Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Os ministros Paulo Guedes e Braga Netto trocaram afagos em coletiva de imprensa sobre o Pró-Brasil
Os ministros Paulo Guedes e Braga Netto em coletiva de imprensa sobre o programa Pró-Brasil.| Foto: Ascom/ME

Paulo Guedes entrou no governo com um plano anunciado a quatro ventos: manter o teto de gastos, evitar qualquer aumento da carga tributária e reformar as estruturas do Estado brasileiro, aumentando assim a produtividade da economia. A cada dia, a concretização desta agenda fica mais difícil.

É interessante observar os levantamentos realizados no Barômetro do Poder, boletim político editado por Marcos Mortari e publicado pelo portal InfoMoney. Os especialistas ouvidos pelo Barômetro são, em sua maioria, consultores que aconselham grandes capitalistas em suas decisões. Ou seja, não se tratam de acadêmicos suscetíveis a arroubos ideológicos e sem “skin in the game”, na expressão de Nassim Taleb para se referir a opiniões que nada custam ao opinador. Todos trabalham com previsões políticas e precisam zelar pela própria reputação junto ao mercado.

Na edição de maio do Barômetro, 70% dos especialistas ouvidos acreditam que a probabilidade de Guedes sair antes de 2022 é alta ou muito alta. Desde março, a porcentagem de analistas que atribuem baixa probabilidade a uma eventual saída de Guedes caiu de 23% para 8%, enquanto aqueles que atribuem uma probabilidade muito alta a este cenário saiu de 15% para 38%. Nenhum dos especialistas acredita que a probabilidade de Guedes sair é “muito baixa”.

O cenário é similar ao publicado em janeiro de 2020, quando 71% dos especialistas ouvidos pelo Barômetro do Poder atribuíam probabilidade “alta” ou “muito alta” à saída de Moro antes de 2022. Muita gente, especialmente na base governista, via o resultado como devaneio. Bastaram quatro meses para que a previsão se concretizasse.

Os motivos que justificam a previsão de queda do ministro da Economia são claros: é cada vez menos provável que a sua agenda vire realidade. No lado político, a demissão de Moro mostrou quem é que manda no governo – não há “superministro” que seja páreo para o presidente. Mas isto não é o mais relevante. Com a pandemia, os incentivos postos na mesa mudaram radicalmente.

A demanda por políticas distintas das que Guedes defende deve ficar cada vez maior. Com a combinação de alto desemprego e baixa inflação, o plano Pró-Brasil foi um ensaio do que pode vir por aí: um aumento da demanda por obras públicas e estímulos à economia.

Ainda mais importante é a dependência do governo em relação ao Congresso. Mesmo com as tentativas de trocar cargos por apoio parlamentar, as dificuldades são evidentes. De acordo com o levantamento do já citado Barômetro, a aproximação entre Bolsonaro e Centrão fez o número de deputados alinhados com o governo subir de 97 para 162, enquanto o número de senadores foi de 16 para 22. Trata-se de uma alta modesta, insuficiente e que deve custar bastante caro, cobrando seu preço inclusive na agenda de Guedes.

Alguns dos novos aliados, como Paulo Skaf e sua Fiesp, dificilmente vão engolir a agenda de abertura comercial, tão cara a Paulo Guedes. Quanto ao Centrão, só uma boa dose de ingenuidade justifica a fé de que seus integrantes vão apoiar uma reforma do Estado brasileiro. Trata-se de uma turma acostumada a ocupar estatais, ao invés de vendê-las. Paulo Guedes começou prometendo privatizar tudo, mas deve terminar comprando ações da Gol.

No cenário que se desenha, Paulo Guedes é uma das principais vítimas da pandemia, ao menos do ponto de vista simbólico. Ainda que ele continue no cargo, o que é cada vez menos provável, sua agenda é cada vez mais improvável.

Não se trata de uma torcida. Apesar de ter criticado Guedes em algumas oportunidades, sempre fui abertamente simpatizante de grande parte das suas propostas – abertura comercial, privatizações, ajuste fiscal pelo lado dos gastos, dentre outras. Não gosto do cenário que se desenha, mas minha preferência não muda a realidade. O ministro não parece concordar com esta percepção e se refugia num profundo estado de negação. Infelizmente, as ótimas palestras de Paulo Guedes não serão suficientes para mudar uma realidade cada vez mais dura.

22 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]