i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paulo Cruz

Foto de perfil de Paulo Cruz
Ver perfil

A liberdade é um direito radical. Coluna semanal

O texugo, a ideologia e o exemplo romeno

  • Por Paulo Cruz
  • 27/05/2019 20:05
O texugo, a ideologia e o exemplo romeno
| Foto: Reprodução/Reddit


— É verdade que algo nos direciona contra nossa vontade […]

— Quem é que faz essa zombaria com a humanidade? Quem nos arrasta pelo nariz?

— O diabo, provavelmente.

(Robert Bresson, O diabo, provavelmente)

Num artigo sobre educação, publicado nesta Gazeta do Povo, ousei fazer uma crítica a um dos filmes mais cultuados do século 20, Sociedade dos poetas mortos, por considerar a atitude do professor John Keating, vivido por Robin Williams, revolucionária e inconsequente, e que levou um jovem ao suicídio. Jovens precisam de instrução e de limites, não de adultos que os levem a quebrar ditos paradigmas ou mesmo a ordem institucional. Um adulto que faz isso é, no mínimo, um inconsequente; no máximo, um psicopata.

Lembrei-me, recentemente, de outro filme cuja história remete, só que em sentido inverso, à mesma situação: A onda, de Dennis Gansel. Um professor do ensino médio, Reiner Wenger, a fim de falar sobre autocracia, tem a ideia fazer um experimento com seus próprios alunos, durante uma semana, para lhes mostrar como surgem movimentos/governos autocráticos. Sua proposta de fazer “algo novo”, inclui montar uma espécie de comunidade; para isso, escolhem sinais visíveis que os distinguem das pessoas comuns: um uniforme, um símbolo, um cumprimento e lhe dão um nome – “A Onda”. Curiosamente, quando uma aluna diz que uniformes eliminam as diferenças sociais, outra objeta: “sim, mas também eliminam a individualidade”. Desse modo, desde o início é possível perceber que, apesar de ser um grupo relativamente coeso, há aqueles que percebem, inclusive pela empolgação dos colegas – tratar-se de uma iniciativa perigosa; há alunos realmente envolvidos demais – Tim um garoto com sérios problemas de aceitação, inclusive entre seus familiares, está totalmente imerso nos “objetivos” da comunidade. Um grupo de resistência se forma, mas não dá conta de parar "a onda". O professor Wenger – agora Herr Wenger –, demora demais para perceber que a brincadeira saiu do limite, e um movimento violento e autoritário surge.

[contém spoilers]

Reiner Wenger, então, decide terminar tudo com um gran finale catártico: pede aos alunos que escrevam relatórios sobre sua experiência n'A Onda, os leva para um auditório, tranca as portas e lê seus relatos. Dentre eles, coisas do tipo: “A Onda deu sentido à minha existência”. E diz, após um discurso apoteótico, exigindo que seus aprendizes de revolucionários expulsassem um suposto traidor:

Notaram o que aconteceu aqui? Ainda conseguem se lembrar qual a pergunta que foi feita na semana passada? Se algo como uma ditadura ainda seria possível na Alemanha. E o que aconteceu? Isso mesmo: fascismo. Nós achamos que éramos especiais; melhores do que todos. E o que é pior, excluímos os que eram contrários à nossa ideologia. Nós os ferimos. E não quero saber do que mais teríamos sido capazes. Eu quero pedir desculpas a vocês.

Mas era tarde demais. O clima de ódio revolucionário estava instaurado no ambiente e no coração daqueles jovens. Resultado: o frágil Tim – assim como o frágil Neil Perry, de Sociedade dos poetas mortos – comete suicídio na frente dos todos, após ferir um amigo e perceber que, sem A Onda, sua vida não fazia sentido.

