i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guilherme de Carvalho

Foto de perfil de Guilherme de Carvalho
Ver perfil

Caso Flordelis: a resposta de um evangélico

  • Por Guilherme de Carvalho
  • 28/08/2020 15:59
A deputada federal Flordelis, acusada de mandar matar o marido.
A deputada federal Flordelis, acusada de mandar matar o marido.| Foto: Câmara dos Deputados

“O que faz tão plausível assumir que a hipocrisia seja o vício dos vícios é que a integridade pode realmente existir sob a cobertura de todos os outros vícios exceto este. Apenas o crime e o criminoso, é verdade, nos confrontam com a perplexidade do mal radical; mas apenas o hipócrita é realmente podre até o âmago.” (Hannah Arendt, On Revolution)

O ódio à hipocrisia alimentou revoluções, e foi um dos motores do Terror revolucionário na França de Robespierre. Em seu lúcido tratamento do assunto, Hannah Arendt destaca o quanto a hipocrisia era realmente o modus operandi da corte de Luís XVI, e a fervorosa vontade revolucionária de arrancar as máscaras, uma símile muito apreciada entre os revolucionários.

Quando se arrancava a “máscara” (prósopon), no teatro grego, restava a pessoa natural do hypokrités ou “ator”, sem nenhum sentido pejorativo. Os romanos chamavam a máscara de personae, e esse termo se tornou bem importante no direito romano, como referência ao que chamaríamos de “pessoa jurídica”, uma representação da pessoa real no universo legal.

Vamos usar um equivalente: persona. Por trás da persona, a representação artística, midiática ou jurídica, há o ser humano natural, a pessoa.

Mas, no teatro do Ancien Régime, o arrancar das máscaras revelava não “atores”, mas hipócritas, fraudes morais. Isso é o que torna a hipocrisia tão perturbadora: “o desmascaramento do hipócrita não deixaria nada por trás da máscara”, observa Arendt.

Resta, então, o vazio.

O vazio de Flordelis

Essa é a perturbadora sensação causada pelo debacle do ministério, da família e da pessoa de Flordelis dos Santos de Souza. Mas não foi sempre assim, aparentemente.

Como lembrou o pastor presbiteriano Ageu Magalhães, o princípio da vida religiosa de Flordelis, na juventude, era marcado pela evangelização e cuidado de pessoas em situação de risco, muito antes e sem qualquer previsão de um eventual sucesso no showbiz religioso. Sua ascensão seria acelerada com o filme Flordelis: Basta uma palavra para mudar, em 2009, e a fundação de uma Igreja com seu nome: Comunidade Evangélica Ministério Flordelis. O reverendo viu nessa manifestação personalista um prelúdio de queda. Tendo a concordar.

Nove anos depois, ao que tudo indica, ela teria iniciado as tentativas de envenenamento de seu marido, o pastor Anderson do Carmo, culminando com o assassinato a tiros, efetuado por um de seus próprios filhos. O conjunto da evidência indica que ela foi realmente a autora intelectual do crime, motivado pelo desejo de obter maior autonomia. Anderson mantinha controle rigoroso das finanças e da disciplina na casa, desagradando Flordelis e alguns filhos biológicos. Assim, em algum ponto entre a fundação da igreja e o crime, Flordelis moveu-se para o oitavo círculo do inferno.

O ponto final do processo de queda não foi o próprio assassinato, mas o ponto no qual se deu a ruptura, quando o assassinar tornou-se plausível

Os detalhes da trama seguem ocultos. Mas o fato de uma parte da família ter se envolvido no crime sugere não apenas um gravíssimo problema de formação e organização moral na casa de Flordelis, mas também alguma forma de perversão e abuso nas relações intrafamiliares, envolvendo chantagens, talvez.

Seja como for, o ponto final desse processo de queda não foi o próprio assassinato, mas o ponto no qual se deu a ruptura, quando o assassinar tornou-se plausível. Tragicamente, temos uma pista quanto a isso nas palavras da própria Flordelis: “Fazer o quê? Separar dele não posso, porque senão ia escandalizar o nome de Deus”.

As palavras foram identificadas pela polícia e o MPRJ durante o inquérito, em uma troca de mensagens, e revelam nitidamente o problema em jogo. Daí alguns sugerirem, por má vontade ou por ingenuidade, que a causa do desastre seria a “ética fundamentalista”, com seu modelo retrógrado de família.

Evidentemente a mensagem capturada não prova um elevado compromisso com a santidade do casamento; há indícios (como o aparente hábito do casal de frequentar casas de “swing”) de que a fidelidade sexual não era muito valorizada por Flordelis. Mais provavelmente, a frase compõe seu argumento manipulativo para plausibilizar o assassinato diante dos filhos (ou, alternativamente, um argumento sugerido por um deles e apropriado por ela). Ademais, as investigações já mostraram que foi um crime coletivo, e a queixa do subgrupo familiar insatisfeito com o pastor era sobre poder e dinheiro.

