i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Madeleine Lacsko

Foto de perfil de Madeleine Lacsko
Ver perfil

Reflexões sobre princípios e cidadania

Urubus de pandemia: eles querem ser Moro, mas sem brigar com o establishment

A pandemia trouxe ao Brasil as versões “mínimo esforço” da Lava Jato e do impeachment

  • Por Madeleine Lacsko
  • [06/08/2020] [09:32]
Urubus de pandemia: eles querem ser Moro, mas sem brigar com o establishment
| Foto:

O Brasil tem a cultura do salvador da pátria e, por isso, qualquer análise sobre a Operação Lava Jato precisa ser feita de forma infantilizada. Ou são nossos grandes heróis ou são grandes vilões que fizeram coisas horrorosas porque odeiam o Lula e o PT. São humanos e tudo o que é humano tem falhas, simples assim.

Com todas as falhas que a condição humana impõe a nós todos e, consequentemente, à Lava Jato, houve uma mudança de paradigma no Brasil: agora, cadeia vale também para criminoso rico e poderoso.

Não superamos a impunidade da casta revestida de dinheiro, prestígio e poder. A história do desembargador que, após 37 anos de sucessivos e graves abusos de poder, ainda continua na função apesar da exposição de um comportamento aberrante no embate com um guarda municipal é emblemática e não é fato isolado. Mudar a cultura é muito mais demorado que mudar uma lei ou conseguir quebrar um tabu, como fez a Lava Jato. Foi o começo.

Ainda que tenham falhas humanas e técnicas, mesmo que essas falhas sejam expostas e punidas, Sergio Moro e Deltan Dallagnol conseguiram junto à população brasileira um legado que não será tirado. São os rostos mais famosos da primeira ação institucional da Justiça brasileira que cobrou ricos e poderosos quase até com o mesmo rigor que o cidadão comum é cobrado.

Para a elite intelectual, econômica e cultural talvez não faça muita diferença. São pessoas que jamais foram cobradas com rigor pelo Estado e, mesmo assim, sempre tiveram como vocalizar suas insatisfações. Para a maioria da população, lava a alma essa sensação de que a lei pode valer para todos um dia. É daí que vem o legado que tornou famosos Moro e Deltan, não da avaliação sobre a correção técnica de suas condutas.

Tanto o ex-juiz quanto o procurador inspiram muitos colegas. Há os que se motivem a fazer a lei valer para todos. Infelizmente, há também os que resolveram ficar famosos fazendo operações espetaculares para a imprensa. E eles enchem os olhos de parlamentares, que gostaram muito da ideia de impeachment e transformaram em moda nacional. No meio da pandemia, temos uma casta que não olha além do próprio umbigo.

Temos agora um debate acalorado sobre a tal "quarentena" para que juízes possam se candidatar a cargos políticos, um casuísmo evidente para evitar uma carreira política de Sergio Moro. Mas é divertido ver as reações desesperadas de outros operadores do Direito que ganham fortunas dos cofres públicos para se dedicar mais a dar entrevista que a trabalhar em processo. Não tem santo nessa história.

Bem no meio da pandemia, temos um surto de operações fantásticas de busca e apreensão e prisões temporárias. Prefeituras e governos estaduais já explicaram a situação ao Ministério da Saúde e a orientação do secretário Luiz Otávio Duarte, corretíssima, foi esculachada na imprensa. Esse fato tem uma relação íntima com o aumento de operações midiáticas e do apetite por poder daqueles que hoje trilham carreiras jurídicas.

Com a pandemia, o mercado dos insumos hospitalares enlouqueceu devido ao desequilíbrio entre oferta e demanda. E, como em todas as situações que envolvem seres humanos, aparece a ganância. Há empresas fornecedoras que jogaram nas alturas preços de insumos necessários para salvar pessoas. A orientação do Ministério da Saúde, correta, é de comprar assim mesmo e mandar investigar o fornecedor: não há nada mais importante que a vida. Primeiro salvamos quem corre risco e depois cobramos quem se aproveitou da emergência.

Na prática, os funcionários públicos que tem tomado essa atitude, que é correta e no melhor interesse dos cidadãos, relataram publicamente na Câmara dos Deputados que têm sido ameaçados até de prisão pelo Ministério Público. Para o Ministério da Saúde, o Ministério Público deveria é investigar esses fornecedores. O que tem ocorrido é a investigação de apenas um lado da transação comercial, o do agente público. Não creio que seja apenas porque é mais fácil e aparece na mídia com o nome de quem investigou, deve ser por alguma razão que eu não tenho capacidade para compreender.

Por outro lado, o sucesso midiático dessas operações, que não requerem o mesmo esforço de trabalho da Lava Jato nem deram resultado prático, acendem a luz da vaidade de parlamentares de todo o Brasil. Por que não tentar uma versão mínimo esforço do impeachment? Estão tentando.

Durante uma pandemia sem precedentes na história e em pleno ano eleitoral virou moda pedir impeachment de governador. Claro que é por desvios mesmo e que os deputados estaduais, probos e imaculados, examinaram as contas com lupa. Jamais seria interesse eleitoral e arreglo. Chegamos ao ponto de ter pedido de impeachment do prefeito de Porto Alegre, candidato à reeleição, no meio do processo eleitoral. Evidente que é por questão técnica, os vereadores jamais se aproveitariam politicamente disso.

Um povo marcado pela chaga da corrupção tende a apoiar cegamente quem luta para combatê-la e, infelizmente, cai no erro de apoiar cegamente lobos em pele de cordeiro. Na casta dos privilegiados do funcionalismo público tem muita gente que aprendeu a usar a máquina estatal para se promover, com conivência da imprensa.

