i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Renan Barbosa

Foto de perfil de Renan Barbosa
Ver perfil
Vaza Jato

Greenwald, Coaf e Polícia Federal: entre o alarmismo político e o Estado Policial

  • Por Renan Barbosa
  • 11/07/2019 21:30
Glenn Greenwald na CCJ do Senado. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
O Senado realizou, nesta quinta-feira (11), audiência pública com Gleen Greenwald, jornalista do site The Intercept Brasil.| Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Antes desconhecido do grande público, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) tornou-se pivô de discussões políticas pela segunda vez em menos de seis meses – e não por acaso, uma vez que seu nome está ligado, desde o fim das eleições, a Sergio Moro, ministro do governo Jair Bolsonaro (PSL) que é o maior antagonista político do bloco da maioria, o chamado “centrão”, e do PT, por razões óbvias. Mesmo tendo voltado para o Ministério da Economia, o Coaf segue com a equipe montada por Moro e com a imagem associada à do ex-juiz.

A bola da vez, que divide as atenções com a reforma da Previdência, é a suposta apuração que o Coaf estaria fazendo, a pedido da Polícia Federal (PF), das movimentações financeiras de Glenn Greenwald, jornalista fundador do The Intercept, e um dos repórteres da série “Vaza Jato”. Todo o alarme partiu de uma nota divulgada pelo site O Antagonista, que ganhou repercussão na imprensa e respostas de figuras políticas de ponta, como o senador Renan Calheiros e o ex-deputado Wadih Damous.

Curioso que esse caldo, um tanto artificial, foi o ponto de partida para o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MPTCU) pedir a instauração de um processo de apuração, com pedido liminar. Segundo O Antagonista, o pedido da PF ao Coaf teria como objetivo levantar indícios sobre se Greenwald teria encomendado a ação do suposto hacker que teria invadido o celular de autoridades para roubar as conversas divulgadas nas reportagens da série.

O MPTCU vê nisso, se confirmado, um desvio de finalidade. O relator do processo, ministro Bruno Dantas, que chegou ao TCU indicado pelo Senado e que orbita a esfera de influência de Renan Calheiros, concordou: “São deveras graves as questões colocadas pelo douto Subprocurador-Geral. Se confirmados os apontamentos por ele noticiados, estaremos diante de um quadro gravíssimo de manipulação do aparelho repressor do estado contra jornalistas que divulgam informações que trazem incômodo aos membros do governo”.

A narrativa – alguns diriam receio – de um Estado policial e autoritário é a principal bandeira retórica que une o centrão à esquerda petista e para-petista contra Sergio Moro. Aparentemente partilhando desse receio, Dantas intimou o Ministério da Economia e o Coaf a prestar informações, que chegaram antes de vencer o prazo de 24h dado pelo ministro. Paulo Guedes disse não saber de nada, porque o Coaf tem autonomia. O presidente substituto do órgão, porém, não negou. E aí a confusão esquentou.

Alegando sigilo e que o Coaf não comenta casos concretos, o substituto afirmou que “não compete ao Coaf atender a pedidos de RIF (relatórios de inteligência financeira) feitos pela Polícia Federal” e que eventuais irregularidades detectadas poderiam dar ensejo a procedimentos que, só então, seriam compartilhados com a PF. Mas informou que “poderá ocorrer, no entanto, que o Coaf produza um RIF ao obter, por comunicação feita pela Polícia Federal, algum elemento de informação que se revele, em conjunto com informações já possuídas pelo Coaf, significativo para identificação de fundados indícios da prática de crime de lavagem de dinheiro”.

Contudo, se é verdade que o caso pode estar cercado de alarmismo político, tampouco é isento razões para se ficar com a pulga atrás da orelha. Advogados estão quase todos alarmados – o que não é novidade no contexto pós-Lava Jato –, mas o que chama atenção, nesse caso, é que diversos promotores e procuradores, alguns da alta cúpula do Ministério Público Federal (MPF), ouvidos reservadamente, oscilam entre “precisamos de mais informações para opinar” e “espero que não tenham feito isso, porque seria grave”. São pessoas que, todas, não veem nada de irregular nas conversas reveladas pelo The Intercept e que têm criticado, como a ampla maioria dos membros do Ministério Público, os supostos crimes de hackeamento.

O que acontece é que, de fato, o Coaf não tem competência investigativa. Nesse campo, o que o órgão faz é produzir relatórios de inteligência financeira, com base em informações que instituições financeiras têm obrigação legal de enviar-lhe ou que são requisitadas pelo próprio Coaf dessas mesmas instituições. Nem a lei nem o decreto que instituiu o novo Estatuto do órgão, em 1º de janeiro deste ano, permitem ao Coaf atender a pedidos da Polícia Federal.

