i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paraná S.A

Foto de perfil de Paraná S.A
Ver perfil
Fiep

Empresas mudam ramo de atuação para fornecer itens emergenciais ao estado

  • 08/04/2020 20:54
João Arthur Mohr , gerente de assuntos estratégicos da Fiep
João Arthur Mohr , gerente de assuntos estratégicos da Fiep| Foto: Gelson Bampi/Fiep

Milhares de empresas paranaenses abandonaram suas produções costumeiras de roupas, bonés e até itens automotivos para uma corrida contra a tempo em busca de fornecer ao estado até 7 milhões de máscaras, aventais cirúrgicos e outros equipamentos de proteção. O esforço coletivo está sendo capitaneado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), que faz uma articulação entre o governo e os empresários, além de fornecer a base técnica para que as linhas de produção possam rodar.

A demanda, explica João Arthur Mohr, gerente de Assuntos Estratégicos da Fiep, partiu do próprio governo estadual como uma solução para a escassez de produtos usados no combate à pandemia de coronavírus. Ao convocar empresas de diversos segmentos, Fiep e governo pretendem suprir as necessidades da saúde pública paranaense, além de fazer girar – ao menos uma parte – da economia do estado. Está dando certo.

Somente no ramo das confecções, 5 mil empresas trocaram o inevitável ostracismo das fábricas neste período de distanciamento e isolamento, por máquinas rodando em prol da sociedade. De quebra, garantiram ocupação para mais de 80 mil funcionários, destaca Mohr, em entrevista à Gazeta do Povo. Uma situação que vai suavizar os duros dias de crise.

Como está sendo esse trabalho de colocar empresas de outros ramos para produzir máscaras e aventais, por exemplo?
Mohr: Estamos mobilizando [as empresas] através da Fiep, tentando transformar todas estas indústrias que estão hoje [trabalhando com] produtos não essenciais, fazendo com que elas produzam itens ligados à saúde, ligados à Medicina. Dividimos a indústria do Paraná em três grupos. O primeiro grupo é o dos alimentos, medicamentos, saúde e higiene. Essa está tocando direto. Os funcionários estão saindo de casa todos os dias para trabalhar. O segundo é o dos produtos não essenciais e que hoje não têm mercado, como os de linha branca, móveis, automóveis. O mercado não está aberto e eles não têm nem onde estocar os produtos. Essas estão, a maioria, em férias coletivas. Mas existe ainda um nicho muito grande que nós temos no Paraná, e é considerado não essencial, é a parte de roupas. Que está se reinventando.

Como está a adesão a essa reinvenção?
Juntamos todo o pessoal. São cerca de 5 mil indústrias de várias regiões. Isso dá 80 mil pessoas trabalhando. A maioria delas ficaria em casa ou perderia o emprego. Estipulamos com eles normas técnicas de trabalho para que passassem a produzir produtos hospitalares. São máscaras e aventais cirúrgicos. Eles são feitos com tecidos especiais. Têm que seguir normas da ABNT, da Anvisa. Hoje, por exemplo, nós estivemos com empresários de Apucarana, conhecida por ser a capital do boné. Mais de 80 empresas da cidade estão migrando da confecção de bonés e camisetas para máscaras. Vão produzir 50 mil, 60 mil máscaras por dia. Tem uma grande empresa de camisas masculinas de Cianorte que vai começar a produzir também. Vão entregar quase 800 mil máscaras por semana. Esse produto antes vinha só da China. Recentemente dois aviões que viriam para o Paraná foram barrados nos Estados Unidos.

Qual é a demanda a ser atendida e para onde vão esses materiais?
A demanda só para a área de saúde do Paraná é de 7 milhões para os próximos 60 dias. Temos que prover hospitais, clínicas, ambulatórios, equipes de enfermagem, médicos. São máscaras descartáveis. O tempo de uso delas é de quatro horas. São máscaras com índices de retenção bacteriológica altos. Estamos priorizando o Paraná. É uma conversa direta com o governo, com a Secretaria de Saúde. Mas também já temos pedidos das 103 Santas Casas no Paraná, pedidos do sistema prisional no nível federal –  para não ter nenhum tipo de contágio nas penitenciárias.

