i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Saúde pública

O esquecido debate entre Hayek e Beveridge

  • Por Pedro Menezes
  • 14/07/2020 20:56
Embate entre Hayek (foto) e Beveridge, que inspirou a criação do Estado de Bem-estar Social britânico, é pouco lembrado.
Embate entre Hayek (foto) e Beveridge, que inspirou a criação do Estado de Bem-estar Social britânico, é pouco lembrado.| Foto: Divulgação

O debate entre Keynes e Hayek foi discutido por best-sellers e inspirou até batalhas de rap que viralizaram no YouTube. Mas a importância desse debate é, ao menos em certa medida, um exagero retroativo dos austríacos contemporâneos. Dois outros debates protagonizados por Hayek são, na minha opinião, indiscutivelmente mais importantes.

O primeiro, mais conhecido, envolve a possibilidade de alocação racional dos recursos escassos numa economia socialista, e garantiu a Hayek o seu mais famoso prêmio: o cobiçado Nobel de economia.

Quanto ao segundo debate, travado contra William Beveridge, poucos sabem da existência. Não há vídeos virais sobre o assunto e até mesmo textos são raros. Apesar disso, poucos debates do século XX geraram frutos tão importantes, incluindo o sistema de saúde pública mais famoso do mundo (inspirador do SUS), um dos livros políticos mais influentes da história humana e uma cisão entre liberais.

William Beveridge foi o diretor da London School of Economics que levou Hayek para lecionar por lá. Era uma figura influente do Partido Liberal britânico, ativo nos debates políticos locais.

Antes de mais nada, um breve apanhado histórico. O Partido Liberal britânico foi fundado em 1859 por integrantes de três grupos: os Whigs, arquitetos da monarquia constitucional inglesa; os Peelites, dissidentes reformistas e pró-mercado do Partido Conservador; e os Radicais, grupo à esquerda dos outros dois, que nas décadas anteriores lideraram causas como o abolicionismo e o sufrágio universal. Esses três grupos eram diversos, mas tinham em comum o ímpeto reformista e o respeito ao diálogo democrático. Em 1842, Whigs, Peelites e Radicais fundaram o Reform Club, um clube de debates no centro de Londres. A partir do clube, surgiu o Partido Liberal.

Cem anos depois, nos anos 40 do século XX , William Beveridge e Friedrich Hayek, como bons liberais, eram filiados ao Reform Club. Isso não significa que eles concordassem frequentemente sobre assuntos políticos. Hayek costumava se descrever como um “velho Whig”. Beveridge, por outro lado, tinha uma personalidade política mais próxima dos velhos Radicais. Apesar das discordâncias, ambos eram amigos próximos no início da década de 1930 e Hayek revisava os textos publicados por Beveridge na imprensa local.

No final dos anos 1920, o cenário para os liberais era sombrio. O Partido Liberal perdia força na política britânica, sendo cada vez mais ofuscado pelo Partido Trabalhista. No início dos anos 1930, a ascensão de Hitler e a Grande Depressão aprofundam o pessimismo dos liberais.

Neste contexto, Beveridge começa a se aproximar de intelectuais socialistas da Sociedade Fabiana, sendo influenciado por eles. Poucos intelectuais liberais se aproximaram tanto do socialismo quanto Beveridge naquele período. Ele acreditava que a ascensão de Hitler evidenciava a necessidade de uma mudança de planos por parte dos liberais.

Para Beveridge, o nazismo foi uma resposta conservadora ao comunismo bolchevique. Em resposta a este contexto, para evitar que o mesmo embate sangrento tomasse a política britânica, ele achava que políticas sociais seriam necessárias para interromper o avanço dos revolucionários comunistas, diminuindo também a demanda pelo autoritarismo da direita.

No início dos anos 1940, ainda durante a guerra, William Beveridge escreve a sua obra mais famosa: o relatório “Social Insurance and Allied Services”, propondo uma série de políticas públicas com o objetivo de acabar com a pobreza no Reino Unido. Uma das suas propostas envolvia a criação de um novo sistema de saúde pública e seguridade social que, segundo ele, seria crucial para a sociedade britânica quando a guerra acabasse. Conhecido como Plano Beveridge, o relatório foi escrito em pleno Reform Club, o templo histórico do liberalismo britânico.

