i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Mauro Cezar Pereira

Foto de perfil de Mauro Cezar Pereira
Ver perfil
Opinião

O Flamengo e o coronavírus

  • PorMauro Cezar Pereira
  • 18/03/2020 21:25
Reunião da FERJ que definiu pela paralisação do Carioca.
Reunião da FERJ que definiu pela paralisação do Carioca.| Foto: Ursula Ney, Agência Ferj

Segunda-feira aconteceu a reunião na Federação de Futebol do Rio de Janeiro (FFERJ) que definiu pela interrupção do Campeonato Carioca. Pessoas que participaram e a acompanharam afirmam que o Flamengo defendeu a sequência do certame mesmo com a pandemia de coronavírus chegando ao Brasil. Não foi a única agremiação no estado, nem no país, mas com repercussão bem maior.

>>Tempo real: acompanhe as consequências do coronavírus no esporte

Mas o que explica a diferença nas reações de imprensa e torcedores na comparação com outros clubes que tiveram postura parecida? Vamos lá!

1- O Flamengo foi o primeiro clube de futebol do país a ter detectada com a doença uma pessoa que esteve na delegação com os atletas, dirigentes e demais profissionais: o vice-presidente Mauricio Gomes de Mattos, que voltava da Espanha, ao se reunir com o grupo na Colômbia, onde o campeão da Libertadores derrotou o Junior de Barranquilla em 4 de março. Ele, inclusive, viajou por mais de seis horas no mesmo avião da delegação no retorno ao Rio de Janeiro.

Mauricio Gomes de Mattos. Foto: Divulgação, Flamengo
Mauricio Gomes de Mattos. Foto: Divulgação, Flamengo

2- Por isso, na sexta-feira passada material para exames foi colhido em dezenas de jogadores, funcionários e dirigentes. Os resultados inicialmente sairiam no domingo.

Todas as colunas do Mauro Cezar Pereira; acesse!

3- Mesmo assim o jogo de sábado, com a Portuguesa, foi disputado. Em momento algum o Flamengo se mostrou contrário à sua realização, mesmo com a forte suspeita de que algum atleta poderia ter contraído a doença após contatos com o dirigente que tem o coronavírus.

4- Obviamente, ante a desconfiança de que jogadores rubro-negros poderiam estar com o vírus, pelo inevitável contato físico de uma partida de futebol, os da Portuguesa e do próprio Flamengo foram a campo expostos. Como achar isso certo?

5- Depois de não se manifestarem contra o jogo de sábado, os dirigentes do Flamengo teriam defendido, inicialmente, na Federação, a realização de mais jogos da Taça Rio, 2° turno do Estadual. Na reunião, o presidente da FFERJ, Rubens Lopes, abriu os trabalhos, depois um infectologista explicou os riscos do coronavírus e em seguida os rubro-negros tiveram a palavra.

>> Coronavírus e calendário: uma proposta para o futebol enfrentar a crise

6- Importante: até aquele momento, na manhã de segunda-feira, os resultados dos exames não haviam saído, ou seja, ninguém sabia, ainda, se algum atleta contraíra a doença.

7- Logo depois surgiu o resultado inicial do exame de Jorge Jesus: positivo! O técnico fez um segundo que foi “inconclusivo” e o resultado de um terceiro teste, que saiu na noite desta quarta-feira, foi negativo.

Técnico Jorge Jesus. Foto: Divulgação, Flamengo
Técnico Jorge Jesus. Foto: Divulgação, Flamengo

Como é possível, nesse contexto, alguém achar pouco relevante o Flamengo simplesmente cogitar a realização de mais jogos? Os atletas, rubro-negros e adversários, poderiam ficar expostos ao vírus? Isso seria admissível? Com tudo o que está se passando na Itália, por exemplo? Com tudo o que já ocorreu no próprio Flamengo, com uma pessoa contaminada e outra, até então, aguardando a confirmação de novo exame?

O clube posteriormente publicou nas redes sociais que “apoia a decisão unânime de paralisação do Campeonato Estadual por 15 dias”, mas no texto não nega, nem confirma, que inicialmente tenha defendido a disputa de mais partidas. Se o Vasco, que logo saiu da reunião e deixou seu voto com os times pequenos; e outros clubes também defenderam a sequência de campeonatos no Rio e em outros estados, isso é, evidentemente absurdo. Mas nesse contexto, o caso rubro-negro é pior.

É fácil entender por que o Flamengo foi o mais criticado. Ora, tendo um dirigente que esteve junto ao elenco com a doença e aguardando o resultado dos exames de todos os jogadores e demais integrantes do departamento de futebol, a única posição razoável que os representantes flamenguistas poderiam levar à reunião seria de paralisar imediatamente o certame para preservar a saúde de todos. Afinal, até aquele momento era o clube do futebol brasileiro mais próximo do coronavírus.

Na Itália e Espanha o início da pandemia não foi levado a sério como deveria. O resultado é o caos instalado, com a população enclausurada. Se o River Plate, rival do Flamengo na final da Libertadores, sábado se negou a enfrentar o Atlético Tucumán sem ter pessoas infectadas entre os seus dirigentes, atletas e demais profissionais, o mínimo que se poderia esperar do campeão sul-americano era agir da mesma maneira.

Há quem negue que o clube defendeu a sequência do Estadual. Mas não há como negar que, no mesmo dia, contra a Portuguesa, nada foi feito pelo adiamento do jogo. Mesmo com o fantasma do coronavírus pairando sobre todos os que foram a campo.

Leia Também:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.