i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roberto Indech

Foto de perfil de Roberto Indech
Ver perfil
Vozes

Como uma segunda onda da Covid-19 afetaria os investimentos?

  • Por Roberto Indech
  • 06/07/2020 21:04
Como uma segunda onda da Covid-19 afetaria os investimentos?
Como uma segunda onda da Covid-19 afetaria os investimentos?| Foto: Florian Plaucheur/AFP

Ao final desta segunda-feira, 06 de julho, o mercado brasileiro de ações fechou em forte alta de 2,24% e acumula alta superior a 4% em poucos dias no mês. Nas bolsas pelo mundo a mesma situação, com ânimo generalizado e apresentando altas consecutivas; algumas, inclusive, atingindo recordes de pontuação, como no caso da Nasdaq, bolsa onde são listadas empresas de tecnologia nos EUA. No entanto, o fator de grande preocupação de parte dos investidores considera que há um descolamento da realidade entre a euforia nos mercados e a situação econômica global.

Nos EUA, por exemplo, dezenas de companhias pediram recuperação judicial em meio ao desastre vivido na pandemia, além do percentual de desempregados, que permanece acima dos dois dígitos após ter ficado por meses em taxa próxima dos 4%. No Brasil, passamos por algo semelhante e os principais questionamentos que nos chegam têm relação à pandemia: qual e como será a recuperação econômica e se uma segunda onda afetaria os investimentos em geral.

Se começarmos pela preocupação na economia, ainda enxergo a retomada como uma interrogação. Se a volta será em forma de “U”, “V” ou até mesmo “W” só saberemos mais para frente, até porque, ao que tudo indica, em muitos lugares do mundo a primeira onda da Covid-19 nem acabou. Na Europa e até mesmo na China, voltamos a ver casos, o que traz preocupação, inclusive tornando novamente necessário o fechamento de parte dos estabelecimentos comerciais.

Por outro lado, um fato que chama a atenção é o aumento expressivo no número de casos do vírus, mas com a estabilidade nos óbitos. Acredita-se que isso se deve a alguns modelos de tratamento implementados ou até mesmo a uma redução na letalidade, segundo comentam especialistas. Enfim, nosso propósito aqui não é debater a doença em si, mas avaliar o impacto que ela pode trazer à cadeia produtiva e, por consequência, aos preços dos ativos.

Sendo assim, o que vemos até o presente momento é que mesmo diante de uma eventual segunda onda, os mercados estão “dando de ombros” e por algumas razões. Os principais bancos centrais do mundo, como dos EUA, de países da Europa, da Ásia e também aqui no Brasil, estão injetando uma quantidade de recursos nunca antes vista a fim de preservar as respectivas economias. Com este dinheiro disponível e com juros próximo de zero, os investidores estariam correndo para as bolsas de valores em busca de rentabilidade para seus investimentos.

Vamos, então, aos exemplos práticos, como o nosso. A B3 (Bolsa, Brasil, Balcão) tem reportado números crescentes de investidores pessoas físicas entrando no mercado de ações desde o início do ano, o que gera maior liquidez, ou seja, volume de negociação. Com a taxa Selic em 2,25% ao ano e perspectivas de novo corte na reunião do Copom em agosto, vemos também os fundos de investimento buscando acessar mais este veículo. Nos países desenvolvidos, ocorre a mesma coisa. Para os que desconhecem, a taxa de juros nos EUA atualmente é de uma banda entre 0 e 0,25% ao ano. Um ano atrás esse número era de 2,5%. Já na Europa, algumas taxas são negativas.

Dessa forma, vemos que a discussão aqui não está pautada em questões como: "está caro investir no mercado de ações?" ou "estamos em meio a uma bolha?". Fica evidente que não há saída em termos de aplicações financeiras. Obviamente há alternativas como empreender, investir na economia real. Mas em um momento cheio de incertezas, parece-me claro para onde o dinheiro está se deslocando, independentemente do momento e da gravidade do cenário de saúde e da economia global. Portanto, entre investir na expectativa, na realidade ou olhando o custo de oportunidade do momento, os investidores estão ficando com a terceira opção.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    TCG

    ± 0 minutos

    Se for pelo custo de oportunidade, ele pode estar caro neste momento.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]