Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Capa do livro "High Output Management", de Andrew S. Grove
Capa do livro “High Output Management”, de Andrew S. Grove| Foto: Reprodução

O livro "High Output Management", de Andrew S. Grove, ex-CEO da Intel, é um dos melhores livros de negócios de todos os tempos. Os conceitos apresentados nele influenciaram a atuação de empresários e investidores como Ben Horowitz, Mark Zuckerberg, John Doerr, Marc Andreessen e diversos outros executivos.

Separei, então, 5 lições muito valiosas encontradas no livro:

1) Tudo é um processo

Tudo pode ser representado como um processo, seja escrever código, fazer vendas ou contratar pessoas. Compreender os fatores de produção – entradas, saídas, prazos, estágios limitantes, controles de qualidade e variabilidade – nos permite projetar e aprimorar as engrenagens necessárias para atingir os objetivos de nossa organização.

2) Foque em medir o essencial

Concentre-se em métricas quantificáveis. As operações de uma empresa são semelhantes a uma "caixa preta", na qual você não pode observar tudo o que ocorre diariamente. Essas métricas quantificáveis permitem que você obtenha informações sobre o resultado futuro da organização. Treine sua equipe para se concentrar em um número limitado de métricas objetivas, com indicações de liderança e tendências, que podem ser examinadas diariamente e contribuir para a transformação positiva de uma empresa.

3) Reuniões podem ser uma armadilha e devem ser tratadas como uma forma de trabalho

O tempo dos funcionários é extremamente valioso. Todas as reuniões devem ser propositais e bem executadas. Os gerentes desempenham um papel crítico em manter reuniões nos trilhos. O presidente da reunião deve estar bem preparado e garantir que as pessoas vitais para chegar a uma decisão participem e também estejam preparadas. As reuniões são um meio de trabalho, tanto poucas quanto muitas reuniões geram desperdício.

4) Quando um funcionário se demite, o chefe é o culpado

Isso não inclui aqueles que saem por ganhos financeiros ou privilégios, mas quando alguém é comprometido e leal e acredita que seu trabalho é desvalorizado, a culpa dessa saída pode ser atribuída ao seu gerente. Os funcionários frequentemente mencionam a possibilidade de pedir demissão durante um momento inconveniente. Independentemente disso, a primeira responsabilidade de um gerente deve ser garantir que o funcionário se sinta ouvido e apreciado, abordar suas preocupações e retê-lo ou transferi-lo para outra equipe dentro da organização que atenda melhor às suas necessidades.

5) O Papel do Gerente

Um gerente deve ser como um coach, como um treinador, o técnico de um time. Os melhores técnicos não levam crédito pessoal pela conquista de seu time, o que aumenta a confiança de seus jogadores. Os melhores técnicos também são muito exigentes. Por ser exigente, ele sempre busca obter o melhor desempenho possível dos membros de sua equipe. Por fim, um bom técnico quase certamente foi um bom jogador em um ponto de sua carreira. Ele provavelmente já passou pelo que o seu time está passando.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]