i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paraná S.A

Foto de perfil de Paraná S.A
Ver perfil
Prejuízo bilionário

Setor de turismo de eventos cobra ajuda do governo e espera retomada em setembro

  • 09/07/2020 21:54
O setor de turismo de negócios e eventos do Paraná se reuniu de forma on-line para desenhar o plano de retomada das atividades.
O setor de turismo de negócios e eventos do Paraná se reuniu de forma on-line para desenhar o plano de retomada das atividades.| Foto: Reprodução

Entidades do setor de turismo de negócios e eventos do Paraná se reuniram de maneira virtual para discutir planos de retomada das atividades, estimada para setembro. Os prejuízos do segmento passam de R$ 80 bilhões no estado por causa da pandemia do coronavírus e o apelo das instituições é para que os governos estadual e municipal ajudem em caráter de urgência.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Paulo Iglesias, o presidente do Curitiba e Região Convention & Visitors Bureau (CCVB) - entidade idealizadora do encontro - esclareceu que desde o início do fechamento de todas as atividades em decorrência da Covid-19, estão sendo feitas tentativas para salvar o setor. "Precisamos que tanto o governo estadual e municipal nos ajudem a elaborar um plano de retomada para retomar os eventos, do contrário ficaremos para trás e perderemos espaço para outras localidades", enfatizou.

Em abril e maio, as entidades que envolvem o turismo e eventos enviaram reivindicações aos governos do Paraná e do município de Curitiba e solicitaram flexibilização no pagamento de insumos como energia elétrica, água e gás, de impostos como IPTU e ISS, além da premente necessidade de liberação de linhas de crédito. "Desde o início da pandemia temos nos sentido órfãos como um dos setores mais prejudicados. Como maiores geradores empregos e receitas não tivemos nenhumas das reivindicações atendidas. Essa indiferença poderá gerar um desmanche do setor”, destacou Iglesias.

De acordo com informações dos organizadores do encontro, o setor de turismo de negócios e eventos mobiliza mais de 52 segmentos, como receptivo, hotelaria, transporte, limpeza, entre outros e movimentou em 2019 mais de R$ 936 bilhões. além de gerar mais de 25 milhões de empregos. Em 2019, Curitiba sediou 183 técnico-científicos, com mais de 228 mil participantes e 114 mil pessoas de fora da cidade, que gastaram em torno de 108 milhões de reais nos estabelecimentos da cidade. Para 2020, 138 desses eventos já estavam agendados e a a maioria foi cancelado, gerando prejuízos em cadeia. As principais entidades paranaenses do segmento acumulam perdas na casa dos R$ 80 bilhões apenas nos dois primeiros meses de pandemia.

Falências e desemprego

Orlando Kubo, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná ABIH-PR, explicou que 2020 entrará negativamente para a história do setor. "A atual taxa ocupação nos hotéis gira em torno de 5% e a estrutura para manter é a mesma. Só em Curitiba mais de dez hotéis foram fechados e não vão abrir. Precisamos da sensibilidade do governo, pois não temos expectativas financeiras para este ano", detalhou.

João Jacob Mehl, presidente Paraná Turismo, também deixou claro que a ajuda precisa vir do poder público. “Temos trabalhadores do setor sem renda desde março, passando fome. O empresário está tentando crédito e não consegue, porque pedem movimentação dos últimos dois meses e isso não existe. Temos que salvar nossos negócios e para isso precisamos também do dinheiro do BNDES e Ministério do Turismo”, disse.

Retomada

Entidades participantes esperam poder, ao menos, voltar aos trabalhos em setembro, mas para isso precisam de uma determinação do governo do estado. Entretanto, existe a consciência de que mesmo com as "portas abertas", será necessário muito tempo para que as finanças sejam colocadas em ordem.

"Mesmo com a previsão de retomada em setembro, sabemos que não vamos começar a trabalhar no dia primeiro ou sete. Começaremos a planejar eventos apenas para daqui um ano", disse Fabio Skraba, Presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos Paraná (ABEOC-PR).

Beatriz Batistella Nadas, superintendente da Secretaria Municipal da Saúde Curitiba, alertou que ainda há um caminho rigoroso de controle ao coronavírus para ser trilhado, mas acha possível que a data esperada para o retorno do setor vingue. “A perspectiva para setembro é factível, mas pode ser mutável conforme a capacidade que possamos ter em sociedade de interromper a cadeia de transmissão. É preciso de disciplina e pensar coletivamente”, destacou.

Participaram do debate representantes das instituições pertencentes ao G5 – Fecomércio, Associação Brasileira das Agências de Viagens do Paraná (ABAV-PR), Associação Brasileira de Empresas de Eventos Regional Paraná (ABEOC-PR), Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná (ABiH-PR), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-PR), Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação (SEHA-PR) e Secretaria de Saúde de Curitiba. O encontro foi mediado pelo Sebrae.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.