i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Lúcio Vaz

Foto de perfil de Lúcio Vaz
Ver perfil

O blog que fiscaliza o gasto público e vigia o poder em Brasília

Congresso

Filho, pai, mulher, doador da campanha: quanto custam os suplentes de senador

  • Lúcio VazPor Lúcio Vaz
  • 22/10/2020 15:50
Senador Cid Gomes recebeu doação de R$ 1 milhão de suplente
Senador Cid Gomes recebeu doação de R$ 1 milhão de suplente| Foto: Pedro França/Agência Senado

Causou surpresa para muitos a descoberta de que o suplente do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca, é o seu próprio filho, Pedro Arthur. Mas é comum a indicação de parentes para a suplência de senador. Filho, pai, mulher e outros parentes já passaram pela experiência. O cargo abriga também grandes empresários que financiam parte da campanha eleitoral do senador titular. Há pelo menos dois na atual legislatura. Os suplentes geralmente são breves e custam caro ao contribuinte.

A maioria fica quatro meses no cargo e custa pouco mais de R$ 200 mil. Isso porque, além do salário, eles recebem dois auxílios-mudança — um no início e outro no final do efêmero “mandato”. Por coincidência, cada um desses auxílios custa R$ 33,7 mil — um pouquinho mais do que foi encontrado nas nádegas do senador Chico. Um dos suplentes ficou apenas 6 dias no cargo e custou quase R$ 50 mil.

Os suplentes Prisco Bezerra (PDT-CE) e Luiz Pastore (MDB-ES) doaram cerca de R$ 1 milhão, cada um deles, aos titulares Cid Gomes (PDT-CE) e Rose de Freitas (Podemos-ES). Assumiram o cargo no final do ano passado e retornaram às suas empresas em abril e março deste ano. Com salários, ajudas de custo e 13º proporcional, Bezerra ganhou R$ 205 mil, enquanto Pastore chegou a R$ 218. Mas o que vale mais para eles é a honraria de ter sido senador por quatro meses.

Champanhe Imperial e beijo de Kate Moss

Pastore tem larga experiência na função. Também foi suplente do ex-senador Gerson Camata (MDB-ES), no mandato de 1995 a 2003, assumindo o cargo de outubro de 2002 a janeiro de 2003. Nas eleições de 2014, a empresa Ibrame Indústria de Metais, da qual é sócio, doou R$ 1,14 milhão para a campanha de Rose de Freitas. O poder aquisitivo de Pastore ficou claro num leilão beneficiente ocorrido em abril de 2013, quando comprou uma garrafa de champanhe Moët Chandon Impérial foleada por U$ 50 mil. O arremate deu direito ainda a um beijo na boca da modelo inglesa Kate Moss, usufruído ali mesmo.

Prisco Bezerra, um dos sócios da Universidade Paulista (Unip), doou R$ 1 milhão como pessoa física à campanha de Cid Gomes em 2018. Empresas já não podiam fazer doações, mas empresários sim, desde que a contribuição não ultrapasse 10% da sua renda bruta no ano anterior. Prisco é irmão do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), e participa das campanhas eleitorais do PDT há vários anos, afirma a assessoria de Gomes.

Mais três suplentes assumiram o mandato na atual legislatura. Renilde Bulhões (PROS-AL), no lugar de Fernando Collor (PROS); Paulo Albuquerque (PSD-AP), substituindo Lucas Barreto (PSD; e Diego Tavares (PP-PB), na vaga de Daniela Ribeiro (PP) – este ainda em exercício do mandato. Cid Gomes, Collor e Daniela tiraram licença para tratar de interesses particulares, enquanto Rose e Barreto saíram para tratamento de saúde, mantendo o salário.

Triton e banquetes que você pagou

Albuquerque, ex-prefeito de Cutias do Araguari (AP), município com cerca de 6 mil habitantes, chegou no Senado gastando bastante. Além dos salários, auxílio-mudança, auxílio-moradia e 13º proporcional, que somaram R$ 238 mil, ele usou mais R$ 137 mil da cota para o exercício do mandato – totalizando uma despesa de R$ 375 mil.

