i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Leonardo Coutinho

Foto de perfil de Leonardo Coutinho
Ver perfil

Brasil, América Latina, mundo (não necessariamente nesta ordem)

O que o Ocidente ainda não entendeu

  • Por Leonardo Coutinho
  • 06/12/2019 19:19
A princesa britânica Anne, o primeiro-ministro do Canadá Justin Trudeau, e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson em recepção no Palácio de Buckingham, Londres, 3 de dezembro de 2019, na cúpula de líderes da Otan
A princesa britânica Anne, o primeiro-ministro do Canadá Justin Trudeau, e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson em recepção no Palácio de Buckingham, Londres, 3 de dezembro de 2019, na cúpula de líderes da Otan| Foto: Yui Mok / POOL / AFP

A semana começou como uma imagem peculiar. Líderes mundiais se comportando como colegiais em uma "rodinha" para fazer troça de um colega que, assim digamos, não é o mais popular da turma. O presidente francês Emmanuel Macron e os primeiros-ministros do Reino Unido, Boris Johnson, do Canadá, Justin Trudeau, e da Holanda, Mark Rutte. Deram uma boas gargalhadas às custas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Os quatro zombavam do americano horas depois de Macron dizer, no encontro que celebrava os 70 anos de criação da Otan, que a organização padecia de morte cerebral. Em resumo, é o mesmo que dizer que os Estados Unidos haviam perdido a liderança natural que exerceram desde fundação da entidade.

O piadista, entretanto, foi Trudeau. O canadense ironizou as "longas" coletivas de Trump. A conversa vazou pelo sistema de transmissão da BBC e provocou a ira do americano. Trump não falou mais com os jornalistas e mandou um recado para canadense: "Ele tem duas caras".

O bullying sofrido por Trump tem uma razão. Ele não está disposto a seguir pagando a maior fatia das despesas da Otan, sem que os sócios europeus paguem pelo menos o mínimo previsto pelos estatutos da aliança militar: 2% do PIB.

O Canadá de Trudeau, por exemplo, desembolsa o equivalente a 1,3% do PIB. O francês Macron – assim como o champagne, é muito bom de espuma. A França ocupa a terceira posição no ranking dos maiores contribuintes, com repasse de apenas 1,78% do PIB, e é um dos maiores beneficiários da aliança. Na defesa da Otan, seu comportamento é parecido com o seu espírito ambientalista. Apresenta-se como salvador da Amazônia e reclama daqueles que não cumprem as metas de redução de gases estufa estabelecidas do Acordo de Paris, mas está longe de cumprir o dever de casa. Está atrás do Brasil no cumprimento das metas.

Enquanto os aliados batem cabeça e se ofendem em praça pública, a Otan se diminui frente a uma evidente escalada militar e geopolítica do Oriente. A invasão da região da Crimeia na Ucrânia foi o mais ostensivo dos gestos de Moscou na região. Sem falar da ameaça do extremismo islâmico que passou a fazer parte da realidade diária dos europeus.

Em outra frente, o presidente Donald Trump deu munição para aqueles que acreditam que as prometidas e esperadas alianças entre os Estados Unidos e o Brasil são uma via de mão única na qual apenas o Brasil tem cedido e não recebido nada em troca. Pelo Twitter, ele anunciou aumento nas tarifas de importação de aço do Brasil. Como se não bastasse acusou o seu principal aliado no região de manipular o câmbio para tirar vantagens do dólar forte. Em nome da defesa dos seus agricultores. Seria o cumprimento de seu famoso America first?

Tratando-se de efeitos imediatos e sobretudo eleitorais, a rasteira no Brasil faz todo sentido. Mas os Estados Unidos estão repetindo o erro que levou a substancial perda de relevância no hemisfério e abertura de uma avenida pavimentada para a China avançar na região. Há quem pense que seu discurso é apenas eleitoral e que ao fazer as contas sobre as sobretaxas verá que elas mais farão mal a indústria americana que a brasileira. O Brasil estaria sendo usado de escada para o seu palanque eleitoral.

