Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Diretor da Sesa Nestor Werner Junior
Diretor da Sesa Nestor Werner Junior| Foto: Gilson Abreu/AEN

O diretor-geral da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Nestor Werner Junior, afirmou, na manhã desta terça-feira (5) que a pasta não trabalha com a possibilidade de adoção de passaporte sanitário no Paraná – regulamentação que restringiria acesso a determinados locais apenas a pessoas vacinadas contra a Covid-19. O diretor da Sesa respondeu sobre o passaporte da vacina em audiência pública de prestação de contas da secretaria na Assembleia Legislativa do Paraná.

Receba no celular um boletim diário com notícias do Paraná

“Em relação ao passaporte sanitário, é uma discussão que a secretaria enfrenta com naturalidade, com muita tranquilidade do ponto de vista da política pública de saúde. A secretaria, até agora, não fez nenhuma manifestação a favor ou contra a incorporação do passaporte sanitário. Temos alguns outros lugares discutindo a legislação um pouco mais contundentemente. Mas a Secretaria de Saúde não recomendou, em nenhum momento, a adoção de passaporte sanitário como condição obrigatória a acesso a qualquer determinada situação. Estamos trabalhando com o convencimento das pessoas à vacinação”, afirmou.

Na última semana, os deputados Ademar Traiano (PSDB), Luiz Claudio Romanelli (PSB) e Alexandre Curi (PSB) retiraram projeto que tinham proposto para a implementação do passaporte no estado por reconhecerem vício de iniciativa, a partir do entendimento de que é uma prerrogativa do Poder Executivo regulamentar a questão. Autor de outro projeto com conteúdo idêntico, Arilson Chiorato (PT) manteve sua proposição, que segue tramitando na Casa.

Destacando que o Paraná conseguiu adesão de 97,46% da população adulta à primeira dose da vacinação e já completou a imunização (com segunda dose ou dose única) de 63% das pessoas acima de 18 anos, o diretor Nestor Werner Junior afirmou que uma lei ou decreto restritivo seria inócuo. “Em um universo em que 97% das pessoas vacináveis estão vacinadas, essa discussão, no âmbito do Paraná, acaba até perdendo o objeto”, disse, comemorando os índices de vacinação do estado. “Tínhamos expectativa de uma adesão menor, uns 7% a 8% [que não seriam vacinados por opção própria]. Esse índice de 97% é inédito e muito importante para a imunização coletiva. Sabemos que a vacina não é 100% eficaz, não garante que a pessoa não vai se contaminar, e é por isso que precisamos de toda a população vacinada, para reduzir drasticamente a transmissão”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]