i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Pedro Menezes

Foto de perfil de Pedro Menezes
Ver perfil
Hora de pensar no país

Só a política pode salvar a economia brasileira

  • Por Pedro Menezes
  • 16/06/2020 20:52
Só a política pode salvar a economia brasileira
Só a política pode salvar a economia brasileira| Foto: Marcos Corrêa/PR

De acordo com o IBGE, desde 1900 (primeiro ano com dados disponíveis), a pior taxa de crescimento do PIB na história do Brasil foi registrada em 1981. Naquele ano, a economia encolheu 4,35%. Segundo o Focus, relatório do Banco Central que reúne previsões do setor privado em relação à economia brasileira, espera-se uma queda de 6,5% em 2020 – a maior na história do Brasil. Se a situação lhe parece feia, aguarde, piora bastante quando observamos os anos seguintes e a situação das contas públicas.

Segundo o mesmo Focus, espera-se um crescimento de 3,5% em 2021 e 2,5% em 2022. Caso o cenário se confirme, Bolsonaro chegará ao fim do seu mandato com um PIB similar ao que encontrou, praticamente sem crescimento. Em relação ao PIB por habitante, que reflete melhor o bem-estar médio da população, a expectativa é de queda com relação ao início do mandato.

Eu disse que pioraria bastante quando eu comentasse a situação das contas públicas. E é verdade: segundo relatório recém-divulgado pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado, a dívida pública brasileira só vai se estabilizar “3 ou 4 anos após 2030”. A perspectiva de novos superávits primários também fica para depois de 2030. Ou seja, se você tiver um filho hoje, a IFI prevê que ele entra na puberdade antes das contas públicas ficarem no azul. Cabe ressaltar que me refiro ao cenário intermediário da IFI – nem pessimista, nem otimista.

Muitos economistas, e me incluo na turma, defendiam que o teto de gastos fosse usado como referência para uma extensa agenda de reformas. Má notícia: segundo o IFI, o governo será obrigado a descumprir o teto a partir do ano que vem.

Será que os juros, tão baixos, podem nos ajudar? Aí entra outra complicação: a SELIC, taxa de juros que aparece nas manchetes, não guia sozinha as decisões de empreendedores. Afinal, trata-se da taxa de juros referente ao curtíssimo prazo. Para que os empresários decidam investir na sua capacidade produtiva ao invés de comprar títulos públicos, os juros de longo prazo – definidos pelo mercado, sem intervenção do Banco Central – precisam diminuir. Desde a pandemia, tais “juros longos” cresceram bastante.

O cenário econômico é uma calamidade histórica. Além de tudo o que escrevi, o Brasil não apresenta crescimento satisfatório e sustentado desde o início dos anos 1980. De lá para cá, nós nos afastamos dos países ricos, ao contrário do que se espera de um país de renda média. Estamos numa economia emergente que só submerge há 40 anos.

Dado esse cenário de longo prazo, cabe ressaltar que a culpa não é apenas de Bolsonaro. Todas as lideranças das últimas décadas merecem uma boa dose de culpa pelo desastre brasileiro. O que cabe ao presidente é a cobrança para que a situação mude. Como chefe de Estado, muitas reformas são de competência exclusiva de Jair Bolsonaro – isto é, só podem ser propostas por ele.

Em segundo plano, a resolução do desastre cabe aos parlamentares, que precisam votar com celeridade o que o presidente propõe e melhorar os projetos, ao invés de piora-los. Ao contrário do que muitos pensam, Bolsonaro não é mais poderoso do que as casas legislativas comandadas por Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. O poder dele é diferente e está concentrado em um ser humano, ao invés dos 594 (513 deputados e 81 senadores) que compõem o Congresso Nacional. A lembrança é válida para legitimar o Legislativo como ente fiscalizador do Executivo, mas também para lembrar que Maia, Alcolumbre e todos os parlamentares devem ser responsabilizados, pois possuem o fundamental poder de mudar o Brasil.

A agenda que precisa ser implementada é extensa: abertura comercial, reforma tributária, reforma do Judiciário, reforma do licenciamento ambiental, desburocratização da máquina pública, aprovação do novo FUNDEB, substituição de políticas sociais ineficientes por outras que tenham o poder de resolver algumas das injustiças sociais brasileiras... E ainda é pouco perto do que precisamos fazer. Não dá para resolver um desastre estrutural e colossal com medidas cosméticas. Até por isso, a eleição para a presidência da Câmara e Senado, no início de 2021, é fundamental.

Por outro lado, cabe a Bolsonaro criar um ambiente com menos conflitos desnecessários e mais pacificação. Dizem que o presidente é incapaz de gerar harmonia e moderação. Sua carreira confirma a suspeita. Um exemplo simbólico é seu ministro da Educação, que é mais conhecido por suas opiniões sobre o STF do que pelas propostas do seu ministério, tão importante para o crescimento de longo prazo do país.

