i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Polzonoff

Foto de perfil de Polzonoff
Ver perfil

"Para nós, há apenas o tentar. O resto não é da nossa conta". TS Eliot.

O que o novo “Borat” revela sobre o humor e o desalento de toda uma geração

  • 25/10/2020 19:55
Sem tabu não há transgressão e sem transgressão não há humor. Eis uma das coisas que, sem querer, o novo filme de Sacha Baron Cohen revela.
Sem tabu não há transgressão e sem transgressão não há humor. Eis uma das coisas que, sem querer, o novo filme de Sacha Baron Cohen revela.| Foto: Reprodução/ Amazon Prime

Quem rir de “Borat: Fita de Cinema Seguinte” talvez se engasgue com a pipoca e não perceba, mas o filme com o personagem mais famoso de Sacha Baron Cohen é, por trás de toda a irreverência pretensamente crítica e todo o humor sujo, uma celebração da tolerância que torna o convívio entre os diferentes possível. Por outro lado, a própria existência do filme revela o cansaço e o desalento da juventude. É o que pretendo argumentar neste texto.

Nesta sequência inferior, mas não muito, do megassucesso de 2006, o grande Бора́т Сагди́ев volta aos Estados Unidos com a missão de dar um presente ao vice-presidente Mike Pence: a própria filha de 15 anos, Tutar. A personagem revela ao mundo o talento para o humor escrachado (para quem gosta, claro) da búlgara Maria Bakalova, além de servir de escada para a ignorância machista de Borat.

No filme estão presentes todas as características que tornaram Sacha Baron Cohen e seu personagem tanto admiráveis quanto abomináveis, sobretudo o uso da escatologia e a manipulação de situações para reforçar o caráter cômico do que o ator vê como hipocrisia inata da “América profunda”, também chamada de “estadosunidozãodemeudeus”. Para Cohen, todas as características abjetas de Borat são uma versão exagerada das características abjetas da sociedade norte-americana.

Eu, pessoalmente, rio, porque rio de tudo e é bastante difícil me sentir ofendido com qualquer tipo de humor. Mas compreendo quem se ofenda com os “ataques” de Cohen/Borat. Ainda mais no clima político atual, que é bem diferente do de 2006. Naquela época, estava mais claro que o objetivo do comediante era o riso. Hoje em dia vemos maquinações políticas por toda parte.

Tolerância

À medida que o filme avançava, porém, comecei a perceber nos personagens vítimas do bullying cazaque algo que tinha passado despercebido também no primeiro filme: a extrema tolerância dos norte-americanos, mesmo os mais capiaus, às grosserias, à ignorância e à flagrante hostilidade de Borat. O que soa como aceitação e concordância não passa de um dar-de-ombros para os defeitos morais alheios, como se as pessoas criadas na defesa da liberdade própria e alheia soubessem que não devem se intrometer em nada.

Se há uma cura para a estupidez, ela não está na força de uma agressão física ou verbal. Há algo mais civilizado do que isso?

Imagino o que aconteceria a Sacha Baron Cohen se seu personagem entrasse numa confeitaria brasileira qualquer e pedisse que o bolo fosse decorado com algum texto explicitamente racista. Ou se tirasse sarro do estilo de vida de alguém na periferia. Ou ainda se ele destruísse um baile de debutante numa cidade do interior do Mato Grosso. E, no entanto, por mais falsas que possam ser as interações de Sacha Baron Cohen com as pessoas comuns em "Borat", o filme não mostra nenhum confronto.

A mentalidade de “o cliente tem sempre razão" ou do “não é da minha conta”, porém, tem lá seu lado perverso. Há certa permissibilidade repugnante no pastor que não chama a polícia ou o Conselho Tutelar ao se deparar com uma evidente relação de incesto. Há uma resignação meio triste no olhar do homem que vende uma jaula que ele sabe que o cliente pretende usar para prender a filha. E isso nos incomoda. Daí a graça - ou não-graça - do filme.