Só o aluguel da caminhonete Triton Sport por quatro meses ficou em R$ 36 mil. O suplente ofereceu oito banquetes para 5, 6 e até 10 convidados, a maior parte no restaurante do Senado. O mais caro custou R$ 549 mil – tudo por conta do contribuinte. Os pratos foram risoto de bacalhau, bobó de camarão, peixadas, contrafilé à cremolata, picanha ao molho de vinagrete de manga e filé ao molho barbecue. No Fred Restaurante, os convidados consumiram picanha ao custo de R$ 428. Na Casa de Biscoitos Mineiros, o contribuinte também pagou casadinhos, sequilhos e tortas.

Com muita grana, Pastore usou pouco a cota. Quase a totalidade das despesas – R$ 31 mil – foram feitas com passagens aéreas para o deslocamento de servidores entre Brasília, Vitória e São Paulo.

“Uma dorme comigo, a outra me pariu”

O ex-senador Gilvan Borges (PMDB-AP) tirou licença e abriu vaga para o irmão Geovani Borges (PMDB), em abril de 2011. Em oito meses de mandato, ele utilizou R$ 528 mil da verba para o exercício do mandato, em valores atualizados. Gastou R$ 214 mil com aluguel de carros. Gilvan Borges também praticava o nepotismo em seu gabinete, onde contratou a mulher e a mãe como assessoras em 1997. Explicou assim as contratações: “Confiança é confiança. Uma dorme comigo e a outra me pariu”.

O senador Ivo Cassol (PP) tinha o pai, Reditário Cassol, como suplente. O patriarca da família Cassol foi vereador, deputado estadual e federal em Rondônia. Assumiu o mandato por quatro meses e meio em 2018. Além de salários e auxílio-mudança, gastou R$ 149 mil do cotão, sendo R$ 107 mil com divulgação do mandato. Ele já havia assumido o cargo de julho a novembro de 2011.

Alguns parentes têm maior sorte e ficam mais tempo no cargo. O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) assumiu o Ministério das Minas e Energia, em janeiro de 2015, e deixou a vaga para a mulher, Sandra Braga, do mesmo partido. Ela ficou 16 meses no cargo e recebeu duas ajudas de custo.

O suplente Antônio Carlos Júnior (DEM-BA), assumiu a vaga do pai, o ex-presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), em momentos ingratos. Na primeira vez, em maio de 2001, ACM havia renunciado ao mandato, diante de uma iminente cassação. O filho ficou no cargo até o final do mandato, em janeiro de 2003. Mas ACM foi reeleito em 2002. Júnior teve que reassumir o cargo em agosto de 2007, com a morte do pai.

O filho do senador Chico Rodrigues, Pedro Arthur, tem prazo de 30 dias para assumir o mandato após o afastamento do titular por 121 dias. Se não assumir, tomará posse o segundo suplente, Onésimo Cruz. Com a pressão sobre o pai e o surgimento de denúncias contra o 1º suplente, porém, é possível que ele desista do mandato provisório.

Diante de muitas críticas à inclusão de parentes entre os suplentes, o Senado aprovou, em 2013, uma proposta de emenda constitucional (PEC 287) que reduz de dois para 1 o número de suplentes de senador e proíbe a eleição de suplente que seja cônjuge ou parente do titular até o segundo grau. A PEC andou muito pouco na Câmara em sete anos. Em setembro do ano passado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) nomeou o terceiro relator para a matéria, o deputado Felipe Francischini (PSL-PR). Após um ano, nada aconteceu.

Quanto já custou ao contribuinte

Na Câmara dos Deputados, os suplentes recebem apenas uma ajuda de custo atualmente. No Senado, são duas, na chegada e na saída. Mas não há mudança porque os senadores moram em apartamentos funcionais mobiliados ou em hotéis, pagos com o auxílio-moradia. Na verdade, são salários extras que reforçam a conta dos suplentes.

