i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Ricardo Amorim

Foto de perfil de Ricardo Amorim
Ver perfil
Vozes

O pânico do coronavírus, o risco da próxima recessão global e seus investimentos

  • Ricardo AmorimPor Ricardo Amorim
  • 12/03/2020 16:45
O pânico do coronavírus, o risco da próxima recessão global e seus investimentos
| Foto: Kazuhiro Nogi/AFP

Nas últimas semanas, o pânico tomou conta dos mercados financeiros. Bolsas, o preço das commodities e o valor da moeda de países com economias menos sólidas despencaram em todo o mundo. Na segunda-feira (9), o preço do petróleo teve sua maior queda em várias décadas e a Bolsa brasileira a maior queda em 22 anos.

O pânico dos mercados financeiros origina-se de outro pânico, o pânico do coronavírus, e seus impactos negativos na economia mundial e como em economia tudo está conectado, exacerba estes impactos negativos.

A alta letalidade do coronavírus em pacientes de mais idade e saúde fragilizada e sua facilidade de transmissão disseminaram o medo, apesar da letalidade ser relativamente baixa em crianças e adultos.

A necessidade de conter a transmissão e o medo, por sua vez, levaram a decisões tanto individuais quanto de governos que paralisaram a economia. Em cada vez mais países, pessoas evitam sair à rua, ir ao trabalho e viajar, escolas estão fechadas e centenas de milhões de pessoas estão em regiões em quarentena.

Os impactos negativos na economia mundial começaram pela China, onde o surto se originou. A China responde, hoje, por quase 1/3 da indústria mundial. Sua paralisação afeta a indústria de todo o mundo, que depende de componentes produzidos por lá. Só para citar um exemplo, já há estimativas de atraso de até um ano e meio na implementação do 5G em alguns países por conta da paralisação de produção causada pelo coronavírus.

Depois, o vírus se disseminou pela Itália. Em pleno inverno - com clima frio - população envelhecida - e, portanto, mais vulnerável - e fronteiras abertas para a União Europeia, da Itália, o surto se disseminou pela Europa e para o resto do mundo, inclusive para o Brasil. Segundo alguns, o coronavírus é como o macarrão. Nasceu na China, mas os italianos o espalharam pelo mundo.

A paralisação da atividade econômica causada pela reação ao vírus, por sua vez, derrubou a demanda de petróleo no mundo. Para controlar a queda de preços, a OPEP - Organização dos Países Exportadores de Petróleo - liderada pela Arábia Saudita, tentou convencer, sem sucesso, a Rússia - também uma das maiores produtoras de petróleo do mundo, mas que não faz parte da OPEP - a também cortar a produção do produto. A Rússia não topou e a Arábia Saudita, maior produtor mundial, resolveu, então, deixar o preço despencar, reduzindo recursos não só para a economia russa, mas também para outros países exportadores de petróleo já em situação frágil, como Venezuela e Irã. Com menos recursos financeiros vindos das vendas do petróleo, a economia destes países vai piorar e a insatisfação popular com seus governantes e, possivelmente, as manifestações contra eles vão aumentar. Como eles reagirão? Ninguém sabe, mas não custa lembrar, por exemplo, dos conflitos recentes entre Irã e EUA.

Este é apenas um exemplo de como a piora do panorama econômico descortina conflitos adormecidos pela bonança gerada pelo mais longo ciclo de expansão econômica global, ao menos desde a Segunda Guerra Mundial. Com a brutal destruição de riqueza que está acontecendo, os conflitos eclodem, muitas vezes aumentando os impactos econômicos negativos na economia, em um círculo vicioso tanto a nível global quanto em cada país. No campo da política, por exemplo, governos de todo o mundo se beneficiaram politicamente da bonança global - muitas vezes de forma indevida. Da mesma forma, a oposição aos atuais governos vai se beneficiar agora de críticas e insatisfação popular com os atuais governantes, culpando-os - muitas vezes também de forma indevida - caso uma recessão global efetivamente se materialize. Este impacto pode ser particularmente significativo em países que passarão por eleições, principalmente eleições presidenciais, como os EUA.

