i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Lúcio Vaz

Foto de perfil de Lúcio Vaz
Ver perfil

O blog que fiscaliza o gasto público e vigia o poder em Brasília

Dinheiro público

Gastos sob sigilo do Senado com cartões corporativos somam R$ 3,6 milhões

  • Lúcio VazPor Lúcio Vaz
  • 01/11/2020 18:30
Presidente Davi Alcolumbre, mantém gastos do Senado com cartões sob sigilo.
Presidente Davi Alcolumbre, mantém gastos do Senado com cartões sob sigilo.| Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O Senado Federal mantém sob sigilo desde 2010 todos os gastos feitos por servidores com cartões corporativos, num total de R$ 3,6 milhões em valores atualizados. Apenas o administrador da residência oficial do presidente do Senado, Francisco Joarez Gomes, gastou R$ 1,4 milhão em sete anos. O Senado não informa o valor de cada compra nem o serviço ou produto comprado.

Diretora-geral do Senado, Ilana Trombka pagou R$ 180 mil com cartões corporativos de 2016 a 2019. O servidor comissionado Djalma da Silva Lima gastou R$ 196 mil nos últimos quatro anos. O policial legislativo Fernando Gomes Lima pagou despesas no valor total de 123 mil em três anos. Vanderley Ferreira Nunes, técnico legislativo aposentado da Gráfica do Senado, pagou R$ 130 mil com cartões. Todos os valores foram atualizados pela inflação.

Cinco policiais legislativos estão entre os 10 servidores que mais gastos fizeram com cartões corporativos. Além de Fernando Gomes, os policiais Francisco Mancini, Flávio Nunes Ferreira, Tiago Valladão e Rodrigo Vasconcellos gastaram, respectivamente, R$ 86 mil, R$ 81 mil, R$ 75 mil e R$ 52 mil com cartões corporativos. Eles fazem escolta policial principalmente do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do senador Ângelo Coronel (PSD-BA), que recebeu ameaça de morte. Os cinco policiais receberam ainda um total de R$ 166 mil em diárias só em 2019. As diárias cobrem despesas como hospedagem e alimentação.

As despesas com cartões são de vários tipos. Os policiais e servidores podem, por exemplo, usar os cartões para pagar aluguel de carros no cumprimento da missão de escolta parlamentar. Numa viagem conjunta dos presidentes do Senado e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em jatinho da Força Aérea Brasileira, um assessor da Presidência do Senado utilizou o corporativo para pagar as despesas de catering - a alimentação servida a bordo de aeronaves.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) também conta com escolta policial, mas os gastos desses policiais com diárias, passagens e cartões corporativos não estão explicitados na página de transparência do Senado. O apoio ao senador foi dado após acordo do Senado com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) na Presidência da República, que cuida da segurança do presidente e dos seus familiares.

“A integridade física das altas autoridades”

O blog perguntou à Presidência do Senado por que todos os gastos com cartões corporativos da casa estão sob sigilo, uma vez que nem mesmo a Presidência da República mantém esse sigilo absoluto. A Lei de Acesso à Informação (LAI), que regulamenta o acesso a informações públicas, determina “a observância da publicidade como preceito geral e do sigilo como exceção”.

O Senado respondeu que os “suprimentos de fundos de regime especial”, pagos com os cartões corporativos, “têm informações classificadas que não devem ser divulgadas no Portal da Transparência, conforme as prerrogativas da Lei de Acesso à Informação. É destinado a atender às especificidades da Presidência do Senado Federal e da sua Residência Oficial, bem como a segurança de parlamentares atendidos pela Coordenação de Proteção de Autoridades da Polícia Legislativa”.

A nota do Senado acrescentou que ficam resguardados dados sobre aquisições e fornecedores e outras informações que “possam comprometer a integridade física de altas autoridades da República”, de acordo com o art. 21 do Ato da Mesa Diretora 17/2012. O referido artigo diz que o suprimento de fundos especial será utilizado para pagamento de produtos ou serviços como alimentação, conservação, limpeza, consertos de máquinas, instalações elétricas e hidráulicas e aluguel de equipamentos e veículos.

O Senado não justificou por que a compra de alimentos e a contratação de serviços de limpeza, conservação e pequenos consertos podem conter informações que coloquem em risco a segurança das “altas autoridades”. Acontece o mesmo em relação à Presidência da República.

A abertura dos extratos dos cartões corporativos usados pelos ex-presidentes Lula, Dilma e Temer, após a conclusão dos seus mandatos, revelou, em sua maior parte, a compra de produtos como verduras, frutas, carnes e outros alimentos, além de bebidas alcoólicas muito caras, como cachaça Havana a R$ 400 a garrafa. A abertura dos dados após a conclusão do mandato das autoridades está prevista na Lei de Acesso. O blog perguntou por que o Senado não abriu os extratos dos cartões dos seus ex-presidentes. Não houve resposta.