Sim, prezado leitor, a vida imita a arte e vice-versa. Gosto de tirar esses exemplos do cinema, que é, provavelmente, a ferramenta moderna de maior impacto sobre a imaginação moral que existe. No entanto, a experiência e as reflexões filosóficas também podem nos ajudar – e muito! – a perceber o quão perigosas podem ser nossas escolhas e destinos, caso sejamos algozes ou vítimas de processos autoritários de poder. E, talvez, ninguém fale tão bem sobre isso quanto os filósofos romenos. E mais: falam a nós como a irmãos mais velhos – como diz meu amigo e tradutor de suas obras para o português, Elpídio Fonseca.

Diz Olavo de Carvalho, na introdução de obra sublime do maior filósofo romeno, Constantin Noica – As seis doenças do espírito contemporâneo (Best Bolso): “Quatro ditaduras num século, duas guerras, inumeráveis revoluções e golpes de Estado: a história romena, um quebra-cabeças que leva o estudioso estrangeiro ao desespero, reflete os movimentos alucinados de um povo que se debate como um peixe fisgado para escapar de um anzol, sabendo que outro anzol o espera mais adiante”. Assim, de certo modo, também é o Brasil. Apesar de não termos sofrido tanto quanto os romenos, sua experiência nos é uma grandiosa advertência, pois, como diz Olavo, “eles têm uma memória terrível, conservam uma recordação deprimentemente exata de cada uma das vergonhas, de cada uma das farsas cruéis que os obrigaram a encenar. Eles perderam tudo, menos essa exatidão que se chama, precisamente, sinceridade consigo próprios, a coragem de dizer a si mesmos verdades terríveis que outros povos, em situação idêntica, ocultariam em proveito da boa auto-imagem nacional. É essa sinceridade, aliada à experiência de um povo muito parecido com o nosso em termos de comportamento político, que pode nos ajudar a não cair nas garras de regimes autocráticos de qualquer natureza.

O filósofo Andrei Pleșu, um dos alunos diletos de Noica, numa conferência sobre o ridículo e a subversão das ideologias, dada em 28 de novembro de 2005 – e publicada no excepcional Da alegria no Leste Europeu e na Europa Ocidental (É Realizações) –, diz que:

As ideologias são construções rápidas de ideias, surgidas de um interesse privado ou de grupo, tendo como escopo a modificação da mentalidade pública, das instituições da vida social […] O ponto de partida delas não é a realidade propriamente dita, mas um interesse de classe ou de categoria social. Em consequência, o ideólogo não quer entender o mundo. Quer modificá-lo, de um modo que coincida com os seus princípios e escopos: é, portanto, uma natureza mais utópica e ególatra. Ele se crê chamado a decidir acerca do modo ótimo de organização do mundo e crê que o seu modo de entender a felicidade aplica-se a toda a humanidade.

Ou seja, um ideólogo e seus asseclas não se preocupam com a pluralidade, com as contradições, com as diferentes cosmovisões, pois pensa que o mundo, à sua maneira, é o melhor dos mundos. Querem impor a todos a sua verdade inegociável – e, na imensa maioria das vezes, inconciliável com a realidade. Pleșu ainda afirma que as ideologias procuram não a verdade em si mesma, mas uma verdade utilizável – a luta de classes, a luta contra o comunismo, a guerra cultural –, tornando-se, assim, uma “tecnologia de deslocamento, de nomadismo, de uma radicalidade arbitrária”, pois “têm a tendência natural de multiplicar-se, e isso porque o desencadeamento delas provoca – por reação – excessos do mesmo tipo. As ideologias fazem nascer contraideologias. Não são combatidas, de regra, pela demolição do seu artifício de princípio, mas por novas ideologias, apressadas em impor construções de sentido oposto, igualmente artificiais”, criando um círculo vicioso.