O dilema de Flordelis e sua pequena quadrilha intrafamiliar poderia ser enunciado assim: como livrar-se de Anderson sem destruir a fonte de renda e status? Tarefa difícil, dado que um fracasso no casamento arruinaria a imagem do ministério e Anderson, possivelmente, sendo o responsável financeiro e administrativo pelo sistema, não estava disposto a entregar nada. Em tese, ele poderia se manter na posição de presidente do ministério e alegar que foi abandonado por Flordelis; ela perderia tudo, e ele, nada. A quadrilha estava, então, em uma verdadeira sinuca de bico.

A saída, arriscada, mas com menor possibilidade de arruinar o empreendimento familiar, seria o assassinato. O fato de um subgrupo da família ter discutido e arquitetado a ação coletivamente pode ter ajudado a aliviar as consciências dos envolvidos, como se fora algo inevitável e necessário para “o bem de todos”. A imagem seria preservada, e o show poderia continuar.

Minha reconstrução do backstage é, admitidamente, uma especulação; mas de um jeito ou de outro a queda, que pode ter sido bastante gradual, foi simultânea com a ascensão. Enquanto a preocupação com o ser afundava, o compromisso com o parecer se elevava, alimentado pelo desejo de sucesso e autonomia. Nesse processo de desenraizamento espiritual, de perda de referências e de autoengano, a persona eventualmente passou a importar mais que a pessoa. A máscara absorveu a alma, a integridade e as razões de Flordelis.

“Sou percebido, logo existo”

Evangélicos como eu, com longa vivência nas matas do protestantismo brasileiro, sabem que esse fenômeno é bastante comum e constitutivo do cristianismo brasileiro recente. Não o crime, naturalmente, mas certo modo personalista de constituição da obra religiosa, girando ao redor de nomes, e capitalizando as atividades de modo similar à atividade empresarial.

Em todo o país, mas notoriamente no estado do Rio de Janeiro, esse tipo de articulação religiosa é endêmico; uma espécie de pentecostalismo popular carente de orientação teológica e formação moral clara, alimentado por turnês de cantores e pregadores “do fogo”, frequentemente carentes do que os teólogos chamam de “disciplina eclesiástica” (que poderíamos comparar, para os leitores leigos, com uma espécie de “corregedoria” interna das igrejas). Trata-se de uma subcultura, na qual a manipulação, a promiscuidade e a comodificação do ministério são infelizmente comuns.

Nas igrejas protestantes históricas pentecostais, batistas e presbiterianas, por exemplo, isso é geralmente evitado por freios institucionais; mas há igrejas e denominações inteiras que giram ao redor de indivíduos, mas não apenas simbolicamente; em casos como o do Ministério Flordelis, a igreja se torna uma espécie de empresa familiar.

Deixamos o “Penso, logo existo” de Descartes, passando por um “Sinto, logo existo” romântico para aterrissar, na pós-modernidade, em um “Sou percebido, logo existo”

Aqueles familiarizados com o princípio da subsidiariedade, marca da doutrina social católica, e com o princípio das esferas de soberania, originário da tradição reformada, reconhecerão nitidamente essa violação tão comum: confundir-se a igreja com a família, ou com o empreendimento econômico. O princípio das esferas de soberania afirma a autonomia relativa entre os campos de atividade humana sob o governo de Deus: Estado, mercado, igreja, família etc.; esses campos podem cooperar e se complementar, mas não se fundir. No caso do Ministério Flordelis, múltiplas violações prepararam o caminho para o crime: era uma família-igreja-empresa.

E toda empresa precisa de marketing. A bem da verdade, todas as igrejas cristãs fazem algum tipo de marketing, e não há nada de errado com isso, per se. Em seu indispensável Sociedade Excitada: Filosofia da Sensação (2010), Christoph Turcke lembra acertadamente que noticiar é uma tarefa originalmente cristã. Entre o anúncio sistemático do euangelium, a boa notícia, e o jornalismo e a mídia moderna muita coisa haveria de acontecer; mas uma delas não seria o abandono da propaganda pelas igrejas cristãs.