Dados sobre gastos do Senado serão divulgados, mas com ressalvas

Num segundo questionamento ao Senado, o blog perguntou em que medida a divulgação detalhada das compras da Residência Oficial, feitas no cartão do servidor Francisco Joarez Cordeiro Gomes, oferecem riscos que justifiquem a imposição do sigilo. Também questionou por que o regime normal dos suprimentos de fundos, destinado às despesas de pequeno vulto e eventuais, também está sob sigilo. O que justificaria esse sigilo?

O Senado informou que, a partir de 1º de janeiro de 2021, as prestações de conta serão divulgadas no sítio do Senado Federal, mediante demonstrativo do gasto em relatório que identifique o detalhamento do ato de concessão, que conterá o número do processo, o nome e a matrícula do suprido, o órgão vinculado e os valores concedidos e executados.

O detalhamento das transações realizadas conterá o nome do fornecedor, a data da nota fiscal, o valor gasto e a imagem digitalizada dos documentos comprobatórios dos gastos aprovados.

Mas o Senado adiantou que haverá uma ressalva: “O suprimento de fundos de regime especial tem informações classificadas que não devem ser divulgadas no Portal da Transparência”. Ou seja, todos os pagamentos citados na reportagem, como gastos de servidores da Presidência e da Residência Oficial, serão mantidos em sigilo.

“Despesas eventuais, de pequeno vulto”

No primeiro questionamento feito pelo blog, o Senado informou que os suprimentos de fundos, pagos com os cartões corporativos, são utilizados em caráter excepcional, em situações nas quais não é possível ou recomendável submeter a aquisição ao processo ordinário de contratação. São despesas de pequeno vulto, eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento; e as de caráter sigiloso.

No Senado, os suprimentos de fundos são divididos em dois regimes: o normal, destinado às despesas de pequeno vulto e eventuais; e o especial, concedido a servidores da Diretoria Geral, da Presidência e da sua Residência Oficial. Os gastos com passagens e diárias não estão incluídos entre as despesas pagas com suprimentos de fundos.

O suprimento de fundos normal tem limite máximo para concessão de R$ 17,6 mil, com limite de R$ 1,76 mil por item de despesa. Mas o limite por item de despesa com autorização do primeiro secretário vai até R$ 8,8 mil. No suprimento de fundo especial, o limite de gasto mensal vai até R$ 44 mil.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    RICK

    ± 4 dias

    Já cansei dessa mamata.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Lucio Araripe de Abreu e Lima

      ± 4 dias

      Farmácia aceita cartão, loja de calçado aceita cartão, restaurante aceita cartão, supermercado aceita cartão, garota de programa aceita cartão, uber aceita cartão, hotel aceita cartão, motel aceita cartão, empresa aérea aceita cartão, posto de gasolina aceita cartão, igreja de crente aceita cartão, travesti aceita cartão, aposta de loteria aceita cartão, funerária aceita cartão, s táxi aéreo aceita cartão, padaria aceita cartão, feirante aceita cartão, loja de chocolate aceita cartão, joalheria aceita cartão, loja de material de construção aceita cartão , buffet aceita cartão, tem gente que pede esmola que também aceita cartão. Ora, se todo mundo aceita cartão pra que essa fiscalização ?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      1 Respostas
      • L

        Lúcio Vaz

        ± 3 dias

        Xará, a questão não é o cartão, é o sigilo. Gasto público tem que ser transparente para que o público possa fiscalizar. Pelo menos as despesas dos ex-presidentes têm que ser divulgadas. Assim, os atuais ficam espertos.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

    • X

      Xicote

      ± 4 dias

      Tudo que é sigiloso ...com certeza tem sacanagem no meio !!!! Dinheiro publico sendo administrado ppr pessoas...hehehehe...ta ds brincation with me !!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        Road Warrior

        ± 5 dias

        O blogueiro não emitiu a sua opinião sobre os gastos se são regulares ou não? Se se enquadram em mordomias, privilégios, super salários ou desvios /negociatas no serviço publico. Que são os assuntos que o "especialista" se diz competente....

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        2 Respostas
        • M

          Matraca Trica

          ± 4 dias

          Eu acho o seguinte: se o presidente do senado não permite a divulgação, é pq tem coisa feia ali. Por isso não voto mais em político algum. Só querem $$$$$$$$$$

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • L

          Lúcio Vaz

          ± 5 dias

          Road, não sou juiz para fazer julgamentos, decidir se determinado gasto é legal ou ilegal. Eu apresento a informação. Cabe ao eleitor fazer o seu próprio julgamento. Eventualmente, cabe ao Ministério Público pedir uma investigação. Mas, se o sigilo sobre todos os gastos é legal, por que o Senado vai abrir os dados a partir de janeiro? Por que não abriu antes? A LAI deixa claro: a publicidade é a regra, o sigilo, a exceção.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • K

        Klin

        ± 5 dias

        Para esses Pseudo representates do povo, o dinheiro publico tem dono sim. É deles!. Fazem o que querem, como querem e quando querem!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.