Essa conferência de Pleșu é, digamos, civilizadora, pois nos aponta o erro das ideologias – tanto à esquerda quanto à direita – e nos indica uma saída honrosa dessa armadilha:

Uma primeira forma de proteção contra a invasão ideológica é o pensamento autônomo, o pensamento por conta própria. Qualquer ideia vinda de fora, qualquer produto pronto para usar, qualquer moda lançada ciclicamente na cena pública tem de ser pesada com uma suspeição saudável. As ideologias são, de regra, pensamento massificado e, segundo a expressão célebre de Czeslaw Milaw Milosz, “mente cativa”. O sujeito deixa de ser o proprietário de seus próprios pensamentos, o que significa que seu pensamento deixa de ser um ato livre. […] Um segundo exercício de proteção é o esforço de pensar as coisas até o fim, para além da evidência de primeira instância, sem atalhos e correrias lógicas ou sentimentais. […] As ideologias são o correspondente – no plano intelectual – ao hábito de comer rápido e de digerir apenas parcialmente o que comes: fastfood e junkfood. Elas parecem “científicas” e “funcionais”, mas, na realidade, reduzem a vida orgânica do espírito a uma monotonia mecânica. As ideologias são pensamento burocratizado, assim como o fastfood é alimentação burocratizada. Em ambos os casos, o equilíbrio vital do conjunto é posto em perigo.

Do mesmo modo Gabriel Liiceanu, para mim o maior filósofo da atualidade (sim, de todos), nos traz reflexões extremamente pertinentes quando o assunto são as ideologias e os movimentos de massa autoritários. Das obras de Liiceanu publicadas em português até o momento, há duas, também traduzidas por Elpídio, absolutamente necessárias para todo aquele que queira compreender o espírito autoritário e revolucionário das ideologias: Da mentiraDo ódio, publicadas pela Vide Editorial.

Da Mentira é a transcrição de uma palestra dada por Liiceanu, em 2004. É uma meditação sobre a mentira como instrumento político. Primeiro, como um recurso utilizado para se atingir o “bem comum” – chamado por ele de “moral de segunda instância”; depois, como instrumento do mal puro. Analisando três obras nas quais a mentira é tratada como forma de atingir o “bem comum” – Filoctetes, de Sófocles; o diálogo Hípias Menor, de Platão; e, por fim, o moderno O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, Liiceanu nos leva a uma profunda reflexão sobre os descaminhos da mentira na política. Uma constatação aterradora de Liiceanu é que, com a queda e morte de Nicolae Ceauşescu, em 1989, após uma onda avassaladora de protestos da população, ocorreu um “momento catártico, o purgante psíquico pelo qual uma comunidade se livra do ódio e os membros dela ficam satisfatti, diz Maquiavel”. Porém, isso não foi suficiente para que a povo romeno se livrasse dos corruptos de outrora: “o desmoronamento de um regime corrupto abre portas, neste caso, para o aparecimento de uma corrupção ainda maior. O regime comunista na variante Ceauşescu chega hoje – coisa alucinante à primeira vista – a ser lastimado exatamente por causa da nova corrupção gerada e redobrada pelos filhotes deixados vivos que saíram, em coorte, do ventre do monstro assassino”.

Atualmente, a Romênia vive diante de um governo tão ou mais corrupto quanto o de Ceauşescu, sob a máscara democrática. E sua luta continua, nas ruas.

Em Do ódio, Liiceanu parte do “ódio espontâneo” entre os irmãos bíblicos Caim e Abel, para desembocar no ódio “culto e cultivado” ideologicamente, que é um passaporte para o crime: “o ódio vazio tem a eficiência de um arco e flecha, de um mosquete que dá um único tiro. Previsto como ideologia, se torna uma arma de repetição. O ódio ideológico, organizado, é um ódio impessoal; não se odeia alguém especificamente, mas uma abstração, uma ideia; ou melhor: “odeia-se uma pessoa como agente de uma categoria. Odeia-se uma hipóstase englobadora, odeia-se um 'como' explicativo-categorial”. Em termos práticos, afirma Liiceanu, “o ódio tornou-se impessoal à medida que nem o que odeia é uma pessoa isolada (mas membro de um grupo, de uma organização, de um partido, de um 'movimento' etc.), nem o que é odiado é isolado, mas pertence a uma categoria (de classe, de raça, de nação, de religião)”.