O Partido Trabalhista aprovou a ideia e espalhou pela Inglaterra cartazes com o seguinte slogan: “tome uma dose liberal de Beveridge”. Uma campanha nacional transformou o despretensioso relatório em best-seller. Friedrich Hayek não gostou nada daquilo.

Foi neste contexto que Hayek escreveu seu mais famoso livro, “O Caminho da Servidão”, discordando da leitura política de Beveridge. Na leitura hayekiana daquele turbulento período, os nazistas seriam apenas uma variante à direita do socialismo. O que viabilizou o nazismo, segundo Hayek, foi justamente a expansão do poder do Estado. Portanto, para evitar a ascensão de autoritários, seria necessário manter um Estado pequeno e modesto nas políticas sociais. É por isto que “O Caminho da Servidão” abre com uma dedicatória destinada a “socialistas de todos os partidos” – no caso, o recado era para William Beveridge, do Partido Liberal.

Inicialmente, o livro de Hayek não teve muita repercussão na Inglaterra e o plano de Beveridge foi aprovado pelo parlamento, dando origem ao Estado de Bem-Estar Social Britânico. O NHS – sigla para Serviço Nacional de Saúde, ou National Health Service – foi criado neste contexto. Foi uma profunda reforma no Estado britânico e inspiraria, décadas depois, a criação do nosso SUS.

Quando “O Caminho da Servidão” chegou aos Estados Unidos, rapidamente o livro se transformou num best-seller inesperado, elevando Hayek ao posto de grande referência na defesa da limitação do Estado. No prefácio da primeira reimpressão, Hayek se surpreende com a repercussão global daquela obra escrita para o debate público britânico, sem maiores pretensões. Além de superar limites de espaço, o livro de Hayek rompeu também as barreiras do tempo. Até hoje, “O Caminho da Servidão” é lido e elogiado por todo o planeta. É uma das mais influentes obras políticas da história humana. Poucas décadas depois, Margaret Thatcher e Ronald Reagan chegariam ao poder fazendo referências constantes ao livro e seu autor.

Assim como Hayek ajudou a fundar uma nova direita, Beveridge contribuiu para o surgimento de uma nova esquerda. Cerca de 40 anos após a criação do NHS, o Partido Liberal britânico se fundiu com o Partido Social Democrata, dando origem ao atual Partido Liberal Democrata, terceira força da política local. Nos Estados Unidos, a visão de Beveridge foi incorporada ao Partido Democrata. Uma aliança similar deu origem ao PSDB no Brasil. Ao comentar o fato de o Estado de Bem-Estar Social britânico ter surgido dentro do Reform Club, o grande liberal José Guilherme Merquior indagava: onde mais poderia ser? Na visão de Merquior, políticas sociais são típicas de um Estado liberal, consequência natural da tradição de pensamento inspirada no século 20.

Dos anos 1940 para cá, sistemas de saúde pública e políticas de redistribuição se tornaram cada vez mais comuns. O próprio Hayek expandiu sua visão sobre as funções legítimas do Estado nos livros seguintes, mas morreu sem esconder seu desprezo por Beveridge. Numa entrevista, chegou a dizer que o ex-colega não entendia nada de economia e precisava de ajuda dos outros para escrever sobre assuntos complexos.

De fato, Beveridge nunca foi capaz de arranhar a profundidade de Hayek como pensador, mas é difícil negar que ele ganhou o debate. A expansão do Estado de Bem-Estar Social coexistiu com uma expansão vigorosa da democracia e da liberdade. Independentemente do vencedor, o debate entre Hayek e Beveridge não deveria ter sido esquecido, pois nos fornece valiosas lições sobre os debates internos que sempre foram comuns na tradição liberal. Num país onde a história do liberalismo é esquecida e poucos se lembram da diversidade que sempre foi comum a esta tradição de pensamento, é importante rememorar esta história.

