i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Madeleine Lacsko

Foto de perfil de Madeleine Lacsko
Ver perfil

Reflexões sobre princípios e cidadania

Redes Sociais: os idiotas sempre tiveram voz, a diferença está em quem os ouve

Uma viagem no tempo comparando as postagens que fazemos hoje às inscrições feitas em Pompéia, engolida pelo Vesúvio em 79 d.C.

  • Madeleine LacskoPor Madeleine Lacsko
  • 22/10/2020 16:14
Redes Sociais: os idiotas sempre tiveram voz, a diferença está em quem os ouve
| Foto:

As redes sociais deram voz a uma legião de idiotas. Desde que o filósofo italiano Umberto Eco fez o raciocínio em 2015, ele virou uma verdade absoluta da internet, já que o idiota é sempre o outro. Quando recebia o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, o escritor fez um discurso sobre a sociedade do espetáculo. Começou com o idiota da aldeia, algo que sempre existiu. Com a TV, o idiota da aldeia já conseguiu um patamar superior e, na internet, "têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel", defendeu. Na aldeia, a baderna do idiota era logo calada. Na internet, ele é mais ouvido que os demais.

Evidente que, ao possibilitar contato imediato o tempo inteiro com pessoas em todos os cantos do planeta, a internet nos apresenta idiotas e formas de ser idiota que ainda não conhecíamos. Ocorre que também apresenta muita coisa que presta. O problema está no idiota, na possibilidade do idiota falar, no tipo de coisa que o idiota fala ou na aldeia? Inspirada pela colorista digital Marina Amaral, especializada em história e ícone mundial em sua área, trago a vocês o desafio de comparar o que escrevemos nas redes com o que se escrevia em 79 d.C..

Quem visita a fascinante Pompéia, ao pé do vulcão Vesúvio, no sul da Itália, geralmente chega atraído pelos corpos petrificados na erupção há 2 mil anos. Mas é no lupanar, a "casa de tolerância", que a gente reconhece a essência da alma humana que segue sendo a mesma tanto tempo depois. As frases escritas na parede por prostitutas, clientes e frequentadores do local são frases que, nos anos 80, caberiam na porta de um banheiro público e hoje são mundialmente unificadas no Twitter.

As redes sociais encorajam anônimos a despejar publicamente toda sua frustração, insegurança, inveja e recalque em forma de discurso violento e maldoso. Será? Recentemente, arqueólogos começaram a coletar frases pichadas em 79 d.C. por toda Pompeia, além do lupanar. Será que as redes sociais mudaram o que dizemos ou o que escolhemos ouvir e reverberar? Confira.

Há 2 anos, uma maledicência escrita numa casa particular mudou a história que conhecemos de Pompéia. Até então, a data da erupção do Vesúvio era estimada entre agosto e setembro, mas com base na transcrição de um documento oficial, feito pelo historiador Plínio com o relato da tragédia 25 anos depois que ela aconteceu. Essa pichação é a prova científica de que a erupção foi depois, no inverno, pelo menos em outubro. Como foi feita em carvão, que se apaga com facilidade, foi preservada apenas porque toda a cidade acabou atingida pela erupção no máximo uma semana depois da inscrição, explicou a arqueóloga Kristina Killgrove na Revista Forbes norte-americana.

Nos acostumamos a ver a história da humanidade contada a partir de grandes atos e grandes feitos, como se as miudezas do nosso dia a dia estivessem apartada de tudo o que nos faz evoluir. A descoberta da diferença de dois meses pode parecer uma bobagem, mas é algo fundamental para todos os estudos mais avançados sobre epidemias, pandemias e doenças recorrentes.

Os bioarqueólogos estudam os restos mortais de cadáveres ancestrais encontrados pelo mundo em busca de patógenos que se assemelhem aos que hoje causam doenças, então comparam os dados históricos do que ocorreu com aquela população, se a doença migrou, voltou, acabou. Dois meses são a diferença entre inverno e outono. Ou seja, uma doença recorrente de inverno é causada por um patógeno que age melhor em temperatura mais baixa. Agora, na pandemia, vemos o quanto a questão da temperatura influi nos estudos sobre o vírus e sobre possíveis vacinas e remédios.

É uma frase que pode ter um impacto enorme nos estudos de história, arqueologia e biologia. Sem dúvida, é uma frase histórica de 79 d.C., que ficou durante 2 mil anos escondida até escavações recentes. O que dizia? Em latim: "XVI (ante) K(alends) Nov(embres) in[d]ulsit pro masumis esurit[ioni]." Em português: "No dia 17 de outubro, ele se empanturrou de comida".