Tal ódio é perverso porque, ao se organizar como ideologia, ganha aqueles contornos de que fala Andrei Pleșu, vira um esquema de mobilização, um programa de transformação social; “da o passo da natureza para a cultura”. Com isso, se transforma em “ódio canalizado” – evoque aí, caro leitor, um exemplo recente em sua cabeça –, e, de modo paradoxal, ganha uma “equação de felicidade”, de busca por um mundo melhor. Diz Liiceanu: “Uma vez que o escopo do ódio se tornou honrado, a ideologia torna herói o que odeia e mata, e que, em vez de receber um castigo pelo crime, recebe uma recompensa pelo seu 'ato'. O homem enquadrado por uma ideologia pode odiar livremente, e igualmente pode ter orgulho desse ódio”.

Surgiu, nos últimos dias, um mascote entre os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, o honey badger, ou ratel ou texugo-do-mel –, um omnívoro conhecido por ser um dos animais mais destemidos que se tem notícia. Tal mascote não é uma invenção brasileira; na verdade foi importado diretamente dos EUA, mais especificamente do ex-estrategista de campanha de Donald Trump, Steve Bannon, admirado pelo círculo íntimo do presidente brasileiro – o presidente, juntamente com Olavo de Carvalho e outras pessoas influentes em seu governo, jantaram com Bannon em março desse ano –, que adotou como lema de sua postura, digamos, agressiva, o mote “Honey Badger don't give a shit” – algo como “Honey Badger não está nem aí”, aliviando o palavrão.

Joshua Green, autor do livro Devil’s Bargain: Steve Bannon, Donald Trump, and the Storming of the Presidency, entrevistou Bannon para um perfil da site Bloomberg, em 2015, e conta a história de como descobriu esse mascote: Junto com o seu triunfo no CPAC, um projeto secreto que ele concebeu estava se concretizando: seus advogados estavam quase terminando um livro sobre as negociações financeiras sombrias de Bill e Hillary Clinton, que ele tem certeza que irá derrubar a corrida presidencial. 'Cara, vai ser épico', diz ele. Eu saboreio meu “moonshine” […] e me pergunto, como as pessoas costumam fazer, se Bannon é maluco. Na saída, o porteiro me entrega um presente: um frasco de anca prateado com “Breitbart” impresso sobre uma imagem de um texugo de mel, o predador africano despreocupado de sua fama do YouTube, cujo slogan – “texugo de mel, não está nem aí – é o lema do Breitbart.

A explicação brasileira, dada pelo assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Filipe G. Martins, em agosto de 2018 numa rede social, após compartilhar uma frase de Andrew Breitbart – fundador do site que até recentemente era ligado a Bannon, é a seguinte: “O texugo-de-mel tem tudo para se tornar o mascote oficial do conservadorismo brasileiro. Um animal pequeno, aparentemente inofensivo, mas que se mostra imbatível sempre que confia em sua coragem e valentia, the honey badger don't care”.

O animalzinho, atualmente, é um fenômeno nas redes sociais brasileiras quando o assunto é a direita, digamos, bolsonarista. É inofensivo? É. É sugestivo? Também. E, veja bem, estimado leitor, não sou eu que estou sugerindo nada. O bicho é sucesso nos EUA por conta de um vídeo, no YouTube, cuja narração diz repetidas vezes a frase “lema” e, ao viralizar, se tornou um símbolo de coragem por lá. O problema é, conforme tudo o que eu disse acima, quando esses símbolos de identificação sugerem, por si só, dentro de uma cultura distinta, não só a coragem, mas a desfaçatez, o ressentimento e o ódio ideológico. Não sei se é um bom momento para, no Brasil, aqueles que hoje são situação adotarem um símbolo cuja característica principal, a coragem, tem sido confundida com outra característica marcante do texugo-do-mel, sua violência. O Brasil não é a América, o Bolsonaro não é o Trump.

