Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O artigo ´Por que falar de liderança feminina?´é a estreia de Isa Quartarolli no GazzConecta.
O artigo ´Por que falar de liderança feminina?´é a estreia de Isa Quartarolli no GazzConecta.| Foto: Pexels.

Respeitável público, antes de expressar a minha opinião por meio das palavras neste veículo de comunicação, deixa eu me apresentar.

Muito prazer, sou a Isa Quartarolli, empreendedora com alma revolucionária, comunicadora, aspirante a escritora, especialista em ter ideias e uma questionadora com mente inquieta. O meu  propósito é dar voz para as mulheres, para que elas se apropriem do seu poder e se tornem protagonistas das suas histórias.

Iniciei a defesa da pauta feminina, efetivamente, há cinco anos. Antes disso, participava de grupos e encontros de mulheres, mas ainda era tudo muito confuso pra mim, não tinha consciência da relevância do tema e como isso impactava na minha vida.

A minha desconstrução e percepção sobre o machismo estrutural que vivemos e a real importância do feminismo para a sociedade, começou no final de 2016, no qual nomeei: meu grande Day One! No auge dos meus quase 30 anos, a tal da fake news da #IdadeDoSucesso, finalmente, despertei, e deixei de ser uma mera espectadora da vida para assumir o protagonismo da minha história!

Foi uma longa e bonita jornada com erros e acertos até aqui e, hoje, 8 de março de 2021 (Dia da Mulher), estreio com orgulho a minha coluna no maior veículo de comunicação do Paraná. Como comunicadora, o meu papel é usar esse espaço para: Colocar a boca no trombone! Quero trazer minha opinião e perspectivas sobre liderança feminina na Nova Economia e demais temas do universo feminino.

Mas além disso, também estou aqui para representar um coletivo de mulheres, que por anos tiveram as suas vozes silenciadas, foram e são julgadas e criticadas pela sociedade machista. São assediadas, muitas vivem ou já tiveram um relacionamento abusivo, são classificadas pelo seu gênero, cor, corpo, escutam que são incapazes intelectualmente por serem mulheres. A sociedade deu o adjetivo "guerreiras" à sobrecarga de trabalho, serviços domésticos, cuidados com a casa e família. As mulheres ganham menos que homens ocupando os mesmos cargos, também representam a minoria em cargos de liderança e ainda escutam que precisam ser: "belas, recatadas e do lar…".

 Isa Quartarolli é empreendedora e fundadora da Women Leadership, plataforma que buscar fomentar o protagonismo feminino através da liderança. Foto: divulgação.
Isa Quartarolli é empreendedora e fundadora da Women Leadership, plataforma que buscar fomentar o protagonismo feminino através da liderança. Foto: divulgação.

E por que falar de liderança feminina na Nova Economia é tão importante? 

Infelizmente, nós, mulheres, ainda somos minorias em cargos de liderança nas empresas e essa desigualdade de gênero cria vários obstáculos no mercado de trabalho. E isso também tem impacto na inovação do futuro do trabalho da Nova Economia. É um fato estatístico.

Vamos aos números.

  • Apenas 34% dos cargos corporativos de liderança são ocupados por mulheres. A fonte é o International Business Report da Grant Thornton.
  • Das mais de 10 mil startups cadastradas na ABStartups (Associação Brasileira de Startups), apenas 15% têm participação feminina no corpo de fundadores.
  • 3% dos cargos de presidência das 250 maiores empresas brasileiras são ocupados por mulheres, ou seja, 97% são homens.  A fonte é o Relatório Bain & Company + Linkedin.
  • Mulheres ganham 23% a menos do que os homens ocupando o mesmo cargo, segundo o Catho.

Pois é. Apesar do longo caminho e com muitos desafios, o cenário para as mulheres no mercado de trabalho vinha mudando, até que com a pandemia do coronavírus, do dia para noite, o mundo parou e tudo mudou.

A Covid-19 trouxe muitas pautas ainda pertinentes no universo feminino. Pela primeira vez família, educação e trabalho convivem de forma simultâneas e no mesmo lugar: dentro de casa. Ao mesmo tempo, você percebeu que a liderança feminina no combate a Covid-19 ganhou destaque nas manchetes do mundo inteiro? E isso pela ótima gestão que as líderes mundiais, mulheres, estão fazendo nos seus países?

Investir na liderança feminina está longe de ser uma ação protocolar, com o intuito de apenas equiparar estatísticas. Mulheres na liderança contribuem para revolucionar a gestão da empresa, trazendo impactos reais nos negócios com muita inovação, engajamento e representatividade.

O propósito de fomentar o protagonismo feminino através da liderança é de extrema importância para incentivar as próximas gerações de líderes. Porque a luta pela equidade de gênero e representatividade feminina, em cargos de liderança dentro de empresas e startups, tem que existir em tempos sem coronavírus, com coronavírus e pós-coronavírus.   

É preciso trazer a importância da liderança feminina para a Nova Economia, na qual temos que pensar em inovação, tecnologia e transformação digital. Investir em diversidade e representatividade é tão importante quanto investir em tecnologia, porque se os dois não estiverem crescendo juntos, vamos continuar estagnados. Os negócios não serão sustentáveis.

Women Leadership

É por isso que criei a Women Leadership, que nasceu do desejo da minha alma revolucionária de querer pertencer para a mudança do mundo com o propósito de fomentar o protagonismo feminino através da liderança.

Neste Dia da Mulher, eu realmente desejo: igualdade de oportunidades, mais representatividade em cargos de lideranças, igualdade salarial, respeito, fim do assédio, que a masculinidade tóxica acabe, fim das agressões físicas e psicológicas e que homens e mulheres que ainda não compreenderam a importância dessa luta, que se abram para entender que é de todos nós.

E, do fundo do meu coração, quero dizer pra você, mulher, que está lendo esse texto, nunca desistir dos seus sonhos, por mais bobos que eles possam parecer. Eles são seus e só você sabe a importância que eles têm.

Quando era criança, a professora de português da quinta série disse que eu não sabia escrever. Essa fala se transformou em uma crença limitante, na qual por muitos anos acreditei que a minha escrita era horrível. Entrava em pânico quando precisava escrever. Agora, corta a cena para 2021. Hoje estou aqui realizando mais um sonho da minha vida, que era me tornar colunista de um veículo de comunicação importante. 

Por isso, acredite em você, no seu potencial, respeite os seus sentimentos, sua essência, aceite as suas vulnerabilidades, autoconheça, permita- se desconstruir e construir uma nova você todos os dias. Assuma o poder da sua força feminina e seja a líder da sua vida, escolhendo a história que você quer contar!

Vamos juntas?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]