O pé do Vesúvio é um terreno arqueológico que não temos nem ideia de quando terminará de ser estudado. Em Pompéia, as escavações ainda prosseguem. Já foi encontrada uma cidade mais antiga, que também sucumbiu a uma erupção e está embaixo da que conhecemos. Outras áreas continuam sendo escavadas e analisadas com tecnologia cada vez mais moderna. É uma amostra de que a natureza humana, essa que conhecemos das pequenas alegrias e sofrimentos do cotidiano, permanece a mesma.

As "redes sociais" de Pompéia

Trago aqui uma coletânea de frases encontradas nos mais diversos lugares de Pompéia. Algumas são anônimas, as outras são assinadas, mas impossível saber se pelo real autor ou se com nome de outra pessoa. A maioria era feita com materiais que logo se apagavam e em locais onde outras pessoas podiam ver. Podemos imaginar que a única diferença entre as pichações e as redes sociais é que antes não tinha print. Pois é, só que estamos aqui 2 mil anos depois vendo todas essas frases na internet.

"O ministro das finanças do imperador Nero disse que esta comida é veneno", anônimo, na casa de Cuspius Pansa, integrante de uma família de políticos poderosos.

"Floronius, soldado privilegiado da 7a legião, esteve aqui. As mulheres nem perceberam a presença dele. Só 6 mulheres vieram aqui para conhecê-lo, bem poucas para tal garanhão", anônimo, no quartel dos gladiadores.

“Para aquele que anda defecando aqui. Cuidado com a maldição. Se você desprezar esta maldição, pode ter um Júpiter zangado como inimigo” - inscrição na porta da casa de Pascius Hermes.

Arqueologia ou rede social?
Arqueologia ou rede social?

Neste pequeno quadrado da parede da basílica, temos 3 frases:

"Virgula para seu amigo Tertius: você é repugnante."
"Lucius Istacidius, eu trato como estranho qualquer um que não me convida para jantar."
"Samius para Cornelius: se enforque!"

Todas as paredes têm inscrições. Vamos a mais exemplos:
"Phileros é eunuco."
"Ephapra, você é careca!"
"Chie, espero que suas hemorróidas se esfreguem tanto que doam mais do que antes!"
"Ephapra joga bola mal."
"O homem com quem eu estou jantando é um bárbaro."
"Eu poderia acariciar as costelas de Vênus com um pedaço de pau e chicotear suas nádegas com uma alavanca: ela perfurou meu coração, e eu ficaria feliz em quebrar sua cabeça com um porrete!"

"Ó, paredes, vocês suportam tanto grafitti tedioso que eu fico impressionado que ainda não tenham tombado" - anônimo, na Basílica de Pompéia.
"Ó, paredes, vocês suportam tanto grafitti tedioso que eu fico impressionado que ainda não tenham tombado" - anônimo, na Basílica de Pompéia.

Sabem essa história de "fake news" e campanhas eleitorais difamatórias? Então, também tinha em Pompéia. O print é eterno.

Fake News difamando Vatia, candidato a administrador de Pompéia, no meio da campanha positiva de dois outros candidatos.
Fake News difamando Vatia, candidato a administrador de Pompéia, no meio da campanha positiva de dois outros candidatos.

"Os bandidinhos pedem que Vadia seja eleito para aedile (administrador da cidade)."
"Todos o bando que bebe até tarde é a favor da eleição de Vadia."

"Vesonius Primus apóia a eleição de Gnaeus Helvius para aedile, um homem à altura do cargo."
"Os ourives de forma unânime apóiam a eleição de Gaius Caspius Pansa para aedile."
(É o mesmo que recebeu, em outro grafitti uma "crítica" à comida que serve em sua casa.)

Estas inscrições anteriores não são feitas por cidadãos comuns, são inscrições encomendadas a profissionais, utilizados nas campanhas políticas e também nos anúncios comerciais de Pompéia, colocados nos locais mais movimentados da cidade. No caso, era um bar, onde também há inscrições de pessoas comuns, como:

"Dois amigos estiveram aqui. Enquanto estavam, eles receberam um serviço ruim em todos os sentidos de um cara chamado Epafrodito. Eles o expulsaram e gastaram 105 e meio sestércios (moeda local) mais agradavelmente com prostitutas."

"Manuseie com cuidado." - ao lado da pintura de um pênis.

Nos livros de história, as pessoas que viveram no tempo de Cristo parecem muito diferentes de nós. Eu não consigo encontrar palavras para descrever a sensação de constatar que estamos há 2 mil anos reclamando das mesmas coisas e repetindo as mesmas pequenas maldades indefinidamente. Por que só agora as pessoas enlouquecem tanto e parecem hipnotizadas? O que mudou é a configuração da praça pública e a maioria de nós ainda não percebeu.