O advento da sociedade excitada, no entanto, muda o foco do anúncio, convertendo-o na pura publicidade. Deixamos o “Penso, logo existo” de Descartes, passando por um “Sinto, logo existo” romântico para aterrissar, na pós-modernidade, em um “Sou percebido, logo existo”. Não existe realidade para além da aparência; ao menos, não existe algo de valor para além dela. Isso, que desde há muito é a realidade de algumas elites, e notoriamente das elites artística, cultural e política, foi, aos poucos, democratizado durante todo o século 20, universalizando-se radicalmente com o advento das novas mídias sociais. Pense, por exemplo, no modo como usamos o Instagram, hoje em dia. Não podemos apenas comer aquele prato excepcional; precisamos ser vistos comendo.

Não quero recriminar todo trabalho de criação de imagem; apenas destacar que tentações hipermodernas jamais sonhadas pelos antigos estão hoje próximas de todos.

Mas meu ponto chave é que isso reforçou terrivelmente uma tentação particular na atividade evangelizadora das igrejas cristãs, e especialmente das igrejas sujeitas ao modelo personalista de comunicação. Trata-se de constituir a atividade religiosa como uma aparência e uma experiência de excitação. Uma experiência religiosa epidérmica, podemos dizer; feita essencialmente de sensações e aparências. Digamos que igrejas assim são “montadas” esteticamente; elas existem quando a maquiagem está pronta, como uma grande festa colorida e espalhafatosa.

Ocorre que o que é apenas brincadeira, no caso de atores no teatro ou de drag queens em baladas, não cabe a igrejas e ministérios religiosos. Igrejas têm um caráter sacramental, no sentido de que elas presentificam o sagrado que simbolizam e o bem que anunciam. Não podem atuar como atividades de showbiz. Adotando, no entanto, a estética epidérmica do showbiz contemporâneo, algumas igrejas e líderes religiosos evangélicos correm o risco de precisar manter a imagem a qualquer custo – mesmo quando já estão vazios espiritualmente e moralmente.

Não é que essa tentação não existisse antes, repito; estava entre as críticas de Lutero ao papado. Mas hoje, na cultura do narcisismo e do espetáculo, a tentação tornou-se mais comum, mais disponível e mais perigosa. E com isso temos esse triste fenômeno, no backstage do teatro evangélico: uma epidemia... de hipocrisia.

No backstage: o oitavo círculo do inferno

Em sua Divina Comédia, Dante Alighieri apontou o oitavo círculo do inferno como o destino dos hipócritas. Alguém poderia considerar essa punição dura demais; o que faz da hipocrisia uma falta tão especialmente grave?

Na citação de Hannah Arendt, que abriu nossa meditação, a hipocrisia aparece como o vício dos vícios. Não se trata apenas do mal, mas do trabalho completo e acabado do mal, poderíamos dizer. Porque na hipocrisia o bem, não podendo ser publicamente negado, é posto para trabalhar para fins egoístas ou perversos, por meio de uma fraude. O mal contradiz o bem; mas a hipocrisia quer usá-lo como instrumento. Que negação do bem poderia ser pior do que esta?

Jesus acusou diretamente esse pecado: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque limpais o exterior do copo e do prato, mas por dentro estão cheios de roubo e cobiça. Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo, para que o exterior também fique limpo. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos e de toda imundícia. Assim sois vós: por fora pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e maldade” (Mateus 23, 25-28).

Na hipocrisia o bem, não podendo ser publicamente negado, é posto para trabalhar para fins egoístas ou perversos, por meio de uma fraude

Chama a atenção, nas palavras de Cristo, a existência de uma ordem, um “primeiro” e um “depois”. Primeiro, o interior; depois o exterior. É exatamente por isso que a cultura da aparência é tão perigosa; ela distorce o tempo espiritual segundo o tempo do mercado cultural e da imagem; tira a graça e a importância do ser, prioriza a performance estilizada. Artistas precisam parecer bem, é o seu ofício; mas o ofício do líder religioso não começa com o parecer.

O caso Flordelis parece ser um comentário vivo e contemporâneo das palavras de Jesus; mas é mais do que isso. É uma advertência a todo um cristianismo tolo e infantil que desaprendeu a diferença entre o interior e o exterior, entregando-se ao showbiz, e que está preparado para pular no colo de qualquer líder midiático, artista, político ou influencer que apresente a aparência do bem.

E muitas vezes o líder religioso, amigo ou irmão de fé que está próximo, e que apresenta traços de espiritualidade genuína, é descartado ou ignorado porque não tem a aisthesis, a excitação e a promessa de sucesso como método.

A vingança de Flordelis

François de la Rochefoucauld descreveu a hipocrisia como “a homenagem que o vício rende à virtude”. Com certa boa vontade, podemos concordar. Pois ao tentar usar o bem como seu instrumento, ela de certo modo o admite como regra, se não para si, ao menos para a sociedade. É claro que o afundamento nos poços da hipocrisia levará àquele ponto no qual a pessoa simulará qualquer coisa para se dar bem, e teremos então o perfeitamente demoníaco niilista pragmático, tão útil a ditadores.