No cenário do fim de 2019, sem pandemia, a moderação e pacificação do debate eram opções para Bolsonaro. Por mais importantes que já fossem desde àquela época, o presidente não corria o risco de cair enquanto a economia mostrava sinais de melhora. Entrevista ruim não derruba presidente, mas crises econômicas derrubam.

Desde a pandemia, tudo mudou. A frágil situação econômica se tornou um caos, tão preocupante quanto qualquer outro cenário já visto desde 2016. Temer navegou por mares mais calmos que o atual. Hoje, a estabilidade do barco e o diálogo entre diferentes é mais importante do que nunca. Além dos interesses políticos de Bolsonaro, a pacificação importa porque o Brasil importa.

Se o barco afundar, afundaremos todos juntos. Só a política pode nos salvar. Lembre-se disso antes de, raivosamente, gritar com quem pensa diferente de você. Quando o pulmão está cheio de água, o sujeito deixa de ser liberal, conservador ou socialista, e passa a ser apenas um cadáver. Chegou a hora de pensar no país.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 13 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Francisco Krupa

    ± 38 dias

    Esses 4 anos do Bolsonaro já eram. Este ano está perdido por causa da pandemia. Em 2021 o país vai estar de ressaca da pandemia e 2022 , ano de eleições, os políticos não vão trabalhar. Ou seja, o povo tem que escolher o melhor candidato possível, isso se aparecer algum, para só em 2023 fazer o país andar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Vallim de Medeiros

    ± 40 dias

    Se tudo é culpa de Bolsonaro, escolhamos alguém mais perfeito, em 2022 ou, aguardemos dar sorte ao longo deste século. Pois ele, apesar de imperfeito, é o que mais se aproxima da pessoa capaz de liderar essa caminhada; desde que me entendo por gente. Aos 75 , já apostei em várias promessas, para consecutivas decepções. Pois, se você for justo, terá percebido, que não é ele que causa desarmonia: nem foi ele que se esfaqueou.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    eneida

    ± 41 dias

    Excelente análise. Mas para isso acontecer precisaríamos ter no comando dos destinos da nação, homens patriotas e com espírito público. Dá para citar um desde que D. Pedro II foi deposto?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nico Gavelick

    ± 42 dias

    Muito bom o artigo, lembrou a enorme responsabilidade que o Congresso tem. O problema é que, enquanto não houver voto distrital puro, nosso Legislativo continuará uma podridão só.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    A. Brito

    ± 42 dias

    Parabéns, Pedro! Excelente artigo! Uma pena que o Governo não ajuda o país e insiste na radicalização.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Ben dez

    ± 42 dias

    Como vai conseguir pacificação num ambiente em que povo e políticos se digladiam e esquecem o fundamental. Parlamentares mas perdem tempo se atracando um com os outros a que resolvendo as questões políticas, certas mídias acirram os embates ideológicos jogando um contra os outros, oportunistas que roubam a custas da saúde do povo, juízes que soltam criminosos perigosos e ganham um absurdo de regalias, é uma coisa errada atras da outra.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Felipe de Mello

    ± 42 dias

    Perfeita análise e a Gazeta por manter ótimos colunistas.Já passou da hora do nosso governo ser mais político.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Carlos Giublin Junior

    ± 42 dias

    A análise é correta. Não só a pandemia, mas a maneira como ela foi tratada no início por prefeitos e governadores incompetentes, que não que nada sabiam mas demonstraram sua arrogância e confiaram nos "especialistas" que também não sabiam nada, destruiu a economia. Desde março o Presidente alertava para isso, mas os "bonzinhos" que só se preocupam com a vida disseram que a vida é mais importante que a economia, como se não fosse a economia que dá oxigênio à vida. Hoje temos a destruição da economia e óbitos que não param de crescer . Precisamos de reformas, urgentemente. Mas alguém acha que Legislativos dirigidos por Maias e Alcolumbres irão resolver essa questão?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Buss Back

    ± 42 dias

    Alô Gazeta. Precisamos de mais colunistas como esse!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Reckziegel

    ± 42 dias

    Faltou um dos principais desafios que este país vai precisar enfrentar: o tamanho da máquina pública! Moro numa cidade próximo aos 200 mil habitantes. Ela possui 21 vereadores e sua estrutura faraônica, com um sem fim de assessores e aspones. Se o Brasl quer realmente crescer com sustentabilidade, precisará rever essa estrutura gigantesca que só consome recursos e não traz desenvolvimento econômico. Não será qualquer um que irá mexer neste vespeiro.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    João Carlos Carvalho

    ± 42 dias

    Um artigo perfeito ,sua análise foi muito correta ! Infelizmente com essas duas crises instaladas no Brasil , a do coronavirus e a econômica ,vai ser muito difícil a reeleição do Bolsonaro ! Irá ser culpado pelos esquerdistas por tudo de ruim que acontecer ao país !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Carvalho

    ± 42 dias

    Muito bom! Que todos possamos refletir a respeito!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André

    ± 42 dias

    Concordo plenamente, mas acho que a tendência é de radicalização, e isso dificilmente vai mudar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.