Fake News eleitorais: Pompéia x Brasil

Após anos de estudo e dedicação, fico sabendo que as campanhas políticas na época de Cristo falavam exatamente as mesmas coisas que falamos hoje. A diferença está no impacto, distribuição e reação ao conteúdo. Imagine se fosse possível controlar essas variáveis para favorecer ou prejudicar um candidato. Vamos voltar à parede do bar para um exemplo prático.

Todos os que passavam por lá viam, ao mesmo tempo, as seguintes frases:
"Os bandidinhos pedem que Vadia seja eleito para aedile (administrador da cidade)."
"Todos o bando que bebe até tarde é a favor da eleição de Vadia."

"Vesonius Primus apóia a eleição de Gnaeus Helvius para aedile, um homem à altura do cargo."
"Os ourives de forma unânime apóiam a eleição de Gaius Caspius Pansa para aedile."

Imagine se fosse possível mostrar às pessoas só as frases que interessam, por exemplo, a Vesonius Primus, que era o então administrador de Pompéia.

A primeira providência seria diminuir o máximo possível o alcance informação do apoio unânime dos ourives a Gaius Caspius Pansa e maximizar o alcance do apoio de Vesonius Primus a Gnaeus Helvius. Depois, seria necessário fazer os boatos sobre Vadia chegarem a pessoas que já nutrem alguma antipatia por ele, melhor ainda se tivessem sido vítimas dos pequenos ladrões da cidade ou não gostassem dos bêbados que ficavam pelas ruas até tarde. Quanto mais os simpatizantes de Vadia demorassem para saber dos ataques, melhor.

As informações selecionadas deveriam chegar às pessoas num momento em que não estivessem perto de ninguém em que confiam e que duvidasse do que foi dito. O cenário perfeito seria montar essa operação enquanto as pessoas pensassem que todas elas estão vendo as mesmas frases na parede. Isso hoje tem o nome de Facebook, Twitter, Google, YouTube e Instagram. Não é à toa que são bilionários e tornaram os políticos e a imprensa reféns.

Todos os jornalistas estão inseridos no mesmo contexto. Dessa forma, a percepção de mundo que boa parte da imprensa passa a ter é construída a partir de informações selecionadas de acordo com o perfil individual. A própria imprensa passa a dar importância àquilo que é mais visível e causa mais indignação aos indivíduos que compõem uma redação. Ocorre que esses processos são artificiais e se atribui importância a fatos sem que se tenha acesso ao todo.

Prender o jornalismo no ecossistema das redes sociais faz com que se tornem o tema do dia os não-fatos ou as passagens anedóticas, como o conflito Bolsonaro-Dória sobre a vacina que ainda nem existe. Enquanto isso, assuntos espinhosos que não interessam a quem gasta com os anúncios passam despercebidos. Um exemplo? O Fundo Eleitoral não está sendo gasto com campanhas, falta menos de um mês para as eleições e a maioria do dinheiro não foi repassada para os candidatos, principalmente mulheres.

Na semana passada, o Wall Street Journal publicou uma reportagem investigativa mostrando que o próprio Mark Zuckerberg, depois de jantar com políticos e lobistas importantes, pediu e supervisionou mudanças no algoritmo do Facebook para maximizar a distribuição de alguns produtores de conteúdo e diminuir a de outros. Os atingidos pela redução já haviam percebido, mas julgavam ser questão ideológica. Não era. Os que esclarecem as pessoas sobre como as plataformas desinformam são os alvos, em qualquer espectro ideológico. O que produzem tem menos alcance, gente falando bem tem menos alcance e a difamação é maximizada.

Logo após as eleições presidenciais nos Estados Unidos, as plataformas foram chamadas ao Congresso Nacional para esclarecer a lambança que haviam feito. Em seguida, explodiu o escândalo da Cambridge Analytica, até então a empresa mais famosa em capturar a história de vida e comportamento das pessoas para direcionar informação que interessa a seus clientes. O Facebook declarou oficialmente que iria mexer no algoritmo para reduzir o alcance de postagens políticas e aumentar o que vemos de posts pessoais dos nossos amigos, objetivo inicial da plataforma.

