos manipuladores para buscar uma presença pública cristã das raízes aos ramos.

A força gravitacional do Cristianismo deve alterar positivamente o espaço político. E devemos dar um fora em políticos que querem apenas nos usar

Eu compreendo o voto em Bolsonaro e até a cooperação com Bolsonaro; mas a crença em Bolsonaro? O “Bolsonarismo” evangélico é uma loucura, uma idiotice tão idiota quanto o “lulismo” evangélico. Como é possível que nos contentemos com essas bolotas, essas comidas de porcos? Somos cristãos, e cristãos protestantes. Temos princípios. E quem não se lembra de seus princípios deveria se perguntar sobre a natureza de seu Cristianismo.

Estamos agora entrando numa encruzilhada histórica. Não vamos nos iludir; os caciques denominacionais, principalmente os neopentecostais, continuarão manipulando números e se entregando a negociatas. Mas os cristãos evangelicais, o núcleo duro do protestantismo evangélico, precisam ter o seu próprio rosto e a sua própria voz, sem servilismo político. Precisam deixar o Egito do sucesso eleitoral incondicional e se levantar como firmes e teimosos anteparos morais diante do fluxo dos interesses de poder. Como o patriarca Abraão, eles poderão até mesmo lutar ao lado do rei de Sodoma, mas não farão pactos nem se venderão a ele. Por que é difícil entender que é possível cooperar com governos sem vender-lhes a alma?

Enfim, a história demandará isso dos cristãos evangélicos: a presença fiel. Não importa tanto se eles tiveram sucesso. Importa é que eles tenham sido, na teoria, no coração e na práxis política, cristãos.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Renan Alcaras Macedo

    ± 22 horas

    Parabéns pelo texto! Realmente, os cristãos precisam deixar seus ídolos políticos e ideológicos. A sugestão de retorno à doutrina social católica e à filosofia reformacional é oportuna e urgente. Sugiro, com vistas ao melhor esclarecimento dos que o leem, que escreva alguns artigos relacionando os princípios básicos destas correntes e propondo ao menos um esqueleto conceitual de uma política cristã.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    José Maciel

    ± 2 dias

    Guilherme, assisti uma audiência pública no Senado Federal ao qual vc fez uma participação de 20 minutos. Fiquei na impressão de que ali vc era mais progressista do que o Senador Pain. Em relação ao Olavo de Carvalho penso que como estudioso vc deveria entrar no curso COF e estudá-lo, mesmo que seja para fazer um contra ponto. Assim a crítica poderá ser mais honesta já que vc não especifica em quais temas vc não concorda com o Olavo. Em relação aos pensadores Protestantes, realmente, temos muitos maravilhosos(estrangeiros) que já cantaram a pedra de como nos tornamos relevantes nos diversos campos, seja nas ciências, artes, literatura, política etc. No texto vc não apresentou uma solução.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Leandro José Vieira

    ± 2 dias

    Lúcido e claro! Penso que devamos traduzir tal sentimento a grande massa evangélica afim de que reconheçam tanto sua força quanto sua vocação! Tenho procurado compreender de maneira mais técnica os complexos enredos relacionados ao tema político atual e assim cooperar para um engajamento prático e assertivo. Tenho visitado alguns dos autores mencionados, temos uma longa jornada de trabalho pela frente. Obrigado Guilherme, seu empenho tem sido fundamental.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rafael Arêas Vargas

    ± 3 dias

    O que seria um evangélico de esquerda? Esse termo pra mim já é totalmente contraditório. Seria um cristão aderindo a valores revolucionários? Seria um cristão sorrindo ao ler por exemplo, Ética protestante e o espírito do capitalismo de Engels, ou lendo Eros e civilização de Marcuse? Que valores cristão são esses que não são conservadores que o autor da matéria cita? Na Bíblia que eu leio nunca os encontrei....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • _

    __Cloroquina!__

    ± 3 dias

    Curral eleitoral. O Brasil tá assim por culpa total e exclusiva dos evangélicos, que ajudaram a eleger um marginal para a Pres. da República.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ANTONIO

    ± 3 dias

    Um governo apoiado por evangélicos. Terraplanistas, Olavo de Carvalho, armamentistas, (aquela turminha infantilizada que gosta de fazer revolverzinho com as maos), militares e sabe-se o que mais, nao pode dar certo nem awui nem na china. Junte-se a isso um supremo de *****, deputados e senadores com grande tendencia (e merecimento) de irem para a cadeia. E a pa de cal:Uma oposição sabidamente corrupta (tanto quanto) que ainda reverencia um bandido condenado judicialmente. Pronto. E A RECEITA DO CAOS.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DELMO FONSECA

    ± 4 dias

    Os textos do Guilherme são prolixos, cansativos, mas bem escritos. Ao final não dizem nada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RM

    ± 4 dias

    Perfeito! Traduziu o que vejo em todas as denominações. Parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gláucia Nonato Porto

    ± 4 dias

    Ótimo artigo! Perfeito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gláucia Nonato Porto

    ± 4 dias

    Ótimo artigo! Perfeito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Ivan S Ruppell Jr

    ± 4 dias

    Outro texto de viés "cristão" progressista que articula muito sem nada definir acerca do que deve ser valor e princípio para o Cristianismo na política e Sociedade. O autor caminha nas entrelinhas e nada propõe, só sendo assertivo mesmo na hora de mandar abandonar Bolsonaro enquanto aconselha a oposição (esquerda) a aproveitar a oportunidade. Cristãos progressistas como este pouco ajuntam, mas espalham bastante, com Cristo. Falacioso e dissimulador.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Henry Jr

    ± 4 dias

    Maldito o homem que confia no homem!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jackson Alves Lessa

    ± 5 dias

    Guilherme, tomo como ponto fulcral do seu texto, e tb como entendimento de vida que, não devemos confundir a pessoa com a ideia que ela defende. Como evangélico, como o devido respeito, não creio que estamos em uma encruzilhada. Basta, continuar a procura por representantes políticos que refletem os valores cristãos. Um forte abç.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]