Temo, no entanto, que como sociedade nós já estejamos no oitavo círculo do inferno. A sociedade das aparências e da aisthesis é, também, a sociedade instrumental. Tudo aqui são ferramentas e instrumentos, até mesmo o bem. Essa constatação é absolutamente perturbadora.

Considere, por um momento, que Flordelis houvesse obtido sucesso. Mais do que isso, que Anderson virasse um tipo de mártir da igreja. E que ela fosse sagaz o suficiente para manter as coisas funcionando bem. Nesse caso, muito improvável, a sua hipocrisia continuaria a ser não apenas lucrativa, mas poderia redundar em mais igrejas, mais pessoas encontrando consolo e autoestima na fé, e talvez mais projetos sociais e mais pessoas inspiradas a realizar adoções.

Isso é muito aterrorizante, mas podemos especular uma versão mais suave. Suponhamos que ela houvesse desistido do assassinato, mas por puro acaso o pastor Anderson morresse num acidente de automóvel. Nesse caso ela e a quadrilha-família que tramou o crime ficariam felicíssimos, embora tivessem de chorar por uns dias em público – uma hipocrisia “menor”, no caso – e, então, a vida seguiria de vento em popa.

Temo que como sociedade nós já estejamos no oitavo círculo do inferno. A sociedade das aparências e da aisthesis é, também, a sociedade instrumental. Tudo aqui são ferramentas e instrumentos, até mesmo o bem

O que nos assusta nesses casos? A possibilidade de ignorar totalmente o bem, e buscar apenas a felicidade e o bem-estar. Como nosso experimento mental torna manifesto, a hipocrisia poderia ser útil à nossa sociedade, se não for descoberta e se produzir os resultados corretos.

É uma reductio ad absurdum, sem dúvida; mas ela ajuda a entender que o bem não pode ser uma coisa apenas externa, uma performance. Ele precisa envolver algum tipo de interioridade.

Em As Obras do Amor, o teólogo e filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard deu grande ênfase a esse aspecto do ensino do apóstolo Paulo em suas cartas. Em Paulo, o amor é aquilo que se mostra em obras, mas que é distinto delas: “E mesmo que eu distribuísse todos os meus bens para o sustento dos pobres, e entregasse meu corpo para ser queimado, mas não tivesse amor, nada disso me traria benefício algum” (1 Coríntios 13,3).

O amor produz as suas obras, mas... as obras não são o amor. Na história do Ocidente cristão, o amor foi sempre visto como uma virtude, um modo de existir no mundo que envolvia interioridade, caráter e ações, em uma continuidade, um nexo subjetivo.

Mas a modernidade abandonou a visão clássica e cristã de moralidade como virtude, introduzindo a forma utilitária e pragmática de ver a moralidade, como o mero atingimento externo de progressos visíveis e mensuráveis, e aumentos objetivos do bem-estar humano. Deu-se uma espécie de externalização e dessubjetivação da virtude e do bem, arrastada pelo ideal moderno de progresso tecnocientífico e econômico, seja ele em sua versão capitalista ou socialista. Esse processo foi descrito em detalhes pelo historiador da ciência Peter Harrison, em seu livro Os Territórios da Ciência e da Religião.

A caridade nunca seria a mesma, então. Armados da mente utilitária, os cidadãos militantes do paraíso terrestre foram capazes de desprezar a velha caridade, com suas exigências de piedade e interioridade, em nome da “responsabilidade social”, independentemente da qualidade da vida moral de seus promotores. O ideal do “santo” desapareceu, e em seu lugar emergiu o “ativista”. E entre os ativistas, vejo entre os piores os que não acreditam em natureza humana. “Não há autor da obra; a obra é tudo”, repetem os herdeiros de Nietzsche.

Nesse mundo, a interioridade pregada por Jesus não interessa; o que importa é a performance e o resultado, a persona e o impacto. O bem não é o que tem o caráter bondoso, mas o que parece bom: “sou percebido como bom... logo, sou bom”. A pessoa, nesse ambiente, tende a ser sugada e absorvida pela persona.

Do ponto de vista de uma cultura desinteressada pelo bem, pela virtude, pela interioridade e pela santidade, o que há de errado com Flordelis – à parte do assassinato, obviamente?

A ganância e a hipocrisia estão normalizadas em amplos setores de nossa cultura, desde a nossa elite cultural, econômica e política, até o cidadão comum

“A sua moralidade fundamentalista!” – foi o que alegaram alguns ativistas de esquerda. Seu problema residiria no compromisso com um modelo falido de família e de casamento. Se Flordelis não vivesse amarrada pelas regras do casamento cristão, poderia ser uma ótima pessoa, frequentando casas de swing, divorciando-se, assumindo o controle do seu corpo e da sua igreja, e assim não se converteria numa assassina. Ela deveria ter adequado sua interioridade aos padrões do establishement moral, em vez de lutar inutilmente para viver uma moral retrógrada e repressiva. O que faltou a Flordelis foi um pouco de... liberação sexual.

