Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Médicos  fazem diagnóstico com auxílio de IA: mais produtividade, menos erros.
Médicos fazem diagnóstico com auxílio de IA: mais produtividade, menos erros.| Foto: Reprodução/Xinhua

Entre os mais de 190 países castigados pela Covid-19, nenhum teve uma tarefa tão difícil de contornar quanto a China. Primeiro, pelo gigantismo de sua população, a maior do mundo. Segundo, pelo fato de o país ser o primeiro foco de eclosão do vírus. Enquanto outras nações tiveram tempo para observar a epidemia e se preparar para ela, na China, tudo precisou ser pesquisado, descoberto, tratado e enfrentado pela primeiríssima vez.

Apesar disso, os danos causados ao país são relativamente pequenos quando comparados à tragédia que se abateu sobre Itália, Espanha e Estados Unidos, por exemplo. Com todo o dinheiro, tecnologia, poder e tempo de vantagem para se preparar, o país mais rico do mundo contabiliza mais de 800 mil casos, números quase dez vezes piores que os da China.

Sabemos que os números de casos confirmados são controversos, pois dependem das estratégias de testagem, bem como há muita teoria conspiratória a respeito de subnotificações de um lado ou de outro.  Tomemos, então, o número de mortes como referência. Na China, mesmo após revisão dos dados, com supervisão da Organização Mundial de Saúde, conta-se 4,6 mil óbitos por Covid. Nos Estados Unidos, 44 mil, na Itália, 24 mil e outros 22 mil na Espanha.

O que explica tamanha diferença? Um aspecto que não pode ser menosprezado é o sentimento coletivista dos chineses. O grau de obediência ao isolamento social, o uso de máscaras e a preocupação de cada indivíduo em proteger a comunidade foi comparativamente maior que nos países Ocidentais acima citados. Mas a tese do “bom comportamento” não explica tudo.

O elevado grau de desenvolvimento tecnológico do país foi o fiel da balança, impedindo que 80 mil casos se tornassem 800 mil ou que 4 mil mortos fossem, na verdade, 40 mil.  Se não, vejamos. Os principais polos fabris de reagentes para exames de testagem, fabricação de respiradores, removedores de secreção e equipamentos de proteção individual, como máscaras, óculos e uniformes médicos ficam na China.

Mais do que isso, esta é a única sociedade cashless do mundo, onde rigorosamente qualquer compra pode ser feita por mobile payment. A característica de pagamento digital permitiu, por exemplo, viabilizar uma centena de novos modelos de negócios digitais, assegurando transações financeiras digitais e sem contato. Na prática, isso significa menos pressão para uma parte da sociedade arriscar-se saindo às ruas, em busca de sustento

A infraestrutura digital dos gigantes BAT (Baidu, Alibaba e Tencent), que abriram seus serviços de nuvem sem cobrar por isso, viabilizou a melhoria da logística e do negócios em meio a quarentena. O país já possuía, igualmente, amplo serviço de telemedicina, conhecido por meio de marcas como WeDoctor e PingAn Good Doctor. Este recurso, já disseminado, colaborou para que problemas menores fossem solucionados online, sem sobrecarregar (ainda mais) o sistema de saúde.

Inovações como o uso de veículos autônomos para delivery de compras de supermercado, a liberação de drones para entregar remédios e o uso de carros robóticos para fazer a desinfecção de ruas, consultórios e áreas públicas limitou drasticamente a exposição de funcionários humanos à contaminação. Até comida e cafés foram preparados por robôs – e entregues por eles – nos hospitais de Wuhan.

Corporações como Alibaba e Tencent foram capazes de criar ferramentas de diagnósticos por imagem feitas por algoritmos e cruzar dados de geolocalização de quem testou positivo para identificar outros potenciais contaminados e tirá-los de circulação.

Há quem conteste os resultados superiores obtidos pela China no combate à Covid-19, atribuindo-os à restrição da liberdade individual ou mesmo à ocultação de casos fatais. É uma explicação.

Outra é admitir que o país que investe 2% de seu PIB em inovação há décadas e que mais registra patentes de novas tecnologias, além de ser mais organizado e disciplinado em uma situação de stress epidêmico e de possuir recursos de inteligência artificial, machine learning, drones e robôs mais avançados que o resto do mundo.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]