Somente a indústria da confecção foi “convocada”?
Há diversos outros setores. Tem uma indústria que fabricava tintas em aerossol, para grafite, na região [de Curitiba]. Eles pararam de produzir esse produto e começaram a envasar álcool 70% em aerossol. Você pode borrifar e ele dá a higienização necessária. A Volvo e a Renault colocaram os engenheiros, junto com a equipe do Senai, para fazer a reparação de respiradores artificiais que estavam parados. A Princesa dos Campos [empresa de ônibus] está fazendo a logística disso [de trazer respiradores de outros locais para Curitiba]. Ainda no começo da semana estávamos com 12 [equipamentos prontos]. Outra empresa, do setor metalomecânico, de Marechal Cândido Rondon, está desenvolvendo respiradores novos. Há cachaçarias fazendo álcool em gel. Empresas que produziam cerveja e refrigerantes estão usando seus tanques para produzir álcool também. Há, além disso, o setor de macas. Não é uma reinvenção nesse caso, mas eles estão aumentando a produtividade.

O papel da Fiep é de articulação entre governo e empresas?
O papel da Fiep é de articulação e de fornecer base técnica. O governo [estadual] nos procurou. Pediu uma ajuda há uns 15, 20 dias. Disse que estava tendo um grande problema com máscaras e que isso iria piorar. O Executivo não conseguia comprar ou trazer esses itens. Nós ficamos muito dependentes da China em vários desses produtos.

Há alguma chances de essas empresas passarem a ser fornecedores constantes desses produtos, já que somos dependentes da indústria chinesa?
Isso vai ser uma grande oportunidade para a indústria do Brasil. Nos produtos essenciais, deveríamos ter uma fabricação de pelo menos 50%. Máscara é um produto muito simples de fazer. Isso não acontece [fabricação aqui] pelo problema de preço. A China tem questões tributárias, subsídios de impostos e mão de obra que barateiam seus custos. Em uma licitação internacional, não conseguimos competir. Já conversamos com o Exército brasileiro, com a Defesa, para que no mínimo 50% deste tipo de material seja comprado por aqui. Após a crise, vai haver uma “desglobalização” da produção mundial. E isso tem que ser pensado pelas autoridades. Produto estratégico tem que ter uma fabricação nacional. Pega as indústrias que produzem leitos hospitalares. É muito mais fácil chegar nelas e falar: ‘vamos abrir um segundo turno’. A tecnologia já é dominada. É mais difícil com uma empresa que precisa mudar. Com a questão da máscara, por exemplo. Você está transformando uma empresa que produz bonés em fabricante desse item. Precisa adequá-la às normas da ABNT, à capacitação técnica...

Essa produção ficará vigente por apenas 60 dias, o prazo inicialmente estipulado pelo governo?
Pode ser ampliada. O estado deve manter seus estoques altos. O consumo de máscara era cinco vezes menor do que o atual antes da pandemia. Pelas novas orientações dos órgãos de saúde mundiais, até mesmo as pessoas que não trabalham com saúde precisam de máscaras [caseiras, de acordo com indicação da Organização Mundial da Saúde]. Acreditamos que algumas dessas linhas de produção possam se tornar perenes. Mas isso desde que o governo reserve uma parte [do mercado] à produção nacional. Caso contrário, de novo, a China volta a controlar o mercado mundial. Temos que ter uma visão estratégica.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 0 minutos

    Sao Jose dos Pinhais tem o maior polo produtor de tecido nao tecidos para aventais cirurgicos e mascaras das Americas. Por uma dessas coincidencias do destino foram apinhadas mais de 10 linhas produtivas em um unico parque com capacidade para suprir mais do que o triplo do necessario nessa pandemia. Como bem frisou o presidente da FIEP e' so' uma questao de confeccao. Por isso se utiliza mao de obra chinesa barata.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

      ± 4 horas

      Mesmo sendo empresário deste ramo , jamais venderia ao Estado. É péssimo pagador e só libera ,pelo que li em matérias já publicadas , mediante "comissão" ou deságio. Se pudesse inscrever estado e municípiono Serasa , a lista de credores seria imensa , para não falar das famigeradas Precatórias.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Maquiavel

        ± 18 horas

        Devemos novamente prestigiar a indústria brasileira, e começar a boicotar tudo o que for Made in China,

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.