i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Gustavo Nogy

Foto de perfil de Gustavo Nogy
Ver perfil

“Fauda” e o conflito Israel-Palestina

  • Por Gustavo Nogy
  • 07/05/2020 17:55
Faixa de Gaza (Pixabay imagens)
Faixa de Gaza (Pixabay imagens)| Foto:

por Igor Sabino

“Você é judeu?”

“E por que estuda árabe?”

Essas são duas das perguntas que mais costumo ouvir nos últimos anos. A primeira geralmente acontece quando as pessoas descobrem que sou sionista. A segunda é quando, conscientes de que apoio Israel, percebem que estudo árabe – mais especificamente, o árabe coloquial do Levante, falado na Palestina. Talvez me perguntem isso apenas para tentar puxar assunto, afinal, somente alguém muito nerd para querer estudar uma das regiões mais complicadas do mundo e ainda aprender uma língua dificílima, cujos caracteres aparentemente parecem rabiscos aleatórios escritos da esquerda para a direita.

Embora na maioria das vezes esse seja o caso, acho que essas duas perguntas expressam bem alguns dos muitos mal-entendidos em torno do conflito palestino-israelense. Um, diz respeito à legitimidade do Estado de Israel. Diante do crescimento do antissemitismo ao redor do mundo, e das muitas tentativas de deslegitimação do Estado judeu em nome de uma pretensa defesa dos Direitos Humanos, parece inconcebível que alguém que não seja judeu ainda tenha motivos para defender Israel – e coragem de fazê-lo publicamente. A outra concepção errônea está atrelada a uma visão de mundo maniqueísta, segundo a qual sempre temos de escolher um lado em detrimento de outro, como se a realidade do conflito fosse um jogo de futebol, logo, bastaria escolher um time e torcer apaixonadamente por ele até o final. Assim, uma vez que eu tenha escolhido o lado israelense, não faria sentido me preocupar com o lado palestino, muito menos tentar entender o “inimigo” aprendendo sua língua.

Nada poderia ser mais falso. Do meu ponto de vista cristão, tenho uma dívida religiosa e espiritual com o povo judeu, sobretudo após o Holocausto, mas também não posso ignorar o sofrimento dos palestinos, principalmente dos cristãos orientais, tão esquecidos no Ocidente. Por outro lado, no âmbito das relações internacionais, a mesma Resolução da Assembleia Geral da ONU, de 1947, que previa a criação de um Estado judeu, também estabelecia a criação de um Estado árabe. Inclusive, a defesa de dois Estados na região conhecida como Palestina sempre foi um elemento importante da política externa brasileira para o Oriente Médio.

Dessa maneira, eleger Fauda como minha série de TV favorita foi algo quase instantâneo. A produção israelense, cuja terceira temporada estreou na Netflix mês passado, relata as operações de uma unidade especial do Shin Bet – a polícia secreta de Israel, uma espécie de FBI – que atua na Cisjordânia, com agentes judeus disfarçados de árabes. A série é escrita por Avi Issacharoff, jornalista especializado em assuntos palestinos, e Lior Raz, que já trabalhou em uma unidade parecida com a de Doron, o protagonista que interpreta. A série foi, em grande parte, gravada em cidades israelenses de maioria árabe e é bilíngue, com diálogos tanto em hebraico como no árabe palestino. Tudo isso faz com que tenha um caráter bastante verossímil, sendo assistida até mesmo por membros do Hamas, grupo terrorista que controla a Faixa de Gaza e tem várias de suas operações retratadas na trama, sobretudo na temporada mais recente.

“Fauda”, que em árabe significa “caos”, faz jus ao nome. Além das cenas de ação e do clima de suspense típico de produções israelenses – vide Hatufim, que inspirou a americana Homeland –, a série consegue ir além de estereótipos e retratar importantes complexidades do conflito Israel-Palestina e suas narrativas. Por ser uma produção israelense e, consequentemente, ter o seu viés, como já era de se esperar, ela retrata bem as tensões vividas pelos civis de Israel diante das constantes ameaças de mísseis do Hamas e de atentados terroristas, algumas vezes bem-sucedidos. No entanto, não há tentativas de amenizar os impactos das medidas de segurança do governo israelense no dia-a-dia da população palestina. Casamentos interrompidos, casas demolidas e longas filas em postos de controle são cenas comuns, retratadas fielmente, sem “demonizar” nenhum dos povos em conflito.