O que alguns procuradores pontuam, no entanto, é que, se algum procedimento realmente existir, será necessário verificar o teor da comunicação entre a PF e o Coaf, e o contexto em que os inquéritos sigilos estão se desenrolando. Uma coisa seria a PF, sem nenhum indício senão teorias da conspiração de internet, como primeiro ato de investigação, pedir ou – pior – determinar ao Coaf a investigação individualizada de Glenn Greenwald. Diferente seria, como pontuado no ofício enviado ao TCU, a PF enviar livremente ao Coaf informações, apuradas em uma investigação já robusta, para que o Coaf desse o encaminhamento correto segundo a lei. E mesmo aí ficaria a pergunta: os inquéritos que correm na PF não são sigilosos?

Em tese, o tema é preocupante mesmo para membros do Ministério Público que sempre foram entusiastas da Lava Jato – mas, até agora, não há nenhum indício concreto, salvo a nota d´O Antagonista, que aponte para isso. Por outro lado, a gravidade da eventual situação justificaria a ação que o MPTCU está recomendando, isto é, um procedimento fiscalizatório no Coaf? Aliás, teria o TCU competência para isso, ou essa competência seria da Justiça Federal, a pedido do Ministério Público? O Coaf insistiria na tese do sigilo, se a lei diz que “nenhum processo, documento ou informação poderá ser sonegado ao Tribunal [TCU] em suas inspeções ou auditorias, sob qualquer pretexto”?

Há ainda outra questão de difícil resposta: até que ponto se estende a proteção ao sigilo das fontes de um jornalista? É ponto pacífico na jurisprudência do próprio STF que “nenhum direito é absoluto”. Pode o sigilo da fonte ser invocado para blindar um jornalista de investigação, se houver fundados indícios de crimes? Por outro lado, a Convenção Americana dos Direitos Humanos, que é lei no Brasil, dispõe que “não se pode restringir o direito de expressão por vias ou meios indiretos [...] nem por quaisquer outros meios destinados a obstar a comunicação e a circulação de ideias e opiniões”. Em que ponto uma apuração policial se transformaria em um meio indireto de restrição da liberdade de expressão?

Essas são perguntas para as quais, até agora, não há sequer fatos que possam adiantar um ensaio de resposta. Será preciso esperar os desdobramentos do caso – até porque, nesta quinta-feira (11), a Rede Sustentabilidade acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que a corte barre qualquer investigação que porventura esteja em curso contra Greenwald e requeira informações das autoridades competentes. Gilmar Mendes foi sorteado relator, mas, em razão do recesso, o pedido ainda está na mesa do presidente do Supremo, Dias Toffoli.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Decio mango

    ± 2 horas

    Como e fácil se inverter as bolas neste pais...bandido passam a acusadores...eita

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • K

    Klin

    ± 2 horas

    Se não quer entregar os originais é porque tem muito a esconder. Está no descrédito. Penso que jornalista não tem forro prive ligado e deve ser investigado sim.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LUIZ APARECIDO DE CARVALHO

    ± 2 horas

    Se um jornalista vem de fora se refugiar no Brasil ajuda o namorado a se eleger de****do federal com 17 mil votos apenas como suplente de outro do mesmo grupo que deixa o cargo após ser eleito, consegue de forma exclusiva , gravações conseguidas de forma criminosa e que não pode ser investigado , então aqui é mesmo a república de banana onde até jornalista tem foro privilegiado , pra cometer desvio sem ser incomodado , estamos no fundão do poço.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 3 horas

    O Coaf não tem poderes para investigar, nem pessoal para realizar fiscalização. Simplesmente recebe das instituições financeiras e outras entidades relatórios apontando movimentação suspeitas. Analisa esses relatórios e, se for o caso, encaminha denúncia às autoridades competentes (MPF, por exemplo).

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      Freitas

      ± 3 horas

      movimentações suspeitas...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos A.

    ± 3 horas

    O Sr Verdevaldo já afirmou que não vai entregar nenhum material para perícia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ae Carvalho

    ± 3 horas

    Renan Calheiros na história também, por tras do TCU. Um complô contra a Lava Jato, pois não?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FYK

    ± 3 horas

    Gilmar Mendes foi sorteado como relator? E você acreditou que foi sorteado mesmo...piada...kkkkkkkkk

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre

    ± 4 horas

    A administração pública é uma só! O que se pretende é dificultar a solução. Ora se existe um ramo especialista no assunto qual o problema em solicitar colaboração? O que não pode é saber da ocorrência de um crime e nada fazer para elucida-lo no menor tempo possível. Para os "reclamantes" não há interesse em solucionar crimes o que pretendem é dificultar, procrastinar, tumultuar... Em suma defendem bandido! A sociedade não tolera mais esse comportamento!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 4 horas

    Em resumo, o prezado articulista quer dizer o seguinte: mantenham o status quo, a lava-jato é um mal para o combate a corrupção e a roubalheira. Invasão de privacidade feita por um pseudo jornalista militante de esquerda à serviço do PT não é “jornalismo, né Renan? Engraçado o pedido da REDE, porque o temor de que se investigue o tal de jornalista ladão de informações. Afinal, o que foi feito não é crime? O apanágio, de “quem não deve não teme “, neste caso não é verdadeiro?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]