i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Thiago de Aragão

Foto de perfil de Thiago de Aragão
Ver perfil
Vozes

2020: um ano legislativo curto e decisivo

  • PorThiago de Aragão
  • 20/12/2019 19:06
PEC Paralela da Previdência, que inclui estados e municípios, passou em dois turnos no plenário do Senado Federal.
| Foto: Ana Volpe/Senado Federal

Ao longo de 2019, as grandes vitórias do governo vieram via Congresso. O papel desempenhado pelos parlamentares -- por meio de uma ponte direta entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia -- garantiu que importantes conquistas estruturais fossem alcançadas.
Naturalmente, em um ambiente excessivamente polarizado e, ao mesmo tempo, superficial, houve um debate intenso sobre quem teria realmente feito o papel crítico para a aprovação da Reforma da Previdência, da MP da Liberdade Econômica, do Novo Marco Regulatório de Telecom etc.

Para quem observa de longe (investidores, empresários e parte da sociedade), essas vitórias representam pontos extremamente positivos para o ambiente de crescimento no Brasil. Pouco importa quem foi o grande responsável por trás delas. Já para eleitores que se apegaram à polarização, a disputa de paternidade serve para fortalecer ou desacreditar o governo.

Mesmo com ganhos importantes, a presidência ainda conseguiu ser alvo de críticas e controvérsias. As disputas internas no partido, a tentativa de nomear Eduardo Bolsonaro para a embaixada em Washington entre outras, deram munição aos seus detratores para atacá-lo continuamente em 2019.

O que vem adiante

Uma agenda ambiciosa está sendo montada para 2020, tanto por parte de Paulo Guedes, quanto pelo lado de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, além de outras lideranças parlamentares. Na agenda das reformas, temos o Senado como protagonista, uma vez que vários projetos de mudanças se encontram em jogo na casa. A PEC da Emergência Fiscal (PEC 186/19) foca na regra de ouro e regula a utilização de operações de crédito para gastos correntes. O Plano Mais Brasil (PEC 187/19) tem como objetivo encerrar os fundos públicos e desvincular seus recursos. O Pacto Federativo (PEC 188/19) deverá chamar muita atenção e gerar intensos debates no Senado, onde a capacidade de articulação do governo será posta à prova. Entre outros pontos, o Pacto Federativo instituirá para municípios condições similares de restrições orçamentárias que se encontram na PEC da Emergência Fiscal.

Acima de tudo isso, o governo tenta manter acesa a chama da Reforma Tributária para o próximo ano, apesar de 2021 também se apresentar como um período viável para essa aprovação. Levando em consideração que teremos um ano eleitoral, a atividade parlamentar pode ficar restrita a 120 dias, o que dificulta enormemente a capacidade de articulação de um governo que não demonstrou ainda poderio nessa área.

O Senado, local de onde grande parte dessa decisões sairá, representa um trunfo e uma dificuldade para o presidente Bolsonaro. Se, por um lado, o nível do debate e do preparo dos senadores em relação aos deputados é muito maior, por outro, as exigências de senadores para optarem por um certo posicionamento, é bastante presente. Em ano eleitoral, isso se amplia. Durante o processo de articulação para aprovar o nome de Eduardo Bolsonaro para embaixador, o governo não conseguiu ter a confiança de que atingiria o número necessário. O Senado, por sua vez, conseguiu ganhar influência e poder de decisão final na escolha de nomes para o Cade e para algumas agências reguladoras, assim como continuou apontando nomes para cargos técnicos que historicamente são feitos pela Casa.

Na Câmara, o impacto das eleições municipais são ainda maiores. Muitos deputados (senão todos!) necessitam eleger prefeitos alinhados em suas bases eleitorais para que suas eleições sejam mais viáveis em 2022. O (ex) partido do Presidente, PSL, não conseguiu um cessar-fogo duradouro e confiante em sua Guerra Civil. Já o “Aliança Brasil” ainda não se oficializou para atuar como uma força legítima - e não uma facção - dentro da Câmara. Em paralelo às aproximações e alianças necessárias para as eleições municipais, deverá haver intenso debate nas duas casas com vistas às eleições para presidentes da Câmara e do Senado no início de 2021.

Com um Congresso ainda mais autocêntrico em 2020, o governo precisará melhorar seu monitoramento e sua atuação entre os parlamentares para se tornar um influenciador direto, garantindo o controle do leme no avanço pelo mar da agenda de reformas.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Marcos Gonçalo dos Santos

    ± 0 minutos

    Os de****dos que se cuidem e vote a favor das reformas senão, serão removidos dos seus mandatos. Bobão!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Rodrigo Buss Back

      ± 18 horas

      Artigo excelente

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • B

        Baulé

        ± 23 horas

        no Brasil não existe independência e muito menos harmonia entre os poderes, executivo legisla, assim como o judiciário, o Legislativo só pensa em executar e interferir, uma bagunça bem fiel à nossa caricatura.....sœ por Deus ainda não descambamos em guerra civil.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.