i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Polzonoff

Foto de perfil de Polzonoff
Ver perfil

"Para nós, há apenas o tentar. O resto não é da nossa conta". TS Eliot.

Abstenção voluntária: o mundo não se dobrará às suas vontades. E isso é bom

  • 01/12/2020 09:57
Ao olhar para o dia nublado, Z. não entendia por que o Sol não se impunha no grito. E isso foi demais para ele.
Ao olhar para o dia nublado, Z. não entendia por que o Sol não se impunha no grito. E isso foi demais para ele.| Foto: Pixabay

No domingo (29), Z. não acordou para votar. Tampouco acordou para ver o céu muito azul, com aquelas nuvens craqueladas que dão ao firmamento um ar Renascentista. Z. não acompanhou a apuração, não tripudiou sobre os derrotados, não celebrou vitórias de Pirro, não leu a análise acertadíssima de alguém no Twitter. Z. não fez nada disso, porque no sábado à noite se ocupou do maior problema filosófico do nosso tempo. E a ele sucumbiu.

Era um homem muito inteligente, Z. Talvez fosse inteligente demais. Jordan Peterson, que era para ser o tema do texto de hoje e talvez até reapareça nos parágrafos seguintes, fala muito bem sobre isso em seu “12 Regras para a Vida”. É mesmo tentador, do ponto de vida individual e da espécie, dar ouvidos demais ao órgão mais arrogante que temos: o cérebro. Depressão & Iluminismo formam uma combinação esdrúxula e talvez um bom nome de dupla sertaneja, além de serem sinais evidentes da doença física, espiritual e histórica causada pela soberba de nossas sinapses.

Mas como convencer o cérebro de que ele tem limitações? Uma delas, por sinal, é não conseguir imaginar um mundo sem nossa presença. É por isso que inventamos almas penadas, gasparzinhos e até anjos. É a forma que o cérebro encontrou para observar um mundo do qual ele só faz parte tangencialmente. Há outras coisas que o cérebro não consegue conceber. O próprio sentido da vida. Daí porque só os tolos buscam explicação para essas tragédias.

Veja se não é este o caso. No desespero de se livrar das agruras da vida, Z. disse “pra mim chega”. E chegou. Assim acreditava ele que a morte é uma espécie de monastério onde os espíritos fazem voto eterno de silêncio. Mas, por acaso ou milagre, você decide, eis que Z., contra sua vontade, está presente aqui, em cada um desses parágrafos, e por consequência na mente das dezessete pessoas que estão lendo este texto.

Arroz por cima do feijão

A vida vai muito além daquilo que consideramos vida. Muito além das infindáveis discussões nas redes sociais, daquele texto revoltante que você refutou tão bem com um meme, das eleições, das preferências estéticas, da crença ou descrença no progresso. Muito além das injustiças, da falta de oportunidades, da sabotagem das pessoas próximas, da sensação de inequívoca solidão. A vida vai muito além de tudo o que cabe num parágrafo, por mais bem construído que ele seja.

Eis uns dos temas, aliás, da minha última conversa com Z. Conversávamos sobre a politização de tudo. Falávamos de literatura, porque era a paixão que nos unia, mas a conversa transbordou para outros campos. Nem tudo é vitória ou derrota, esmagamento do adversário ou pedido de clemência. Nem tudo é ver prevalecer sua vontade sobre os demais. Z. me dizia que sonhava com o mundo assim e assado e eu, vestindo a barba branca e comprida de uma sapiência passageira, lhe dizia que nossos cérebros compõem paraísos sem espaço para o contraditório. E que graça tem a vida sem aqueles que põem o arroz por cima do feijão?

Não que minhas palavras de um lustro atrás fossem fazer qualquer diferença. E, no mais, agora é tarde.

O que me obriga novamente a citar Jordan Peterson, cuja mensagem de responsabilidade pessoal e submissão ao acaso soa tão ofensiva hoje em dia. Pois na semana passada a editora Penguin Random House anunciou a publicação de mais um livro de Peterson, com mais “regras” para uma juventude que precisa ouvir coisas óbvias como “antes de querer arrumar o mundo, arrume a cama” ou “se encontrar um gato enquanto estiver atravessando a rua, pare para acariciá-lo”.

Seje hómi

A notícia foi recebida com algum entusiasmo por leitores como eu. E com choro e gritaria pelos funcionários da editora, revoltados com a publicação de um autor que eles consideram fascista, transfóbico e divulgador de ideias reacionárias, que talvez combinassem com um mundo pré-1968, mas hoje não mais. Para essas pessoas, a simples existência de ideias que contradigam seu discurso, sua narrativa, sua frágil visão de mundo e de futuro é uma afronta. E Peterson precisa ser calado, antes que ele cause, em cada um de seus adversários, uma minitragédia.

Não me consta que Z. tenha se interessado pelo “12 Regras”. Ele tampouco poderá ler as outras 12 regras do próximo livro de Peterson. E, sinceramente, duvido que isso fizesse alguma diferença. Há explicações físico-químicas para a autoviolência, embora eu prefira as explicações mais complexas, de natureza filosófica e espiritual. Ao olhar para o dia nublado, Z. não entendia por que o Sol não se impunha no grito. E isso foi demais para ele. E é demais para toda uma geração que acredita que versões semiadultas de birrinhas infantis – não quero que o tio Peterson diga “seje hómi” – são aceitáveis.

De Z. fica a lembrança difusa das boas conversas, das indicações de livros, das indignações bem-humoradas, dos muitos planos nunca concretizados – inclusive aquele chope, aquele. Mas fica também o bom alerta da desistência alheia: o caos é bem-vindo e a ordem completa é uma quimera macabra. A vida fica bem mais suportável quando aceitamos isso.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Marta M S Kogut

    ± 0 minutos

    Que texto excelente! Parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      MATHEUS GUILHERME REIS

      03/12/2020 11:51:30

      Que texto magnífico, e que história triste de Z. Uma homenagem bela e inspiradora.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • E

        Eduardo Sol

        03/12/2020 2:03:33

        Façam como eu. Falem de Jordan Peterson para amigos. Indiquem o livro ou os vídeos, já que poucos leem hoje. Ele salva vidas. E foi transformador para mim. Há muitos homens perdidos. E parece que ninguém dá a mínima para isso. Cabe a nós, homens perdidos, então, nos ajudarmos

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          Julio C. Valaski

          01/12/2020 14:02:54

          Independente de quanto eu concorde ou discorde de suas ideias, Paulo, vou comentar já, antes de terminar a leitura, porque esse parágrafo está, SIM, muito bem construído, fantástico! "A vida vai muito além daquilo que consideramos vida..."

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.