Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
TJ-PR
Tribunal de Justiça do Paraná. manteve o entendimento de que é necessário lei federal para regulamentar homeschooling.| Foto: Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) declarou inconstitucional, por unanimidade de votos, a lei estadual 20739/2021, que regulamentou o homeschooling no Paraná. Todos os desembargadores do colegiado acompanharam o voto do relator da ação, desembargador Rogério Kanayama, que viu inconstitucionalidade formal na lei por “usurpação da competência legislativa privativa da União”.

Receba as principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

Os desembargadores seguiram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considera que o ensino domiciliar não é incompatível com a Constituição Federal, mas precisa ser regulamentado por lei federal, aprovada pelo Congresso Nacional, uma vez que a legislação sobre diretrizes e bases da educação é de competência exclusiva da União.

“Temos aqui premissas já estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal e já julgadas, também, por esse Órgão Especial (em ação que considerou inconstitucional a lei municipal de Cascavel): a compatibilidade do homeschooling com a Constituição Federal; a ausência de sua autoaplicabilidade, dependendo de deliberação e regulamentação por lei federal através do Congresso Nacional; e a competência privativa da União para legislar sobre diretrizes e bases da educação nacional”, comentou o relator, em seu voto. “A lei das diretrizes e bases da educação nacional elegeu a educação formal, por meio de estabelecimento oficial de ensino, com obrigatoriedade de matrícula e frequência da criança em instituição de ensino. A criação de uma nova modalidade de ensino não prevista pela legislação federal é usurpação da competência legislativa privativa da União. Não vejo, então, como fugir da declaração de inconstitucionalidade formal da lei impugnada”, votou, sendo acompanhado por todos os colegas de colegiado.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi movida pelos deputados de oposição da Assembleia Legislativa do Paraná e a Federação Interestadual de Trabalhadores na Educação. Em sua sustentação oral, a advogada que representou a bancada autora da ação, Ligia Ziggiotti, afirmou que “declarar a lei inconstitucional é firmar um posicionamento contra o autoritarismo”. Ela sustentou que “aceitar a educação domiciliar como legislação estadual é, além de uma aberração em termos de competência legislativa, desproteger a criança e o adolescente do Paraná, porque passam de sujeitos de direito, destinatários de uma rede firme de agentes comprometidos com sua formação, para objetos que só recebem vontades, convicções e visões de mundo de sua própria família, ficando, dessa existência, excluídos os demais agentes, como escola, comunidade científica, ministério público, conselho tutelar, amigos e colegas, pluralidade de vozes, de cenários, de imagens, de práticas e de saberes”.

O advogado da Assembleia Legislativa, Luiz Fernando Feltran, e o procurador do Estado Julio da Costa Rostirola Aveiro defenderam a constitucionalidade da lei aprovada pela Assembleia e sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) com base na tese da competência concorrente. “O artigo 12 da Constituição do Estado dá ao estado a competência para legislar sobre os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência. O processo legislativo foi um ato jurídico perfeito, lícito e correto, como deve ser na democracia representativa”, afirmou Feltran. “A premissa do STF estabelece que o homeschooling não é incompatível com a Constituição Federal. Reclama-se, para seu desempenho, uma regulamentação por lei. Não havendo lei federal que a regulamente, há sim a competência concorrente e o estado pode legislar sobre o tema. As normas gerais são de competência da União, a lei estadual se insere nestas normas gerais. Pela ausência de lei federal, o Paraná tem competência legislativa plena”, sustentou Aveiro, sem conseguir convencer os desembargadores.

O julgamento foi feito pelo “rito abreviado” do Órgão Especial e a decisão já é de mérito, devendo os efeitos da lei estadual do homeschooling ficarem nulos a partir da publicação do acórdão da decisão. O Governo do Estado e a Assembleia Legislativa ainda podem recorrer às instâncias superiores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]