Hugo Chávez, quando fincou seus pés no Palácio de Miraflores em Caracas, desenhou uma estratégia de expansão e influência que levou a maioria dos países da região a orbitar em torno de seu projeto de revolução bolivariana. Até o Brasil encolheu em relevância ao se submeter aos planos do tenente-coronel venezuelano. Por meio de financiamentos baratos, doações de petróleo e apoio político, Chávez conseguiu, por um bom tempo, ser dono da Organização dos Estados Americanos (OEA), fundou a já falecida Unasul, elegeu e ajudou a perpetuar no poder vários presidentes amigos.

Os Estados Unidos, por sua vez, escaldado pela fama de interventor, abriu mão da região. Nos últimos anos que antecederam a chegada de Trump na Casa Branca, os americanos negligenciaram a emergência do chavismo, foram expulsos da Bolívia e perderam a liderança e influência no combate ao tráfico na Colômbia. Talvez atordoados pelo nocaute bolivariano, perderam o rumo e viraram as costas para quem deveriam estender as mãos e fortalecer as relações. A América Latina praticamente desapareceu da agenda do Departamento de Estado.

Mauricio Macri recebeu de Cristina Kirchner uma Argentina em frangalhos. Apesar de incensado como aquele que daria início a uma guinada antibolivariana na região, Macri não obteve ajuda alguma. A Argentina não recebeu nenhum tratamento especial e o país jamais decolou. A conta do fiasco econômico não recaiu sobre quem o criou, mas sobre quem não foi capaz de revertê-lo. E por mais bizarro que possa parecer, os argentinos puniram Macri trazendo Cristina Kirchner de volta para o poder. É como chamar o incendiário para apagar o fogo. É o mesmo que o PT quer fazer no Brasil e o que Evo Morales espera ser para a Bolívia, país que está a um passo da explosão de um profunda crise econômica.

De forma alguma é desejável que os Estados Unidos se comportem tal como Chávez no passado. Mas é incompreensível a falta de engajamento da maior potência do planeta em ajudar seus aliados e, com isso, fortalecer a sua própria rede de influência. Pelo contrário. Tem havido um abandono sistemático e injustificado dos amigos. Trump se livrou de alguns nomes que faziam corpo mole nas relações com a América Latina e que, em muitos casos, turvavam a percepção dos problemas regionais.

Em termos de relações bilaterais, não há risco algum de arrefecimento de um projeto de aproximação que desde o momento zero do governo Bolsonaro, ainda na transição, tem sido desenhado como sendo o eixo de um política externa desenhada com ambições econômicas, mas derivada de uma identificação de valores ocidentais.

Mas no aspecto político internacional. Apesar de a bordunada do presidente Trump ter foco em sua política doméstica. O efeito é sentido na América Latina.

Na Embaixada da China em Brasília havia um clima de tensão permanente por causa do alinhamento do Brasil com os Estados Unidos. Razão pela qual o governo chinês resolveu investir na conquista de parlamentares do PSL na tentativa de criar um canal com o bolsonarismo. Além disso passou a fazer jorrar rios de dinheiro para acionar lobistas proficientes nos meandros da política brasileira. Mas, menos de um ano depois, os chineses já festejam. Não escondem de interlocutores em Brasília que na queda de braço levarão o melhor. Veem uma estrada pavimentada com asfalto americano para conquistar seus objetivos na região.

Em outubro passado, o ministro das Relações Exteriores apresentou em Washington uma conferência na qual ele fez uma observação que escapou do noticiário. Ernesto Araújo chamou a atenção para o fato de que o Ocidente nunca entendeu as razões que levaram à vitória da Guerra Fria. Quase sempre reduzimos a derrota do comunismo às questões econômicas. Mas Araújo chama atenção para um fato que negligenciado ficou vulnerável um ataque sistemático. Os valores ocidentais. O principal deles, a liberdade.

Enquanto os colegiais da Otan se veem muito espertos dando rasteira uns nos outros, ou a diplomacia americana não ajusta o foco no que realmente interessa ao seu redor, os novos atores que marcham sobre a região sabem muito bem como ocupar estes espaços e, sobretudo, a curar as feridas provocadas por crises internas. Diante do tabuleiro geopolítico global, apenas um lado sabe exatamente qual é o jogo. E não se trata do Ocidente.