Como uma leitura tão ingênua pode ter se tornado tão comum? Como podem ter sido esquecidas as óbvias causas da tragédia de Flordelis – a ganância e a hipocrisia, citadas até mesmo pelos investigadores do caso –, e como pode um diagnóstico tão horrendamente falso ter ganhado aceitação?

A razão é evidente: a ganância e a hipocrisia estão normalizadas em amplos setores de nossa cultura, desde a nossa elite cultural, econômica e política, até o cidadão comum. Eles não conseguem enxergar esses vícios como problemas tão graves assim, porque os incorporaram. Trata-se de uma cultura na qual não se busca ser bom, mas parecer bom; uma mente utilitarista e pragmática, que opera exatamente com as mesmas categorias de Flordelis, praticando caridades puramente externas e usando o bem para se capitalizar socialmente, economicamente e politicamente, exatamente como Flordelis; mas, à diferença da pastora, tomando o cuidado de fazer tudo dentro da lei.

Essa é a vingança de Flordelis; seus detratores cultos e secularizados ainda não sabem, mas já habitam com ela o oitavo círculo do inferno.

O vazio da fé

A igrejas do Ministério Flordelis se esvaziaram nos meses seguintes ao crime. Por certo os corações dos féis se esvaziaram também. Que dor!

Também aqui a paz dos crentes atormentados não chega nunca. Nas mídias sociais – e, certamente, em conversas pessoais – abundaram denúncias contra a religião. “São todos hipócritas!”, repetiu-se ad nauseam.

Notei nas palavras de amigos a dúvida e a angústia que o caso lança sobre milhões de cristãos brasileiros, que acreditam e desejam acreditar no bem, mas que encontraram diante de si mais uma pedra de tropeço, posta por aqueles que deveriam auxiliá-los em sua jornada espiritual. Por associação, muitos evangélicos, e muitos pastores e líderes, sentiram vergonha e insegurança sobre o seu modo de vida.

Os detratores cultos e secularizados de Flordelis ainda não sabem, mas já habitam com ela o oitavo círculo do inferno

Essa é a segunda desgraça causada pela hipocrisia, além de suas vítimas imediatas; sua revelação macula a reputação do próprio bem, que pode então ser mais facilmente ignorado, como observa James Spiegel em Hipocrisia: problemas morais e outros vícios: “O desmascarar da hipocrisia tende a gerar descrédito e desconfiança às palavras do hipócrita, que por sua vez traz danos aos ideais morais. Isso machuca a comunidade moral num todo, porque as pessoas perdem o respeito por valores tão estimados. E não só isso, mas a hipocrisia praticada continuamente pode vir até a inclinar as pessoas a uma atitude de cinismo e pessimismo moral”.

O mal causado é realmente terrível. Um ideal moral elevado se vê enxovalhado pela fraude, e objeto de zombaria. Não apenas a zombaria daqueles que, por ignorância, enterram a possibilidade de pensar seriamente sobre a vida moral genuína, mas especialmente dos que detestam os valores morais em questão e ficariam muito felizes em vê-los desacreditados.

Esse é um vazio que os cristãos precisam enfrentar, sempre e repetidamente. Pois a armadilha e o golpe da fraude moral nunca cessaram de ser tentados, desde os tempos de Jesus.

O “divino fingimento”

É preciso ter em mente, no entanto, que tal dúvida é uma reação puramente psicológica, uma espécie de viés cognitivo anuviando o bom juízo. Pois concluir, do desmascaramento de certa fraude, que todo aquele ideal moral seria, em si mesmo, algo pervertido e reprovável, ou mesmo impossível de realizar, é acolher uma irracionalidade, um tipo de falácia genética.

Do fato de que alguém manipula os sentimentos morais dos outros e a ideia de bem não se segue que o bem não exista, ou que tais valores seriam ilusórios. Tanto faz quem defende a verdade, seja o louco, o hipócrita ou o sábio.

Tampouco devem os cristãos preocupar-se com a alegação de que os fiéis ou os líderes religiosos seriam todos hipócritas. Em primeiro lugar, evidentemente, porque tal boato não é passível de verificação, e jamais foi tentado qualquer método para medição dos níveis gerais de hipocrisia de uma nação, para em seguida comparar o grau de hipocrisia dos cristãos contra um grupo controle. A reflexão crítica mostra imediatamente que tal alegação não passa de um boato e de uma fantasia, similar à acusação de que os cristãos primitivos mantinham um ritual denominado “eucaristia”, no qual comiam “a carne e o sangue” de crianças.

