i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Lúcio Vaz

Foto de perfil de Lúcio Vaz
Ver perfil

O blog que fiscaliza o gasto público e vigia o poder em Brasília

Fiscal dos Políticos

Auxílio-mudança dos deputados: as histórias mais surreais de desperdício

  • PorLúcio Vaz
  • 18/11/2019 09:15

Criado há 70 anos para compensar despesas de transporte de parlamentares que se mudam para Brasília quando assumem ou deixam um mandato, o auxílio-moradia virou mais uma das farras que políticos e até mesmo suplentes fazem com os recursos públicos. Tem deputado que recebeu o benefício com apenas 15 dias no cargo e até suplente que ficou apenas um dia no posto.

O exemplo mais notório é o do deputado Sílvio Torres (PSDB-SP), que assumiu o mandato, na condição de suplente, às 17h14 do dia 8 de fevereiro de 2011, no lugar do deputado José Aníbal (PSDB-SP) e deixou o cargo à meia-noite do mesmo dia por ter assumido uma secretaria. E, mesmo tendo ficado empossado por apenas sete horas, recebeu R$ 890 de auxílio-mudança. E esse não é um caso isolado.

O registro do pagamento dessa ajuda de custo mostra como o que deveria ser um apoio a parlamentares que precisam vir de outros estados para a capital federal se transformou em uma enorme farra com o dinheiro do contribuinte. E, entre os nomes que aparecem nessa lista está o de Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, que assumiu o cargo de deputado federal por apenas três dias em 2017 e, ainda assim, levou um auxílio-moradia integral de R$ 33,7 mil e ainda gastou R$ 105 mil com a cota para o exercício do mandato.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Ruy de Oliveira Melo

    ± 0 minutos

    Passagens aéreas, telefonia e serviços postais - manutenção de escritórios de apoio à atividade parlamentar - fornecimento de alimentação do parlamentar - hospedagem (exceto do parlamentar no Distrito Federal) - locação ou fretamento de aeronaves, de automóveis - combustíveis e lubrificantes - serviços de segurança até R$ 8,7 mil por mês - contratação de consultorias e trabalhos técnicos - divulgação da atividade parlamentar - participação do parlamentar em "cursos" - auxílio-moradia - Verba destinada à contratação de pessoal - Despesas com saúde - Cota gráfica - Auxilio Mudança - Auxílio Paletó - Aposentadoria: como se o desempenho de seu cargo fosse uma profissão!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]