Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Cena do filme “As maçãs de Adam”.
Cena do filme “As maçãs de Adam”.| Foto: Divulgação

Não basta […] conhecer-se a si mesmo, saber suas virtudes e defeitos, para observar aquelas em suas relações com terceiros e refrear estes em suas tendências desaconselháveis; é necessário, igualmente, estudar aqueles com quem se tem de tratar, para saber como se deve comportar no intercâmbio das atitudes. (José de Souza Marques)

Das coisas que perdi em 2019, nada se compara à perda de parentes e amigos muito queridos, que sempre acabam por levar uma parte da gente, deixando saudade. Outros “amigos” também partiram; não da vida, mas do meu convívio. O antiquíssimo, mas infalível crivo aristotélico ainda vige: não há amizade verdadeira quando esta se dá somente por prazer ou por interesse. A amizade verdadeira, segundo o estagirita na Ética a Nicômaco, consiste em amarmos as pessoas pelo que elas são, não pelo que podem nos oferecer. Os interesses e o prazer são secundários, são consequência da real motivação que nos une: a virtude. Caso contrário, mais hora, menos hora a fragilidade dessas relações se tornará patente, pois o prazer é efêmero, e quem coloca os interesses acima das pessoas nunca tem amigos, somente meios para seus fins. Desses é bom que nos afastemos mesmo.

Mas isso fica claro com a consciência de nossas próprias limitações e falhas. Com a certeza de que nossos amigos, enquanto amigos, são mais importantes que, por exemplo, suas opiniões políticas; e que algo mais fundamental nos liga do que nossas afinidades, digamos, doutrinárias. Nossos verdadeiros amigos são aqueles que, como diz C.S. Lewis em Os quatro amores, veem (ou procuram) a mesma verdade que nós, que se importam com as mesmas perguntas, mas não se importam em discordar das respostas. São companheiros de jornada, e a “cada passo a jornada em comum é um teste de sua fibra – e nós compreendemos perfeitamente esses testes, porque nós também estamos passando por eles. Assim, cada vez que ele é aprovado, nossa confiança, respeito e admiração crescem como um Amor Apreciativo de um tipo singularmente sólido e bem informado”.

Nossos amigos, enquanto amigos, são mais importantes que, por exemplo, suas opiniões políticas

Aristóteles vai além, dizendo que “a amizade perfeita é a existente entre as pessoas boas e semelhantes em termos de excelência moral [virtude]; neste caso, cada uma das pessoas quer bem à outra de maneira idêntica, porque a outra pessoa é boa, e elas são boas em si mesmas. Então as pessoas que querem bem aos seus amigos por causa deles são amigas no sentido mais amplo, pois querem bem por causa da própria natureza dos amigos, e não por acidente; logo, sua amizade durará enquanto estas pessoas forem boas, e ser bom é uma coisa duradoura”. E assevera: “a amizade conforme à excelência moral [virtude] é à prova de calúnias e é duradoura, enquanto as outras espécies de amizade mudam rapidamente (além de diferirem da primeira em muitos aspectos), que elas não parecem constituir espécies verdadeiras de amizade, ou seja, por causa de sua dissimilaridade com a amizade conforme à excelência moral”. Ou seja, a única maneira de uma verdadeira amizade acabar é quando um dos amigos deixa de ter excelência moral, de ser virtuoso.

Para além de nossos amigos, ex-amigos e quase-amigos, há ainda a necessidade de convivermos com aqueles que não são nossos amigos – tampouco inimigos, pois com esses nem convivemos – e ainda pensam (muito) diferente de nós ou, pior, a cujas ideias temos total aversão. Esse é, talvez, o maior desafio de nossa sociedade contemporânea, totalmente conectada via redes sociais, que potencializou e dinamizou absurdamente as diferentes opiniões que, agora públicas e escancaradas, antes se limitavam aos pequenos círculos de amigos e ao ambiente acadêmico. No campo aberto das divergências – sobretudo no clima de profunda polarização política – é fácil surgirem equívocos que vão desde uma simples interpretação de texto até a profunda convicção ideológica, o que instaurou uma verdadeira Era dos alaridos – da qual já tratei aqui, nesta Gazeta do Povo –, de total babelização da linguagem, na qual quase ninguém se entende, mas todos se consideram absolutamente certos.

Tal situação me lembrou, por uma similaridade quase metafórica, de um dos melhores filmes que vi em toda a minha vida: As maçãs de Adam, do brilhante cineasta dinamarquês Anders Thomas Jensen, cuja genialidade como roteirista já se havia mostrado nas colaborações com sua conterrânea Susanne Bier (cineasta excepcional, mas que, infelizmente, cometeu, recentemente, o horrível Bird Box). O filme ganhou um título patético no Brasil – Entre o bem e o mal –, que me recuso a adotar pois diminui absurdamente sua complexidade. Infelizmente não está disponível nos provedores de streaming, mas ainda é possível adquirir o DVD. Vale muito a pena!