Desalento

Há, ainda, algo de desalentoso, por assim dizer, no novo Borat. Algo de cansado. A repetição do personagem, a repetição do humor, a repetição da linguagem, a repetição da transgressão, a repetição da repetição que o filme representa são como uma confissão de derrota de toda uma geração. Não há mais novidades realmente transgressoras, tanto esteticamente quanto no conteúdo. Vivemos de citar, recriar e copiar referências vazias de 15 anos atrás.

E como seria possível transgredir numa sociedade que não se choca com absolutamente nada? Daí porque "Borat 2", talvez sem querer, reforce a necessidade de termos valores sólidos e sustentarmos alguns tabus. Afinal, como podemos rir se não somos preconceituosos a ponto de achar o personagem ou a situação ridículos? Como podemos expressar o absurdo cômico quando não consideramos mais nada absurdo?

"Borat: Fita de Cinema Seguinte" também mostra que a politização de tudo cansa. E perde a graça. Fico imaginando como esse filme será visto daqui a dez, vinte anos. Serão necessárias notas de rodapé para que as próximas gerações compreendam algumas cenas – das quais provavelmente não rirão. O que mostra que esse tipo de comédia, assim como as gerações que o produzem e consomem, é refém do efêmero.

13 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 13 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    LSB

    ± 4 dias

    Ainda não vi o filme (provavelmente verei). Assiste o primeiro. O fato de saber q retoma o “mesmo” humor não é alvissareiro , pois era o tipo de humor q fazia rir pela “inovação”. A repetição perde a graça normalmente (mesmo o primeiro filme - q ri muito - se torna meio “cansativo” no final por ser “mais do mesmo”). Todavia, o maior elogio ao artigo vai para o paralelo entre a cultura americana e a nossa: excelente abordagem/ponto de vista. Abs!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme Tavares Malizia Alves

    ± 4 dias

    Bill Maher explica isso muito bem. Os americanos ficaram tão tolerantes que se tornaram tolerantes à intolerância.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FRANCIELY

    ± 4 dias

    Borat é a minha esperança que o mundo seja menos "politicamente" correto, para ser apenas correto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Moacir Schmidt

    ± 4 dias

    Concordo com tudo, menos que algo vai mudar daqui a 20 anos. Se mudar, vai ser pra pior.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Clovis

    ± 4 dias

    Paulo, ótimas observações.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme

    ± 4 dias

    Excelente crítica, Paulo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    J. MOACIR

    ± 4 dias

    Ao contrário do que muitos imaginam , os EUA - no geral - são muito tolerantes , é a cultura do " beijinho no ombro ". Vi o filme , nem rí tanto , mas concordo com a análise do PP. Entra em qualquer comunidade do Brasil , faz uma zoeira para ver quantos fuzis aparecem...Nas cidades do interior pior ainda.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Regina Célia Baldin

    ± 4 dias

    Ao acompanhar tanta imbecilidade que vem ocorrendo, mais uma nos ocorre dizer: E daí?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DENISSON HONORIO DA SILVA

    ± 4 dias

    Irei assisti-lo. Já que nem mesmo o 2006 cheguei a ver. Mas se perderá a atualidade somente o tempo dirá. É somente observar que Dom Quixote avacalha com todos com a igreja, os nobres, os poderosos, a superstição. Para mim é o livro mais importante de todo a história da humanidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rodrigo Bertozzi

    ± 4 dias

    Paulo, nas situações que apresentou sobre o Borat no Brasil , nem seria filme, mas documentário da não conclusão do mesmo. Os americanos são exatamente como você descreveu. A vida é de cada um. Ri ao imaginar o Borat na quebrada paulista tirando sarro do Mano Brown. Ou no interior do país. Viraria Boratcha.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lex Aleksandre

    ± 4 dias

    Já vou pra minha terceira tentativa de concluir o filme. Muito sem graça e imbecilizante. Mas hoje procurarei assistir ao restante. Essa é a vantagem de se assistir em streaming: sempre poder continuar de onde parou.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    TIAGO SILVA

    ± 4 dias

    Filme muito bom ! Um bom olhar (comico, claro e o Borat, nao Shakespere) desse nosso 2020 tao polarizado. E daqui a 10 anos, vai continuar atual.... ou acha que essas que nossa sociedade vai evoluir tao rapidamente com os politicos de hoje e a educacao presente?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]