i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

José Carlos Fernandes

Foto de perfil de José Carlos Fernandes
Ver perfil

A vida extraordinária das pessoas e lugares comuns

A Casa dos Pobres não se entrega

  • José Carlos FernandesPor José Carlos Fernandes
  • 26/07/2020 08:00
A Casa dos Pobres não se entrega
| Foto: Arte: Felipe Lima

Na madrugada do dia 9 para 10 de julho, a Casa dos Pobres São João Batista – no bairro Rebouças, em Curitiba – foi assaltada. “Uma limpa”, como se dizia. Nada de tão trágico acontecia ali desde 1991, quando um incêndio arruinou uma das sete edificações que formam o centro de acolhimento, albergagem e educação fundado em 1954.

O diretor da instituição – o engenheiro civil Rafael Pussoli, 52 anos – ainda não contabilizou todos os prejuízos. Basta abrir mais uma sala para se dar conta de que algo sumiu. Por alto, em quatro horas de devassa, dois larápios levaram 200 cobertores de microfibras – usados para o soninho das 102 crianças que frequentam o Centro Infantil São João Batista, filhos e filhas de moradores da comunidade Vila das Torres, ali ao lado. Some-se ao prejuízo, igualmente, 200 jogos de lençóis, 15 bicicletas, os melhores brinquedos disponíveis e um sem número de panelas, talheres e fôrmas. Por fim, 16 computadores e scanners. A creche está pelada.

“Nenhum armário deixou de ser visitado”, resume Rafael, enquanto caminha pela propriedade de 2,9 mil metros quadrados, apinhada de rampas que ligam as arquiteturas das mais variadas. Vão das linhas getulistas e de austeridade hospitalar e conventual, passando pelas modernas, com detalhes em azulejaria portuguesa e madeira. Na contramão, sobram puxadinhos feitos às pressas e um amplo salão com cara de loja, que por um curto período acolheu moradores em situação de rua.

Impressiona a quantidade de finalidades da Casa dos Pobres – desenvolvidas ao longo de 66 anos de atividades, completados há uma semana, logo depois do roubo. Além da creche – cujas instalações, ainda que modestas, não devem em nada aos centros infantis da prefeitura –, o “complexo” tem uma ala para acolher mães com filhos pequenos e que tenham sofrido algum tipo de violência; quartos individuais para doentes empobrecidos; alas destinadas a acompanhantes de pacientes do interior do Paraná – e de outros estados – que venham a Curitiba para tratamentos em hospitais como o das Clínicas e o Erasto Gaertner.

Mais. Há padaria, um bazar de roupas tão multicolorido que mereceria ser palco de um ensaio fotográfico; e a ala desativada do povo da rua – tudo isso emoldurado pela produção de grafiteiros, convidados pela administração para ilustrar o ambiente. No meio desse caleidoscópio emerge uma mangueira gigantesca, cujas raízes atentam contra os pisos e ameaçam levar paredes a pique. “Cada vez que cai um galho é como se tivesse desabado uma árvore na nossa cabeça”, brinca Pussoli diante do ponto turístico do albergue. O outro é um “orelhão” do pátio, hoje peça arqueológica.

À revelia de tantos estímulos, a Casa dos Pobres São João Batista está a anos luz de ser um espaço profilático – um prendado convento de freiras, um casarão dos filmes de James Ivory. Há tantos corredores, atalhos e escadas ligando os prédios que é impossível não imaginar que delícia seria jogar pique-esconde ali. Ou, ao contrário, prever o pavor de cruzar aqueles corredores, sozinho, à noite, quando os forros de madeira estalam. As pinturas das paredes são renovadas, mas no ritmo de obra social – quando termina uma ala, a outra já descascou. E tem o chão, cedendo alguns centímetros a cada ano, por força do solo arenoso e de banhado do Rebouças “de baixo”, justo o que cresceu às margens do Rio Belém. Cada rodapé que descola é um fio de cabelo branco na cabeça de Pussoli.

Filho de Ricardo Pussoli, empresário lendário que, com pouquíssimos estudos formais, se tornou construtor e tinha no currículo nada menos do que a execução da Rodoferroviária de Curitiba, Rafael atazana os colegas da engenharia. Pede para que o ajudem a encontrar um milagre em cimento armado, capaz de impedir o abrigo de afundar. O conjunto de edificações em prol da caridade forma uma composição cubista. Suas inclinações provocam vertigem, um perigo para os bêbados. Numa das alas, por exemplo, o chão formou uma imensa barriga, como se “a coisa”, dos filmes trash de terror, estivesse sendo gestada ali. Restou interditar a área, até segunda ordem.

Nem é preciso ser bom em contas para desconfiar que a Casa dos Pobres São João Batista custa caro. As contas não fecham – e não devem sair do vermelho tão cedo, depois do arrastão que sofreu. Além da centena de crianças que fazem coro de choro por ali, o local atende 40 meninos e meninas do ciclo básico – em contraturno de manhã e de tarde. “No almoço, todos juntos”, frisa o diretor sobre a “vida selvagem” que reina ao meio-dia, com tantas bocas para comer e o “zilhão” de regras da Vigilância Sanitária a cumprir. Uma rampa depois, outra centena de pessoas transita, essa formada por doentes – homens e mulheres vindos de outras cidades para se tratar na capital. Chegam cada vez de mais longe – e até em expedições, em especial depois que Curitiba parece ter roubado de Campinas, no interior de São Paulo, o posto de referência em tratamento oftalmológico.