Em Fauda o sofrimento é algo inerente à natureza humana caída e aos horrores de qualquer guerra. Não é à toa que a série se tornou popular tanto em Israel como também nos territórios palestinos e em vários países árabes. No primeiro final de semana de estreia da terceira temporada, ficou entre os dez programas mais vistos na Netflix do Líbano, algo bastante significativo. A República dos Cedros, além de fazer fronteira com Israel, está oficialmente em guerra contra o Estado judeu desde 2006, tendo um cessar-fogo vistoriado pela ONU desde então. Ainda assim, são constantes as tensões na fronteira entre os dois países. Apesar disso, as semelhanças culturais entre Beirute e Tel Aviv são muitas, e Fauda ressalta bem isso. Fazendo minhas as palavras do jornalista Guga Chacra, sonho com o dia em que será possível viajar de carro e sem interrupções entre as duas cidades que, mesmo tão próximas geograficamente, estão muito distantes politicamente.

Apesar de todos os esforços dos produtores para dar visibilidade à narrativa árabe na série, Fauda foi acusada de tentar “normalizar a ocupação” dos territórios palestinos. Em Israel, por outro lado, também houve críticas por supostamente “humanizar” terroristas, e pelo excesso de diálogos em árabe. Ainda assim, a maior oposição à série veio do BDS, o movimento de Boicotes, Desinvestimentos e Sanções contra o Estado Judeu. O movimento prega um verdadeiro isolamento econômico e cultural de Israel, tentando equipará-lo ao apartheid sul-africano.

Felizmente, a Netflix não cedeu às pressões e manteve a produção de Fauda, expondo mais uma vez a incoerência do BDS, que já deu demonstrações claras de antissemitismo ao sugerir, por exemplo, o cancelamento de um show do Matisyahu, um judeu sionista não-israelense. A última inconsistência do movimento foi afirmar que palestinos não deveriam boicotar uma vacina contra o coronavírus, caso fosse desenvolvida por laboratórios israelenses, uma possibilidade real, já que nesta semana o governo de Israel anunciou a descoberta de um anticorpo contra o vírus.

Até nisso Fauda ressalta a importância de reconhecermos a legitimidade dos anseios tanto de palestinos como de israelenses, a fim de deixar que ambos falem por si mesmos, sem lhes impor nossas próprias convicções acerca do que devem ou não fazer. Após sete décadas de conflitos e anos sem negociações de um acordo de paz, os dois povos conseguiram se unir para adotar medidas de isolamento social e evitar um grande número de casos da COVID-19, servindo de exemplo para o mundo, inclusive para o Brasil, onde a questão se tornou motivo para polarizações políticas e uma fonte de teorias da conspiração – a propósito, algumas de cunho antissemita.

Mesmo não me considerando um especialista em Oriente Médio, por nunca ter morado durante um período significativo na região, acredito que Fauda retrate bem a realidade que conheci em minhas viagens por Israel, Palestina, Jordânia, Líbano e Egito. Essa percepção é ressaltada pelas muitas conversas que mantenho com meus amigos médio-orientais, de diversas filiações étnicas e religiosas. Semana passada, aliás, brinquei com um amigo egípcio pelo WhatsApp, fazendo um comentário sionista, e a resposta dele foi: “Estou no serviço militar agora. Por isso, não posso te responder como queria. Mas, assim que eu for dispensado, ano que vem, irei ao Brasil para resolvermos isso. Considero você como parte da minha família. E, você sabe, habib… irmãos também brigam”. Sim, o conflito é um caos e talvez não seja solucionado tão cedo. Mas nos dois lados do muro há vida e vozes dissonantes. Apenas precisamos estar dispostos a ouvi-las. Nesta quarentena, a Netflix nos deu uma boa oportunidade de começarmos a fazer isso.

Igor Sabino é Bacharel e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), e alumnus do Philos Project Leadership Institute. Realizou trabalhos humanitários em ONGs de Direitos Humanos ligadas à American University of Cairo, no Egito, e pesquisas de campo na Polônia, Israel, Territórios Palestinos, Líbano e Jordânia relacionadas a migrações forçadas e perseguição religiosa.

.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • V

    Vânia Cavalcanti

    ± 0 minutos

    Excelente. Comecei a assistir à série, mas parei porque a violência me perturbou. Vou tentar recomeçar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]