Levantamento feito pelo blog, a partir de dados oficiais obtidos por meio da Lei de Acesso à informação, mostra que o auxílio-mudança custou R$ 3,8 milhões aos cofres públicos nos últimos 15 anos, contemplando 62 suplentes que exerceram 121 breves mandatos. Em 35 casos, o período de exercício ficou em torno de 4 meses. Em 11 casos, variou de 1 a 3 meses. Por duas vezes, o mandato durou uma semana.

O recordista ao contrário é suplente Gilberto Piselo (PDT-RO), que assumiu a vaga de Acir Gurgacz (PDT-RO) em 8 de setembro de 2016, mas ficou apenas seis dias no cargo. Recebeu R$ 10 mil de salário proporcional mais R$ 33,7 mil de ajuda de custo, para o suposto deslocamento até Brasília. Mas gastou mais R$ 3,9 mil com passagens aéreas entre Brasília, Cuiabá, Cacoal (RO) e Ji-Paraná (RO) utilizando a cota para o exercício do mandato.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • K

    Klin

    ± 0 minutos

    As leis são feitas por corruptos. É claro que se autoprotegem e se autobeneficiam.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roberto Correia

    ± 2 dias

    Há alguns anos, Wellingon Salgado, um dos maiores empresários do ensino particular, bancou a candidatura de Hélio Costa, ex-apresentador do Fantástico, a uma vaga no senado por Minas Gerais, ficando como seu suplente. Wellington tinha dinheiro e Hélio exposição pública. Ganha a eleição, Wellington negociou o Ministério das Comunicações para Hélio, assumiu a vaga no senado e viabilizou verbas e projetos para o ensino particular que não constaram de nenhuma plataforma do candidato. Enquanto os professores do PT ladram, a caravana dos espertos passa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roberto Correia

    ± 2 dias

    Há alguns anos, Wellingon Salgado, um dos maiores empresários do ensino particular, bancou a candidatura de Hélio Costa, ex-apresentador do Fantástico, a uma vaga no senado por Minas Gerais, ficando como seu suplente. Wellington tinha dinheiro e Hélio exposição pública. Ganha a eleição, Wellington negociou o Ministério das Comunicações para Hélio, assumiu a vaga no senado e viabilizou verbas e projetos para o ensino particular que não constaram de nenhuma plataforma do candidato. Enquanto os professores do PT ladram, a caravana dos espertos passa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Antonio Carlos Hoff

    ± 3 dias

    Como quase tudo que criam é legal mas absolutamente imoral e vergonhoso. Isto se somando a outras centenas de benefícios, penduricalhos e pseudo direitos adquiridos sangram os recursos públicos. É UM ESCÂNDALO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pedro Ramos

    ± 3 dias

    Sem comentários adicionais: é muito fácil legislar benefícios e bancar custos com dinheiro dos contribuintes....................

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    GRU

    ± 3 dias

    Vindo de Cid Gomes não é surpresa nenhuma. Devia ser cassado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Z.

    ± 3 dias

    Desde que me conheço por gente esses tralhas falam em reforma política. Alguém acha que os Chicos, Alcolumbres, Renans e Barbalhos da vida estão preocupados com o que é melhor para o Brasil? Prendam os eleitores que escolhem péssimos candidatos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JP

    ± 3 dias

    Os donos do Brasil. A família real tupiniquim. A monarquia dos desqualificados. Nós??? Apenas súditos pagadores de impostos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    PAULO 1950

    ± 3 dias

    Não faz sentido algum o cargo de suplente, para eventuais ausências. Se houver a vacância por renunciacou morte deveria assumir o segundo colocado na eleição e assim por diante. Dessa maneira acabaria com as licenças e afastamentos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LSB

    ± 3 dias

    Como cunhou Sérgio Buarque de Holanda: “No Brasil a democracia SEMPRE foi um LAMENTÁVEL mal entendido”.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MARCO ANTONIO MENDONÇA FARIAS

    ± 4 dias

    Quando este deboche com o povo acabara'? Ate' um trabalhador que ganha apenas 1 salario minimo por mes, ajuda, sem saber e sem autorizar, este absurdo que e' cometido por alguns senadores. Onde estao os senadores corretos para mudarem isto? Onde esta' o presidente do Senado para mudar isto? Quem se cala no Senado, concorda com esta bandalheira

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]