Isso foi feito, mas iria afetar demais clientes gordíssimos do Facebook, os novos "comunicadores independentes", gente paga por políticos, empresas e instituições para emitir opiniões sensacionalista mexendo com os medos e traumas das pessoas. Eles são os melhores clientes das plataformas porque, como a incoerência no comportamento pode ser percebida até por crianças, precisam apelar para a manipulação das emoções individuais para ganhar confiança do público. Isso custa dinheiro e é legalizado, chama-se impulsionamento e marketing segmentado.

Na primeira mudança, um dos clientes mais gordos teve um impacto além do esperado e, conforme noticiado pela imprensa na época, os donos do empreendimento jantaram com Mark Zuckerberg na mesma época em que ele manteve reuniões com órgãos tradicionais de mídia, que foram menos afetados porque têm reputação mas queriam acertar as coisas. Agora, o WSJ informou que os engenheiros do Facebook foram chamados a fazer uma segunda mudança, pessoalmente supervisionada por Zuckerberg. Era preciso dar um grau extra de diminuição aos veículos que combatiam esses clientes.

Você já deve ter visto reclamações de diminuição de alcance de postagens tanto à direita quanto à esquerda e isso nos faz questionar qual a ideologia das plataformas. Chama-se dinheiro. Os que mais precisam colocar dinheiro na plataforma para chegar às pessoas são os que têm conteúdo com potencial explosivo, sem credibilidade e bancado por algum interesse econômico que não pode ser dito abertamente. Quem os incomodar sofrerá as consequências.

Este não é um problema do Facebook. Citei o caso específico porque é o mais novo. O que mais me incomodou, particularmente, é em outra plataforma. No ano de 2018, foi criado o YouTube Kids, para que nossos filhos não fossem expostos a conteúdo adulto, violento, malicioso ou de desinformação. Pois bem, 3 anos depois que a plataforma estava no ar e milhões de pais em todo o mundo pensavam ter resolvido um problema, a Business Insider descobriu que o algoritmo do YouTube oferecia às nossas crianças teorias conspiratórias em vez de conhecimento.

A reportagem fez buscas simples, dessas que a gente fazia em enciclopédia. Procuraram, por exemplo, "chegada do homem à Lua". Todos os vídeos que apareciam no YouTube Kids eram diferentes teorias de como a NASA nunca foi à Lua e de que forma encenou uma mentira para o mundo todo. Ao vê-los, a crianças era sugada para um universo paralelo de medo: seres humanos híbridos vivendo entre nós a serviço de extraterrestres, sacrifícios humanos feitos em lojas maçônicas, o governo dos EUA planejando o assassinato do presidente Kennedy, os aliens que vivem na Lua, difamação de vítimas de tiroteios em escolas. Isso era o conteúdo para crianças.

A resposta do YouTube para a Business Insider foi: "O aplicativo YouTube Kids oferece uma grande variedade de conteúdo que inclui vídeos enriquecedores e divertidos para famílias. Esse conteúdo é exibido usando sistemas treinados por humanos. Dito isso, nenhum sistema é perfeito e às vezes erramos o alvo. Quando o fazemos, tomamos medidas imediatas para bloquear a exibição de vídeos ou, conforme necessário, canais no aplicativo. Continuaremos trabalhando para melhorar a experiência do aplicativo YouTube Kids."

Um novo mundo?

Há dois mil anos temos as mesmas ambições, as mesmas irritações, as mesmas frustrações e reagimos a tudo isso do mesmo jeito. A qualidade humana, sagrada e imperfeita, atravessa os séculos com as mesmas glórias, os mesmos defeitos e uma única segurança: a união nos equilibra. Seja uma família, uma empresa, uma pequena comunidade ou um país, viver sabendo que somos parte de um todo e iguais em dignidade e direitos é o que possibilita que as qualidades de um supram os defeitos do outro.

O que o nosso mundo novo trouxe não é uma nova teoria nem uma nova forma de negócio. Dividir para governar é ancestral. A diferença é que isso antes só era possível para uns poucos, os que têm instinto, talento para governar, força, poder e aliados. Agora, está ao alcance de qualquer um que queira pagar por impulsionamento e segmentação de anúncios. É uma espécie de integração homem-máquina em que a máquina supre a capacidade que falta a um indivíduo para causar divisão social e ganhar com ela.

Não é um mecanismo feito para a política. Como na nossa ancestral Pompéia e seus letreiros profissionais, começou para promover negócios e depois o mundo político achou uma boa ideia. O problema da nossa era é matar a galinha dos ovos de ouro, distorcer a praça pública e fragmentar a sociedade de uma forma que nos deixa vulneráveis como indivíduos e como povos. Precisamos urgentemente sair da zona de conforto que é debater apenas conteúdo, nosso futuro está em entender e controlar o contexto.