As historietas sobre como o centro continua funcionando – contra tudo e contra todos, inclusive contra o livro caixa – animam as rodinhas de conversa, em dias normais. Uma dessas anedotas da vida como ela é se tornou um clássico. Faltavam R$ 2 mil para fechar as contas do mês. No mesmo dia, um doador apareceu com um cheque de R$ 1,7 mil. Outro com um de R$ 300, cravados, fechando o valor da dívida. “A mão de Deus está aqui”, diz, repetidamente, Rafael. A São João Batista não joga a toalha, mesmo com incêndio, assalto de larga escala, arranca-rabos com a administração pública. É insano. A pandemia fechou as portas por ora, mas a procura é intensa e os novos protocolos para garantir a abertura ocupam Rafael e a administradora Liana Rauber, com quem divide o comando da nave.

**

O caso de Rafael Pussoli com a Casa dos Pobres é digno de um romance de cavalaria. Ou de um romance propriamente dito. Era pouco mais do que um menino – tinha 19 anos – quando virou voluntário da instituição. Em 1993, então um jovem adulto, se tornou diretor e permanece no cargo há quase três décadas. “Já desisti de explicar o que me move a ser voluntário”, avisa, ao admitir o espanto que sua dedicação provoca. Em tese, a obra lhe consumiria duas horas por dia, restando um bocado para o magistério superior, do qual tira seu sustento. A conta que lhe provoca risos largos. Às vezes, as horas são consumidas em tarefas simples e infernais. Dia desses, para convencer um pedreiro de que a inclinação de uma rampa deveria garantir a subida tranquila de um cadeirante, gastou todos os nervos e a saliva do estoque. Estranharam-se. “Procure outro”, ouviu do desaforado. A obra está pela metade. Tem de pular fogueira a cada instante, sobretudo a da ignorância. Ao todo, são pouco mais de 30 funcionários, muitos deles descrentes de que a Covid-19 de fato exista. Ao contar, o engenheiro arregala os grandes olhos para o céu. Fala algo engraçado e pronto.

Pussoli é, como se diz aqui em casa, um homem bom. Alegre, contagiante, religioso – um leitor de obras místicas, como A imitação de Cristo –, é capaz de segurar uma boa conversa com quer que seja. Tempera qualquer prosa com suas “crônicas de portaria”. O saguão da Casa dos Pobres é para ele uma espécie de portal da humanidade. Tudo pode acontecer naquele hall. Se a pessoa é mesmo para o que nasce, Rafael nasceu para essas interlocuções com os desvalidos que o procuram e com os homens e mulheres – não raro, anônimos – que batem ali dispostos a dividir com quem padece. Nesse vaivém, fez grandes amizades, a exemplo do arcebispo emérito dom Pedro Fedalto, 94 anos, com quem mantém uma relação filial. “Minha primeira genuflexão pela manhã faço pela Casa dos Pobres”, confidenciou-lhe Fedalto dia desses. Mais de uma vez o amigo desembarcou na esquina da Rua Piquiri com a Brasílio Itiberê para abençoar o centro de acolhida e livrá-lo da penúria.

**

O encontro de Rafael Pussoli com o lado mais sombrio da vida se deu na infância. Acompanhava o pai na via-sacra por hospitais psiquiátricos, em busca de tratamento para o irmão Rui, que sofria de esquizofrenia severa. A trajetória lembra a do neuropsiquiatra britânico Oliver Sacks (1933-2015), autor de obras essenciais como Tempo de despertar e Um antropólogo em marte. Na polêmica autobiografia – Sempre em movimento –, Sacks confidencia que suas pesquisas nasceram da convivência intranquila com o irmão esquizofrênico. Ao buscar respostas para ajudar quem amava, ajudou a humanidade toda. Não e demais dizer que, à sua maneira, cada um que desfruta da hospitalidade da Casa dos Pobres é um pouco o irmão Rui, em busca de um lugar que o salvasse da doença. A propósito, a Casa dos Pobres foi fundada por Januário Alves de Souza, bilheteiro na Estação Rodoferroviária e pai de um jovem com deficiência intelectual. Conseguiu cada tijolo na base da doação de moedinhas e do gogó. Convencia os graúdos a abraçar a causa. Um dos episódios que ronda sua saga é que teria sido abordado por um viajante, que lhe pediu ajuda na rua. Em resposta, mostrou-lhe os bolsos vazios. Na manhã seguinte, soube da morte do sujeito em decorrência do frio. Reagiu. Passou a fazer campanhas e convenceu autoridades a financiar o abrigo. Em torno do local, outros e outras foram se agregando à confraria – inclusive Rafael, décadas depois. A vida tem dessas coisas.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    Eduardo Zilli

    ± 8 horas

    Que noticia horrorosa. Alguem poderia disponibilizar um link para doacoes?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • F

      Flavio Teixeira

      ± 10 horas

      Se a pena de morte resolve, não sei, mas esses que roubam uma instituição como esta merecem duas ou tres dessas penas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        RENATO VOLPI JUNIOR

        ± 11 horas

        parabéns Fernandes pela lembrança dessa importante instituição Curitibana e ao abnegado Pussoli. Agora é a hora de ajudá-lo

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.