i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Leonardo Coutinho

Foto de perfil de Leonardo Coutinho
Ver perfil

Brasil, América Latina, mundo (não necessariamente nesta ordem)

O que realmente importa

O que espero que Messer tenha contado para a PF

  • Por Leonardo Coutinho
  • [28/08/2020] [18:17]
Dario Messer é condenado pela Lava Jato
O doleiro Dario Messer.| Foto: Reprodução/Facebook

O doleiro Dario Messer, conhecido como o “príncipe dos doleiros”, é uma das figuras mais importantes entre os criminosos de todos os tipos em atuação no Brasil. Ele estava no topo de uma rede de lavagem de dinheiro que movimentou mais de US$ 1,6 bilhão. Se o dinheiro é o que move de traficantes a corruptos, ele é o cara que conhece os caminhos que podem levar as autoridades ao coração dessas organizações criminosas: seus recursos financeiros.

Messer não era só o “doleiro dos doleiros”. Ele era o Banco Central de bandidos cujo espectro de atuação vai doo PCC a políticos e grandes empresas brasileiras, alcançando algumas das maiores organizações de crime transnacional. Podemos incluir na lista traficantes de armas, provedores de drogas do Paraguai e Bolívia, os sanguinários cartéis mexicanos e a maior lavanderia de dinheiro sujo do mundo, que hoje é a China.

Peça-chave na 23º fase da Operação Lava Jato, batizada de Operação Câmbio, Desligo, Messer fechou o maior acordo de delação premiada da operação e da história do Brasil. Prometeu devolver R$ 1 bilhão e, ao que indica, entregou seus clientes e os beneficiários de suas operações. Mas será que Messer entregou todo mundo? Contou tudo o que sabia? Pelo padrão das delações anteriores, é possível presumir que não.

Nas últimas semanas, alguns detalhes começaram a vazar, mas nada próximo ao que realmente importa em uma delação de um criminoso da dimensão de Messer.

Quando pediu a sua prisão, a Polícia Federal já havia descoberto que o doleiro coordenava um “banco” clandestino construído sobre um sistema informatizado exclusivo e que integrava mais de 3 mil empresas offshore, com contas bancárias em 52 países.

Qual era o motivo de manter uma rede clandestina com essas dimensões e presença em mais de um quarto dos países existentes no mundo? Messer necessitava estar onde o dinheiro precisava ser entregue. Ou seja, tinha que oferecer a cobertura perfeita para que seus clientes pudessem enviar e receber dinheiro em qualquer canto do planeta, gerando a menor suspeita possível.

O serviço principal que Messer oferecia era o de fazer milhões e milhões de dólares pularem de um país para o outro sem que um centavo precisasse formalmente “viajar” pelas fronteiras. Ele elevou o já conhecido esquema do dólar-cabo a uma escala industrial.

No caso de Messer, milhões e milhões de reais produzidos em atividades ilícitas no Brasil foram parar nas mãos dos clientes que precisavam internalizar dinheiro sem deixar rastros – por ser de origem ilegal ou, simplesmente, por sonegação fiscal. Os valores equivalentes, em dólares, foram parar em contas dos criminosos que enviam fuzis e cocaína para as organizações criminosas no Brasil.

Alguém, alguma vez, já viu uma mala de dinheiro ser apreendida quando ia do Brasil para a Bolívia ou ao Paraguai? Armas e drogas não são grátis, mas o dinheiro não existe. Messer é a Pedra de Roseta para decifrar esse milagre.

Se a delação de Messer não tiver a lista das contas de destino indicadas por ele no exterior, ela se torna apenas um ensaio de justiça. Contar quem recebeu dinheiro no Brasil é a parte mais simples das operações comandadas por ele. Messer sabe onde o dinheiro foi parar no exterior. Essas contas são, inevitavelmente, o destino do dinheiro que jamais foi visto voltando pelas fronteiras do Paraguai e da Bolívia. Traficantes pagam a conta de suas “importações” por sistemas como o de Messer.

Um esquema descoberto pela DEA, a agência antidrogas dos Estados Unidos, pode ser muito educativo para entender como operadores como Messer são a medula do crime transnacional organizado.

Na falta de um Messer nos Estados Unidos, os cartéis mexicanos, que arrecadam bilhões de dólares com a venda de drogas nos EUA, replicam o seu modelo em associação com chineses radicados no país.

Eles entregam a receita do tráfico para os chineses, que realizam uma curiosa intermediação financeira para fazer os dólares produzidos nos Estados Unidos se transformarem em pesos no México e em outros destinos, que incluem o Brasil.

