i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Mauro Cezar Pereira

Foto de perfil de Mauro Cezar Pereira
Ver perfil
Análise

Bastidores: Petraglia revela ameaças ao Athletico na final da Libertadores 2005

  • Por Mauro Cezar Pereira
  • [04/07/2020] [11:43]
Bastidores: Petraglia revela ameaças ao Athletico na final da Libertadores 2005
| Foto: Pedro Serápio/Arquivo/Gazeta do Povo

O conteúdo abaixo foi publicado em 24/9 de 2018 na coluna do Mauro Cezar. Está sendo republicado por ocasião dos 15 anos da decisão entre Athletico e São Paulo pela Libertadores de 2005.

“A partida não será na Arena. O estádio do Athletico não tem condições de receber 40 mil pessoas e não adianta fazer mais nada porque a posição da Confederação é definitiva”. A frase do diretor de comunicações da Conmebol, Nestor Benítez, em junho de 2005, praticamente sentenciou a derrota do Furacão na final da Libertadores daquele ano.

O estádio rubro-negro, então apto a receber 24 mil torcedores, recebeu obra relâmpago com a instalação de arquibancadas provisórias que elevariam a capacidade em 16 mil lugares. O Santo André, por sinal, havia utilizado estrutura do gênero na fase de grupos no Estádio Bruno José Daniel. Mas todo o esforço atleticano foi em vão.

“Um clube emergente como o nosso, de repente começa a aparecer e em poucos anos tinha seu Centro de Treinamentos, seu estádio… Foi campeão brasileiro em 2001, quase bi em 2004 e finalista da Copa Libertadores em 2005. Isso assustou muito o establishment“, disse à coluna o presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, Mario Celso Petraglia.

Assim, a primeira partida decisiva diante do São Paulo aconteceu em Porto Alegre, no neutro Beira-Rio, a 750 quilômetros da capital do Paraná. Longe do seu caldeirão, o Athletico não foi além de um empate (1 a 1). Sem a vantagem que esperava adquirir na Arena, na volta o time rubro-negro levou um gol aos 16 minutos no Morumbi e terminou goleado por 4 a 0.

“O Leoz (Nicolás, então presidente da Conmebol) tinha envolvimento muito forte com o São Paulo Futebol Clube, com o Marco Polo Del Nero (era presidente da Federação Paulista), ele estudou engenharia em São Paulo e tinha essa ligação. A LG era promotora da Conmebol e do São Paulo”, relata Petraglia.

“Temos até hoje todas as comprovações legais e atestados exigidos por Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, todos os órgãos competentes, comprovando que nossa capacidade era de 40 mil lugares. Foi uma canetada absurda que impediu que o Athletico jogasse a final em seu estádio”, protesta.

O gosto amargo na boca de cada atleticano persiste. Era a sensação de que, diante de um oponente mais forte e influente, perdera a chance de igualar o duelo fazendo a diferença em casa, como ocorria desde o Brasileiro conquistado em 2001. Os são-paulinos, por sinal, só venceram na Arena pela primeira vez em 2018.

“Claro que se fosse o Palmeiras ou o Vasco da Gama, que tiveram finais da Libertadores jogando em seus estádios… o Palmeiras jogou a final no Parque Antártica! Não tenho dúvida de que não fariam a canetada“, afirma o dirigente do Furacão.

Bastidores pesam no futebol. Na época, o São Paulo não queria jogar no estádio atleticano, apoiado no tolo item do regulamento que exigia 40 mil lugares, quando a Arena tinha totais condições de receber a partida. Era, então, um dos mais modernos palcos do país. Força política, capacidade de articulação e influência pesam nessas horas.

“Nosso pessoal esteve na sede da Conmebol, foi falar com o secretário-geral porque o Leoz sumiu, desapareceu; e por falta de argumentos, ele, num cinismo absurdo, desonesto, disse: ‘resoluciones superiores’. E nos ameaçou, dizendo que se o Atlético não fosse jogar no Beira-Rio seria suspenso, rebaixado e perderia o registro de todos seus atletas”, relata Mario Celso Petraglia.

Siga o diário da final entre Athletico e São Paulo em 2005!

Especial: O ano em que o Athletico descobriu a América; clique!

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    ROGERIO SOARES CARVALHO

    ± 4 dias

    Parece piada. Chorar de coisas acontecidas 15 anos atrás. Ou é falta de assunto mesmo?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]