O filme, para mim uma pequena obra-prima, é uma espécie de tragicomédia, abrilhantada com doses cavalares do mais refinado humor negro – politicamente incorreto, portanto –, e conta com três dos maiores atores de sua geração: Mads Mikkelsen, Ulrich Thomsen e Paprika Steen. Mikkelsen é Ivan, um pastor luterano que recebe criminosos em liberdade condicional para trabalhos sociais em sua pequena comunidade. Adam, personagem de Ulrich Thomsen, é um recém-chegado neonazista absolutamente irascível. O problema é que lá já se encontram um muçulmano (Khalid, vivido por Ali Kazim) assaltante de postos de gasolina – e que crê, com isso, estar combatendo o imperialismo ocidental –, e um ex-jogador de tênis, alcoólatra e cleptomaníaco (Gunnar, vivido por Nicholas Bro). Os dois, digamos, devidamente civilizados pelo trabalho de Ivan. Um tempo depois, junta-se a eles uma mulher, alcoólatra em recuperação e pensando em abortar o fruto de uma gravidez indesejada (Sarah, vivida por Paprika Steen).

Adam, como um “bom” neonazista, se considera superior aos demais e nutre um desprezo mortal por todos, sobretudo por Ivan, cuja fé o contraria sobremaneira. Ivan determina que todos os hóspedes necessitam de uma tarefa, uma meta a cumprir a fim de ocuparem o seu tempo e aprendem a valorizar o trabalho e a responsabilidade. Por uma circunstância cômica, a tarefa de Adam será fazer uma torta de maçã com as frutas retiradas de uma frondosa macieira que fica ao lado da igreja. Ivan quer que os demais o ajudem, a fim de fortalecerem a comunhão do ambiente investindo no trabalho em grupo; mas, como pode imaginar, caro leitor, tal união é um desafio quase impossível.

Um objetivo comum e superior pode unir pessoas cujas ideias são diametralmente opostas

Para dificultar ainda mais a execução de seu objetivo, uma, digamos, fatalidade os surpreende: corvos aparecem e começam a comer as maçãs. E mais: Ivan tem um grave problema: algo o faz, insistentemente e ao mesmo tempo, negar a realidade – sobretudo a maldade das pessoas – e tributar todos os problemas à ação de Satanás. Aparentemente faz isso como uma forma de sobrevivência emocional. Khalid e Gunnar, que convivem com ele há mais tempo, compreendem tal situação e os problemas que o confronto com ela acarretam, e fazem de tudo para manter as aparências. Mas isso irrita profundamente Adam, que passa a tentar, a todo custo, desmascarar a fé de Ivan – que julga uma mera desculpa para sua vida cheia de problemas familiares. Daí para a frente, todo desafio dessa comunidade girará em torno de preparar uma torta de maçã, conter a ira de Adam e aplacar o desajuste dos demais, que parecem sucumbir à medida que Ivan vai reagindo e piorando às investidas de Adam. Fé, descrença, ciência, milagres, moralidade e amizade, tudo isso e mais um pouco são confrontados em um pouco mais de uma hora e meia de um filme brilhante, que já perdi a conta de quantas vezes assisti.

As maçãs de Adam é, sobretudo, um belíssimo exemplo de como o reconhecimento de nossas próprias imperfeições pode nos ajudar – e muito! – a conviver com as imperfeições alheias, pois assim deixamos de ser indulgentes para conosco e severos para com o próximo, e de pensar, como diz Gustave Thibon, que nossos atos são meros acidentes, enquanto os dos outros são substâncias. O filme também nos mostra que um objetivo comum e superior pode unir pessoas cujas ideias são diametralmente opostas. E essas são lições que, no convívio pessoal, podem separar almas de meras sombras, e criar relacionamentos verdadeiramente abençoados, virtuosos e duradouros – e amizades verdadeiras, portanto. Porém, infelizmente, o desafio ainda permanece nas redes sociais, por causa da falsa proximidade e da absurda impessoalidade na qual o mundo virtual nos lançou.

Das coisas que ganhei em 2019, nada se compara à graça divina de aprender com as perdas e de persistir num caminho que julgo coerente com o que creio, sem tergiversações sazonais e oportunistas. Os verdadeiros amigos permanecem – graças a Deus por eles; outros vieram e outros tantos virão.

Um feliz 2020 a ti, caríssimo leitor, repleto de bênçãos e de realizações!

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]