i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paulo Cruz

Foto de perfil de Paulo Cruz
Ver perfil

A liberdade é um direito radical. Coluna semanal

Voto: unindo o útil ao desagradável

  • PorPaulo Cruz
  • 11/10/2018 15:45
Reprodução
Reprodução| Foto:

“O que estamos buscando não é um programa para um partido, mas um modo de vida para um povo”. (T. S. Eliot)

Caríssimo leitor, peço licença para, neste pequeno artigo, esclarecer algumas de minhas posições em relação ao processo eleitoral de 2018 – e todos os outros –, que já se encaminha para o final.

Quem me conhece bem, sabe de minha vocação para o quase completo ceticismo político em relação ao Brasil. Não creio, de modo algum, que nossos gravíssimos problemas se resolvam na esfera política, e venho dizendo isso há tempos em meus artigos, aqui, nesta Gazeta do Povo. Só poderemos ser içados da cova abissal na qual nos encontramos com a ajuda de Deus e de um redirecionamento cultural que só será possível mediante um trabalho paciente e persistente de professores, escritores, artistas, jornalistas etc.; mas, sobretudo, de uma sociedade comprometida com aquilo que T. S. Eliot chamou de “coisas permanentes”. Os políticos são acessórios, muitas vezes desagradáveis, nesse processo.

Após mais de cinquenta anos sendo submetidos a uma cultura de contestação – senão de destruição – e de exaltação do que há de mais sórdido no pensamento ocidental, a cultura e a educação do país foram reduzidas a mera militância política, e não há o que se possa fazer em curto ou médio prazo. Toda nossa tradição cultural, que durante séculos foi solidamente “construída sobre antagonismos” (para usar um termo do grande Gilberto Freyre), foi sufocada por um provincianismo mentiroso, que, ao mesmo tempo em que contesta o colonialismo cultural e político, se entrega a um neocolonialismo ainda pior, o intelectual, usado por pensadores progressistas como estratégia ideológica de transformação social. O multiculturalismo demonizou o nosso senso de distinção daquilo que é qualitativamente superior e inferior, a nossa razão estética, o nosso senso de simetria, e nivelou, maquiavelicamente, Carlos Gomes com MC Carol, Pixinguinha com Pixote.

Como explica Roger Kimball, em Radicas nas Universidades (Peixoto Neto), “no centro do ethos multicultural está a ideia de que todas as culturas são igualmente valiosas e, portanto, preferir uma cultura, uma herança cultural ou uma ordem moral e social à outra é ser culpado de etnocentrismo e racismo” (p. 252). E mais: “O imperativo multicultural segue sob a suposição de que toda a vida cultural deve ser explicada em termos políticos, preeminentemente em termos de gênero, raça, classe e origem étnica” (p. 253). Praticamente todo o ambiente acadêmico – de onde saem, há décadas, todas as diretrizes culturais da sociedade ocidental –, está tomado por ideólogos desse tipo, comprometidos não com a verdade, mas com projetos de controle social por meio do politicamente correto. Mudar isso não é um trabalho de políticos, mas, sim, de intelectuais preparados para produzir, em larga escala, um contraponto a essa hegemonia cultural. No momento, think tanks e fundações não progressistas são mais importantes que presidentes – e essa é a minha, exclusivamente minha opinião.

Não há saída fácil para esse problema, que não uma paciente ocupação de espaços, como a realizada anteriormente por esses que hoje dominam todas as esferas de produção cultural e de educação. É preciso catalisar o senso de desordem que a sociedade brasileira tem demonstrado nos últimos anos – através de um conservadorismo que se manifesta não por convicção, mas por inércia –, e propor um caminho de restauração da ordem. E, sem grandes rupturas, sem arroubos revolucionários ou reacionários, realizar uma prudente reformação do imaginário cultural brasileiro. Não para destruir o que foi construído até agora, mas para restaurar o que foi destruído desde então.

Aliás, qualquer pessoa que tenha feito uma leitura atenta de Platão, Aristóteles e Eric Voegelin, e os tenha compreendido minimamente, só se deixa arrebatar pela paixão política se for um ingênuo ou um mal intencionado, motivado por interesses pessoais. A paideia platônica percorria longas quatro décadas de formação, a fim de preparar um homem para governar; o homem maduro (spoudaios) de Aristóteles – aquele que “aspira àquilo que é, verdadeiramente, um objeto de aspiração”, por isso “julga tudo corretamente” e é “a norma e medida do nobilitante e agradável” (Ética à Nicômaco) –, o homem que atinge o grau máximo das potencialidades humanas, e no qual os outros baseiam suas próprias escolhas, não alcança esse nível moral e intelectual sem muito esforço e prática das virtudes. Evidentemente que nada disso é possível da noite para o dia – muito menos politicamente.

O intelectual que sucumbe à paixão política mostra-se motivado por uma espécie de “revolta egofânica” (termo de Voegelin), pois, em estado de “obsessão libidinosa” tenta moldar a realidade a seus esquemas, apostando no imediatismo que, ideologicamente, o beneficia. E, então, aquele que é chamado a ponderar o arrebatamento das massas, sucumbe ao seu alarido. O homem maduro (spoudaios) de Aristóteles é trocado pelo intelectual orgânico de Gramsci.

De minha parte, tenho seguido minha vocação, que é a docência, e nisso tenho me empenhado diariamente. Não desejo um comprometimento direto com a política; prezo minha independência e minha liberdade de pensamento. Meus apoios e rejeições caminham de acordo com a avaliação que faço da necessidade de cada momento específico; só o que há de definitivo, para mim, é a Verdade. Tenho procurado seguir o preceito bíblico que orienta a não temer aqueles que podem matar o corpo, mas Aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo (Mt 18, 28). Confio em Deus.

Entretanto, é preciso votar; numa democracia (ou no que deveria ser uma), é preciso escolher o representante dos “interesses do povo”. E votar, para mim, é sempre escolher o mal menor; é sempre escolher entre aquele que se meterá menos em minha vida e o que vai, efetivamente, me prejudicar. Aliás, essas são minhas perspectivas para o Brasil atual. A conjuntura me obriga a tal posição. Não tenho ilusões.

Mais importante para mim é saber em quem não votar, e isso eu sei. Não posso sequer cogitar o voto numa organização que se apoderou do Estado brasileiro por mais de 10 anos, a fim de saquear o país e evadir divisas para seus acólitos de países cujos governos têm em comum um projeto de perpetuação no Poder. Entre o mal evidente e o bem improvável, fico com o bem improvável – mas não impossível. E enquanto não temos no Brasil um verdadeiro spoudaios, capaz de governar com correção e sabedoria – proporcionando ao país um ambiente pleno de desenvolvimento, liberdade e ordem –, sigamos pelo caminho do possível.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.