Ninguém sabe ao certo como o surto evoluirá, quais serão as reações da população e de governos a ele e a magnitude total que estas reações terão na economia mundial, mas há tempos o risco de uma nova recessão global não é tão claro e iminente. Quando outras recessões assim aconteceram no passado, as quedas acumuladas da Bolsa dos EUA, por exemplo, em relação a suas máximas variaram de 20% - próxima do que já aconteceu - a 55%. Em resumo, na melhor das hipóteses, o pânico dos mercados financeiros - Bolsas, moedas, etc... - e suas consequências negativas nas economias mundo afora já ficaram para trás. Na pior, não vimos ainda nem metade do stress pelo qual estes ativos passarão, talvez até bem menos da metade.

Todo pânico gera enormes oportunidades de investimentos para aqueles que têm a coragem de ir na direção oposta da manada na hora certa - no momento em que o pânico atinge seu ápice. Pessoalmente, considerando todos os riscos envolvidos, acredito que esta hora ainda não chegou, mas é importante estar preparado para aproveitar as oportunidades que surgirão, em breve, e serão substanciais.

Enquanto isso, o que resta, infelizmente, é estar pronto para lidar com as consequência negativas da piora da economia global para os negócios das empresas e o mercado de trabalho nos próximos meses.

Esta coluna é mensal.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    luca lucas

    ± 0 minutos

    Uma ótima materia!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Plínio

    ± 17 dias

    Realmente quem tiver estômago e equilíbrio para gerenciar seus ativos nesta crise vai se dar bem ao final. A China, de praxe, será o país que mais vai surfar ao final. Tudo que não possuem ou produzem estão com os preços em queda; petróleo, commodities, minérios, proteína animal e etc. Teremos esta mesma oportunidade se nosso "amado" Congresso for célere em fazer as reformas necessárias. Pena que não amam o país, mas seus propósitos apenas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    BS.

    ± 17 dias

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    EDUARDO SABEDOTTI BREDA

    ± 17 dias

    A análise é coerente. Neste momento, é preciso estômago forte para ver os investimentos perdendo valor dia após dia de uma forma nunca vista. E ter paciência para aguardar o final do surto e a recuperação gradual da economia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rômulo Viel

    ± 17 dias

    Boa análise.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    joão José Augusto Mendes

    ± 17 dias

    Quem irá auferir o lucro dessa balburdia é a China, que já comprou na bacia das almas as ações de empresas estabelecidas em seu território, foi a primeira a entrar na crise e será a primeira a sair. Agora para nós parece que sumiu, zica, dengue e outros que tais, que devem matar mais que o coronavírus. Talvez até uma propagação do corona aqui seja benéfica, pois somos um pais com pessoas mais jovens e a grande maioria será imunizada pelo meio natural. Na minha época não havia vacina e fui imunizado naturalmente com tudo que existe, sarampo difteria,caxumba, rubéola, etc, só me livrei da paralisia infantil e, sobrevivi.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Neto

    ± 17 dias

    Faltou considerar que a crise está diminuindo na China e o mesmo acontecerá nos outros países, depois de um pico de óbitos. Portanto é uma crise de curta ou média duração, como as outras de passado recente. Não é o fim do mundo. Parece faltar líderes com equilíbrio, coragem e fibra no mundo. Hoje tudo é crise e histeria.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • J

      J L

      ± 17 dias

      A diferença é a capacidade e recursos da China, algo que não se vê em muitos países onde o vírus já chegou ou ainda chegará. A vantagem agora é o aprendizado colhido que pode ser usados por estes países.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • O

      Oliveira

      ± 17 dias

      É verdade. Já estão aparecendo algumas notícias boas por aí. A ver.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]