19 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 19 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Affonso Ferro

    23/10/2020 19:24:23

    Excelente texto! Conclusão primorosa! Só acho que o alcance propiciado pelas redes sociais é incomparavelmente maior que pixações nos muros de Pompéia... No mais, perfeito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fritz Huguenin

    23/10/2020 13:37:31

    Texto maravilhoso!!! Diante de outros excelentes textos escritos por ela, ainda conseguiu se superar! Sensacional!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    23/10/2020 13:15:11

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    sansão

    23/10/2020 11:31:39

    Epor isso que não ouço nada que a famiglia fala. é a voz do mal...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ABFeitoza

    23/10/2020 11:02:06

    Otima análise! Não há como controlar isso. O melhor é que os leitores entendam o poder de manipulação e verifiquem diversas fontes. A rigor, esta gazeta também direciona o leitor para suas crenças contratando pessoas que pensam igual. Sem problemas, desde que entendamos isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • L

      Lucio Calderon

      23/10/2020 13:36:54

      sansão: Se não está contente deixe de assinar, é simples! Passe a ler Folha de SP, Estadão ou O Globo então!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • F

      Fred. 1996

      23/10/2020 12:15:39

      Leia Foice de São Paulo

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • S

      sansão

      23/10/2020 11:29:49

      o folhetim da provincia virou um panfleto ideológico do governo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ABFeitoza

    23/10/2020 11:02:06

    Otima análise! Não há como controlar isso. O melhor é que os leitores entendam o poder de manipulação e verifiquem diversas fontes. A rigor, esta gazeta também direciona o leitor para suas crenças contratando pessoas que pensam igual. Sem problemas, desde que entendamos isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marco Polo Gerard Bondim

    23/10/2020 10:55:25

    Bom comentário. É evidente que todos sabem que as redes sociais digitalizadas nada mais são do que apenas o veículo que transporta a informação, como tantos outros broadcast existentes onde milhares e até mesmo milhões de pessoas têm acesso. Se encontram no mesmo nível o spam, a fumaça, o tambor, a música, o jornal, o telégrafo, o rádio, a televisão, a revista, ... Tudo não passa de mecanismos de transporte da informação; criminalizar as redes sociais digitais é querer censurar a informação mais democrática, barata e rápida da atualidade. Coisa de **** !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alan S

    23/10/2020 8:31:00

    É possível que esteja errado, mas os romanos contavam os dias do mês que faltavam para o primeiro dia do mês seguinte (kalends). Portanto se lá diz: "XVI ante kalends Novembres", então a data seria "31 menos (16 - 1) = 16", ou seja, 16 de Outubro (calendário Gregoriano) e não 17 como diz o texto (a não ser que esteja usando o Juliano, que sim seria 17, eu creio). No Calendário romano (Juliano), Outubro tinha (como hoje), 31 dias. Na conta, o dia em questão é incluso, por isso o (-1) acima.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo

    23/10/2020 3:37:12

    Verdade. Por isso eu só leio nas redes sociais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    23/10/2020 15:06:54

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Martins Donizete

    23/10/2020 0:05:23

    Em suma: os meios de comunicação em massa (quase todos) adoram e precisam de dinheiro, portanto, desde que recebam direta ou indiretamente o vil metal a dita verdadeira informação é apenas um detalhe. Por isso, eu mineiro do interior que não tenho Facebook e coisa do gênero assino a Gazeta. Nela temos Madeleine, Guzzo, Paulo, Fiuza, Constantino entre outros bons e uns nem tanto. E, principalmente, vejo também porcarias fora e coisas boas às vezes. TV e a mídia mainstream, em regra, só desinformação e manipulação. Pensar fora da caixa hoje em dia é para poucos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcio Machado

    22/10/2020 20:52:39

    Muito bem colocado! Desde sempre a verdadeira ideologia é dinheiro e poder, o resto é diversionismo para iludir a turba. E mudam os meios mas os métodos (dividir e criar inimigos) continuam os mesmos. Excelente artigo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    L. Luz

    22/10/2020 20:48:33

    Parabéns Madeleine, talvez o seu melhor artigo do ano! =^)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    L. Luz

    22/10/2020 20:48:33

    Parabéns Madeleine, talvez o seu melhor artigo do ano! =^)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    WesFig

    22/10/2020 20:21:16

    Muito bom artigo... o Pliny (Plínio, o Moço, já que Plínio o Velho morreu no kabum, era dispensável) Excelente!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Madeleine Lacsko

      22/10/2020 20:27:26

      Verdade, não tem por que botar só ele em inglês, né? Vou corrigir!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.