Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O “gancho” para este texto é o cancelamento de Dr. Seuss, o querido autor de livros infantis. Mas a verdade é que queria ver a Emengarda ganhar vida.
O “gancho” para este texto é o cancelamento de Dr. Seuss, o querido autor de livros infantis. Mas a verdade é que queria ver a Emengarda ganhar vida.| Foto: Adlai Lustosa

Daniela estava tão magra
E fraquinha de dar dó.
Comia feito uma draga
E parecia feita de pó.

Um dia a levaram ao médico,
Doutor Lustosa era seu nome.
Um velho deveras caquético,
Cara de que a alegria lhe some.

Com o olhar sem nenhuma piedade
O sábio Lustosa a todos tranquilizou:
– É só uma tênia, que assim, sem maldade,
Do corpinho da Daniela se apossou.

Explicou ele à menina curiosa
Que a tênia também era solitária.
Daniela imaginou a bicha toda rosa
E logo se perdeu em fantasias hilárias.

E assim o amor, que nunca tarda,
Se pôs a parasitar a doce criança,
Que à tênia deu o nome de Emengarda,
A amiga que morava em sua pança.

Emengarda ganhou uns olhinhos
Melosos e tristes como os da dona.
E por que não também uns dedinhos
Para fazer cosquinhas na glutona?

Mas o médico tudo isso ignorava. 
Emengarda para ele era só doença.
– Um verme! – entre cuspes apregoava,
– Do qual temos que arrancar a cabeça!

A sonhadora Daniela começou a chorar,
Mas o doutor a amizade desconhecia
E, ansioso para a menina faminta curar,
A existência de um remédio agradecia.

De dentro da menina, o platelminto
O intestino dela beijava e acariciava.
E Daniela, como que por instinto,
Ao verme quase humano se apegava.

– Emengarda é minha tênia e a boneca
Que vive toda alegre em minha barriga!
Não deixarei um médico velho e careca
Arrancar a cabeça da minha amiga!

Horrorizados os pais e o doutor Lustosa
Riram do pesar da menina ranhenta
Que, de nariz empinado, afrontosa,
Protegia Emengarda, tênia nojenta.

O remédio que doutor Lustosa receitou
A brava Daniela jurou que jamais tomaria.
Com lágrimas e muito ranho a boca fechou
Rejeitando o veneno que o verme mataria.

Emengarda no íntimo a tudo ouvia
E, triste, aceitava a morte por destino.
Pensava que se fosse, sei lá, cotovia
Não estaria presa ao soturno intestino.

Depois de muito choro e duas palmadas,
Daniela, a fera, finalmente a bocarra abriu.
Das entranhas a tênia seria despejada,
De nada lhe valeu a valentia infantil.

Não sabiam, porém, os tolos humanos
Que o veneno para a teniazinha matar
Causaria à hospedeira mortais danos
E a ela de nada adiantava espernear.

Para salvar Daniela, a tênia da infanta
Esticou ao máximo uma ventosa improvável
E o remédio roubou-lhe na garganta,
Impedindo, assim, um fim mais lastimável.

O médico sorriu, consigo satisfeito,
E os pais da menina a ele deram graças.
À menina restou uma estranha dor no peito
E a vontade de fazer ainda mais pirraça.

A tênia morreu e, dois dias mais tarde,
Seu corpo apareceu com outros dejetos.
Do feito heroico ninguém fez alarde,
Caiu no esquecimento seu verminoso afeto.

* O gancho jornalístico para a publicação de “Que Deus a tênia!” é o cancelamento do mais querido autor de livros infantis do mundo, Dr. Seuss. Mas a verdade é que já estava mesmo na hora de ver a Emengarda ganhar vida.

17 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]