Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Protesto contra Bolsonaro em 24/01, em São Paulo
Protesto contra Jair Bolsonaro em 24 de janeiro, em São Paulo.| Foto: Reprodução/Twitter

Eu não conheço nenhuma pessoa, muito menos um governo, que seja 100% defensável. Há sempre uma crítica pertinente, erros que podem ser apontados para que não se repitam, há sempre algo que, imaginamos, pode melhorar. No caso de governantes e de governos, em ambiente democrático, temos o direito e até o dever de criticar. A questão é que, para isso, precisamos de critérios, argumentos, fundamentos. Não dá para tentar transformar qualquer ação do governo num equívoco, num erro. Não dá para imaginar omissões e fracassos, construí-los na mentira. Uma oposição desvairada, que banaliza críticas e acusações, ela, sim, é um grande perigo.

Há pouca chance de uma crítica pertinente resistir, em meio a tantas que surgem no antibolsonarismo. Que força tem uma crítica que merece ser feita, se ela vem disparada por metralhadoras cuspidoras de bobagens, de reclamações vazias, de protestos infundados? Tudo porque até hoje não aceitam o resultado das urnas... É disso que se trata. Desde o primeiro momento, quando ignoraram um ministério técnico, enxuto, formado sem loteamento político, até essa baboseira maldosa sobre a compra feita pelo governo federal de leite condensado e goma de mascar.

Que força tem uma crítica que merece ser feita, se ela vem disparada por metralhadoras cuspidoras de bobagens, de reclamações vazias, de protestos infundados?

A tragédia em Manaus? Jornalistas e Rodrigo Maia já sabem de quem é a culpa... Não tem nada a ver com respiradores comprados pelo governo estadual com sobrepreço de 316% numa loja de vinhos. Nem pense em falar da prisão da secretária de Saúde por suspeita de desvio de recursos, da má gestão dos governos locais, do sistema público de saúde na capital amazonense sempre com média de 70% de ocupação. Não precisa investigar. O negócio é banalizar: as críticas, as acusações, o impeachment. Vale por qualquer motivo, como ensinou o PT, que pediu o afastamento de todos os presidentes depois do regime militar. Quando veio o impeachment da Dilma, era golpe, ou “gópi”.

O presidente Bolsonaro tem de cair. Ele não deu bola para a vacina. Deveria ter comprado logo todos os imunizantes, mesmo que ainda inexistentes, mesmo que caros, mesmo que devessem ser pagos antecipadamente, com fabricantes livres de quaisquer implicações jurídicas diante de possíveis efeitos adversos. Segurança e eficácia, isso ficaria para depois. “Viraríamos jacarés”, disse o insensível. E, de repente, o Brasil já está entre os países que mais vacinaram. Claro que não há mérito nenhum do governo federal nisso, o que lhe sobra sempre são culpas.

Nesta toada triste estão engajados políticos de oposição (ao país), influenciadores hipócritas, jornalistas dissimulados, ressentidos com as urnas... Diluem as críticas verdadeiras e necessárias, no que lembra uma brincadeira sem graça. Como na fábula, gritam: “Lobo! Lobo!”, quando nenhum animal há por perto. Os que correm em socorro um dia se cansarão das mentiras. Que uma das parábolas do Novo Testamento possa também lhes revelar os verdadeiros lobos em pele de cordeiro.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
89 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]