i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil
Educação

Quatro cidades do Paraná terão escolas cívico-militares em 2020. Veja quais

  • Por João Frey
  • 23/11/2019 14:24
Em 2020, governo implantará modelo cívico-militar em 54 escolas de todo o país.
Em 2020, governo implantará modelo cívico-militar em 54 escolas de todo o país.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

O Ministério da Educação divulgou a relação de municípios brasileiros que receberão instituições de ensino do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. Das 54 escolas que funcionarão nesse modelo em todo o Brasil, quatro ficarão no Paraná. As instituições ficarão em Curitiba, Colombo, Foz do Iguaçu e mais uma cidade que será indicada pelo governo do Paraná.

Dos 23 estados que receberão escolas do programa, o Paraná – ao lado de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Pará – é o que receberá maior número de instituições cívico-militares. As escolas escolhidas ainda não foram divulgadas pelo governo, mas já vão operar sob o novo modelo no início do ano letivo de 2020.

LEIA MAIS: Oposição à Faixa de Infraestrutura pode ter interesses comerciais, diz Ratinho

Segundo o MEC, a seleção dos municípios seguiu critérios técnicos. Foram excluídas cidades que não encaminharam a adesão assinada pelo prefeito e com número baixo ou sem militares da reserva residindo na cidade. Além disso, tinham mais chances de serem escolhidas cidades que fossem capitais de estado – ou em sua região metropolitana – e que estivessem em região de fronteira.

A despeito dos critérios técnicos estabelecidos pelo MEC, deputados paranaenses pressionaram o governo para levar as instituições para as regiões onde atuam. Os pedidos que foram feitos em público, entretanto, não foram atendidos. Ao menos por enquanto.

Luísa Canziani (PTB) subiu à tribuna da Câmara dos Deputados no começo de outubro e disse ter pedido ao ministro da Educação uma escola cívico-militar em Apucarana, no Norte Central do Paraná.

VEJA TAMBÉM: Os números que Ratinho Junior usa para justificar a reforma da Previdência no PR

Filipe Barros (PSL) também fez seu pedido a Abraham Weintraub. Em um vídeo com pitadas de esquete de humor publicado no nas redes sociais do ministro também no início de outubro, o deputado federal pede a implantação de escolas cívico-militares em Londrina, Maringá e Cascavel.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.