17 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 17 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Dario de Araújo Dafico

    ± 29 dias

    Ótimo artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Carlos Redivo

    ± 30 dias

    Precisamos dizer aos Europeus que a liderança Americana principalmente na OTAN se deu por incompetência dos próprios Europeus em manter um plano estratégico de defesa eficiente do Continente para manter afastada a ameaça comunista/estalinista/maoísta. Esse dueto é o grande mal da humanidade responsável por 100 milhões de assassinatos mundo afora.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Tiago dos Reis Vieira

    ± 30 dias

    É muito preocupante saber que enquanto os países ocidentais estão se degladiando por questões pequenas, China e Rússia estão criando um Império militar. Ninguém cria um exército gigantesco sem ter uma razão pra isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 31 dias

    O ocidente está morto. Só não percebeu ainda...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 31 dias

    Otimo artigo, mas Trump ajudou sim a Argentina, pois nunca um pais recebeu tanto dinheiro do FMI (50 Bilhoes de dolares) sem apresentar um austero plano de reformas. O naufragio de Macri foi devido a sua incapacidade de ir contra os grandes interesses das corporacoes publicas e sindicatos, apostando no "gradualismo" ,algo defendido por aqui por um certo 'Botafogo" que insiste em pisar no freio das reformas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    All Jr

    ± 31 dias

    Parabéns pelo artigo! Exatamente isso o que está ocorrendo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Diz

    ± 31 dias

    Pois é, e pensar que ficamos só assistindo, aqueles aplicados estudantes chineses, fazendo doutorado e pós-doutorado nos USA.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Sampaio de Souza rezende

    ± 31 dias

    Excelente artigo. Não é só a economia, especialmente no longo prazo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 31 dias

    Leiam Samuel Hunginton. "Choque de Civilizações", é sempre atual. Esses polítocos de aqui e acolá deviam lê-lo. O cientista político decifra com maestria a geo-política em que estamos metidos e o risco do mundo ocidental ver corroído sua segurança e valores.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO A. O. PRIETO

    ± 31 dias

    Muito bom artigo, embora seja desanimador, como a realidade o é... A Esquerda Mundial, com a qual se alinham POR CONVENIÊNCIA o Islã e outras correntes deletérias, explora as fraquezas pessoais (que existem e não são poucas) de líderes como Trump, Bolsonaro e outros, esquecendo-se hipocritamente das fraquezas, por exemplo, de Lula (ladrão, bêbado e avesso ao trabalho), Macron e outros... Quem são os "líderes" europeus atuais, essas nulidades. para criticar os outros? Se não tivessem tido a proteção americana, seriam satélites da falecida URSS..

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    F. Borges

    ± 31 dias

    Nossa!, que texto mal escrito! Esse jornalista tiraria zero na redação do ENEM. Nem no UOL me deparei com uma redação tão horrível.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • B

      Bruno Sampaio de Souza rezende

      ± 31 dias

      André PC: Esquerdista é tudo igual. lança uma frase de efeito e não diz PORQUE ele achou o artigo mal escrito. E mais 3 papagaios dão like no comentário. Argumentar, que é bom, nem pensar!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      André PC

      ± 31 dias

      Escreva um melhor então.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Danuzo aquino

    ± 31 dias

    Bom jornalismo. Parabéns

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DIMAS NASCIMENTO

    ± 31 dias

    A tão propalada ajuda fica compreendido como dinheiro. Poucos entenderam que os USA estão no limite superior de endividamento e gastos. Sendo assim, o que eles têm para oferecer é um grande mercado e um grande rol de investidores, que individualmente decidirão investir onde for rentável. Trump não está disposto a pagar para passar de bonzinho. Cada qual que cuide de seu terreiro e pague por suas decisões.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Tiago F

    ± 31 dias

    China e principalmente, Rússia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Prestes

    ± 31 dias

    Boa análise. China e Rússia tem objetivos geopolíticos bem distintos dos países ocidentais. Não entender as particularidades destes regimes coloca em risco a liberdade na América Latina e no Ocidente como um todo. A esquerda possui um alinhamento mundial automático, a ponto de permitir que países pequenos e falidos como Cuba tenham considerável influência em países maiores, como Brasil e Argentina, a partir de forças internas (partidos, sindicatos, etc). O Ocidente precisa maior articulação entre governos e melhorias nas políticas de contenção diplomática e militar, urgentemente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]