Os traficantes entregam pilhas de dólares para os chineses, que mantêm o dinheiro fisicamente estocado em suas residências ou locais dedicados para este fim. De posse de verdadeiras fortunas, que em alguns casos chegaram a superar 200 milhões de dólares escondidos, os chineses acionam suas redes em seu país de origem para fazer rodar complexas engrenagens de lavagem de dinheiro.

Por lei, os chineses são impedidos de transferir para o exterior mais de 50 mil dólares anuais. Mas os milionários chineses fazem mil e uma piruetas para tirar seus recursos dos bancos locais. Uma delas atende perfeitamente ao esquema iniciado pelos traficantes nos Estados Unidos.

Os ricaços chineses pagam a conta do envio de produtos eletrônicos de alto valor que são mandados legalmente para os negócios de fachada que os traficantes controlam em seus países de origem, onde tais produtos são vendidos e a receita da operação passa a ser a mais limpa do mundo. O valor equivalente, em dólares, é mantido guardado de forma física sob a os cuidados dos lavadores chineses ou usado para compra de joias e imóveis. Sempre pagos em dinheiro vivo.

Todos os dias, os celulares dos americanos que vivem nas áreas de interesse dos chineses são invadidos por mensagens de texto ou chamadas automatizadas de “corretores” oferecendo pagamentos generosos em cash por propriedades.

O modelo dos chineses se difere do sistema de Messer na execução, mas a concepção é a mesma; o objetivo é idêntico.

Se não contou, Messer precisa contar quem estava na outra ponta da linha. Não só os beneficiários das operações no Brasil, mas quem eram os destinatários da fortuna em dólares que ele fez circular por meios de suas empresas de fachada pelo exterior. Isso é o que verdadeiramente importa.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • W

    WSR

    ± 0 minutos

    Pelo que entendi, esse esquema é tipo um "transferwise" ilegal.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 12 dias

    Leonardo, Em complemento: não deixe de escrever um outro artigo dando continuidade (muitas vezes isso não acontece na imprensa!) ao esforço investigativo a que você deu início. É muito importante aprofundar esse assunto de relevância nacional e internacional!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 12 dias

    Leonardo, Em complemento: não deixe de escrever um outro artigo dando continuidade (muitas vezes isso acontece na imprensa!) ao esforço investigativo a que você deu início. É muito importante aprofundar esse assunto de relevância nacional e internacional!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 12 dias

    Leonardo, Belo artigo! Lendo seu texto me peguei fazendo as seguintes perguntas: 1) Os órgãos de governo devem conhecer a fundo o mecanismo que você nos apresentou no correr do texto. 2) Os órgãos de segurança americanos não estariam (poderiam?) interessados nas informações do Messer? A cooperação internacional não seria bemvinda para aprofundar a investigação sobre os caminhos do dinheiro? 3) Com o devido respeito e admiração pela contribuição que seu artigo fornece, como pode um jornalista ter tanta informação importante e a nossa Receita Federal, Abin, TCU, Banco Central e demais organismos de defesa do Estado e das Finanças Nacionais não terem descoberto tudo isso há muito tempo?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

    ± 12 dias

    Poderíamos ter mais matérias sobre as maracutaias chinesas. Gostei do assunto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

    ± 12 dias

    Já que ele delatou a emissora que aparentemente domina o jornalismo no país, sem dúvida essa notícia será engavetada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 12 dias

    Pois é Coutinho, a delação do tal doleiro devia estar em todas as redações. Escândalo!, deviam bradar os impolutos da nossa querida mídia mainstream, hein? Ma quê? Só se fala da "agressão verbal" do presidente a um suposto repórter. Caíram de pau no "Bozo", como se ele fosse um Átila carniceiro. Credo! Por que será da blindagem aos senhores bilionários lá da emissora platinada, hein?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Claudia

    ± 12 dias

    Se a imprensa já sabe de tudo isso, a justiça tem a obrigação de fazer o serviço completo !!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Martins Donizete

    ± 12 dias

    Depende de quem ele entregar. Se for figurão e que deve ser aí a coisa tramita para lá e para cá até cair no STF. Lá, eles arruma uma filigrana qualquer e anula todo o resto. Escreve aí: o maior ladrão que o Brasil já teve ainda vai possar de injustiçado daqui uns tempos. Os "garantistas" de lá garantem esse milagre aqui na terra Brasilis. O MP, PF, Messer, Palloci e quejandos passarão para história como mentirosos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 12 dias

    Pois é, será que tudo vira à tona? Inclusive aquela grana movimentada pelos donos de uma tal platina. Sendo o tal doleiro tem provas? E se tiver parece que milhões de dólares, né não?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.