Mas se, de fato, “honey badge don't care”, podem ignorar o que eu disse.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 13 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    joavila

    ± 0 minutos

    Tenho um amigo brasileiro que mora na Romênia. Ele sempre afirma que o romeno é o brasileiro da Europa Central.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Myrian Elizabeth Dauer

    ± 54 dias

    Não acredito que esse venha a ser o caminho que seguiremos. Há diferenças monstruosas entre o Brasil e a Romênia, os brasileiros ê os romenos e nosso passado não tem nada em comum. Bolsonaro tem um antagonismo saudável contra a esquerda mas não separa os brasileiros entre direita e esquerda. Além disso ele não tem nada de olavista, eu diria que é meio bronco em excesso e tem idade suficiente para não se deixar levar por ideologias complexas. Os filhos gostam do doce mas não chegarão a comê-lo. Não vejo motivos para preocupação, pelo menos não a curto prazo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO LINO DA SILVA

    ± 60 dias

    Bem legal. Interessante as fontes e o raciocínio, embora o final tenha deixado a desejar!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adailton Meireles Machado

    ± 66 dias

    Mais um excelente texto com iguais referências. Me instigou a conhecer mais sobre os filósofos romenos. Obrigado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • P

      Paulo Cruz

      ± 66 dias

      Muito obrigado!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Danilo Roitman

    ± 67 dias

    O Silvio produziu esta excepcional resposta a este texto do Paulo. Vejam, nao se arrependerao. https://www.facebook.com/silvio.grimaldo/posts/10156969391095272

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Wilson de Paula ramiro

    ± 70 dias

    Texto muito bom,mas ... "Uma primeira forma de proteção contra a invasão ideológica é o pensamento autônomo, o pensamento por conta própria." Creio que uma ideologia se enraíza apenas quando seus militantes acreditam que os postulados da ideologia são seus próprios pensamentos autônomos e por conta própria.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Sampaio de Souza rezende

    ± 71 dias

    Estão vendo cabelo em ovo. O que há é apenas uma certa euforia de quem teve que aturar calado as MENTIRAS da esquerda (como se essa jamais tivesse produzido algo além disso) e se vê inebriado diante da possibilidade de responder à violência da esquerda (algo corriqueiro, praticado e defendido abertamente desde sempre, não preciso listar aqui, deram uma FACADA em um candidato!) inclusive com violência, caso seja imprescindível. Se o inimigo joga sujo, não tente ganhar dele jogando limpo, isso NON ECZISTE!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • P

      Paulo Cruz

      ± 70 dias

      Bruno, te darei só um exemplo de como "ecziste": Martin Luther King Jr. e a luta pelos Direitos Civis. Não me peça, jamais, para me rebaixar ao nível daqueles que me odeiam. Os fins não justificam os meios. Abraço.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Combatendo A Agenda Totalitária

    ± 71 dias

    Essa ala formada pelos Olavistas está passando dos limites, o lema deles "Sabe quando nós vamos parar? NUNCA!". Eles criaram um exército virtual agressivo, já vitimaram até o Danilo Gentili (Bolsonarista convicto). Não aceitam divergência...atacam conservadores e liberais (na maior parte do tempo são aliados do Governo, mesmo assim, isso não importa pra eles) de forma baixa, agressiva e para humilhar. Exigem submissão. O Guru da Seita: Olavo de Carvalho. O exército? Filipe G Martins, Bernardo K, Pedro H M., Olavetes em geral. O pensamento é sectário, intolerante e não para de crescer. O Brasil está caminhando para uma loucura generalizada se o Presidente continuar ouvindo esse pessoal...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • B

      Bruno Sampaio de Souza rezende

      ± 71 dias

      Combatendo A Agenda Totalitária: Deixa de paranóia, rapaz!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • C

      Combatendo A Agenda Totalitária

      ± 71 dias

      Na Internet esse pessoal consegue calar os outros até certo limite. Se eles ganharem mais poder, a SECOM do Militar Santos Cruz (entendeu o porque dos ataques) e a mente do exército, nossas liberdades e vidas estarão em perigo. Note: quem fala isso é um Conservador que votou no Bolsonaro nos 2 turnos... não estou feliz com o que estou vendo. Assim como Paulo Cruz também não está...alerta ligado pessoal. De verdade.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Georgia

    ± 71 dias

    Como vc se sentiu com este conteúdo: Pensativa

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]