Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Jipe Bar
Moela escura. A moela cozida lentamente no vinho tinto, destaque entre os pratos fora do cardápio do Jipe Bar.| Foto: Anacreon de Téos

Quando foi convidado para fazer um evento no Jeep Club de Curitiba, o chef e sommelier Maurício Fontana jamais imaginou que o futuro seria bem mais do que apenas aquilo.

Era uma caranguejada, nos últimos dias permitidos, fim do ano passado. E o sucesso foi tamanho, que acabou sendo convidado para fazer mais alguns eventos nas próximas semanas.

Até que veio o contato final: e por que não assumir de vez o espaço do restaurante do clube, que estava sem uso havia um bom tempo.

Contaminado pelo bom astral do local, Fontana encampou a ideia. Desfez a sociedade que tinha no Mas Será o Benedito? – gastrobar – e entrou de corpo e alma no novo empreendimento. Desta vez, sozinho, sem sócios, apenas com o apoio sempre presente de Edna, sua fiel companheira de tantas passagens nos últimos tempos.

Ligações familiares

Jipe Bar
Maurício Fontana em sua casa nova, o Jipe Bar, local de tantas coincidências com a história de sua família. | Anacreon de Téos

Aí, quando já estava se instalando, no início deste ano, tomou conhecimento de uma incrível coincidência. Conversando com sua irmã mais velha, ficou sabendo que sua avó Catarina, que foi governanta na tradicional família Leão, foi morar exatamente ali, quando deixou a função naquela casa e preencheu uma vaga na cozinha da Sociedade Rio Branquinho, que era naquele local.

Como não tinha onde morar, depois de tanto tempo naquela casa de família, aceitou a sugestão de ocupar um quarto com banheiro em seu próprio local de trabalho. Com ela, a filha Maria Lori, mãe de Maurício.

Mas as coincidências não param por aí. Como morava lá, Maria passava praticamente o dia por ali, pelo clube, quando não estava na escola. Foi onde conheceu Renato Antonio e, dali uns tempos, começaram a namorar.

Daí, noivado e marcação do casamento. Em que local? Ora, na Sociedade Rio Branquinho, onde agora Maurício Fontana, tal qual avó e mãe, se encontra praticamente todo dia.

O cardápio

Jipe Bar
Torresmo de rolo, especialidade da casa. | divulgação/Jipe Bar

Fontana é um cozinheiro de mão cheia. Que o diga o sucesso do gastrobar Gordo & Magro, aberto em sociedade com o magro amigo Marcos Teixeira há oito anos (registrei aqui) e que segue no pique nos dias de hoje. Um bar que chama a atenção pela comida e pelos petiscos especiais, personalizados.

A proposta é a mesma do Jipe Bar, o nome do empreendimento estabelecido na sede do Jeep Club. Jipe e não Jeep, tendo como símbolo o Jip, aquele cão meio mágico, de outra dimensão, das historietas do marinheiro Popeye.

Espaçoso, com dois salões e uma churrasqueira externa, é local até apropriado para grandes eventos - o que, aliás, pode ser encomendado por clientes interessados.

Para beber, chopes IPA e Pilsen, três marcas de cervejas comerciais e vários drinques, como Caipirinha, Cuba Libre, Gin Tônica, Negroni e destilados puros, feito cachaça, uísque e Jack Daniel’s.

Jipe Bar
Bolinho de mandioca com carne seca. | Anacreon de Téos

Para comer, cheese burger, cheese bacon, pão com pernil, pão com posta, pão com bolinho e mais petiscos de boteco, como calabresa acebolada, batata frita, mandioca frita, frango frito, cebola empanada, peixe empanado e peixe com batata.

E aí é possível separar algumas especialidades, marcas registradas de Maurício Fontana. A começar pelo Torresmo (R$ 35), que tem toda uma manha para ser feito: é assado em rolo, lentamente, resfriado, posicionado, congelado e frito na hora. Impossível resistir ao “crunch” que faz a cada mordida.

Dos bolinhos, provei o de Bolinho de mandioca com carne seca (R$ 29) e é muito saboroso. Massa e recheio um tanto úmidos, se amalgamando no paladar.

Há outras opções de bolinhos, como de parmesão, de barreado e de bacalhau. E o Dadinho de tapioca com queijo coalho (R$ 35, 400g), hoje presença obrigatória praticamente em todos os bares e botecos com ênfase na gastronomia.

Sabores extras

Jipe Bar
Escondidinho de pinhão, prato de outono e inverno no Jipe Bar. | divulgação/Jipe Bar

Só esse menu já seria suficiente para deixar qualquer um satisfeito. Mas sempre é bom perguntar por mais. Tenho esse costume, em bar ou restaurante: sempre pergunto se tem algum prato ou petisco que não conste do cardápio. E sempre tem.

No Jipe Bar, por exemplo, é possível encontrar, agora no frio, um prato chamado Moela escura (R$ 22) que é divino. E moela não se encontra em qualquer lugar. Já tinha feito sucesso nos primeiros tempos do Gordo & Magro e é escura por ser cozida no vinho tinto. Imagine aquilo super macio, desmanchando na boca, servido com torradinhas.

Também fora do cardápio, nessa época do ano, é possível pedir alguns caldos, como de feijão, de mocotó e Caldo verde, além de Escondidinho de pinhão e Escondidinho de carne desfiada.

Ou seja: seleção de boa comida é o que não falta. Com o alto astral de Maurício Fontana, então, tudo fica perfeito.

O gastrobar também tem delivery, via iFood, e entrega para viagem (take away) nos pedidos diretos pelo telefone da casa.

Funciona de quarta a sábado, das 17h às 23h.

Serviço:
Jipe Bar
No Jeep Club de Curitiba - Rua Secondo Tedeschi, 36 – Ahú.
Fone: (41) 99154-7589

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato com o blog:
Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/
Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos
E-mail: a-teos@uol.com.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]