Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Combinado de pastas, um dos favoritos dos clientes, custa R$ 33,90 e tem quibe cru, pastas de grão-de-bico (homus), berinjela (babaganoush) e coalhada seca, pão sírio e salada.
Combinado de pastas, um dos favoritos dos clientes, custa R$ 33,90 e tem quibe cru, pastas de grão-de-bico (homus), berinjela (babaganoush) e coalhada seca, pão sírio e salada.| Foto: Anacreon de Téos

“Sejam bem-vindos, sejam bem-vindos...” – é o que ela diz a todo instante, saudando as pessoas em volta, enquanto, do seu redor vêm aqueles incríveis perfumes de uma comida bem feita e saborosa.

Ela é Kanadi Kannan, uma libanesa de 46 anos, que chegou por aqui para escapar da guerra e da tortura que era conseguir viver – e sobreviver – em seu país. Sejam bem-vindos, em árabe, é “Ahlam Sahlam”, que é justamente o nome de seu pequeno restaurante, quase escondido, ali na Praça 19 de Dezembro.

Descobri por acaso, descendo a pé pela rua Paula Gomes em direção à rua Riachuelo, em busca de um móvel naquelas tantas lojas ali existentes. E só encontrei aquela portinha por estar a pé, pois de carro é impossível, pelo fato de estar escondida atrás de um ponto de ônibus.

Ahlam Sahlam, a pequena porta escondida no centro, onde há joias da comida árabe.
Ahlam Sahlam, a pequena porta escondida no centro, onde há joias da comida árabe. | foto: Zulmea M.R. Teixeira

Ia passando e então vi a portinha e uma placa: Comida árabe e brasileira. Era quase meio dia, mas não teria tempo de almoçar. Mesmo assim, hipnotizado pelo aroma, entrei para saber o que era exatamente aquilo. “Seja bem-vindo...” – de pronto Kanadi me acolheu, atrás de um balcão cheio de esfihas lindas.

Pegue uma – me disse. Não, obrigado, quis explicar que tinha passado ali por acaso e que não teria tempo de almoçar. Mas insistiu, tirou do balcão e me ofereceu.

A Esfiha aberta de carne do Ahlam Sahlam. Tempero perfeito e a massa, de macia, se desmancha na boca.
A Esfiha aberta de carne do Ahlam Sahlam. Tempero perfeito e a massa, de macia, se desmancha na boca. | Foto: Anacreon de Téos

Não resisti, estava divina! E já prometi a mim mesmo que no dia seguinte – um sábado – iria lá almoçar. Fiquei só mais um pouquinho conversando, o tempo suficiente para perceber que ela também faz e tem os pratos do dia, prato feito, com arroz, feijão, salada e batata frita fixos e uma escolha de proteína entre frango (fica a R$ 14,90) e o bife (R$ 15,90). E as pessoas que trabalham na redondeza almoçam ali. Ou escolhem hambúrgueres, alguns daqueles mais tradicionais, com preços entre R$ 7,90 e R$ 13,90.

O melhor da comida árabe

Mas o que encanta mesmo é a variedade de comida árabe. Libanesa, para ser mais específico. Pude comprovar no dia seguinte – claro que fui!

Conforme desejar, o cliente pode ficar só nos petiscos e sanduíches, com três opções de Shawarma (carne, frango e misto), mais X-Tawouk, Fajita, Kafta grelhada e Falafel, tudo variando entre R$ 15 e R$ 17, muito baratos.

O Quibe frito do Ahlam Sahlam.
O Quibe frito do Ahlam Sahlam. | Fotos: Anacreon de Téos

Entre os salgados estão as Esfihas (abertas ou fechadas), de carne, queijo ou verduras, a incríveis R$ 6 cada; e os Quibes fritos, recheados com carne moída (R$ 6,50).

Para uma refeição, o restaurante sugere dois tipos de saladas, o Tabule (tomate, cebola, trigo e temperos, a R$ 18,90) e o Fatouch (tomate, pepino, alface, repolho, rabanete, pimentão e pão frito com temperos, a R$ 19,90).

Para algo mais completo, há dois tipos de combinados. O Combinado de pastas custa R$ 33,90 e tem quibe cru, pastas de grão-de-bico (homus), berinjela (babaganoush) e coalhada seca, pão sírio e salada. Já o Combinado quente, R$ 33,90, tem arroz com lentilha, charuto de repolho, quibe frito e esfiha. Aos que pretendem focar mais nas carnes, o Kafta X-Tawouk traz dois espetinhos de X-tawouk e dois espetinhos de kafta, mais batata frita e salada. Isso a R$ 34,90.

Alguns itens do cardápio também podem ser encaminhados por delivery (via aplicativos) ou take away, ao preço de R$ 85 o quilo.

A guerreira

Kanadi Kannan já tinha morado no Brasil. Tanto que suas duas filhas, Samaher e Yasmin, são brasileiras. Ela voltou para o Líbano quando ambas eram crianças, mas teve de sair de lá em 2006, quando o país se transformou num caos.

Foi em 2018 que decidiu abrir o pequeno e acolhedor Ahlam Sahlam, de onde tira toda a receita para custear a faculdade das meninas. Uma faz direito e a outra cursa fisioterapia. E, nas horas possíveis, estão sempre com a mãe, tanto no local, que funciona durante a semana das 11h às 20h, quanto aos domingos, na barraca que têm na feirinha do Lago da Ordem.

Na maior parte do dia, então, Kanadi está sozinha. Cozinhando, atendendo, servindo (são sete pequenas mesas mais o balcão), recebendo pedidos por telefone e organizando o delivery. Em momentos de maior movimento é correria pura, mas ela, guerreira incansável, agradecida pelo retorno que tudo aquilo lhe proporciona, só fica a repetir aos seus clientes: Sejam bem-vindos, sejam bem-vindos...

Kanadi Kannan, uma libanesa vencedora, que traz sabores inesquecíveis de seu país para os clientes do Ahlam Sahlam.
Kanadi Kannan, uma libanesa vencedora, que traz sabores inesquecíveis de seu país para os clientes do Ahlam Sahlam. | Foto: Anacreon de Téos

Ahlam Sahlam

Rua Paula Gomes, 21 - Centro

Fone: (41) 30690051

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato com o blog:

Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/

Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos

E-mail: a-teos@uol.com.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]