O escritor inglês C. S. Lewis chamava o seguimento de Cristo de “o divino fingimento”. Trata-se da tentativa de imitar ninguém menos que o próprio Jesus Cristo

Mas há um fundo de verdade na alegada “hipocrisia cristã”. E esse fundo se encontra no fato de que os ideais morais do cristianismo são muito elevados, e exigem um compromisso pessoal integral. Em Cristianismo Puro e Simples, o escritor inglês C. S. Lewis chamava o seguimento de Cristo de “o divino fingimento”. Trata-se da tentativa de imitar ninguém menos que o próprio Jesus Cristo. Ora, não há grande possibilidade de alguém fracassar no propósito de viver como um porco ou um rato. Pessoas dedicadas a fazer o mínimo esforço moral possível, e desinteressadas pela virtude, não correm o risco de fracassar como seres humanos, porque a lama tornou-se o seu modo de vida. Vidas não examinadas e moralmente vegetativas são menos doloridas.

Mas a imitação de Jesus Cristo estica a musculatura moral até o limite. A possibilidade de fracasso é alta, pra dizer o mínimo.

Inevitavelmente, portanto, os cristãos genuínos viverão sob a humilhante sensação de inautenticidade – algo bastante deplorável na sociedade do reconhecimento e do bem-estar. Eles existem procurando ser aquilo que ainda não são, imitando seus modelos morais como crianças que se vestem como seus pais. E, em alguns momentos, sentem-se como se fossem farsantes, fraudes morais; especialmente quando fracassam.

Isso não é ruim; é melhor fracassar procurando ser humano do que ter grande sucesso em ser um rato, ou uma cebola.

Mas, aqui, precisamos distinguir a hipocrisia da akrasia, como nota o filósofo moral James Spiegel. A akrasia é a fraqueza moral; a incapacidade de agir à altura dos próprios padrões morais. Muitas vezes é o pecado de bêbados, de usuários habituais de pornografia, de pessoas constantemente iracundas, ou gente atormentada por todo tipo de vício. Embora alguns pecadores celebrem seus vícios alegremente, outros sofrem por eles e tentam vencê-los. Frequentemente, tentam ocultar dos outros os seus fracassos, e então podem ser confundidos com os hipócritas.

Formalmente eles podem ser confundidos; mas pertencem a círculos distintos do inferno, e devem ser distinguidos. Os akrates, como os escravos da luxúria, que estão no segundo círculo do inferno, não querem necessariamente violar a ordem moral; eles amam e odeiam seus vícios. Já os hipócritas entram no perigoso processo de cauterizar suas consciências e separar-se emocionalmente do bem, com o fim de usá-lo como instrumento.

Como sabemos quando se trata de um ou de outro caso? É preciso considerar de perto, contextualmente. Mas sabemos que a hipocrisia é acompanhada de dissimulação, de gestos egoístas e de fraude ativa e sustentada. O caso de Flordelis parece emblemático, nesse sentido; a tentativa de assassinato vinha de longa data, de caso muito bem pensado e articulado em grupo; parece realmente inacreditável que alguém se envolvesse em tal trama apenas sendo “fraco de caráter”. A extensão da traição sugere doença mental ou a malfadada hipocrisia.

Cautela e resiliência

Esse longo artigo foi a resposta de um pastor evangélico ao caso Flordelis; ou, ao menos, ao que sabemos até agora. Minha intenção foi apresentar ao leitor não evangélico um olhar interno; e, ao leitor evangélico, uma orientação para o pensamento.

E agora, me dirigindo diretamente “aos de casa”: eu diria que a hipocrisia precisa urgentemente se tornar matéria de discussões mais sérias e mais amplas, especialmente no âmbito religioso e na formação da liderança cristã; até mesmo matéria de discipulado cristão. O entendimento da natureza da hipocrisia merece publicização, e os modelos de liderança religiosa popularmente praticados pelos evangélicos precisam ser debatidos de modo aberto e honesto.