No meio da pandemia, com risco de desabastecimento de insumos e os preços totalmente desregulados no mercado internacional, é simplesmente impossível alguém ter uma conclusão definitiva sobre a licitude de uma compra pública. Legislativo e Ministério Público poderiam ajudar muito com apoio técnico para desenrolar este imbroglio e, em parceria, atender com mais qualidade e rapidez a população. Aliás, é função deles. Não creio que estejam fazendo o oposto porque não dá mídia nem promove pessoas, deve ser por falta de costume.

Temos cidades vivendo situações dramáticas em que faltam anestésicos usados para intubar doentes na UTI. O que explica exigir que os funcionários responsáveis por viabilizar essas compras gastem o expediente respondendo, neste momento de pandemia, questionamentos sobre outras compras?

Não creio que servidores que iniciam a carreira com salário de R$ 30 mil, 2 meses de férias e penduricalhos sejam ignorantes. Nenhum deles realmente acredita que é possível, neste momento, apurar com segurança a licitude de uma compra de insumo hospitalar acima do preço. Nenhum deles realmente pode acreditar que seja razoável gastar o expediente dos funcionários responsáveis por abastecimento de insumos hospitalares com outra coisa que não atender os hospitais. Por que fazem? Porque podem e, pior ainda, são aplaudidos.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Ricardo Amaral

    ± 3 dias

    Texto excepcional. Tem de ser emoldurado e guardado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Araújo

    ± 3 dias

    Parabéns garota. Excelente matéria!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Niva Alice de Oliveira Barbosa Guedes

    ± 4 dias

    Excelente análise!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Claudia Aguiar de Siqueira

    ± 5 dias

    Pra azar da urubuzada, Madeleine, os cidadãos, incluídos os mais simples, têm alguma noção, e conseguem, em muitos casos, separar o joio do trigo. Afinal, a prática leva à perfeição!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Simone Barbosa

    ± 6 dias

    Tragam o paninho de ouro para Madeleine, mereceu! Pois se esforçou muito para tentar limpar a barra do PSDB e demais governadores corruptos que estão roubando dinheiro da saúde no meio de uma pandemia! Quanta hipocrisia! Não há nenhum inocente nestas últimas operações da Lava Jato!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Santos

    ± 6 dias

    Sem prisão em segunda instância não haveria Lava Jato! o STF voltou tudo como era antes, ou seja Impunidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Weslley Banhado

    ± 6 dias

    Excelente reflexão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    mup

    ± 7 dias

    Ainda espero o dia em que um jornalista mais detalhistas faça um levantamento sobre os processos (todos) e julgamentos realizados pela força - tarefa da Lava Jato e as sentenças aplicadas a todos que foram envolvidos no Mensalação e no Petrolão.Este levantamento irá indicar quantas sentenças foram mantidas em instância superior, quantas foram revistas para aumentar o não as sentenças da 1ª Instância. Agora e mais importante. QUANTOS FORAM OS PROCESSOS QUE CHEGARAM AO STF E FORAM JULGADOS. Assim, entenderemos a nossa "cultura" judicial.....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bellese

    ± 7 dias

    Cara Madeleine, como você bem disse; vamos demorar muito tempo para mudar nossa cultura. A Lava Jato despertou no povo o sentimento que podemos ser mais justos mesmo com as falhas que ocorreram durante todo o percurso. O legado é esse mesmo, que podemos fazer cumprir a lei para todos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    ELMOR

    ± 7 dias

    Quer apostar quanto que os Togados vão considerar Moro suspeito e anular as acusações de Lula. Então Lula pra presidente em 2022. É pura bucha.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo

    ± 7 dias

    Texto cheio de generalizações e o ressentimento que é próprio da autora, sem apresentar nenhum fato concreto para análise. Apenas engrossa a campanha de desmoralização das carreiras públicas jurídicas (que interessa a corruptos e malfeitores em geral). Fala no péssimo exemplo do "desembargador da máscara" para equipará-lo a todos os demais. E depois em salário. Apenas não analisa o que seria o propósito do texto: a atuação dos agentes criticados. Que bom que existem os "urubus" do Ministério Público para fiscalizar e, se for o caso, responsabilizar nos termos da lei os verdadeiros abutres da pandemia, que se valem de dispensas de licitação para superfaturamento e direcionamento de licitações

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      Ricardo Amaral

      ± 3 dias

      As carreiras jurídicas se desmoralizam sozinhas. Estão aparecendo muito agora e até tentando estabelecer uma ditadura jurídica no Brasil, com o STF como politburo, o que seria o fim deste país, porque a maioria não passa de um bando de pavões vaidosos (na iniciativa privada) ou de sanguessugas de dinheiro público (na esfera estatal). Só quem teve de lidar com advogado sabe o que passa.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    maria saman Diogenes pinheiro

    ± 7 dias

    Parabéns pela análise desses fatos. Vc é muito perspicaz e intuitiva.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Arthur

    ± 7 dias

    A propósito, o tal desembargador foi visto na rua e estava, novamente, sem máscara. "Olha aí, eu sou o tal, o bonzão, e faço o que me dá na telha..." Com mil e um privilégios pagos pelo dinheiro dos contribuintes, de gente como o guarda que ele escrachou. O que comprova que tem muito servidor público neste país que não serve ninguém, mas acha que deve ser servido, e que sem uma dose de "intolerância" em determinadas situações e uma punição que "doa", que pune efetivamente, o risco desse país dar certo é ZERO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.