17 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 17 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    José Ricardo

    ± 0 minutos

    Bom artigo, estou a lanterna de popa do Roberto Campos, o caminho da servidão será o próximo livro que irei estudar!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Amaral

    ± 46 dias

    Estado do Bem-Estar social no Brasil só gera "bem-estar" pro topo da pirâmide...sem resolver essa assimetria, cuja discussão no Brasil é tratada como assunto de mesa de bar, não dá nem pra pensar em manter essa estrovenga, por mais que os Pedro Menezes e o Marcos Lisboas da vida tentem convencer-nos do contrário...Façam o Estado caber no Brasil já !!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    djanuzi fontini reis

    ± 46 dias

    Primoroso o texto. Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dimas N

    ± 47 dias

    Um ESTADO virtuoso contem a igualdade em todos os pontos sob sua égide, não admitindo privilégios em nenhuma hipótese.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Emerson Luís

    ± 47 dias

    Beveridge "venceu" o debate porque disse aquilo que políticos e burocratas queriam ouvir: uma racionalização justificando o aumento do seu poder e riqueza.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mauricio Conde

    ± 47 dias

    O tão decantado "Estado de Bem Estar Social" para funcionar precisa necessariamente de reformas sobre o tamanho do próprio Estado. É condição "sine qua non" que o Estado seja reformado e enxugado. No Brasil, o Estado vive para si mesmo. Abocanha com violência a maior parte das riquezas produzidas aqui. O PIB é quase todo utilizado para manutenção do próprio Estado, com seus privilégios, benefícios, desperdícios, burocracias, fraudes e desvios. Falar de Estado de Bem Estar Social para o Brasil de ontem e hoje soa como mais uma ideia utópica, entre tantas outras.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSÉ IVALDO

    ± 47 dias

    Hayek tinha razão, hoje temos um Estado inchado, um povo escravizado (caminho da servidão) com tantos impostos, e poucos funcionários públicos usam o SUS, esse fica pros “menos iguais”.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LABr

    ± 47 dias

    Excelente texto. Fica a certeza de que o embate de idéias de forma civilizada é o marco decisivo de grandes transformações. Hayek só pecou na insistência do Estado mínimo quando, em qualquer lugar, o que importa é o Estado necessário, sem os inchaços que o tornam corrupto, lerdo e ineficiente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vitor Chvidchenko

    ± 47 dias

    Bem interessante. Porém, acho que cabe atualmente uma reflexão sobre os limites do Estado do Bem-Estar Social. A história recente da Europa mostrou que este tipo de regime tende a se expandir de forma contínua ao longo do tempo, até chegar ao limite em que a população começa a se acostumar com a "dupla fatal", que é: "pouco trabalho/muitas benesses". Foi por essas e outras que a Europa entrou em uma grande crise econômica (e eu diria até cultural), que dura até hoje. A discussão atual me parece muito polarizada entre o liberalismo radical e a social-democracia "super-generosa", ou seja, entre extremos. Encontrar um ponto de equilíbrio no meio parece ser o grande desafio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 47 dias

      Por exemplo, mecanismos estatais de ação social deveriam sempre ser estabelecidos com "cláusulas de saída", ou seja, visando deixar a pessoa pronta para não depender mais dele, no médio prazo. E este tipo de controle deveria ser feito de forma constante e rigorosa, justamente para não deixar que a cultura do "100% direitos e 0% dever" se estabeleça. Quando isso acontece, é o fim de um país. É aquela história: "estou te ajudando, mas você vai ter que dar um retorno lá na frente".

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Buss Back

    ± 47 dias

    Texto excepcional! Boa qualidade com conteúdo enriquecedor

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thiago Vieira de Mello

    ± 47 dias

    Muito bom texto. Está na lista para leitura

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André

    ± 47 dias

    Muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre

    ± 47 dias

    Parabéns pelo texto. Como de costume, claro, relevante e instrutivo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Saber é poder

    ± 47 dias

    Estou aproveitando o vírus chinês para atualizar as leituras. Concluí "Mein Kampf", "Riqueza das Nações" (Adam Smith), "Segundo tratado" (Locke), e o maravilhoso "Ética protestante" (Weber). Comecei "O Caminho da Servidão" e achei a leitura clara e leve. Recomendo a todos esse tipo de bibliografia, pois, nesse país onde toda a educação escolar (e universitária) é completamente imposta de modo heterônomo, somente o estudo autônomo e diletante esclarece e salva a nossa liberdade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MMartins

    ± 47 dias

    Excelente reportagem, traz um pouco da história econômica e social que nos inspirou e ainda inspira na busca de um sistema de governo equilibrado e presente na vida de nós brasileiros!! Parabéns!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Waslan Sabóia Araújo

    ± 47 dias

    Ótimo texto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.