Aos crentes leigos, recomendo evitar igrejas personalistas, e emigrar para igrejas históricas ou que reproduzem padrões históricos de teologia, disciplina e comunicação. O critério não reside tanto na presença ou ausência de atualidade estética e de adaptação cultural contemporânea – com as quais não tenho nenhum problema –, mas com a clareza de definição dos fins espirituais e o modo como são organizacionalmente afirmados. Igrejas que violam o princípio da soberania das esferas, confundindo-se com interesses familiares, ou com a lógica financeira empresarial, ou com política, ou com atividades legítimas, mas meramente temporais, como ONGs e coletivos sociais, devem ser reformadas ou evitadas. Mas quanto ao dia a dia pessoal do cristão, eu gostaria de recomendar a cada um a firmeza e o cultivo da resiliência. O vício dos vícios foi vencido por Jesus Cristo, e a arkasia não deve levar ninguém ao desânimo. Há uma resposta que cada um pode e deve dar ao caso Flordelis, além da oração para que ela seja alcançada pela graça de Deus, na batalha contra a hipocrisia: seguir praticando fielmente... o divino fingimento.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
25 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 25 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Alexander

    ± 6 dias

    Texto longo mas, simplesmente espetacular!! Deus o abençoe.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DENISSON HONORIO DA SILVA

    ± 9 dias

    Há uma crise no cristianismo no Brasil, isto é um fato. A disseminação de igrejas tornou-se insustentavel para o estado. Creio que talvez tenhamos que rever certas insenções de impostos. Mas sejamos sinceros, Lutero, com a melhor das intenções criou uma aberração. A igreja católica permaneceu até integra, mas já após a cisão as vertentes protestantes se vulgarizaram. A religião como um todo sofre ataques de todos os lados, da imprensa esquerdista, das universidades marxistas-leninistas, e dos próprios religiosos que não conseguem fazer uma autocritica. Talvez tratar a religião como um negocio, seja uma maneira mais apropriada de impedir essa impedir excrescencia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WARNEI FERREIRA DA COSTA

    ± 10 dias

    Essa reflexão nos mostra, que apesar da igreja ter sido responsável por crimes e injustiça, diferente de qualquer outra instituição, as melhores criticas contra ela, são de pessoas de dentro dela. Muito bom pastor!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Divonzir

    ± 12 dias

    Empresários da fé. Nunca acaba. Fariseus já usavam contra os próprios judeus, inclusive, contra os galileus, onde vinha a Família de Jesus. Sempre há os que pregam à sua verdade. Fujam dos radicais e hipócritas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Santos

    ± 12 dias

    O filme realizado, a cerca de uma década, com a participação de globais, mesmo com uma identificação ideológica pavimentando o encontro, foi algo positivo a meu ver, não tenho dúvida. No entanto, penso ser improvável, não terem sido observados os desvios de comportamento, tão flagrantes da Flordelis. Hoje, com um turbilhão de fatos emergindo, nos leva a pensar sobre as "narrativas" que se dão aos fatos. Bom quando alguém defende gays, mulheres e negros, porém essa defesa tem sido "DESDE QUE SEJAM DA ESQUERDA", se forem de Direita, de nada vale ser mulher, negra e gay. Irão para vala dos "não protegidos", pior serão cobradas, acossadas e atacadas por serem "diferente". Não merecem proteção ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alceu Ricci Filho

    ± 12 dias

    Excelente visão e esclarecimento. Só não concordo com a declaração de C. S. Lewis. Nós cristãos nunca seremos santos neste mundo, mas ao procurarmos imitar Jesus estamos num processo de santificação, conforme explica o apóstolo Paulo. Não significa “fingimento”. Pois através do sacrifício de Cristo, pela Graça do Senhor, é que os eleitos são justos, justificados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • L

      Luciano

      ± 11 dias

      Acredito que o termo fingimento tenha o sentido de que por mais que nos esforcemos a ser iguais a Cristo nunca chegaremos perto desse objetivo. Cristo é o exemplo, o arquétipo da conduta esperada do ser humano, dentro desse processo de santificação. O fingimento se refere ao fato de sabermos que a maioria dos cristãos não recusaria transformar as pedras em pães depois de 40 dias de jejum, caso isso nos fosse proposto. Mas isso não reduz a importância de termos Cristo como modelo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • G

      Guilherme Vilela Ribeiro de Carvalho

      ± 12 dias

      Por isso está entre aspas. Leia “Cristianismo Puro é Simples”

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

    ± 12 dias

    Ela matou porque não poderia ser divorciar. Daí forjou um assalto achando que sairia impune. Só não esperava que a polícia conseguiria recuperar as mensagens trocadas. A verdade sempre vem a tona.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • G

      Guilherme Vilela Ribeiro de Carvalho

      ± 12 dias

      Essa é exatamente a alegação que refutei no artigo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Willian Cardoso de Souza Jesus

