i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil
Disputa interna

Deputados paranaenses vão à Justiça para sair do PSL sem perder mandato

  • João FreyPor João Frey
  • 18/12/2019 10:17
Deputado Filipe Barros (PSL-PR)
Deputado Filipe Barros (PSL-PR)| Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Os deputados federais paranaenses Filipe Barros e Aline Sleutjes estão entre os 26 parlamentares ligados ao presidente Jair Bolsonaro que entraram com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral para que possam deixar o PSL sem perder o mandato. Eles alegam haver justa causa para o pedido já que, segundo eles, estão sendo perseguidos pelo presidente da legenda, Luciano Bivar.

De acordo com Filipe Barros, um dos bolsonaristas que está na linha de frente da briga interna no PSL, o partido tem se desviado reiteradamente do programa com o qual se comprometeu nas eleições de 2018.

LEIA MAIS: Mais um deputado paranaense denunciado ao Conselho de Ética da Câmara

Barros criticou diversas ações da ala bivarista do partido, entre elas o processo que culminou com sua suspensão por seis meses das atividades partidárias. Na mesma ocasião, a deputada paranaense Aline Sleutjes recebeu uma advertência do Conselho de Ética da legenda.

“Tratou-se de um jogo de cartas marcadas, criado com o objetivo de punir os parlamentares que se mantiveram fiéis ao principal responsável pelo sucesso do partido nas últimas eleições, o presidente Jair Bolsonaro, e que, assim como ele, exigiram mais transparência no uso dos recursos financeiros do PSL: a abertura da caixa preta do partido”, afirmou o deputado.

A tese jurídica da justa causa é uma saída encontrada pelos parlamentares para conseguir deixar o PSL sem correr o risco de o partido ficar com o mandato. Se a ideia prosperar, eles conseguirão migrar para outras legendas. O grupo apoia a criação da Aliança pelo Brasil, mas se a sigla não for criada a tempo de  disputar as eleições municipais de 2020, muitos dos parlamentares devem buscar outros partidos que possam abrigar suas pretensões eleitorais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.