i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Economia

É preciso entender a curva de juros antes de debater o teto de gastos

  • Pedro MenezesPor Pedro Menezes
  • 18/08/2020 20:16
Reunião do Copom que define a Selic: taxa básica de juros não pode ser analisada como um número isolado.
Reunião do Copom que define a Selic: taxa básica de juros não pode ser analisada como um número isolado.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os juros diminuíram no Brasil desde o início da pandemia? A resposta é um sonoro “sim” para quem acompanha apenas a taxa Selic, determinada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, aquela que aparece nas manchetes. Por outro lado, a resposta mais correta seria a predileta dos economistas: depende. Isto porque a taxa de juros não pode ser analisada como um número isolado. É preciso observar também um dado muito relevante para economistas, mas pouco compreendido pela maioria dos brasileiros: a curva de juros.

A Selic, estrela das manchetes, é a taxa anualizada dos juros associados a títulos públicos no curtíssimo prazo – ou um dia, para ser mais preciso. Se você comprar um título de dívida do governo brasileiro com vencimento para daqui a alguns meses, é provável que os juros associados a este título fiquem próximos à Selic. Se o título tem vencimento mais longo, a taxa de juros esperada será um pouco maior.

Imagine, caro leitor, um gráfico com a taxa de juros no eixo vertical e o prazo dos títulos no eixo horizontal, com pontos representando os juros associados a cada período. A linha que liga esses pontos é a famosa curva de juros, tão comentada pelos analistas de jornal. Os juros de curto prazo, mais à esquerda no gráfico e próximos à Selic, são os juros curtos. Na extrema-direita da figura, representando títulos cujo vencimento se dará daqui a 10 anos, estão os juros longos.

Os juros curtos, de modo geral, dependem da conjuntura de inflação no país. Atualmente, o alto desemprego, agravado pela pandemia, diminuiu a pressão inflacionária. Com a inflação esperada abaixo da meta, o Banco Central diminui a Selic. Mas, como já dito, a taxa que o BC controla não é a única taxa de juros em vigor na economia. Ainda mais importante é a taxa esperada no longo prazo. Afinal, quando um poupador decide se é melhor investir em atividades produtivas ou emprestar dinheiro ao governo, ele leva em conta principalmente os juros longos. Estes são determinados pelo mercado, sem tanta interferência da Selic, e são guiados pelas expectativas sobre a política fiscal de longo prazo – ou seja, pelo risco associado a emprestar dinheiro ao governo.

Faço a digressão porque o tema é muito importante para quem deseja analisar a conjuntura econômica nacional. Desde o início da pandemia, os juros curtos caíram junto com a Selic. Os juros longos, por outro lado, subiram. Apesar da trégua no front inflacionário, as expectativas sobre a política fiscal de longo prazo pioraram, elevando o risco de empréstimos ao governo.

Imaginemos, por exemplo, o que aconteceria se o governo decidisse relaxar o teto de gastos e outras regras fiscais. Por um lado, os novos gastos representariam um estímulo à economia. Por outro, a mudança elevaria ainda mais os juros longos, desestimulando a economia. Esta dinâmica econômica explica, ao menos parcialmente, o fracasso dos estímulos fiscais tentados no primeiro governo Dilma. No debate recente, é impossível tomar posição sobre o futuro do teto de gastos sem refletir sobre os juros longos.

Os opositores do teto de gastos precisam considerar este problema. Querem relaxar a regra fiscal? Se o debate econômico brasileiro fosse mais sério, quem defende isso seria obrigado a apresentar também um plano para os juros longos. Uma série de reformas hoje desprezadas pelo Congresso, como a autonomia do Banco Central, poderiam afetar os juros de longo prazo, facilitando eventuais mudanças. Infelizmente, muitos opositores do teto – exceção feita a alguns poucos economistas, como Bráulio Borges – mal tocam no assunto.

Essa dinâmica também explica uma das grandes virtudes do teto de gastos: seu desenho fornece um seguro contra a irresponsabilidade fiscal que vale até para quem decidir mudar as regras do jogo. Uma substituição do teto representaria também um choque nas expectativas sobre a política fiscal de longo prazo, o que impacta os juros longos. Esse choque obriga os economistas anti-teto a apresentarem uma alternativa crível. Caso contrário, a tentativa de estimular a economia pode ir por água abaixo, com grande impacto imediato em variáveis como a taxa de câmbio.

Apesar de ver grandes virtudes no teto de gastos, também vejo alguns defeitos. É difícil cumprir a regra e os gatilhos de descumprimento são acionados apenas depois que o teto é rompido. Deste modo, o governo será obrigado a apresentar um orçamento irrealista no futuro próximo, pois não é possível enviar uma proposta orçamentária descumprindo a regra fiscal.

Portanto, não tenho uma posição dogmática sobre o assunto. Por entender a imensa importância que o teto teve no equilíbrio macroeconômico dos últimos anos, só posso discutir mudanças no teto quando tiver uma proposta concreta. Mais do que mudar ou não, é importante saber como mudar e o que fazer para conter os problemas discutidos nesta coluna.

Novos gastos em infraestrutura e transferência de renda seriam indiscutivelmente importantes, desde que não sacrifiquemos os juros de médio e longo prazo para resolver problemas de curto prazo. Inclusive porque, na história econômica do Brasil, tem sido comum vender o jantar a preço de banana para pagar o almoço. Quando a conta dos desequilíbrios macroeconômicos chegam, ajustes draconianos se tornam necessários e os mais pobres inevitavelmente pagam a conta do desemprego.

Portanto, os opositores do teto precisam apresentar planos sérios ao invés de gritar slogans – caso contrário, terão que se acostumar com uma regra fiscal crucial, apesar de imperfeita.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Carlos Eduardo D'Amico

    ± 76 dias

    O raciocínio está perfeito. A economia tem que ser estimulada pelos fatores de mercado, pelo crescimento. A injeção através do aumento do teto trás consigo fatores nefastos como já acompanhamos em outros momentos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    marcelo bergerson

    ± 77 dias

    Excelente texto. Talvez porque seja exatamente assim que penso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ABN

    ± 77 dias

    Interessante !!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.