    ± 12 dias

    Excelente texto. Como cristão, sinto-me representado com a visão do autor. Gostaria de fazer 2 observações. 1) Essa mulher e seu marido NÃO SÃO CRISTÃOS (era, no caso dele). Não basta frequentar igreja, afirmar ser um, é preciso VIVER COMO UM CRISTÃO. Obviamente que, diante de toda essa história de vida, isso está longe de ser a realidade. Ambos prestarão contas sobre tudo isso. Ela precisa pagar AINDA EM VIDA. 2) Os "pastores", falsos profetas, que utilizam a fé das pessoas para ludibriar e extorquir fiéis, da maneira mais cruel e diabólica possível. Quem é cristão sabe que eles são EXCEÇÃO. A MAIORIA HONRA a missão que Deus lhes deu e tem papel importante AJUDANDO pessoas com a palavra.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • W

      Willian Cardoso de Souza Jesus

      ± 12 dias

      Rubens Farias: Seu comentário demonstra sua total ignorância a respeito do verdadeiro cristianismo. Nenhum cristão verdadeiro impõe NADA a ninguém. Por que??? Porque isso vai de encontro ao que Deus nos ensina. Que segui-lo seja uma ESCOLHA INDIVIDUAL. A única coisa que nós fazemos é TRANSMITIR A PALAVRA DE CRISTO para todos aqueles que QUEREM OUVI-LA. Se vc não tem interesse, lamento profundamente, mas é um direito seu. Porém, na vida, toda escolha leva a uma consequência inevitável...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      Rubens Farias

      ± 12 dias

      Ajuda não é imposição, vocês evangélicos, aliás cristãos, NUNCA entenderam isso, quem disse que o mundo precisa ser "ajudado" por vocês? A "ajuda" de vocês é responsável pela morte e aculturação de milhões de seres humanos mundo afora, na África nas américas, na Ásia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    felippo dos santos zamecki

    ± 12 dias

    Texto inteligente que nos compele a refletir sobre nossa realidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rogerio Barao

    ± 12 dias

    Parabéns Guilherme, extraordinária reflexão sobre os valores cristãos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zzz

    ± 12 dias

    Toda a religião tem uma forma de poder envolvida. O triste é que aqueles que praticam atos contrários a moral religiosa, não acreditam na justiça divina. Esses são os mais perigosos ateus.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Maia

    ± 12 dias

    Generalizações redundam não apenas em análise superficiais, mas em conclusões completamente esdrúxulas. Existem no Brasil mais de 40 mil denominações evangélicas e mais de um milhão e meio de pastores. A Flordelis foi excluída da igreja a qual pertencia no ano passado e proibida de participar de qualquer culto. Ela só foi alçada ao patamar que atingiu, porque a própria esquerda "progressista" deu-lhe todo espaço, amando a narrativa de uma mulher, negra e pobre que "vence" o sistema "patriarcal branco". Filme com globais é a prova viva disso. Pelos frutos se conhece a árvore, e, tu que se especula hoje, seus frutos já eram podres há mais de 20 anos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      Ricardo Maia

      ± 12 dias

      *e, por tudo que se especula hoje,

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Salo

    ± 12 dias

    Boa análise. Esta marginal bem como o tal Everaldo preso ontem na verdade não são evangélicos, são falsos em busca de dinheiro e poder. Em todas as atividades existem desonestos que sempre querem passar a perna nos outros. Verdadeiros cristãos seguem a Bíblia e sabem que já está escrito que no final dos tempos surgirão falsos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    CSG

    ± 12 dias

    Respeito os evangélicos de uma maneira que eles não fazem com quem não pensa como eles. Mas a verdade é que a nova igreja evangélica brasileira é acima de tudo um negócio. Basta ver a quantidade de pastores na politica que é o negócio mais sujo do mundo. E eles não entraram na política para melhora lá é sim para se beneficiar dela.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nm

    ± 12 dias

    O texto é uma ótima análise. Desde Constantino, quando a igreja se tornou parte do estado, (século III DC) a coisa começou a degringolar, a Doutrina de Jesus Cristo começou a ser VENDIDA E/OU TROCADA PELO PODER. Isso infelizmente acontece também com os evangélicos, com algumas honrosas exceções .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rubens Farias

    ± 12 dias

    Só olhar para a cara dessa nojenta, asquerosa, já dá para ver quem é, mas agora saber que a prepotência dela é tamanha que chegou a fundar uma igreja com o próprio nome é realmente sem comentário. O ser humano faz mer da durante séculos, ai vem um bem intencionado e tenta mudar(Lutero) ,só que ele ,coitado, não se deu conta que quem ia continuar a obra dele seriam humanos, que por natureza são corruptos. O resultado é esse lixo total ,um IMENSO comércio que eles intitulam igrejas evangélicas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sérgio Guerra

    ± 12 dias

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    NH4NO3

    ± 12 dias

    blaboabla querem poder, tomar o aparelho de Estado junto com as milícias. Pode ir

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Romik Polgliane

    ± 12 dias

    Como cristão reformado agradeço pela análise correta e consciente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.