i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Tubo de Ensaio

Foto de perfil de Tubo de Ensaio
Ver perfil

Ciência, religião e as pontes que se pode construir entre elas

“Sua química está correta, mas sua metafísica é abominável”

  • Marcio Antonio CamposPor Marcio Antonio Campos
  • 22/07/2019 15:34
Águas termais no parque Yellowstone
Águas termais em Yellowstone: acredita-se que a vida na Terra começou com uma “sopa” de água e elementos químicos básicos.| Foto: Karen Bleier/AFP/Getty Images

Retornando de uma semana extremamente produtiva no Reino Unido, onde participei de um congresso de ciência e religião promovido pela Universidade de Birmingham, encontro uma notícia fascinante vinda de lá. Pesquisadores do University College London publicaram na Nature os resultados de uma pesquisa que chega mais perto de compreender como surgiu a vida na Terra. Em vez de tentar formar peptídeos – cadeias de aminoácidos, essenciais para a formação de proteínas – a partir de água e aminoácidos, o que vinha sendo feito sem resultados, a equipe da UCL usou água e aminonitrilas, precursores dos aminoácidos. E deu certo. Não se trata, claro, de conseguir criar vida em laboratório – os próprios pesquisadores deixam claro que estão muito longe disso –, mas de entender os processos que permitiram o salto da matéria inorgânica para a orgânica.

Claro, existem jeitos e jeitos de trazer essa notícia para o público. Existe, por exemplo, a abordagem corretíssima do site Science Daily, que explica a pesquisa de forma que o leitor comum possa entender, usando o material fornecido pelos próprios pesquisadores, com o link para o artigo da Nature, enfim, limitando-se a contar o que foi descoberto e o que isso significa para a ciência. E existe o desastre do El País, que me fez parafrasear no título a famosa afirmação de Albert Einstein a Georges Lemaître: o repórter, antes mesmo de explicar no que consiste a pesquisa britânica, já enfia péssima metafísica goela abaixo do leitor. Começa citando uma série de versões de livros sagrados sobre o surgimento da vida, e em seguida traz um bioquímico de uma universidade espanhola afirmando que os resultados obtidos no University College London nos aproximam da “prova definitiva de que a vida emerge da química e que não é preciso recorrer a nenhuma força sobrenatural”.

Leia também: E se a vida não foi criada diretamente por Deus? (16 de agosto de 2018)

Reportando dessa maneira uma pesquisa tão inovadora, fica parecendo que a construção do conhecimento científico sobre as origens da vida na Terra é um aspecto secundário, é menos importante, não passaria de um instrumento para a verdadeira obsessão, para o que realmente importa, que é demonstrar a inexistência de um criador. Não uso “obsessão” à toa; no dia seguinte ao da reportagem sobre a pesquisa da UCL, o El País publica texto do mesmo repórter, desta vez uma entrevista com um Nobel de Química, Roger Kornberg, que simboliza exatamente aquilo que os ingleses chamam de “nothingbuttery”, uma supersimplificação da experiência humana, reduzida a “não mais do que (insira aqui o termo de sua preferência)”. Kornberg diz que “a vida é química, nada mais e nada menos”, que o cérebro não passa de “uma coleção de fios e interruptores”, e que as pessoas resistem a essa ideia porque “querem associar às suas próprias experiências algum significado especial, como a religião”.

E por que tudo isso, além de um tremendo non sequitur – “se a vida surgiu graças a processos naturais, não existem forças sobrenaturais ou um criador” –, é péssima metafísica? Porque é o tipo de raciocínio que insiste em ver a divindade ou a ação divina apenas naquilo que a ciência atual não consegue explicar, o persistente “Deus das lacunas”. O cientificismo ateu depende desse tipo de deus para continuar fazendo sua propaganda, porque só esse tipo de deus “recua” ou se torna “irrelevante” à medida que o conhecimento científico avança. Pessoas como o repórter do El País ou o químico Kornberg não conseguem (ou não querem) sair desse esquema mental primitivo e fazer considerações mais elaboradas sobre em que consiste a ação divina no mundo, sobre como funciona a Providência, sobre como Deus está por trás das leis da natureza, leis essas que tornam possível algo acontecer “por conta própria”, seja o Big Bang, seja o surgimento da vida, seja a evolução das espécies. Essa “religião” que “recua à medida que a ciência avança” é apenas uma caricatura desenhada por quem não passou do mais básico do básico quando se trata de pensar fora da bolha criada pelos próprios preconceitos.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • B

    BEATRIZ DA CUNHA PORTES

    ± 162 dias

    Excelente artigo. Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Maria Lúcia Maranhão Bezerra

      ± 162 dias

      Ótimo seu artigo. Olhe, por favor, se não estão trocadas as palavras orgânica/inorgânica no fim do primeiro parágrafo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • V

        Valdemar Katayama Kjaer

        ± 162 dias

        Deixei de ser ateu justamente pela ciência. Não porque a ciência tenha me trazido fatos a respeito da existência de Deus, mas, sim, de ter me revelado a tremenda ordem que existe em meio ao aparente caos. Inúmeras variáveis e elementos em perfeito equilíbrio estrutural e matemático. Parece realmente haver uma Inteligência por trás de tudo. Além disso, os fatos apontam que houve um início e haverá um fim para o universo. Isso só faz sentido se houver uma origem que escapa à finitude. Um absoluto, uma fonte maior que o próprio cosmos. Enfim, não consegui mais ter fé suficiente para permanecer ateu.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Danyel Soboll

          ± 165 dias

          Certo sim limitar-se a divulgar o que foi descoberto! Ir além, na área da bioquímica (tratando da vida) é parecido com ir além, na área da física quântica: sai muita coisa engraçada (e triste).

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.